Meio século do motor V8 da Scania: dos 350 aos 770 CV – Motorguia
Ligue-se connosco

Comerciais

Meio século do motor V8 da Scania: dos 350 aos 770 CV

Published

on

Os indefetíveis da marca sueca rejubilaram quando foi lançado durante o ano passado no mercado europeu uma edição especial das Séries S e R equipados com o motor V8.



Tratava-se nada mais nada menos do que a comemoração dos 50 anos de vida de um motor único pela sua arquitetura no atual panorama de veículos pesados e que na sua mais recente declinação alcança os 770 CV de potência num camião de série. Assim, é meio século de Scania V8 Power desde os 350 aos 770 CV.

Desde logo, e se falarmos dos grandes transportes especiais onde a gama Scania permite “puxar” até às 250 toneladas com um único trator, os 770 CV e 3700 Nm de binário podem parecer excessivos para a maior parte dos transportadores, mas não.

Para aqueles que valorizam tanto a imagem como o prazer de condução e as prestações, este poderoso coração mecânico de 8 cilindros em V e 16,4 litros de cilindrada, transformou-se em algo mais do que uma opção mecânica.

E é ao longo de cinco década que a Scania mantém no mercado os seus caraterísticos blocos de 8 cilindros montados num ângulo de 90 graus, por isso conquistou uma legião de fãs. Os motores V8 da marca sueca são blocos de paixão e não é difícil encontrar motoristas, os mais antigos, que tatuaram o símbolo desta besta mecânica na pele. Toda uma declaração de fidelidade que só se encontra na marca Scania.

1969: o nascimento da… besta

Uma das grandes estrelas durante o Salão Internacional do Veículo Industrial de Hanover, na Alemanha, IAA de 1969 foi o novo camião vindo da Escandinávia que nasceu para revolucionar o panorama do transporte interncional, não só a nível europeu mas também mundial.

A estrela era o Scania 140, que chamava a atenção pela sua grande cabina de linhas retilíneas que disponibilizava um habitáculo amplo e muito cómodo para a época. Também por isso, a nova jóia da Scania já podia ganhar o fervor dos camionistas a nível internacional, mais ainda porque o chefe de design da marca, o sueco Beng Gadefelt, tinha equipado aquela máquina com um poderoso bloco de 14,2 litros de cilindrada e oito cilindros em V a 90 graus que a troco de 350 kg debitava 350 CV e oferecia um binário máximo de 1245 Nm às 1500 rpm.

Vistas do século XXI, este números parecem um tanto ou quanto humildes, mas o momento da sua aparição no IAA de Hanover em 1969 transformou o Scania 140 no camião de série mais potente da Europa naquela época. Curiosamente, seria apenas em 1972 que o lançamento de uma nova série de pesados com cabina cúbica dos espanhóis da Pegaso e o seu motor de seis cilindros em linha de 12 litros turbo com 352 CV arrebatasse o trono de Rei da estrada.

A Scania contra atacava com a série 141, que praticamente sem mudar o aspeto exterior, introduzia melhorias mecânicas que elevavam o rendimento do seu já lendário V8 até aos 375 CV graças às utilização de um Turbo. Isto aconteceu em 1977 e a verdade é que a solidez do desenho do motor em V de oito cilindros permitiria décadas de melhorias sucessivas que fizeram com a potência fosse aumentando.

A corrida pela potência máxima

Num eterno mano-a-mano quase obsessivo com o seu arquirival e compatriota Volvo Trucks, a Scania manteve-se de forma permanente e ao mais alto nível na tentativa de oferecer ao mercado o camião mais potente. Em meados dos anos 80 do século XX, esta corrida tecnológica levaria a marca a superar os 400 CV e depois a partir dos anos 90 ultrapassou a barreira dos 500 CV.

Esta escalada foi possível graças à adição de novas técnicas de injeção direta, já presente no Scania 140, posteriormente o turbo, e mais à frente outros elementos como a refrigeração a ar que é utiliza no turbo através do intercooler e posteriormente entrando na gestão eletrónica da da própria injeção.

A evolução tecnológica foi tal que atualmente o motor V8 é proposto em versões de 520, 580, 650 e 730 CV… mais recentemente este último patamar subiu para os 770 CV. Tudo com um bloco cuja cilindrada cresceu dos 14,2 litros de 1969 para os atuais 16,4 litros, sempre com um peso mais reduzido.

O atual 770 supera e dobra a potência máxima do primeiro V8 e fá-lo sendo infinitamente menos poluente e muito mais poupado. Estamos impacientes para perceber até onde chegará a evolução dos V8 da Scania nos próximos 50 anos. Meio século de V8 desde os 350 aos 770 CV.

 

 

 

Comerciais

Ford mostra imagens da nova Ranger que só estará à venda em 2022

Published

on

A Ford mostrou a nova geração da Ranger, uma pick-up que chega no final de 2022 e que passa a ser baseada num dos modelos mais populares da marca da oval azul, a F-150.



A grelha definida e a assinatura em “C” nos faróis dianteiros são os principais traços distintivos, enquanto a subtil linha de ombros nas laterais incorpora arcos de rodas mais arrojados que proporcionam uma postura segura.

A Ranger integra, pela primeira vez, faróis de LED, enquanto os farolins da secção traseira foram desenhados em harmonia com os da frente.

A secção traseira conta com um degrau lateral integrado, atrás dos pneus, que possibilita um acesso à caixa de carga mais sólido e robusto. Conta ainda um novo e resistente forro de proteção em plástico moldado que ajuda a proteger tanto a caixa da pick-up de arranhões.

O habitáculo é semelhante ao de um ligeiro de passageiros, enquanto os materiais utilizados são suaves ao toque, diz a Ford. A consola central oferece um ecrã tátil de 10,1 ou 12 polegadas, que complementa o painel de instrumentos totalmente digital e dispõe do mais recente sistema SYNC 4 da Ford, preparado para ser utilizado pelo cliente com os seus sistemas de comunicações, entretenimento e informação, ativados por voz.

No capítulo mecânico também existem novidades. A Ranger vai continuar a ser proposta com os motores diesel de 2,0 litros, de quatro cilindros em linha, em versões Turbo e Bi-Turbo, mas passa a contar com um novo propulsor turbodiesel V6 de 3,0 litros.

O chassis foi revisto, com um aumento de 50 mm na distância entre-eixos. A Ranger será proposta com dois sistemas de tracção às quatro rodas, incluindo um sistema eletrónico shift-on-fly e um novo sistema avançado de tração às quatro rodas permanente.

 

Continuar a ler

Comerciais

Renault aumenta a autonomia do Master E-TECH Elétrico

Published

on

O Renault Master E-TECH 100% elétrico passa a oferecer mais autonomia graças à colocação de novas baterias de 52 kWh, possibilitando uma autonomia real de 190 km (em ciclo WLTP urbano de 244 km), uma opção que vai estar disponível apenas a partir da primavera de 2022.



Esta nova bateria surge acompanhada da possibilidade de fazer carregamentos rápidos a 22 kW DC, o que pressupõe carregar o veículo em duas ou três horas, dependendo do ponto de carregamento.

O Master E-TECH assegura o acesso ao centro das cidades sem emissões, incluídas nas zonas urbanas sem restrições de circulação. Permite ao condutor circular pela cidade com facilidade e segurança. O modelo conta com equipamentos específicos como câmaras de visão traseira e retrovisores sem ângulos mortos.

Está ainda equipado com um alerta ZE Voice, que avisa os peões sobre a passagem do veículo junto deles a menos de 30 km/h.

Está disponível em três tipos de carroçaria distintas, furgões, chassis-cabina e plataforma – cabina. O chassis conta com uma garantia de dois anos ou 100 mil km e a bateria tem uma garantia de até 8 anos ou 160 mil km.

Continuar a ler

Comerciais

IVECO fornece 1.064 camiões S-WAY a gás à Amazon

Published

on

A IVECO, marca que integra a CNH Industrial N.V. e pioneira na comercialização e fabrico de veículos movidos a combustíveis alternativos, anunciou hoje um importante desenvolvimento na sua relação comercial com a Amazon.



A Amazon já recebeu o primeiro lote de 216 unidades IVECO S-WAY CNG (Gás Natural Comprimido) destinadas aos seus parceiros na Europa, tendo sido encomendadas mais 848 unidades que serão entregues em meados de 2022, elevando a 1.064 camiões o total da encomenda.

Estes 1.064 camiões estão equipados com motores Cursor 13 Natural Gas da FPT Industrial e possuem depósitos de GNC com 1.052 litros de capacidade, os maiores disponíveis, de forma a garantir-se uma impressionante autonomia de 620 km entre reabastecimentos. As 848 unidades encomendadas para entrega em 2022 irão também contar com o sistema IVECO Driver Pal, o companheiro de condução de bordo da marca, com funcionalidades vocais desenvolvidas a partir da plataforma Amazon Alexa.

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Newsletter

Em aceleração