O hidrogénio será o futuro dos camiões de longo curso – Motorguia
Ligue-se connosco

Comerciais

O hidrogénio será o futuro dos camiões de longo curso

Published

on

Os grande fabricantes de camiões começam a voltar-se mais rapidamente para a eletrificação. Já há alguns anos que trabalham para as emissões zero, mas é agora que têm de começar a preocupar-se com elas.



A Mercedes Trucks já apresentou camiões e autocarros elétricos, mas tudo aponta para que uma das suas apostas de futuro sejam os camiões a célula de combustível, alimentado por hidrogénio de alta pressão. A melhor prova é este camião que recebe a designação GenH2 Truck, idealizado para longos percursos em estrada livre de emissões.

Para além do GenH2 Truck puramente conceptual, a marca alemã apresentou, na mesma leva, um eActros Long Haul 100% elétrico, com uma autonomia de 500 km, valor muito superior aos 200 km anunciados para o primeiro eActros.
No caso do camião a hidrogénio, o seu abastecimento demora pouco mais que um abastecimento de gasóleo e com um depósito de hidrogénio será capaz de percorrer até 1000 km sem abastecer. Mas o melhor é a sua capacidade de carga e o seu desempenho.

O GenH2 Truck Fuel Cell terá um rendimento e uma autonomia muito semelhante à de um camião convencional, segundo a marca. Este trator terá uma capacidade de reboque de até 25 toneladas, alcançando uma massa máxima autorizada de 40 toneladas. Os seus dois depósitos de hidrogénio armazenam um total de 80 kg de hidrogénio em alta pressão, que são depois convertidos em eletricidade por duas células de combustível de 150 kW de potência unitária. Dois motores elétricos de 330 kW de potência máxima encarregam-se de mover as rodas.

Ou seja, o camião passa para o solo um máximo de 660 kW de potência (897 CV) e 4141 Nm de binário, com uma potência constante de 460 kW (625 CV) e um gigantes binário de 3154 Nm. Mas, se esta potência não for suficiente em determinadas condições, uma bateria auxiliar de 70 kWh de capacidade é capaz de proporcionar à cadeia cinemática 400 kW adicionais, que se somam à potência de saídas das células de combustível. Um recurso muito útil na hora de atravessar zonas de montanha com o semirreboque carregado até ao topo.

Uma das chaves do futuro do transporte rodoviário alimentado por hidrogénio é a existência de uma rede de postos de abastecinento deste combustível e que utilizam hidrogénio gerado com a eletricidade de fontes renováveis.
O Mercedes-Benz GenH2 Truck vai começar os testes de estrada em 2022 com alguns clientes muito específicos, enquanto a versão de produção vai chegar à estrada a partir de  2025. O concept agora mostrado é um exercício de design e a versão final deverá ser muito diferente em termos estéticos.

 

Comerciais

Tesla volta a atrasar início de produção do Semi

Published

on

A empresa norte-americana anunciou que o início da produção do seu camião 100%, que foi apresentado em 2017, voltará a ser atrasado.



O Tesla Semi não vai começar a ser produzido na nova fábrica da marca no Nevada antes de 2022. A mesma sorte terá a sua pick-up Cybertruck. A falta de componentes de células para as bateria, devido a problemas na cadeia de fornecimento, é a responsável por este novo atraso.

O impacto deste camião, destinado a revolucionar o transporte de mercadorias, está a diluir-se pela apresentação dos primeiros camiões elétricos das marca generalistas. Já circulam em condições reais de trabalho modelos 100% elétricos da MAN, Mercedes-Benz, Renault Trucks ou Volvo Trucks.

Continuar a ler

Comerciais

Novo Mercedes-Benz Econic já está em fase de testes

Published

on

O veículo totalmente eléctrico de 27 toneladas para recolha de lixo será produzido em série já a partir de 2022.




O eEconic é baseado na arquitectura do eActros e destina-se a operações municipais urbanas. Está neste momento na fase de testes intensivos, com os engenheiros focados essencialmente na segurança, performance e durabilidade do mesmo.

O eEconic terá também de mostrar as capacidades das suas baterias e sistema de propulsão tanto em condições invernais ou estivais, assim como serão avaliados os níveis de ruído, compatibilidade electromagnética, havendo ainda test drives em estradas mais difíceis.

Logo que esta fase esteja concluída, a Mercedes-Benz Trucks avança para os testes em condições reais de utilização junto dos clientes. O início da produção em série na fábrica de Wörth será na segunda metade de 2022.

Grande parte das especificações técnicas centrais são idênticas às do Mercedes-Benz eActros. A ideia é que no futuro o eEconic seja capaz de cobrir a maioria das operações típica do Econic em rotas de recolha de lixo, sem necessidade de recarregamento durante o percurso, localmente neutro em questões de CO2 e silencioso.

O eEconic, de 27 toneladas, será inicialmente lançado no mercado com a configuração de 6×2 NLA, como veículo de recolha de lixo. Tal como o eActros, tem uma eixo eléctrico com dois motores eléctricos integrados e uma caixa de duas velocidades.

A bateria será composta por três packs, cada um com uma capacidade de cerca de 105kWh. Ambos os motores geram uma potência contínua de 300 kW, com um pico de 400 kW. Além disso, o veículo tem a possibilidade de recuperar energia, o que é uma vantagem especialmente neste tipo de operações.

 

Continuar a ler

Comerciais

Glenfiddich produz biogás com resíduos do seu whisky de malte

Published

on

O produtor de whisky escocês Glenfiddich está a converter os seus camiões de distribuição para que trabalhem com biometano, gás é produzido a partir dos resíduos do seu whisky de malte durante o processo de destilação.



Na destilaria da William Grant and Sons, Dufftown, na Escócia, a empresa instalou estações de serviço, pois tem o firme objetivo de converter os resíduos da sua produção de whisky em combustível de carbono para os seus camiões de distribuição.
A empresa está imersa numa iniciativa sustentável para processar a 100% os seus resíduos. A marca de whisky vendia os grãos que sobejavam do processo do malte como alimento para o gado com pouco teor proteico.

Não obstante, através de um processo de digestão anaeróbica, no qual as bactérias decompõem a matéria orgânica produzindo biogás, a destilaria pode empregar estes resíduos líquidos de forma a produzir o seu próprio combustível, e deste modo, reciclar todos os resíduos.
Atualmente, este biometano já está a ser consumido por três camiões Iveco que realizam o transporte do dito whisky desde a destilaria de Dufftown até a engarramento da bebida, noutras quatro instalações da empresa localizada no centro e oeste da Escócia.

A William Grant ans Sons conta com uma frota de 20 camiões que planeia reconverter para biogás na sua totalidade. Pretende ainda revelar este “segredo” a outras marcas de whisky.

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Newsletter

Em aceleração