Seat Leon (2013-2020) – Motorguia
Ligue-se connosco

Avaliações Usados

Seat Leon (2013-2020)

Published

on

Esta geração do Leon foi aquela que mais se aproximou do seu “primo” Golf. Partilhando a mesma plataforma e uma qualidade de construção “à alemã” este Leon marca pontos por ter um preço mais acessível e uma alma um pouco mais desportiva.



Bem equipado, este Leon oferece um interior com bons materiais e um nível de construção bem conseguido, o que garante um bom ambiente a bordo para os seus ocupantes. Face à geração anterior ele melhorou em termos de habitabilidade e também de ergonomia, com o condutor a dispor de várias regulações para ajustar a posição de condução ideal e com todos os comandos “à mão de semear”, o que facilita a sua concentração na estrada.

A bagageira com 380 litros de capacidade é generosa e o seu acesso é fácil. No interior, o conforto é bom, mas não é o ponto forte do Leon. Por um lado, a sua insonorização não é das melhores revelando aqui e ali alguns ruídos parasitas e por outro, a sua suspensão revela uma afinação algo firme, o que o prejudica em estradas mais degradadas ou no piso “armadilhado” da cidade. No entanto, essa firmeza também é a responsável por aquele “salero” típico do Leon, que se revela um modelo com um caracter mais desportivo e interativo com o condutor do que o “primo Golf”. Seja em auto-estrada ou numa estrada de serra ou montanha este Seat mostra ser um excelente companheiro de viagem com uma direção precisa e informativa e uma suspensão que controla bem os movimentos da carroçaria.

Motores

A gama de motores desta geração do Leon é vasta e começa nas propostas a gasolina com o 1.2 TSI com 105 cv, o 1.4 TSI com 125 e 150 cv e o 2.0 TSI que equipa a versão mais desportiva Cupra com 265 e 280 cv de potência. A família TDI preenche a oferta de motores a gasóleo com o 1.6 TDI nas suas versões de 90, 105 e 110 cv e ainda o 2.0 TDI com 150 e 184 cv de potência. Qualquer um destes motores se revela eficaz a dar uma boa desenvoltura ao Leon, sendo que as versões Diesel acrescentam a isso um baixo consumo médio.

Principais avarias e problemas

Este Leon padece dos conhecidos problemas da válvula EGR e da bomba de água dos motores TDI. Além disso nas motorizações a gasolina 1.2 e 1,4 TSI podem haver perdas de potência devido a problemas com o turbo.

A caixa de velocidades DSG pode vir a apresentar perdas de óleo ou alguns problemas de falha de funcionamento, ruídos e perdas de motricidade.

Foram registados casos de alguns modelos em que o ar condicionado deixou de funcionar devido a falha no motor do sistema, levando à substituição do mesmo.

Seat Leon (2013-2020)
6.6 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Ergonomia
Bagageira
Comportamento dinâmico
Contras
Conforto
Insonorização
Fiabilidade6
Custos de manutenção6.5
Desvalorização6.5
Qualidade dos materais6.5
Habitabilidade e bagageira7
Segurança6.5
Conforto6
Consumo combustível6.5
Comportamento dinâmico7.5
Performance7
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Avaliações Usados

Renault Zoe (2012-2019)

Published

on

O Renault Zoe foi um dos primeiro modelos totalmente elétricos e que de certa forma começou a “democratizar” o conceito no mercado automóvel pois surgiu com um preço acessível e uma autonomia que, mesmo algo limitada nos modelos iniciais, já fazia dele um modelo interessante, ultrapassando assim duas das principais barreiras para a compra dos primeiros modelos elétricos: o preço e a autonomia.



Com umas linhas fluídas, modernas, mas sóbrias e que, de certa forma, na altura em que foi lançado destoavam positivamente da estética algo “agressiva e estranha” dos modelos elétricos de então, o Zoe mostrou que um elétrico pode ser um modelo “igual” aos outros, no bom sentido.

O ambiente citadino é o habitat natural deste Renault e onde a sua facilidade de condução e conforto mais sobressaem. A disponibilidade rápida da potência necessária para lidar com o trânsito facilita a tarefa de conduzir, tornando-se até relaxante. Até 2017 o Zoe esteve equipado com uma bateria de 22 kWh o que lhe dava uma autonomia de apenas 210 quilómetros, no entanto já era algo razoável para os trajetos urbanos quando ele foi lançado. Depois de 2017 passou ser equipado com uma bateria de 41 kWh que praticamente duplicou a sua autonomia.

Dinamicamente o Zoe cumpre com o que se espera dele, ou seja, é suficientemente confortável em cidade e previsível numa estrada mais sinuosa, mas não se exija muito dele pois naturalmente não é uma “fonte de emoções”. O único pormenor menos positivo é a reação algo brusca dos travões à pressão no pedal que pede alguma habituação para que a condução seja um pouco mais suave e fluída.

No habitáculo encontramos alguns materiais que poderiam ser melhores e a sua posição de condução revela-se um pouco alta demais com o banco um pouco elevado devido ao posicionamento das baterias. A bagageira oferece 338 litros de capacidade, um bom volume para um citadino e o seu plano de carga é baixo, o que facilita o acesso.

Motores

O pequeno Zoe produzido até 2019 conta com os motores Q90 com 88 cv de potência e 210 km de autonomia, R90 com 88 cv e 317 km de autonomia e o R110 com 108 cv de potência e uma autonomia de 300 km. Entre estas propostas o R90 e o R110 surgem como mais apelativas devido à sua maior autonomia.

Principais avarias e problemas

Nos modelos equipados com o motor Q90 produzidos até julho de 2017 foram detetados problemas na mudança para “Go” ou para “Ready”, algo solucionado com uma reparação do motor. Já os motores R90 e R110 podem revelar algumas anomalias como dificuldades no arranque ou o acendimento de falsas luzes de alerta, situações que são resolvidas com uma reprogramação.

As luzes do airbag podem acender devido a uma falha na cablagem, o que leva à substituição da mesma. A climatização pode deixar de funcionar corretamente devido a problemas nas juntas que garantem a estanquicidade do circuito do habitáculo.

Renault Zoe (2012-2019)
6.1 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Preço
Autonomia
Facilidade de condução
Contras
Alguns materiais
Reação dos travões
Fiabilidade6
Custos de manutenção6
Desvalorização5.5
Qualidade dos materais5.5
Habitabilidade e bagageira6.5
Segurança6.5
Conforto6.5
Consumo combustível6.5
Comportamento dinâmico6
Performance6
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Citroën C4 (2020-…)

Published

on

Esta terceira geração do Citroën C4 continua a ser uma clara aposta da marca francesa no segmento familiar, mas assinala uma mudança na estética que neste modelo rompe com as duas anteriores gerações, tendo um ar ligeiramente mais SUV coupé do que propriamente de berlina de cinco portas como os seus antecessores.



Este C4 não deixa os créditos de conforto da Citroën por mão alheias e mostra-se um modelo muito confortável graças ao bom trabalho da sua suspensão que suprime muito bem as irregularidades de um piso mais degradado e assegura um bom comportamento quando a viagem é mais longa. Ao mesmo tempo, os ocupantes encontram um habitáculo espaçoso que até nem sai muito prejudicado pela linha do tejadilho mais baixa na zona dos bancos traseiros devido ao seu “SUV coupé”.

O interior tem um design moderno e tecnológico e só peca por alguns dos materiais utilizados não serem de melhor qualidade. Bem equipado de série, este C4 é um familiar compacto que surge no mercado com um preço competitivo face à concorrência e pode ser uma solução muito racional para várias famílias.

Em cidade a sua direção leve facilita as manobras do dia a dia, mas a visibilidade traseira já não ajuda muito pois revela-se algo reduzida. Se a estrada se mostra mais exigente e sinuosa, não se espere grande agilidade deste C4. A sua suspensão claramente afinada com o conforto como prioridade não assegura o controlo ideal dos movimentos da carroçaria e a sua direção leve e pouco informativa não dá a interação necessária para que o condutor sinta grandes emoções ao volante.

Motores

A gama de motores do C4 é composta pelo motor 1.2 PureTech a gasolina nas suas versões de 100, 130 e 155 cv de potência, pelo motor a gasóleo 1.5 BlueHDI com 110 e 130 cv e ainda pela versão elétrica ë-C4 equipada com um motor elétrico em duas versões de potência, 136 cv e 156 cv.

Principais avarias e problemas

Nalguns modelos produzidos até novembro de 2021 foram detetados problemas com o separador de óleo que causavam um consumo excessivo de óleo. Já o motor Diesel 1.5 BlueHDI pode ter problemas com a correia de distribuição que pode ganhar barulhos e é conveniente proceder à sua substituição.

No modelo elétrico ë-C4 pode dar-se o caso de ficar bloqueado na posição “P” devido a problemas com o atuador do bloqueio.

Nalguns modelos podem ocorrer infiltrações de água no para-brisas que só são resolvidas com a substituição do mesmo.

Citroën C4 (2020-...)
6.4 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Preço
Conforto
Habitabilidade
Contras
Alguns materiais
Visibilidade traseira
Fiabilidade6
Custos de manutenção6.5
Desvalorização5.5
Qualidade dos materais6
Habitabilidade e bagageira6.5
Segurança6.5
Conforto7.5
Consumo combustível6.5
Comportamento dinâmico6
Performance6.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler
Publicidade

Publicidade

Newsletter

Ultimas do Fórum

Em aceleração