Mercedes Classe E (2002-2010) – Motorguia
Ligue-se connosco

Avaliações Usados

Mercedes Classe E (2002-2010)

Published

on

O Mercedes Classe E sempre foi um dos modelos emblemáticos da marca alemã. Senhor de um conforto acima da média ao qual sempre teve associada uma imagem de estatuto e esta geração não foge à regra.

Estradista por natureza, o Classe E prefere as longas viagens ao ambiente urbano, mas mesmo aqui o seu conforto não sai beliscado. A sua plataforma e a afinação da suspensão e garantem-lhe sempre um trajeto feito nas nuvens.

O habitáculo é espaçoso e com uma envolvência refinada onde pontuam os bons materiais e uma elevada qualidade de construção que lhe dão uma boa imagem de robustez e também contribuem para o conforto geral pois revela-se bem insonorizado.

Ao volante, este Mercedes mostra-se talvez demasiado filtrado com os comandos algo vagos, o que é normal pois o seu foco é mesmo o conforto. A posição de condução é boa, o nível de equipamento é elevado e a bagageira é ampla na capacidade que oferece e se se tratar da carrinha então é gigante.

Motores

A gama de motores é vasta e começa nas unidades a gasolina com o 200 K com 163 cv, o 240 com 177 cv, o 280 com 231 cv, o 320 com 224 cv e o 350 com 272 cv.

Nas motorizações a gasóleo o Classe E conta com uma oferta que começa nos 200 CDi com 116 e 136 cv, os 220 CDi com 143 e 170 cv, o 250 CDi com 204cv, o 270 CDi com 177cv, o 280 CDi com 190 cv, o 320 CDi com 224 cv, o 350 CDi com 231 cv, e os 400 CDi e 420 CDi com 260 cv e 314 cv respetivamente.

Principais avarias e problemas

Algumas unidades equipadas com os motores Diesel CDi revelam problemas com o turbo e o sistema de injecção, sendo que no caso do 220 CDi também se verificaram falhas nos injetores.

Nalguns modelos com caixa automática chegou a haver a necessidade da sua substituição por problemas na mesma.

Em termos de eletrónica o Classe E pode apresentar variações de intensidade na iluminação do painel de instrumentos, alteração do visionamento das funções do computador de bordo sem razão aparente e falhas no sistema de rebatimento dos retrovisores.

Mercedes Classe E (2002-2010)
7.4 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Conforto
Qualidade
Bagageira
Contras
Custos de manutenção
Algumas falhas eletrónicas
Fiabilidade7
Custos de manutenção6
Desvalorização7.5
Qualidade dos materais8.5
Habitabilidade e bagageira8
Segurança8
Conforto8.5
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico6.5
Performance7
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Avaliações Usados

Renault Mégane CC (2010-2016)

Published

on

A terceira geração do Renault Mégane voltou a propor uma versão coupé cabriolet com uma capota retrátil rígida. Este Mégane CC manteve os lados positivos do seu antecessor e refinou um pouco o interior.



Sendo um dos modelos mais apelativos para conduzir a seu aberto por causa do seu preço e da sua lotação, o Mégane CC continuou a ter bons resultados nas vendas, apesar de já não ter tido o mesmo sucesso que o anterior.

Bem equipado de série, este gaulês apresenta um habitáculo mais cuidado e com um ambiente mais agradável, mas, ainda assim, alguns materiais utilizados podiam ser melhores e o espaço nos bancos traseiros continua algo acanhado. Ao mesmo tempo a solução da capota rígida acaba sempre por ocupar quase metade da capacidade da mala quando está recolhida o que lhe retira alguma polivalência.

Ainda assim o facto de se poder conduzir “dois modelos” num só, um coupé ou um descapotável, dá-lhe uma versatilidade muito interessante em termos de sensações de condução.

Confortável quanto baste, este Mégane CC pesa cerca de 1700 kg, sensivelmente, o que significa que os motores de menor cilindrada irão debater-se mais para lhe conferir umas prestações interessantes.

Motores
Este Renault surge apenas com dois motores a gasolina, o 1.2 TCe e o 1.4 TCe, ambos com 130 cv de potência, mas a oferta Diesel é mais vasta e inclui o 1.5 dCi com 110 cv, o 1.6 dCi e o 1.9 dCi, os dois com 130 cv e o mais potente 2.0 dCi com 160 cv. De um modo geral todos estes motores são poupados nos consumos, incluindo as unidades a gasolina.

Principais avarias e problemas
Sem grandes problemas a assinalar em termos de motores, o Mégane CC foi alvo de uma chamada à assistência em finais de 2012 para retificar um problema na assistência à travagem.

O risco de um curto circuito na direção assistida também motivou um recall em 2011 para os primeiros modelos produzidos.

Renault Mégane CC (2010-2016)
6.8 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Preço
Equipamento
Versatilidade
Contras
Alguns materiais
Volume da bagageira
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção7
Desvalorização6.5
Qualidade dos materais6.5
Habitabilidade e bagageira6.5
Segurança7
Conforto7
Consumo combustível7.5
Comportamento dinâmico7
Performance6.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Fiat Grande Punto (2005-2009)

Published

on

O Fiat Grande Punto é a terceira geração da bem sucedida família Punto e com o seu desenho assinado por Giugiaro este utilitário voltou a ter uma boa prestação no nosso mercado.



Com 4,03 metros de comprimento o Grande Punto faz jus ao seu nome pois cresceu face aos seus antecessores. Isso sente-se no interior onde o espaço é ligeiramente maior do que no Punto que já era um modelo espaçoso. A posição de condução é boa e os comandos estão bem posicionados. Contudo, os materiais utilizados nos vários painéis não são os mais nobres.

A bagageira tem um acesso fácil, mas a sua capacidade não é das maiores, ficando-se pelos 275 litros de volume.

Com um preço competitivo o Grande Punto não é propriamente o mais equipado do segmento, mas o conforto e segurança essenciais estão garantidos. O conforto podia ser mais refinado já que a suspensão revela um amortecimento que podia ser mais eficaz.

Quando a estrada se torna mais sinuosa o Grande Punto mantém uma postura previsível e em cidade é um modelo fácil de conduzir no dia a dia com uma direção leve que facilita as manobras em cidade.

Motores
O Grande Punto conta com os motores a gasolina 1.2 com 65 cv, o 1.4 com 78 cv e o 1.4 16V Starjet com 95 cv. O primeiro não prima pelas prestações, mas os motores 1.4 mostram-se mais equilibrados e capazes. A gama conta ainda com o mais potente 1.4 16V T-Jet, turbo-comprimido, com 155 cv que equipa a versão mais desportiva Abarth.
A proposta Diesel é composta pelo 1.3 Multijet com 75 e 90 cv e o 1.9 Multijet com 120 cv. Estas unidades mostram-se poupadas nos consumos, mas algo ruidosas, em especial o 1.3 Multijet.

Principais avarias e problemas
Em 2008 houve uma chamada à assistência para substituição da junta da cabeça dos motores 1.3 Multijet que equiparam os modelos produzidos entre novembro de 2007 e Março de 2008.

Nos primeiros modelos fabricados foram detetados problemas no compressor do ar condicionado e também nas unidades iniciais é possível que as pastilhas de travão comecem a fazer barulho.

Fiat Grande Punto (2005-2009)
6.9 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Preço
Habitabilidade
Facilidade de condução
Contras
Bagageira
Alguns materiais
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção7
Desvalorização6.5
Qualidade dos materais6
Habitabilidade e bagageira7
Segurança7
Conforto7
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico7.5
Performance7
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Mini (2014-…)

Published

on

A terceira geração do Mini continua a aposta da marca, detida pela BMW, para aumentar as dimensões deste divertido modelo que é cada vez menos “mini” no tamanho, mas mantém toda a irreverência e diversão que se espera do nome “Mini”, conservando toda a sua estética moderna de estilo vintage do agrado de tantos.



Ligeiramente mais largo e mais longo este Mini contam também na sua gama com a versão de cinco portas, aquela que talvez se possa considerar como a mais equilibrada para jovens famílias pois sempre oferece um pouco mais de espaço interior, mantendo a diversão na condução a que o Mini nos habituou.

O modelo de três portas continua acanhado no espaço atrás e na bagageira e apesar da boa posição de condução e do desenho bem conseguido do interior, que mantém toques retro bem equilibrados com as novas tecnologias, esta geração do Mini não melhorou muito na qualidade de alguns materiais que compõem o habitáculo.

Mais confortável que as duas gerações anteriores, este mini continua com uma suspensão algo firme. Um “preço” a pagar pelo seu comportamento dinâmico que continua divertido e muito interativo com o condutor graças à boa resposta e rapidez dos vários comandos.

Esteticamente irreverente e com um comportamento a condizer esta geração do Mini continua com um gene algo premium e isso tem o seu reflexo nos custos de manutenção que estão longe de ser acessíveis.

Motores
A oferta de motores na gama Mini divide-se entre as propostas a gasolina e Diesel, sendo que no primeiro grupo podemos contar com o 1.5 com 75 cv, 102 cv e 136 cv e ainda e o 2.0 com 192 cv e 231 cv de potência, este último a equipar o mais desportivo John Cooper Works.
Já nas opções a gasóleo a gama Mini conta com o 1.5 com 95 cv e 116 cv e o 2.0 com 170 cv de potência. Estas três opções surgem como as mais económicas no dia a dia já que, segundo a marca, conseguem fazer um consumo médio de 3,8; 3,9 e 4,6 l/100 km respetivamente.

Principais avarias e problemas
Os motores Diesel podem evidenciar perdas de potência com origem em anomalias no turbo e a embraiagem pode começar a fazer ruídos no arranque.

Os apoios do motor não são o ponto mais sólido do Mini e podem começar a aparecer vibrações. Também a fixação dos braços da suspensão traseiros ou os próprios amortecedores de trás podem evidenciar alguns ruídos.

As pastilhas de travão também poderão evidenciar um desgaste prematuro.

Mini (2014-...)
6.9 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Prestações
Estética atraente
Comportamento dinâmico
Contras
Alguns materiais
Custos de manutenção
Fiabilidade7
Custos de manutenção6
Desvalorização7
Qualidade dos materais6.5
Habitabilidade e bagageira6.5
Segurança7
Conforto6.5
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico8
Performance7.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Newsletter

Em aceleração