Peugeot 508 (2011-2018) – Motorguia
Ligue-se connosco

Avaliações Usados

Peugeot 508 (2011-2018)

Published

on

Lançado em 2011, o Peugeot 508 mantém todos os reconhecidos atributos que o construtor francês sempre apresentou nas suas berlinas familiares. Tal como os seus antecessores este modelo apresenta o equilíbrio certo entre bons motores, conforto e eficácia dinâmica.

Face ao 407 o 508 surge com uma silhueta exterior que de perfil não difere muito, mas com umas linhas mais rasgadas ele ganha mais caráter e personalidade. No interior o caso muda de figura e as diferenças são mais evidentes com uma inspiração mais moderna e menos conservadora a dominar o ambiente a bordo.

A posição de condução é boa, equilibrada e fácil de encontrar e apenas certos comandos merecem algum reparo em termos de ergonomia (em especial após o restyling, mas nada que o hábito e a utilização regular não resolvam.

A habitabilidade de um modo geral é boa para todos os ocupantes e só o espaço para as pernas de quem vai nos bancos traseiros se revela algo acanhado. A bagageira é boa e a sua capacidade está dentro dos valores médios do segmento.

A suspensão revela uma boa afinação e garante um bom conforto em estrada, apesar de evidenciar alguma dureza em pisos mais deteriorados. No entanto é essa firmeza que ajuda o 508 a ser um modelo muito eficaz dinamicamente. A insonorização está muito bem conseguida e o conforto sai reforçado por causa disso também.

Motores
A oferta de motores no 508 começa com as versões a gasolina 1.6 VTi com 120 cv e 1.6 THP com 156 cv, mas os modelos mais procurados são naturalmente os equipados com motores Diesel e nesse campo a Peugeot propõe o 1.6 HDI com 112 cv (115cv a partir do restyling em 2014), o 2.0 HDI com 140 cv, o 2.0 BlueHDI com 150 cv, o 2.0 HDI com 163 cv, o 2.0 BlueHDI com 180 cv e o 2.2 HDI com 204 cv. Qualquer uma destas unidades surge com valores de consumos que se posicionam entre os melhores do segmento. Além destas propostas o 508 tem ainda disponível a versão híbrida 2.0 HDI Hybrid4 com 200 cv no total.

Principais avarias e problemas
Alguns modelos equipados com o motor 1.6 HDI revelaram um desgaste prematuro dos injetores e do volante motor. Foram ainda registadas falhas na válvula EGR e o risco de problemas no turbo nos modelos produzidos até 2014.

As unidades com o motor 2.0 HDI também podem evidenciar um desgaste prematuro da embraiagem e perdas de potência que podem ter origem no turbo ou no filtro de partículas.

A nível eletrónico podem haver algumas luzes de aviso que se acendem sem razão aparente e nos modelos produzidos entre 2011 e 2012 podem haver falhas no funcionamento do controlo de estabilidade.

Nos 508 fabricados em 2011 foi detetado um problema com o carregamento da bateria que levou à sua substituição, troca do alternador e reprogramação.

Peugeot 508 (2011-2018)
7.2 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Consumos
Conforto
Habitabilidade
Contras
Ergonomia
Espaço atrás para as pernas
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção7
Desvalorização6.5
Qualidade dos materais7
Habitabilidade e bagageira7
Segurança7.5
Conforto8
Consumo combustível7.5
Comportamento dinâmico7.5
Performance7
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Avaliações Usados

Ford Kuga (2008-2013)

Published

on

O Ford Kuga representou a entrada da marca no segmento dos SUV apostando para isso num produto exclusivamente desenvolvido por si. Com todo o crescimento dos modelos com um caráter SUV ou crossover, a Ford não quis ficar de fora e o Kuga foi a sua resposta.



Bem equipado, o Kuga oferece um interior com um desenho muito ao estilo da geração do Focus da altura com bons materiais e um estilo simples, mas funcional. Infelizmente a sua habitabilidade não é referência e falta algum espaço para as pernas de quem viaje nos bancos de trás zona onde a altura também não é muita devido ao desenho exterior deste Ford com uma linha do tejadilho algo baixa junto aos pilares traseiros. A bagageira apresenta um volume de 410 litros, o que não é propriamente muito, mas tem um bom acesso.

Fácil de conduzir, com uma direção leve que facilita as manobras, este Kuga exibe um bom comportamento dinâmico, fazendo esquecer que se trata de um SUV graças à afinação correta da suspensão que consegue controlar bem os movimentos da carroçaria ao mesmo tempo que oferece um bom conforto quando o piso se torna mais exigente. O maior senão no campo do conforto é a insonorização que não é das melhores, especialmente no que diz respeito a ruídos aerodinâmicos.

Com motorizações que apresentam boas prestações e consumos, o Ford Kuga acabou por não ser propriamente um sucesso de vendas pois, face à concorrência, o seu preço não era muito apelativo, além disso os seus custos de manutenção também não jogam a seu favor.

Motores
As opções de motorização do Ford Kuga não são vastas e limitam-se a um motor a gasolina, o 2.5T com 200 cv, que não teve expressão no nosso mercado, e as versões do motor a gasóleo 2.0 TDCi com 136, 140 e 163 cv de potência. A versão Diesel foi a que representou o grosso das vendas e o seu bom rendimento associado a uns consumos médios comedidos, para um SUV destas dimensões, ajudou o Kuga a mostrar-se ao mercado como um produto equilibrado.

Principais avarias e problemas
Com o motor Diesel 2.0 TDCi a mostrar-se muito fiável, podem ainda assim surgir situações pontuais de perdas de potência devido a problemas com o filtro de partículas ou com os injetores.

O Kuga foi alvo de uma chamada à assistência para corrigir uma anomalia com a válvula de retorno do sistema de travagem. Nos primeiros modelos produzidos houve casos de alguns sistemas de navegação que exibiram um mau funcionamento.

Ford Kuga (2008-2013)
6.6 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Prestações
Equipamento
Comportamento dinâmico
Contras
Insonorização
Volume da bagageira
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção6
Desvalorização6
Qualidade dos materais6.5
Habitabilidade e bagageira7
Segurança7
Conforto6.5
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico7
Performance6.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Nissan Micra (2011-2018)

Published

on

Esta geração do Nissan Micra perdeu muito do charme que o desenho algo irreverente dos seus antecessores tinha e que cativou muita gente e isso refletiu-se nas vendas. Mesmo sendo um modelo mais racional, fácil de conduzir e mais espaçoso, este Micra não conquistou tantos corações como as gerações anteriores.



Muito fácil de conduzir, especialmente em cidade, graças a uma direção leve, a um bom diâmetro de viragem e a uma boa visibilidade, este Micra revela-se o companheiro ideal para quem anda maioritariamente em circuito urbano.

Já para as viagens mais longas o motor mostra as suas limitações e a velocidades mais elevadas a insonorização também não é muito eficaz, deixando que alguns ruídos aerodinâmicos se sintam no habitáculo.

O interior tem um desenho simples e os materiais não exibem uma qualidade ao mesmo nível de alguns do seus rivais que estavam já um passo à frente no ambiente a bordo. Com quatro portas a acessibilidade é facilitada e o espaço interior é generoso para o condutor e ocupantes. O conforto é assegurado por uma suspensão com uma afinação suave que garante uma boa supressão das irregularidades.

O seu preço mostra-se equilibrado considerando o equipamento que oferece de série e o que propõe, mas já os custos de manutenção não são tão simpáticos.

Motores
Este Micra conta apenas com uma proposta em termos de motor, o tricilíndrico com 1.2 litros de cilindrada nas suas versões de 80 e 98 cv de potência máxima. Em ambos os casos são motores comedidos nos consumos e para quem faça mais quilómetros em viagens mais longas recomenda-se o 1.2 com 98 cv que revela ser mais expedito nas recuperações e acelerações.

Principais avarias e problemas
Sem grandes problemas mecânicos a assinalar o Micra mostra-se um modelo fiável, sendo apenas de referir algumas fugas de combustíveis nas primeiras unidades produzidas que levou a um regresso à assistência para corrigir o problema.

A embraiagem e os rolamentos do eixo traseiro podem evidenciar um desgaste superior ao esperado.

Nissan Micra (2011-2018)
6.4 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Preço
Habitabilidade
Facilidade de condução
Contras
Insonorização
Alguns materiais
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção6
Desvalorização6
Qualidade dos materais6
Habitabilidade e bagageira7
Segurança7
Conforto6.5
Consumo combustível6.5
Comportamento dinâmico6
Performance6
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Renault Kangoo (1997-2007)

Published

on

Nascido como um furgão para todo o tipo de serviço, o Renault Kangoo teve, e ainda tem, uma longa história como comercial, tendo sido lançada também uma versão de passageiros com cinco lugares que no nosso país talvez não tenha tido o sucesso esperado precisamente por ser esteticamente muito igual ao furgão.



Contando com espaço para dar e vender o Kangoo é muito generoso no seu habitáculo tanto para os cinco ocupantes para a bagagem que estes tenham para transportar. Além disso a sua porta lateral deslizante facilita o acesso aos bancos traseiros e dá-lhe uma versatilidade muito própria.

Com uma boa relação entre preço e equipamento, o Kangoo de passageiros pouco difere da versão comercial no que diz respeito ao desenho e qualidade dos materiais utilizados o que o torna um pouco espartano no seu ambiente, apesar de ser funcional. Este facto também acaba por explicar uma insonorização do habitáculo menos conseguida.

Suficientemente confortável o Kangoo tem uma suspensão que filtra relativamente bem as irregularidades, apesar do eixo traseiro sofrer um pouco mais com o mau piso. Com boa visibilidade graças às amplas superfícies vidradas e uma direção leve o Kanggo mostra-se um modelo muito fácil de conduzir e manobrar.

Motores
O Kangoo oferece uma gama de motores que começa com as unidades a gasolina 1.2 de 75 cv, 1.4 também com 75 cv e 1.6 de 95 cv.
Nas propostas a gasóleo este Renault conta com o 1.5 dCi nas suas versões com 60, 65, 70, 80 e 85 cv, o 1.9 D com 55 e 65 cv e o 1.9 dTi com 80 cv.

Principais avarias e problemas
Os modelos equipados com o motor Diesel 1.5 dCi construídos até Junho de 2002 foram alvo de um recall para substituir a correia do alternador e um dos tensores.

O regulador de pressão da gasolina nos motores 1.2 e 1.4 pode dar problemas nos modelos fabricados até 1998. Nas primeiras unidades 1.2 podem surgir dificuldades no arranque a frio por causa de falhas nos injetores.

Já os 1.9 D construídos até 2001 podem revelar algumas complicações no sistema de refrigeração devido a um mau funcionamento do termostato.

Renault Kangoo (1997-2007)
5.8 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Preço
Espaço
Versatilidade
Contras
Insonorização
Qualidade dos materiais
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção6.5
Desvalorização5.5
Qualidade dos materais5.5
Habitabilidade e bagageira7.5
Segurança6.5
Conforto6.5
Consumo combustível6.5
Comportamento dinâmico6.5
Performance0
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Newsletter

Em aceleração