Renault Twingo (1993-2000) – Motorguia
Ligue-se connosco

Avaliações Usados

Renault Twingo (1993-2000)

Published

on

Quando surgiu, o Renault Twingo marcou a diferença pelas suas linhas e especialmente pelo seu espaço interior, sendo uma espécie de monovolume citadino numa tentativa da marca francesa de explorar novos conceitos automóveis e pode dizer-se que foi bem sucedida pois ainda hoje esta primeira geração do Twingo anda nas nossas estradas.



Muito simples no seu conceito, o Twingo praticamente é um modelo com um formato de monovolume, as rodas colocadas praticamente nos quatro cantos da carroçaria numa plataforma que favorece o espaço interior do habitáculo.

Uma das suas particularidades é o facto de permitir rebater todos os bancos, quase fazendo uma cama de casal no seu interior. Versátil, o Twingo mostra-se um modelo fácil de conduzir. Os modelos sem direção assistida exigem um pouco mais de trabalho nas manobras citadinas, mas nada que não se supere.

Os materiais do interior são simples e nalguns painéis os plásticos são rígidos, o que no final acaba por permitir o surgimento de alguns ruídos parasitas.

Dinamicamente o Twingo cumpre, revelando uma suspensão capaz de superar de forma satisfatória as irregularidades do piso, ao mesmo tempo que se mostra muito previsível nas reações quando a estrada exige mais da sua suspensão.

Motores
O Twingo está equipado apenas com duas motorizações a gasolina, começando no 1.2 com 60 cv e terminando no 1.2 16V com 75 cv, sendo este o motor mais equilibrado pois mantendo uns consumos comedidos oferece umas melhores prestações.

Principais avarias e problemas

As primeiras unidades produzidas equipadas com o motor 1.2 tiveram alguns problemas com casos de cabeças de motor queimadas em torno dos 50 mil quilómetros. Nalguns modelos de 1998 foram registadas fugas de óleo nas juntas da árvore de cames.

O radiador pode ter tendência para fugas do líquido de refrigeração. Esta geração do Twingo foi alvo de dois recalls para algumas unidades de forma a corrigir uma anomalia que poderia causar o disparo inadvertido dos airbags.

Renault Twingo (1993-2000)
6 Avaliação
5.6 Utilizadores (1 Votar)
Pros
Versatilidade
Habitabilidade
Facilidade de condução
Contras
Alguns materiais
Ruídos parasitas
Fiabilidade6
Custos de manutenção6.5
Desvalorização5.5
Qualidade dos materais5
Habitabilidade e bagageira7
Segurança6
Conforto6
Consumo combustível6
Comportamento dinâmico6
Performance5.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Avaliações Usados

Citroën C4 (2020-…)

Published

on

Esta terceira geração do Citroën C4 continua a ser uma clara aposta da marca francesa no segmento familiar, mas assinala uma mudança na estética que neste modelo rompe com as duas anteriores gerações, tendo um ar ligeiramente mais SUV coupé do que propriamente de berlina de cinco portas como os seus antecessores.



Este C4 não deixa os créditos de conforto da Citroën por mão alheias e mostra-se um modelo muito confortável graças ao bom trabalho da sua suspensão que suprime muito bem as irregularidades de um piso mais degradado e assegura um bom comportamento quando a viagem é mais longa. Ao mesmo tempo, os ocupantes encontram um habitáculo espaçoso que até nem sai muito prejudicado pela linha do tejadilho mais baixa na zona dos bancos traseiros devido ao seu “SUV coupé”.

O interior tem um design moderno e tecnológico e só peca por alguns dos materiais utilizados não serem de melhor qualidade. Bem equipado de série, este C4 é um familiar compacto que surge no mercado com um preço competitivo face à concorrência e pode ser uma solução muito racional para várias famílias.

Em cidade a sua direção leve facilita as manobras do dia a dia, mas a visibilidade traseira já não ajuda muito pois revela-se algo reduzida. Se a estrada se mostra mais exigente e sinuosa, não se espere grande agilidade deste C4. A sua suspensão claramente afinada com o conforto como prioridade não assegura o controlo ideal dos movimentos da carroçaria e a sua direção leve e pouco informativa não dá a interação necessária para que o condutor sinta grandes emoções ao volante.

Motores

A gama de motores do C4 é composta pelo motor 1.2 PureTech a gasolina nas suas versões de 100, 130 e 155 cv de potência, pelo motor a gasóleo 1.5 BlueHDI com 110 e 130 cv e ainda pela versão elétrica ë-C4 equipada com um motor elétrico em duas versões de potência, 136 cv e 156 cv.

Principais avarias e problemas

Nalguns modelos produzidos até novembro de 2021 foram detetados problemas com o separador de óleo que causavam um consumo excessivo de óleo. Já o motor Diesel 1.5 BlueHDI pode ter problemas com a correia de distribuição que pode ganhar barulhos e é conveniente proceder à sua substituição.

No modelo elétrico ë-C4 pode dar-se o caso de ficar bloqueado na posição “P” devido a problemas com o atuador do bloqueio.

Nalguns modelos podem ocorrer infiltrações de água no para-brisas que só são resolvidas com a substituição do mesmo.

Citroën C4 (2020-...)
6.4 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Preço
Conforto
Habitabilidade
Contras
Alguns materiais
Visibilidade traseira
Fiabilidade6
Custos de manutenção6.5
Desvalorização5.5
Qualidade dos materais6
Habitabilidade e bagageira6.5
Segurança6.5
Conforto7.5
Consumo combustível6.5
Comportamento dinâmico6
Performance6.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Kia Picanto (2017-…)

Published

on

O Picanto é um modelo citadino que representa a proposta de entrada na gama Kia e que foi lançado em 2004. Esta é já a sua terceira geração e surge muito mais afinada com um público jovem e que tem na cidade o seu principal habitat.



Com umas linhas modernas e dinâmicas, o pequeno Picanto exibe um caráter próprio que se estende ao interior. O desenho não é arrojado, mas está longe de ser demasiado básico ou despido como por vezes sucede no segmento dos citadinos. Os materiais não são dos mais refinados, mas outra coisa não seria de esperar neste tipo de modelos. A posição de condução é boa, com uns bancos que até são envolventes no apoio lateral e os vários comandos encontram-se bem posicionados.

Suficientemente equipado de série, o Picanto oferece uma boa habitabilidade e uma capacidade da bagageira de 255 litros, dois fatores que jogam a seu favor face a outros concorrentes mais acanhados.

Muito fácil de conduzir em ambiente urbano, o Picanto mostra-se o parceiro ideal para o trânsito e as manobras citadinas com a sua boa visibilidade e uma direção muito leve. Já em auto-estrada ou em viagens mais longas, por exemplo, ele cumpre mas não é claramente “a sua praia”. A insonorização não é das melhores e o ruído do motor entra com alguma facilidade no habitáculo.

A suspensão mostra uma afinação algo firme o que o prejudica um pouco no campo do conforto, deixando passar algumas vibrações para o interior quando o piso se revela mais deteriorado. No entanto, se a estrada for um pouco mais exigente e sinuosa este pequeno Kia acaba por surpreender e aí revela-se muito previsível, com a suspensão a controlar bem os movimentos da carroçaria e a direção até se revela informativa quanto baste para o condutor conseguir alguns momentos de diversão ao volante. Nada de grandes emoções, mas o suficiente para usufruir de uma estrada de curvas.

Motores

O Picanto conta com três motores a gasolina, o 1.0 MPi com 67 cv,o 1.2 MPi com 84 cv e o mais desportivo 1.0 T-GDi com 100 cv. Qualquer uma destas unidades é poupada nos consumos, sendo que o mais equilibrado é o 1.2 MPi pois oferece um pouco mais de potência o que ajuda nas viagens mais longas face ao 1.0 MPi.

Principais avarias e problemas

Os modelos equipados com o motor 1.2 fabricados até outubro de 2017 podem revelar algumas falhas na resposta ao acelerador algo que tem origem na unidade de controlo do pedal do acelerador.

Alguns modelos produzidos entre fevereiro e setembro de 2019 podem ter fugas do líquido dos travões devido a problemas com os próprios tubos dos travões.

A climatização pode deixar de funcionar corretamente, algo que é solucionado com uma atualização de software.

Kia Picanto (2017-...)
6.3 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Bagageira
Habitabilidade
Facilidade de condução
Contras
Insonorização
Firmeza da suspensão
Fiabilidade7
Custos de manutenção7
Desvalorização5.5
Qualidade dos materais5.5
Habitabilidade e bagageira7
Segurança6.5
Conforto5.5
Consumo combustível6.5
Comportamento dinâmico6.5
Performance5.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler
Publicidade

Publicidade

Newsletter

Ultimas do Fórum

  • por Claudio94
    Bom dia pessoal. depois do problema que tive com o imobilizador que ja esta resolvido, ao meter o codigo de anti roubo no radio e gravar sei que nao...
  • por Icterio
    Bien Hoa, Vietname, 1965 (Episódio 1) Para qualquer entusiasta da aviação, a guerra no Vietname imediatamente invoca imagens dos versáteis...
  • por sam78
    Boas a todos. A luz do "service" está a ligar de veZ em quando no meu Renault clio. Que devo fazer? O que significa e que devo fazer? É algo...
  • por insyspower
    Boa tarde, Tenho um Vidro automático dianteiro esquerdo que não funciona, está sempre fechado, estou a tentar aceder aos interruptores, mas não...

Em aceleração