Alfa Romeo 156 (1997-2006) – Motorguia
Ligue-se connosco

Avaliações Usados

Alfa Romeo 156 (1997-2006)

Published

on

O Alfa Romeo 156 foi um ponto de viragem na marca italiana no final dos anos noventa. Uma aposta de tudo ou nada para inverter um trajeto descendente dos anos anteriores e que resultou em pleno muito por culpa de uma estética apaixonante, num produto que não é só exterior, também tem um bom conteúdo.



Com umas linhas assinadas por Walter da Silva o 156 rapidamente conquistou pela sua estética, mas ao mesmo tempo sentiu-se o esforço da marca transalpina em propor um produto competente a vários níveis.

Bem equipado, o interior mantém um desenho atrativo e envolvente e os materiais utilizados são de boa qualidade. A habitabilidade sai algo penalizada nos bancos de trás pela silhueta esguia deste Alfa que faz com que não haja muito espaço em altura e o comprimento também não é grande coisa. A bagageira é mediana em termos de volume e acessibilidade. No fundo tudo são faturas a pagar pelo seu design.

Muito eficaz e divertido em termos dinâmicos, o 156 mostra-se um bom parceiro nas estradas mais exigentes. Consegue ser entusiasmante graças a uma suspensão firme e a uma direção precisa e informativa.

Essa firmeza da suspensão por seu turno já não ajuda muito na forma como este italiano liga com um asfalto degradado pois deixa passar algumas vibrações e ruídos para o habitáculo.

Motores
O 156 estreou uma nova geração de motores a gasóleo da Alfa Romeo, os JTD com o 1.9 JTD com 105, 115 e 140 cv de potência e o 2.4 JTD com 136 e 150 cv. No campo das propostas a gasolina a gama começa com o 1.6 16v com 120 cv, o 1.8 16V com 140 cv, o 2.0 16V com 155 cv, o 2.0 JTS com 165 cv, o 2.5 V6 com 192 cv e o mais potente e exclusivo 3200 GTA com 250 cv.

Principais avarias e problemas
Os motores a gasolina 1.8 e 2.0 podem apresentar problemas de funcionamento, nomeadamente alguma instabilidade no ralenti. Nos modelos produzidos até 2001 podem surgir ruídos na polie da cambota. Na fase inicial houve unidades equipadas com os motores JTD com anomalias na bomba de gasóleo.

A nível eletrónico o 156 representou uma grande melhoria face a modelos anteriores da Alfa Romeo, mas ainda assim foram registados casos de falhas na caixa de fusíveis e também um mau funcionamento da iluminação do painel de instrumentos nos modelos fabricados em 1998.

Alfa Romeo 156 (1997-2006)
6.3 Avaliação
6.6 Utilizadores (1 Votar)
Pros
Equipamento
Qualidade do interior
Comportamento dinâmico
Contras
Habitabilidade
Firmeza da suspensão
Fiabilidade5.5
Custos de manutenção5.5
Desvalorização6.5
Qualidade dos materais6.5
Habitabilidade e bagageira6
Segurança6.5
Conforto6
Consumo combustível6.5
Comportamento dinâmico7
Performance7
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Avaliações Usados

Kia Picanto (2011-2017)

Published

on

A segunda geração do Kia Picanto marcou uma evolução estética face ao seu antecessor e manteve os mesmos argumentos racionais que fizeram dele uma excelente opção como citadino ou primeiro carro.



Com umas linhas mais atraentes que a anterior geração, este Picanto surpreende pela boa habitabilidade que oferece os seus ocupantes. Apesar das suas pequenas dimensões exteriores, típicas de um citadino, este Kia beneficia de um generoso espaço para o condutor e passageiros. Infelizmente a bagageira acaba por sair algo penalizada pela prioridade dada à habitabilidade e apenas oferece um volume de 200 litros.

O ambiente a bordo é moderno e funcional e apenas se lamenta a abundância de plásticos rígidos que apesar de aparentarem uma boa construção não o favorecem muito na sensação de robustez. Fácil de conduzir e manobrar em cidade, este Picanto não marca muitos pontos no conforto. A sua suspensão tem alguma dificuldade em lidar com o mau piso e em auto-estrada ele não é muito bem insonorizado. Facilmente os ruídos de rolamento, aerodinâmicos e do motor se fazem sentir no habitáculo.

Com um bom nível de equipamento de série, considerando o seu segmento, este Picanto tem no seu preço competitivo um dos seus trunfos ao qual se soma a sua garantia mecânica de sete anos, o que muito ajudou na tomada de decisão de quem o comprou pois são fortes argumentos racionais.

Motores

O Kia Picanto tem apenas duas propostas de motores, ambas a gasolina: o 1.0 com 69 cv de potência e o 1.2 com 85 cv, ambas com bons valores de consumos, com a marca a anunciar um consumo médio de 4,2 l/100km para o primeiro e 4,5 l/100km para o segundo, sendo que este último se mostra um pouco mais expedito nas prestações e bem mais agradável de utilizar pois é um 4 cilindros ao passo que o 1.0 é um tricilíndrico algo ruidoso e que gera algumas vibrações.

Principais avarias e problemas

Nalguns modelos equipados com o motor 1.0, fabricados entre julho e dezembro de 2015, podem surgir problemas com a bomba de água. Este motor também pode ter complicações com a distribuição. poderá acontecer alguma falta de resposta do motor às solicitações do acelerador, algo que é resolvido com uma reprogramação.

A caixa de velocidades e a embraiagem podem começar a fazer alguns barulhos, podendo ser necessário proceder à substituição da embraiagem. O eixo dianteiro também pode gerar alguns ruídos com origem na rótula do braço inferior da suspensão.

Kia Picanto (2011-2017)
6 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Preço
Garantia
Habitabilidade
Contras
Conforto
Alguns materiais
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção7
Desvalorização5.5
Qualidade dos materais5.5
Habitabilidade e bagageira6.5
Segurança6
Conforto5.5
Consumo combustível6
Comportamento dinâmico5.5
Performance5.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Volvo C30 (2006-2012)

Published

on

Com o lançamento do Volvo C30 a marca sueca de certa forma recuperou um pouco a imagem de modelos passados como o 1800ES dos anos setenta ou o 480 dos anos 80, ambos coupés com uma estética onde a traseira “cortada” era uma das suas características diferenciadoras.



Desenvolvido com base na mesma plataforma do Volvo S40, que é também a mesma plataforma do Ford Focus, o Volvo C30 apresenta um bom comportamento dinâmico. É eficaz e previsível, mas mesmo sendo um coupé, acaba por não chegar ao patamar de desportivo. É claramente mais um estradista e um companheiro confortável no dia a dia em cidade com uma suspensão que filtra bem as irregularidades e armadilhas do piso.

A posição de condução é boa, a direção suficientemente leve e informativa e todos os comandos estão à “mão de semear” graças a uma excelente ergonomia que prima pela simplicidade e bom gosto estético. Os vários materiais utilizados estão num bom plano em termos qualitativos e o rigor na sua montagem também é bom.

O óculo traseiro deste Volvo e também o desenho dos pilares traseiros acabam por não ajudar muito na visibilidade para trás mas ainda assim é um modelo fácil de conduzir nas mais variadas circunstâncias, incluindo nas manobras de trânsito mais corriqueiras.

Pelo seu design e conceito, este coupé não é propriamente muito espaçoso nos lugares traseiros e como é compreensível, apesar das suas portas de boas dimensões, o acesso atrás também não é o mais amplo. A sua bagageira também paga o preço do seu design e não é muito generosa, oferecendo uma capacidade de 251 litros.

Motores

A oferta de motores do C30 começa com duas unidades a gasolina, o 1.6 e o 2.0 com 100 e 145 cv de potência respetivamente. Seguem-se as proposta Diesel com o 1.6 D com 110 cv, o 1.6 D2 com 115 cv, o 2.0 D com 136 cv, o 2.0 D3 com 150 cv, o 2.0 D4 com 177 e por fim o 2.4 D4 com 180 cv. Qualquer uma destas unidades apresenta bons consumos, mesmo as propostas a gasolina, mas a escolha mais equilibrada recai sobre os modelos Diesel pois são os que têm os melhores consumos num bom equilíbrio com boas prestações.

Principais avarias e problemas

Os motores 1.6 D com 110 cv podem apresentar perdas de potência devido a problemas com a bomba de óleo e é ainda possível que venha a ter uma fuga nos injetores que causa um odor a combustível ou a gases de escape no habitáculo.

A válvula EGR pode dar problemas tanto nos motores 1.6 D como 2.0D. Também o filtro de partículas pode revelar algumas anomalias.

Volvo C30 (2006-2012)
6.3 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Ergonomia
Originalidade estética
Qualidade de construção
Contras
Bagageira
Habitabilidade traseira
Fiabilidade6
Custos de manutenção5
Desvalorização6.5
Qualidade dos materais6.5
Habitabilidade e bagageira5.5
Segurança7.5
Conforto6.5
Consumo combustível6.5
Comportamento dinâmico6.5
Performance6.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler
Publicidade

Publicidade

Newsletter

Ultimas do Fórum

  • por Mrodrigues
    Já mostrado como uma antecipação do que seria uma derivação Panda, este será o novo Fastback da Fiat. ​​ Teaser do modelo definitivo...
  • por VMPM
    Olá a todos, Não tenho como negar que sempre tive um olhar especial por esta carrinha. A estética, as linhas e o formato ainda hoje saltam em...
  • por MiguelSly
    Boa tarde a todos. Tenho pesquisado muito sobre este tema e até agora, até mesmo seguindo as ultimas notícias dadas até pela ACAP, o governo...
  • por ramess
    No eBay sempre existiu 2 formatos de venda . Um como particular e outro como profissional existindo diferenças no formato de facturação e volume...

Em aceleração