Ligue-se connosco

Avaliações Usados

Skoda Octavia (2004-2012)

Published

on

O Skoda Octavia sempre foi um dos familiares mais equilibrados e bem sucedidos do segmento, graças ao equilíbrio entre a sua qualidade, motores e preço final. Esta geração manteve esses valores acrescentando-lhe um toque mais refinado como produto apesar de manter uma estética talvez demasiado sóbria, mas que lhe dá a vantagem ser discreto.

Beneficiando das cinergias de grupo, o Octavia sempre foi um modelo com parâmetros de qualidade próximos dos seus “irmãos” Volkswagen. Com um habitáculo espaçoso só alguns materiais não estão ao mesmo nível dos padrões da marca de Wolfsburgo, mas a qualidade de construção está lá.

Com uma bagageira que “não tem fim”, para uma berlina, este Skoda mostra-se ideal para as viagens da família, podendo levar tudo e mais alguma coisa.

A sua posição de condução é boa e equilibrada e seja em que circunstância for o Octavia exibe sempre um conforto muito sólido, tanto nas viagens mais longas como nos pequenos trajetos urbanos em pisos mais degradados. Só o ruído do motor nas versões equipadas com unidades Diesel é que destoa um pouco do bom ambiente que se sente a bordo.

Motores

A sigla TDi dominou as vendas do Octavia que conta com os motores Diesel 1.6 TDi e 1.9 TDi ambos com 105 cv e o 2.0 TDi de 140 cv. Unidades com boas prestações e consumos baixos considerando o seu rendimento.

Já nos motores a gasolina este Skoda conta com o 1.2 TSI de 105 cv, o 1.4 TFSi com 122 cv, o 1.6 de 100 cv e o 2.0 TFSi de 200 cv.

Principais avarias e problemas

Nos motores Diesel houve necessidade de reprogramar a injeção devido a hesitações na aceleração ou de vibrações no ralenti. A válvula EGR ou o turbo também podem ser responsáveis por perdas de potência.

O motor TDI de 140 cv apresentou casos de problemas no volante motor que originou à sua substituição e do comando hidráulico da embraiagem, algo que sucedeu numa chamada à assistência na Primavera de 2006.

As caixas DSG revelaram algumas disfunções que levaram a uma reprogramação ou à mudança da própria caixa.

Skoda Octavia (2004-2012)
7.4 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Conforto
Qualidade
Bagageira
Contras
Ruído do motor
Estética sóbria
Fiabilidade7
Custos de manutenção7
Desvalorização7
Qualidade dos materais7.5
Habitabilidade e bagageira8
Segurança7.5
Conforto7
Consumo combustível8
Comportamento dinâmico7.5
Performance7
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Avaliações Usados

Mercedes ML (2005-2012)

Published

on

A segunda geração do Mercedes ML representa um claro amadurecimento do conceito SUV por parte do construtor alemão o que resulta numa modelo com mais argumentos face ao seu antecessor.

Mais vocacionado para a estrada do que para algumas escapadelas fora dela, a segunda geração do Mercedes ML apresenta um conforto assinalável. A qualidade dos materiais e da montagem melhorou no seu habitáculo que se mostra muito espaçoso para os seus ocupantes.

A posição de condução elevada é boa e a visibilidade também, o que torna as manobras diárias numa tarefa simples, até porque o ML apresenta uma boa brecagem. A suspensão privilegia claramente o conforto, graças à sua suavidade, em detrimento de alguma acutilância dinâmica, algo que também não se espera de uma proposta desta natureza.

De raiz claramente premium, estamos perante um modelo que não é barato na compra e cujos custos de manutenção também não são baratos. Em compensação a desvalorização desta geração do Mercedes ML também é menor.

A sua bagageira é uma das maiores do segmento pelo que não há que temer quando uma viagem maior exigir mais espaço para malas e outros objetos.

Motores

A gama de motores a gasolina começa com o 350 com 272 cv, passando para o 500 com 388 cv e no mais desportivo 63 AMG com 500 cv.

No campo das propostas a gasóleo o leque de escolhas é vasto e começa no 280 CDI com 190 cv, havendo ainda o 300 CDI com 204 cv, o 320 CDI com 211 cv, o 350 CDI com 224 cv e os 420 CDI e 450 CDI com 306 cv de potência.

Principais avarias e problemas

Em termos mecânicos o ML mostra-se um modelo genericamente fiável e apenas foram registadas algumas falhas na bomba de alta pressão dos motores 280 CDI e 300 CDI e nos injetores, algo extensível aos outros motores Diesel.

Em 2011 houve uma chamada à assistência devido a uma fuga no filtro de combustível.

Foram reportados alguns problemas nas caixas de velocidades que equipam os modelos CDI e a direção assistida pode apresentar um ponto de resistência no movimento do volante ou até um ruído.

Mercedes ML (2005-2012)
7.4 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Conforto
Qualidade
Habitabilidade
Contras
Preço
Custos de manutenção
Fiabilidade7.5
Custos de manutenção6
Desvalorização7.5
Qualidade dos materais7.5
Habitabilidade e bagageira8
Segurança8
Conforto7.5
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico7
Performance7.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Volkswagen Scirocco (2008-2017)

Published

on

Produzido na Autoeuropa, o Volkswagen Scirocco recupera um nome do passado da marca alemã da década de setenta e oitenta e com base na competente plataforma do Golf VI propõe um coupé de caráter desportivo e linhas bem atraentes.

o Scirocco foi um dos modelos mais emblemáticos saídos das linhas de produção da Autoeuropa, em Palmela. Muito bem conseguido esteticamente, este coupé apresenta uma boa qualidade de construção. A posição de condução é boa, com um volante com uma boa pega e uns bancos envolventes.

O espaço não é o seu forte como seria de esperar e os dois ocupantes dos bancos traseiros não viajarão muito à vontade. A bagageira mostra-se suficiente, mas também não impressiona.

Ainda assim convém salientar que dentro do conceito de coupé desportivo acessível, o Scirocco até se revela prático no dia-a-dia e talvez também por isso tenha tido o sucesso que teve pois é fácil de conduzir nas deslocações diárias habituais, mas ao mesmo tempo para os aficionados mostra-se um modelo eficaz com um comportamento dinâmico apurado.

A suspensão é firme, a direção direta e incisiva, os motores cumprem com o que lhes é exigido e o Scirocco sente-se bem à vontade quando as estradas se tornam mais exigentes para a condução.

Motores

No período da sua comercialização o gasóleo era rei e os motores TDI eram os mais procurados sendo que a oferta era composta pelo bloco 2.0 TDI com potências de 140 cv, 170 cv e 177 cv com consumos que rondavam os 4,5 l/100km (2.0 TDI de 140 cv) e os 5,5 l/100km (2.0 TDI de 177 cv)

Já os motores a gasolina começam no 1.4 TSI de 122 cv e 160 cv de potência, o 2.0 FSI Turbo de 200 cv, o 2.0 TSI com 210 cv e o mais potente 2.0 TSI R com 265 cv.

Principais avarias e problemas

Os motores TSI podem apresentar falhas na distribuição que podem impedir o arranque ou causar o mau funcionamento do motor. O consumo excessivo de óleo pode ser um dos problemas dos modelos equipados com o motor 2.0 TSI.

Nas unidades equipadas com motores TDI foram registadas falhas na válvula EGR e no turbo e também podem surgir anomalias na bomba de água.

A caixa de dupla embraiagem DSG pode apresentar um funcionamento errático e foram reportados problemas com a climatização nos modelos produzidos até ao final de 2009.

Volkswagen Scirocco (2008-2017)
7.2 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Estética
Qualidade
Comportamento dinâmico
Contras
Lotação de 4 ocupantes
Habitabilidade traseira
Comportamento dinâmico
Fiabilidade7
Custos de manutenção6
Desvalorização7
Qualidade dos materais7.5
Habitabilidade e bagageira6.5
Segurança8
Conforto6.5
Consumo combustível7.5
Comportamento dinâmico8
Performance7.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Alfa Romeo Giulietta (2010-…)

Published

on

Digno representante do design italiano a que a Alfa Romeo sempre nos habituou, o Giulietta apresenta uma linhas elegantes e insinuantes capazes de cativar o olhar e de espalhar o seu charme onde quer que esteja.

Senhor de uma plataforma eficaz e de uns motores competentes, o Giulietta consegue dar ao seu condutor bons momentos de condução, em especial se a estrada se revela sinuosa. A suspensão é eficaz e a direção direta e informativa.

Contudo essa precisão tem um preço já que a firmeza da suspensão não ajuda quando o asfalto é mais degradado, acabando por penalizar um pouco o conforto dos ocupantes.

Em cidade é fácil de conduzir e só a visibilidade traseira algo reduzida poderá complicar algumas manobras. A posição de condução é boa, está bem equipado e o habitáculo mantém o bom desenho evidenciado no exterior, lamentando-se apenas que alguns materiais utilizados não sejam dos melhores. Infelizmente o espaço nos bancos traseiros não é muito generoso o que prejudica a sua habitabilidade.

Motores

A gama de motores do Giulietta começa nas unidades a gasolina com o 1.4 TB de 120 cv de potência. Segue-se o 1.4 Multiair com 170 cv e o mais potente 1750 TBI que equipa a versão mais desportiva Quadrifoglio Verde.

Em termos de propostas a gasóleo este Alfa Romeo conta com os motores 1.6 JTDM de 105 cv e o 2.0 JTDM com 170 cv sendo de destacar os valores reduzidos dos consumos anunciados com um consumo combinado de 4,4 l/100km e 4,5 l/100 km respetivamente.

Principais avarias e problemas

O motor 1.4 Multiair pode apresentar algumas vibrações no arranque ao passo que o 1.4 TB revela uma bomba de água frágil que pode originar fugas de líquido de refrigeração.

No campo dos motores Diesel todos apresentam fragilidades nos injetores sendo que no caso do 2.0 JTDM algumas perdas de potência podem obrigar a uma reprogramação da centralina. Também pode apresentar fugas de líquido de refrigeração na válvula EGR.

O filtro de partículas pode ter problemas com o sensor da temperatura. O eixo dianteiro pode fazer ruídos e causar um desgaste prematuro dos pneus o que pode levar à substituição do mesmo e em 2011 houve um recall para mudança dos braços da suspensão que revelaram problemas.

A embraiagem revela-se frágil em todas as versões e a tampa de combustível pode mostrar-se difícil de abrir. O GPS, o sistema start & stop e o selector dos modos de utilização DNA podem apresentar falhas eletrónicas ao passo que o autorádio pode ter bloqueios no leitor de CDs.

Alfa Romeo Giulietta (2010-...)
7 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Estética
Equipamento
Comportamento dinâmico
Contras
Insonorização
Visibilidade traseira
Espaço nos bancos de trás
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção6
Desvalorização6.5
Qualidade dos materais6.5
Habitabilidade e bagageira6.5
Segurança7.5
Conforto7
Consumo combustível7.5
Comportamento dinâmico8
Performance7.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Para ler

Newsletter

Em aceleração