Citroën C-Crosser (2007-2013) – Motorguia
Ligue-se connosco

Avaliações Usados

Citroën C-Crosser (2007-2013)

Published

on

O Citroën C-Crosser foi uma das primeiras incursões na “nova vaga” SUV por parte da marca francesa e fez isso em parceria com a sua “irmã” Peugeot e a Mitsubishi, o que deu origem a três modelos equivalentes, o C-Crosser, o 4007 e a segunda geração do Outlander, respetivamente.



Com uma boa habitabilidade, o C-Crosser não esconde totalmente a estética da sua base e, se excluirmos o símbolo no volante, estamos perante um Mitsubishi Outlander. Solidamente montado, mas com uns plásticos que deixam algo a desejar.

Para este tipo de modelo seria ideal uma maior modularidade nas soluções do interior já que se mostra um modelo muito versátil, sendo fácil de conduzir em cidade ao mesmo tempo que permite uma ou outra incursão numa estrada de terra, este gaulês com sotaque nipónico ainda demonstra uma boa solidez e postura nas viagens mais longas.

A sua suspensão deixa passar algumas vibrações para o interior pois a sua afinação revela alguma dureza, algo que acaba por favorecer este C-Crosser quando a estrada se torna mais desafiante. Dinamicamente ele mostra-se sólido e eficaz tirando também partido de uma direção precisa.

O seu sucesso de vendas não foi grande muito por culpa do seu “familiar” Outlander que estava no mercado com um preço mais convidativo, tendo ao mesmo tempo uma imagem de marca mais associada ao fora de estrada do que a Citroën.

Motores
O Citroën C-Crosser conta apenas com uma motorização, o Diesel 2.2 HDI com 160 cv de potência que se revela uma boa unidade em termos de prestações dando a este SUV uma aceleração dos 0 aos 100 km/h em menos de 10 segundos (9,9s). Segundo a marca os consumos ficam-se em torno dos 7.0 l/100 km em média, mas será fácil subir essa média pois este HDI ainda terá algum trabalho para dar boa resposta aos 1747 kg do C-Crosser.

Principais avarias e problemas
O sistema de injeção pode obrigar a uma ida à assistência para ser reprogramado de forma a corrigir algumas falhas de funcionamento. Foram ainda registados alguns problemas com a válvula EGR.

Os vidros traseiros podem sair da calha e ficar no interior da porta. Nos modelos produzidos entre abril de 2007 e maio de 2008 o contacto nos travões que faz acionar as luzes de stop pode não funcionar corretamente, obrigando à sua substituição.

Citroën C-Crosser (2007-2013)
6.3 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Versatilidade
Habitabilidade
Comportamento dinâmico
Contras
Conforto
Modularidade
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção6.5
Desvalorização5.5
Qualidade dos materais6
Habitabilidade e bagageira6.5
Segurança6.5
Conforto6
Consumo combustível6.5
Comportamento dinâmico6.5
Performance6.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Avaliações Usados

BMW X3 (2017-…)

Published

on

Esta terceira geração do BMW X3 marca a diferença face aos anteriores por se tratar de um modelo mais equipado tecnologicamente, mais espaçoso e com um maior requinte no seu interior.



Mais refinado e cuidado em termos de materiais, o habitáculo deste X3 apresenta um desenho mais moderno e envolvente ao mesmo tempo que melhorou a habitabilidade para os ocupantes dos bancos traseiros.

Estreando uma nova plataforma, este X3 revela-se muito eficaz dinamicamente considerando as suas dimensões e o facto de se tratar de um SUV, chegando até a revelar-se divertido de conduzir graças a uma direção direta e informativa. A suspensão exibe um bom trabalho a controlar os movimentos da carroçaria graças a uma afinação algo firme, o que depois prejudica um pouco o conforto do X3 quando o piso se revela mais irregular e degradado.

Nas versões Diesel o ruído do motor faz-se sentir um pouco no interior, o que mancha ligeiramente o bom ambiente que de forma geral se faz sentir a bordo. Tratando-se de um SUV com um claro gene premium os seus custos de manutenção não são dos mais simpáticos.

Motores
A oferta de motores começa com o 1.6 a gasolina com 170 cv, o o 2.0 com 184 e 252 cv, o 3.0 do M40 com 360 cv e por fim o mais potente 3.0 com 480 cv no X3 M e 510 no X3 M Competition.
Já nas versões a gasóleo o X3 conta com o 2.0 com 150, 190 e 211 cv, e o 3.0 com 265, 286, 326 e 340 cv, estes dois últimos nas versões M. Este SUV está disponível também em duas propostas híbridas, o iX3 com 286 cv e o xDrive 30e com 292 cv de potência combinada.

Principais avarias e problemas
As versões do X3 equipadas com motores a gasolina podem evidenciar um funcionamento irregular, algo que é resolvido com uma simples reprogramação. Já os motores Diesel de quatro cilindros podem ter um problema com o arranque a frio que pode levar à substituição do motor de arranque.

Podem surgir anomalias com o filtro de partículas que, nalguns casos, leva a que seja necessário trocá-lo. A direção pode vir a ter alguns ruídos e nalgumas situações pontuais deixar de ter assistência.

BMW X3 (2017-...)
6.6 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Equipamento
Comportamento dinâmico
Qualidade dos materiais
Contras
Insonorização
Suspensão algo firme
Fiabilidade6
Custos de manutenção5.5
Desvalorização6.5
Qualidade dos materais7
Habitabilidade e bagageira6.5
Segurança6.5
Conforto6
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico7.5
Performance7
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Audi A1 (2018-…)

Published

on

O Audi A1 é o modelo de entrada no universo da marca dos anéis e esta segunda geração cresceu ligeiramente em dimensões face ao seu antecessor o que lhe deu um pouco mais de argumentos em termos de espaço.



Dentro do seu segmento não estamos perante a proposta mais acessível em termos de preço, mas, de certa forma, este A1 compensa esse facto com um bom nível de equipamento e muitas soluções tecnológicas que é mais comum vermos em modelos de segmentos superiores, como as ópticas em LED, ou os sistemas de auxílio à condução como o aviso de mudança de faixa, por exemplo.

O interior tem um desenho moderno com linhas quebradas e modernas e a habitabilidade, especialmente nos bancos traseiros, melhorou substancialmente face ao Primeiro A1. Contudo, apesar da qualidade de montagem estar no patamar a que a Audi nos habituou, o mesmo já não pode ser dito em relação a alguns dos materiais utilizados que ficam um pouco aquém de um modelo premium.

Confortável nas mais variadas situações de condução, este A1 exibe uma boa insonorização e um trabalho da suspensão eficaz a suprimir as armadilhas do piso. Mostra-se fácil de conduzir no dia a dia e a direção é precisa quanto baste. Quando o trajeto se mostra mais exigente, ou o condutor gosta de imprimir um ritmo mais intenso, este A1 cumpre, é previsível e seguro nas reações, mas não foi talhado para grandes emoções ao volante.

Motores
Equipado apenas com motores a gasolina, este A1 conta com a unidade com 1.0 litros de cilindrada nas versões 25 TFSI com 95 cv e 30 TFSI com 116 cv de potência. Segue-se o 35 TFSI motor 1.5 com 150 cv e por fim o mais potente 40 TFSI com uns redondos 200 cv produzidos pelo motor de 2.0 litros. Estamos perante motores com um bom desempenho, mesmo o menos potente 25 TFSI acaba por cumprir sem grandes problemas, sendo que o 35 TFSI se mostra a escolha mais equilibrada entre prestações e consumos.

Principais avarias e problemas
Todos os motores TFSI podem exibir alguns problemas de uma certa instabilidade quando estão a trabalhar ao ralenti. Os 25 e 30 TFSI podem exibir anomalias nos injetores. O 35 TFSI pode acender a luz do motor devido a um problema com a informação da posição da árvore de cames.

O compressor do ar condicionado pode deixar de funcionar, comprometendo a climatização. Algumas falhas eletrónicas podem comprometer o funcionamento do sistema multimédia e do GPS.

Audi A1 (2018-...)
6.2 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Conforto
Equipamento
Insonorização
Contras
Preço
Alguns materiais
Fiabilidade6
Custos de manutenção5
Desvalorização6
Qualidade dos materais6
Habitabilidade e bagageira6
Segurança6.5
Conforto7
Consumo combustível6.5
Comportamento dinâmico6.5
Performance6.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Mercedes Classe A (2018-…)

Published

on

Com o desenho arrojado do interior, onde o ecrã digital domina todo o tablier, este Classe A deu um passo estético onde a componente tecnológica se conjuga na perfeição com ambiente moderno e requintado do seu habitáculo.



Apesar de não ser dos mais espaçosos do segmento, este Classe A oferece um interior confortável com uma boa posição de condução e só se lamenta que em auto-estrada se faça sentir algum ruído aerodinâmico. De resto, os materiais são de boa qualidade e a sua montagem não merece reparos de maior, o que contribui para uma boa sensação de robustez.

Fácil de conduzir, esta quarta geração do Classe A é também eficaz quando o níveis de exigência na condução sobem um pouco. Numa estrada mais sinuosa ele mostra-se competente, mas poderia ser mais divertido se a direção fosse mais direta e informativa. Ainda assim cumpre, mostra-se previsível e sóbrio nas suas reações, podendo até proporcionar bons momentos de diversão ao volante. Só não é mais entusiasmante porque a sua suspensão tem uma afinação que não deixa de lado as preocupações com o conforto e por isso os movimentos da carroçaria não são dominados em pleno, mas isso é natural e tem o evidente verso da medalha que é uma boa capacidade para filtrar o mau piso.

Motores
A escolha de motores é vasta e começa com as unidades a gasolina 1.4 com 109, 136 e 163 cv, o 2.0 com 190 e 224 cv e o mais desportivo e potente A 35 AMG com 306 cv. Nas opções Diesel este Classe A conta com o 1.5 d com 95 e 116 cv e o 2.0 d com 150 e 190 cv. As unidades menos potentes mostra-se um pouco aquém do esperado, mas as restantes oferecem um bom compromisso entre prestações e consumos, sendo que nesse particular o a versão 180 a gasolina (1.4 com 136 cv) e o 200 d a gasóleo (2.0 com 150 cv) são os motores que se destacam.

Principais avarias e problemas
Até ao momento os motores do Classe A não têm revelado problemas demasiado complexos ou recorrentes. Apenas é de assinalar uma anomalia com um dos apoios do motor que pode gerar alguns ruídos com o passar da quilometragem.

A caixa automática pode bloquear numa relação, algo que é resolvido com uma reprogramação e a unidade que comanda a climatização pode deixar de funcionar.

Mercedes Classe A (2018-...)
6.4 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Qualidade
Ambiente a bordo
Comportamento dinâmico
Contras
Insonorização
Direção algo vaga
Fiabilidade6
Custos de manutenção5
Desvalorização6.5
Qualidade dos materais7
Habitabilidade e bagageira6
Segurança6.5
Conforto7
Consumo combustível6.5
Comportamento dinâmico7
Performance6.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Newsletter

Em aceleração