BMW X5 (2007-2013) – Motorguia
Ligue-se connosco

Avaliações Usados

BMW X5 (2007-2013)

Published

on

Sendo um dos precursores do segmento dos SUV premium, o BMW X5 rapidamente conquistou o seu lugar como modelo polivalente de boas prestações e com um estatuto muito próprio. Esta segunda geração refinou, e bem, o X5 original e ganhou um ar ainda mais premium e aristocrata sem perder pitada dos trunfos do X5.

Com umas linhas mais arredondadas mas simultaneamente encorpadas, a segunda geração do X5 mostra-se um pouco mais “charmosa” que a primeira geração, sem no entanto perder os traços de família.

O habitáculo é espaçoso e os vários materiais utilizados são de boa qualidade e ajudam à perceção de requinte e solidez por parte dos ocupantes. A posição de condução é exemplar e prepara o condutor para o que o X5 lhe reserva: belos momentos de condução.

Apesar das suas dimensões, pode dizer-se que este X5 se bate com qualquer berlina. Primeiro pelo bom rendimento dos seus motores e depois pela eficácia dinâmica que a sua plataforma evidencia, impressionando como é que um modelo destas dimensões exibe uma capacidade de resposta aos comandos tão boa e uma agilidade e controlo tão refinados.

O reverso da medalha está num conforto que sai algo prejudicado pela afinação firme das suspensões e uns custos de manutenção que não são muito agradáveis e um preço que mesmo como usado reflete o seu estatuto premium e o facto de ser um SUV na plenitude da categoria.

Motores
Os motores Diesel que equipam o X5 revelam um excelente rendimento capaz de fazer mover bem os 2.740 kg que pesa e além disso ainda apresentam valores de consumos bem comedidos considerando a sua capacidade e mais uma vez o peso. Assim a gama a gasóleo começa com o 30d com 235 cv, o 35d com 286 cv, o 40d com 306 cv e o 50d com 381 cv.

Já nas versões a gasolina este X5 está equipado com os motores 30I com 272 cv, o 48i com 355 cv, o 50i com 407 cv e o mais desportivo de toda a gama o X5M com 555 cv de potência máxima

Principais avarias e problemas

Os modelos equipados com o motor 30d que foram produzidos entre Agosto de 2008 e Junho de 2009 foram alvo de uma chamada aos concessionários para corrigir um problema no sistema de pré aquecimento do gasóleo que poderia permanecer ligado e caso tal acontecesse aumentava o risco de provocar um incêndio.

Em Dezembro de 2012 foram chamados 16 mil modelos X5 para substituir um apoio do alternador.

Foram registados alguns casos de modelos que tiveram de recalibrar os pré-tensores dos cintos de segurança. O travão de mão de alguns modelos 30d também revelou problemas pois bloqueava impedindo o arranque, algo que foi solucionado com uma chamada ao concessionário para retificar.

BMW X5 (2007-2013)
7.2 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Prestações
Habitabilidade
Comportamento dinâmico
Contras
Preço
Firmeza da suspensão
Custos de manutenção
Fiabilidade7
Custos de manutenção6
Desvalorização7
Qualidade dos materais7.5
Habitabilidade e bagageira7.5
Segurança7.5
Conforto6.5
Consumo combustível7.5
Comportamento dinâmico8
Performance7.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Avaliações Usados

Honda Jazz (2001-2008)

Published

on

Simples nas suas linhas o Jazz não deixa muita margem para dúvidas e percebe-se de imediato que é um modelo espaçoso no seu interior. Esse facto associado à fiabilidade da Honda fez dele um modelo bem sucedido e que ainda hoje é uma boa opção.



A simplicidade estética do exterior estende-se ao interior onde sem grandes rasgos estilísticos todos os comandos estão bem posicionados e a instrumentação é de fácil leitura.

O que impressiona no Jazz é a sua habitabilidade e capacidade da bagageira que rivaliza com as quotas propostas por modelos do segmento superior. Além disso tem uma “pequena grande” vantagem que é a forma como os seus bancos traseiros rebatem, permitindo uma boa versatilidade de utilizações no transporte de pequenos ou grandes volumes.

Em termos de qualidade a montagem dos vários painéis está a um bom nível, mas os materiais utilizados não estão no mesmo patamar. A suspensão é algo firme e o ruído do motor entra facilmente no habitáculo, fatores que não abonam muito a favor do conforto que se faz sentir.

Motores
Este Honda está apenas equipado com motores a gasolina, o 1.2 com 78 cv e o 1.4 com 83 cv de potência. Qualquer um deles não impressiona, mas cumpre com o que lhe é pedido, ajudando na facilidade com que se conduz este Jazz e ao mesmo tempo mostram-se poupados na hora de abastecer, ficando-se por um valor de consumo médio abaixo dos seis litros por cada cem quilómetros.

Principais avarias e problemas
Este Honda Jazz é senhor de uma excelente fiabilidade mecânica e como problemas mais notados apenas merecem referência alguns casos de injetores gripados.

As primeiras unidades produzidas revelaram algumas anomalias no sistema de fecho centralizado das portas, algo que foi resolvido de imediato pela marca nipónica.

Honda Jazz (2001-2008)
6.4 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Versatilidade
Habitabilidade
Facilidade de condução
Contras
Insonorização
Qualidade dos plásticos
Fiabilidade7.5
Custos de manutenção6
Desvalorização6.5
Qualidade dos materais5.5
Habitabilidade e bagageira8
Segurança6
Conforto5.5
Consumo combustível6.5
Comportamento dinâmico6
Performance6
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Volkswagen Touran (2015-…)

Published

on

A segunda geração do monovolume Volkswagen Touran veio refinar os argumentos do seu antecessor e colocou-se como uma das melhores propostas do segmento, fazendo frente à concorrência francesa, tradicionalmente uma referência neste tipo de modelos.



Muito espaçosa no seu interior a Touran oferece uma boa versatilidade na utilização dos seus sete lugares, permitindo várias configurações sem ser necessária a tarefa, por vezes complexa, de remover os bancos para mudar a disposição do interior.

A qualidade dos materiais utilizados é boa e a sua montagem não merece reparos de maior, o que dá aos ocupantes uma boa sensação de solidez. O equipamento de série podia ser um pouco mais extenso, até porque em termos de preço a Touran está posicionada um pouco acima dos demais.

A sua suspensão revela-se algo firme, o que não lhe permite ser uma referência no conforto já que deixa passar algumas irregularidades do piso, mas em contrapartida mostra-se um monovolume muito eficaz quando as estradas se afiguram mais exigentes. Os movimentos da carroçaria são bem controlados e os comandos respondem com a rapidez necessária. Em ambiente urbano mostra-se um modelo fácil de conduzir e executar as mais variadas manobras é uma tarefa simples.

Motores
A gama de motores da Touran começa com as propostas a gasolina 1.2 TSI com 110 cv, 1.4 TSI com 150 cv e 1.5 TSI também com 150 cv. Em termos de motores a gasóleo este modelo germânico conta com o 1.6 TDI com 110 e 115 cv e o 2.0 TDI nas versões de 150 e 190 cv de potência. Estas opções Diesel mostram-se as mais interessantes graças às boa relação entre as suas prestações e os consumos comedidos.

Principais avarias e problemas
O motor 1.6 TDI pode apresentar perdas de potência e mau funcionamento a frio devido a problemas que poderão ter origem no turbo, nos injetores ou na válvula EGR. A solução passa por uma reprogramação ou em último caso substituição do componente afetado.

Os elementos da barra estabilizadora do eixo dianteiro podem originar ruídos. Os faróis traseiros podem apresentar problemas de funcionamento e o compressor do sistema de climatização também pode vir a ter falhas.

Volkswagen Touran (2015-...)
6.6 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Versatilidade
Habitabilidade
Comportamento dinâmico
Contras
Preço
Firmeza da suspensão
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção6
Desvalorização6.5
Qualidade dos materais7
Habitabilidade e bagageira7
Segurança6.5
Conforto6.5
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico6.5
Performance6.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Audi A4 (1995-2001)

Published

on

Aquele que foi o primeiro A4 da Audi foi um modelo determinante para a marca alemã. O seu antecessor Audi 80 já havia tido sucesso, mas o A4 elevou bem mais a fasquia, posicionando-se como uma das referências no segmento.



Com um elevado nível de qualidade na sua construção e na escolha dos materiais utilizados, o A4 oferece aos seus ocupantes um bom ambiente a bordo. A posição de condução é boa e fácil de encontrar e os vários comandos estão bem distribuídos no interior, sendo de fácil utilização.

Nos bancos traseiros o espaço não é dos mais generosos muito por culpa do túnel central que reduz a área disponível para as pernas de quem neles viaje.

A suspensão faz um bom trabalho, dando um excelente equilíbrio a este Audi no que diz respeito ao compromisso entre o conforto sentido e a eficácia dinâmica com que enfrenta a estrada. A sua afinação mostra-se algo firme, o que acaba por beliscar um pouco o conforto que se sente no habitáculo, mas, não é nada de muito penalizador.

O Audi A4 tem um bom valor de retoma. Foi um sucesso de vendas e mesmo com o passar dos anos a procura por esta berlina manteve-se, o que atesta a sua validade como produto no seu segmento.

Motores
Os motores disponíveis na gama A4 são vários e começam nas unidades a gasolina como o 1.6 com 101 cv, o 1.8 com 125 cv, o 1.8 T com 150 cv, o 2.9 V6 com 193 e o mais potente 2.7 V6 com 265 cv que equipa a versão desportiva S4.

Nas opções Diesel a família TDI surgiu como uma das melhores alternativas no mercado de então com o bloco 1.9 com as potências de 90, 110 e 115 cv a dominar largamente as vendas deste Audi que ainda tinha o 2.5 TDI com 150 cv como opção. Estes motores marcaram uma era com as suas prestações e consumos reduzidos e foi a partir daqui que a sigla TDI foi ganhando a sua fama.

Principais avarias e problemas
Os motores TDI de 110 cv produzidos entre 1996 e 1999 revelaram problemas com o turbo e o medidor de massa de ar. Já o mais potente 2.5 TDI exige atenção com as correias de distribuição pois nalguns casos estas revelaram-se frágeis.

As unidades fabricadas em 1999 podem revelar problemas com os travões que não são muito resistentes ao aquecimento, algo que afeta tanto os discos como as pastilhas.

Audi A4 (1995-2001)
6.6 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Consumos
Equilíbrio dinâmico
Qualidade de construção
Contras
Suspensão firme
Habitabilidade traseira
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção5.5
Desvalorização7
Qualidade dos materais7
Habitabilidade e bagageira6
Segurança6.5
Conforto6.5
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico7
Performance7
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Newsletter

Em aceleração