Citroën Xsara Picasso (1999-2006) – Motorguia
Ligue-se connosco

Avaliações Usados

Citroën Xsara Picasso (1999-2006)

Published

on

Aquela que foi a estreia da Citroën no universo dos monovolumes não podia ser melhor. Com o Xsara Picasso a marca francesa conseguiu um produto capaz de ombrear lado a lado com a referência do segmento na altura, o Renault Scénic.



Senhor de uma boa luminosidade interior graças à sua superfície vidrada ser extensa, o Xsara Picasso oferece um interior espaçoso, merecendo destaque o autêntico “corredor” que existe entre os bancos dianteiros devido à inclusão da alavanca da caixa na base da elevada consola central.

Oferecendo uma enorme versatilidade graças à modularidade dos bancos e aos vários espaços de arrumação, este monovolume mostra-se capaz de dar uma boa respostas às necessidades de uma simples ida às compras ou às exigências de uma grande viagem com a lotação esgotada e muita bagagem.

Os materiais escolhidos para o interior podiam ser melhores, mas percebe-se num modelo onde o preço competitivo é um dos seus argumentos.

Confortável graças à suavidade da suspensão o Xsara Picasso inclui uma caixa robotizada como opção elemento que se revela algo lento nas mudanças de relação e isso por vezes não ajuda na facilidade de condução.

Motores
Equipado motores a gasolina gasóleo, o Picasso tem no 1.6 16v a gasolina nas versões de 90 e 95 cv o motor de entrada de gama. Nas opções com o mesmo combustível seguem-se o 1.8 16v com 110 e 117 cv e o 2.0 16v com 137 cv.

Compreensivelmente as opções Diesel foram as mais vendidas e são as mais procuradas no nosso mercado e contam com o 1.6 HDI com 92 cv e 110 cv e o 2.0 HDI com 90cv.

Entre todos a escolha mais equilibrada capaz de proporcionar boas prestações e os consumos mais baixos é o 1.6 HDI, especialmente o de 110 cv que surgiu já no final de vida desta geração do Xsara Picasso.

Principais avarias e problemas
Algumas anomalias de funcionamento no 1.8 16v podem obrigar a uma reprogramação da unidade de gestão. Alguns modelos equipados com o 2.0 HDI sofreram de problemas no common rail que revelou fugas de gasóleo. Nos modelos produzidos até 2002 os apoios do motor revelaram-se pouco robustos.

Verificaram-se alguns casos de necessidade de substituição dos radiadores, ainda dentro da garantia. Os apoios dos amortecedores e por vezes os próprios amortecedores tiveram de ser substituídos por falhas nos apoios. Foram registados casos de bombas da direção defeituosas que levaram à sua substituição.

O sistema de airbags dos modelos fabricados até Abril de 2000 pode revelar erros na sua parametrização o que levou à troca dos airbags laterais numa chamada à assistência que teve lugar a partir de Julho de 2000.

Citroën Xsara Picasso (1999-2006)
6.9 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Preço
Conforto
versatilidade
Contras
Caixa robotizada
Qualidade de alguns materiais
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção7
Desvalorização6.5
Qualidade dos materais6.5
Habitabilidade e bagageira7.5
Segurança7.5
Conforto7
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico6.5
Performance6.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Avaliações Usados

Dacia Logan (2005-2012)

Published

on

A primeira geração do Dacia Logan foi a proposta inicial da marca romena detida pelo grupo Renault no segmento das berlinas de três volumes. Como toda a restante gama da Dacia seguiu à risca a política low cost adotada e o seu preço foi o seu maior trunfo, mas não foi o único.



Senhor de uma excelente habitabilidade, tanto nos bancos dianteiros como traseiros, o Logan tem também na sua bagageira, com 510 litros de capacidade, um dos seus principais atributos.

O interior segue as linhas pouco entusiasmantes do exterior e o ambiente a bordo não é de todo refinado sendo dominado por materiais de qualidade apenas aceitável, mas isso é o que se espera de um modelo low cost.

Equipado com os mínimos exigidos o Logan tinha no seu preço o seu maior chamariz de clientes, mas com o passar dos anos também não se espero um grande valor de retoma.

Dinamicamente este Dacia cumpre sem entusiasmar. A suspensão assegura os mínimos para circular de forma suficientemente confortável e os comandos leves facilitam as manobras em cidade e fazem do Logan um modelo fácil de conduzir.

Motores
Seguindo a política low cost o Logan não foi equipado com a última geração de motores na época, mas as unidades que o equiparam também não estavam assim tão desatualizadas.

A gama começa com as motorizações a gasolina 1.2 16V com 75 cv, 1.4 MPI com 75 cv, 1.6 MPI com 90 cv e o 1.6 16V com 105 cv, motores mais destinados a quem faça poucos quilómetros e que se mostram suficientemente adequados para as exigências, mas as melhores propostas são os modelos equipados com os motores Diesel dCi com 1,5 litros de capacidade nas suas versões de 70, 75, 85 e 90 cv. Estes mostram ter um rendimento suficiente e acima de tudo um consumo baixo que se encaixa na perfeição no conceito low cost que dominou o lançamento do Logan.

Principais avarias e problemas
Alguns modelos equipados com os motores 1.5 dCi deram problemas com as bombas de injeção. Já os 1.4 MPI e 1.6 MPI a gasolina tiveram alguns contratempos com o sensor da cambota.

Nos Logan produzidos até ao final de 2006 podem surgir problemas de corrosão, nomeadamente debaixo do forro da bagageira. No início de 2006 vários modelos fabricados entre 5 e 19 de setembro de 2005 foram chamados de volta à assistência para corrigir uma falha nas soldaduras do banco do condutor.

Dacia Logan (2005-2012)
6.4 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Preço
Consumos
Habitabilidade
Contras
Insonorização
Qualidade interior
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção7
Desvalorização5.5
Qualidade dos materais5.5
Habitabilidade e bagageira7
Segurança6.5
Conforto6.5
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico6
Performance6
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Peugeot 308 (2007-2013)

Published

on

Utilizando a mesma base do seu antecessor, o Peugeot 308 manteve as boas características dinâmicas do 307, mas representa um avanço qualitativo significativo, melhorando o ambiente a bordo para os seus ocupantes.



Com um aspeto sóbrio e sólido o interior do 308 apresenta uma boa escolha de materiais e oferece um bom espaço tanto para quem viaje nos bancos dianteiros como nos traseiro. A posição de condução podia ser melhor pois os pedais encontram-se um pouco chegados ao banco não deixando muito espaço para uma posição ideal.

Fácil de conduzir com uns comandos diretos e imediatos o 308 só peca por não ter uma visibilidade traseira muito ampla já que o desenho dos pilares traseiros reduz a superfície vidrada atrás.

Este gaulês mostra-se confortável tanto em cidade como em estrada com a suspensão a processar bem tudo o que se passa nos dois eixos e apesar de ser um pouco firme isso não compromete em nada a sua boa postura.

Mesmo quando o trajeto é mais exigente ou desafiante o 308 mostra-se estar à altura e pode até ser um modelo divertido de conduzir.

Motores
A gama 308 tem motores para todos os gostos. Começando nas opções a gasolina temos o 1.4 VTI com 95 cv, o 1.6 VTI com 120 cv e o 1.6 THP com 140 cv, 156 cv, 175 cv e 200 cv, o mais potente da gama e que dá vida à bem conhecida sigla GTi.

Já nos mais poupados motores a gasóleo este Peugeot conta nas suas fileiras com o 1.6 HDI com 90 e 92cv, o 1.6 e-HDI com 110 e 112 cv e o 2.0 HDI com 136 e 150 cv de potência. Além de silenciosos e suaves no seu funcionamento estas unidades revelam boas prestações e uns consumos comedidos o que as tornam nas opções ideais para o 308.

Principais avarias e problemas
Nos modelos equipados com o motor 1.6 THP e que foram produzidos até agosto de 2009 podem surgir problemas com a bomba de injeção. Foram registados alguns casos de falha na distribuição e de fugas na bomba de água nas unidades fabricadas até outubro de 2012.

O capot pode apresentar problemas para abrir e fechar devido a uma anomalia no fecho de segurança. Em termos elétricos podem surgir alguns contratempos no funcionamento dos limpa para brisas.

Peugeot 308 (2007-2013)
7 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Conforto
Habitabilidade
Comportamento dinâmico
Contras
Posição de condução
Visibilidade traseira
Fiabilidade7
Custos de manutenção6.5
Desvalorização6.5
Qualidade dos materais7.5
Habitabilidade e bagageira7
Segurança7
Conforto7
Consumo combustível6.5
Comportamento dinâmico7.5
Performance7
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Skoda Kodiaq (2017-…)

Published

on

O Kodiaq marca a entrada da Skoda no segmento dos SUV de maiores dimensões e mesmo herdando muito do ADN dos seus “irmãos” do Grupo Volkswagen, o Kodiaq mantém todos os genes que sempre caracterizaram a marca checa como a boa relação entre o seu preço e aquilo que oferece.



Com uma invejável habitabilidade o Kodiaq oferece aos ocupantes espaço para dar e vender, podendo até incluir uma terceira fila de bancos, mais adequados para crianças, é certo, mas a lotação de sete lugares está lá.

Todo o ambiente a bordo é muito aprazível para quem viaje neste Skoda. Bons materiais num desenho sóbrio mas envolvente estão lado a lado com um bom nível de equipamento, fazendo deste SUV um excelente companheiro de viagem até porque tem uma bagageira onde se pode levar tudo e mais alguma coisa.

Confortável numa utilização normal, o Kodiaq não esconde as suas dimensões e a suspensão não domina completamente os movimentos da carroçaria quando as estradas se tornam mais exigentes e as curvas se sucedem. Este facto, associado a uns comandos mais focados para uma viagem relaxante do que para uma reação imediata, fazem do Kodiaq um modelo menos brilhante em trajetos mais exigentes, mas também não é esse o seu código genético.

Motores
A oferta de motores não é muito vasta, mas é suficiente para cumprir com as mais variadas necessidades. Começa com o 1.4 TSI de 125 cv e de 150 cv, sendo que a versão com menos potência cumpre, mas não é brilhante, mais uma vez penalizada pelas dimensões do Kodiaq.

Na oferta Diesel este Skoda conta com o bloco 2.0 TDI com 150 cv e 190 cv (na versão de tração integral), motores bem mais capazes de dar a vivacidade e resposta que este SUV merece, ao mesmo tempo que mantém os consumos num patamar baixo.

Principais avarias e problemas
Problemas numa junta da bomba de água nos modelos equipados com o motor 1.4 TSI podem originar o acendimento inadvertido da luz de aviso no tablier.

Os modelos Diesel podem revelar problemas com a bomba de água e também com o circuito de recirculação de gazes de escape.

O compressor do ar condicionado pode apresentar anomalias no seu funcionamento.

Skoda Kodiaq (2017-...)
7 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Preço
Habitabilidade
Ambiente a bordo
Contras
Prestações
Demasiado filtrado
Fiabilidade7
Custos de manutenção7
Desvalorização6.5
Qualidade dos materais7
Habitabilidade e bagageira7.5
Segurança7.5
Conforto7
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico6.5
Performance6.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Newsletter

Em aceleração