Renault Clio II (1998-2005) – Motorguia
Ligue-se connosco

Avaliações Usados

Renault Clio II (1998-2005)

Published

on

A segunda geração do Renault Clio representa um salto gigante face à primeira, tendo apenas como semelhança entre elas o nome, continuando a fazer do utilitário gaulês o modelo mais vendido da marca. Apresentado em 2008, sofreu uma profunda reformulação em 2001, tanto por fora como por dentro, tornando-se muito mais moderno e trazendo equipamento equipamentos opcionais até então inexistentes: cruise control, sensor de luz e chuva, faróis de xénon e ar condicionado automático.

A qualidade de construção é apenas razoável, misturando alguns materiais simpáticos com materiais rijos. A montagem não está isenta de críticas, podendo algumas unidades apresentar diversos ruídos parasitas. Neste campo, houve uma notória evolução com o restyling. A posição de condução é a grande falha do Renault Clio, pois o volante está numa posição pouco vertical, a coluna de direção só regula em altura e o banco está colocado num plano alto. Felizmente a ergonomia é boa, destacando-se o funcionamento dos comandos do sistema de som.

A habitalidade também não é brilhante, principalmente atrás.

O equipamento de série é bastante completo para a época e para o segmento. A partir de 2000, ABS e quatro airbags de série, o que era raro no segmento. Em termos de conforto, algumas unidades incluem de série o computador de bordo, o ar condicionado e os comandos no volante para o rádio. As jantes de liga leve são também de série a partir dos níveis RXE, Dynamique e Privilége. Antes do facelift, a indicação do nível de equipamento surge nos frisos exteriores e, depois, no interior do porta-luvas.

O Clio II é imbatível na relação entre o comportamento dinâmico e o conforto, superando mesmo diversos modelos de segmentos superiores. Curva de forma muito eficaz e segura, sendo até divertido, ao mesmo tempo que oferece um bom nível de conforto a todos os passageiros.

Motores

A gama de motores é alargada, oferecendo diversas possibilidades. Até 2000, a entrada da gama fazia-se pelo motor 1.2 a gasolina com apenas 8 válvulas e 60 cv. Prestações modestas, consumos razoáveis, mas uma manutenção barata. Mais tarde, surgiu o bloco 1.2 16v com 75 cv, capaz de prestações muito melhores, mas com consumos piores.
Para os mais exigentes, existem as versões 1.4 16v e 1.6 16v, com 98 e 110 cv, respetivamente. Ainda que um pouco menos económicos, acabam por compensar com uma utilização muito mais agradável.

Quem se importar com consumos, tem ao seu dispor as versões Diesel, que começam no bloco 1.9, em versões D e DTi, sendo o primeiro atmosférico e o segundo sobrealimentado, com potências de 65 e 80 cv, respetivamente. Mais tarde, em 2000, foram ambos substituídos pelo bloco 1.5 dCi, já com injecção common-rail, disponível em versões de 65, 80 e 100 cv. Muito mais económico e agradável de conduzir do que o anterior bloco 1.9 Diesel.

Principais avarias e problemas

O Renault Clio II resiste bem à passagem do tempo, mas há várias avarias registadas e que são comuns a diversos exemplares. No casos do motores a gasolina de 16 válvulas, são conhecidos problemas com a bobines, com os vedantes do coletor de admissão e com o sensor de posição da cambota, que impede que o motor arranque.
No caso dos motores Diesel 1.5 dCi, tenha atenção às capas das bielas e aos injetores.

Renault Clio II (1998-2005)
7.1 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Comportamento dinâmico
Conforto
Segurança
Contras
Habitalidade
Fiabilidade de alguns componentes
Posição de condução
Sumário
O Renault Clio continua a ser o automóvel mais vendido em Portugal e é fácil perceber porquê, se analisarmos todas as qualidades e defeitos da segurança geração, que consegue ainda estar bastante atual e capaz de satisfazer as necessidades por um preço baixo.
Fiabilidade6
Custos de manutenção8
Desvalorização7
Qualidade dos materais6
Habitabilidade e bagageira6
Segurança9
Conforto8
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico8
Performance6
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Avaliações Usados

Alfa Romeo Giulia (2016-…)

Published

on

Recuperando o nome Giulia a Alfa Romeo apresentou em 2016 aquele que foi o sucessor do 159, regressando com um produto bem atrativo ao segmento das berlinas familiares.



Com uma estética inconfundível tipicamente italiana o Giulia representou também um salto qualitativo na própria marca e apesar de alguns dos materiais do seu interior ainda deixarem algo a desejar este transalpino está uns furos acima de modelos anteriores e mais próximo das propostas germânicas que sempre dominaram o segmento.

Bem equipado, o habitáculo exibe um desenho envolvente e o espaço para o condutor é bom, mas o mesmo não se pode dizer dos bancos traseiros onde a habitabilidade não é das melhores.

O Giulia oferece acima de tudo uma excelente experiência de condução. Com tração traseira e uma distribuição de peso 50/50 entre os dois eixos, este Alfa Romeo revela-se muito eficaz e divertido de conduzir já que tem os seus comandos são diretos e têm uma resposta pronta.

Motores
A gama de motores é composta por dois motores com blocos em alumínio, ambos turbo, sendo um a gasolina disponível com 200 cv e 280 cv e outro Diesel também com várias potências, nomeadamente 150, 180 e 210 cv. O topo de gama é assegurado pelo motor V6 com 2.9 litros de cilindrada e com 510 cv que equipa a versão mais desportiva Quadrifoglio. Qualquer um destes motores assegura bons momentos de condução e uma boa resposta ás solicitações do pé direito.

Principais avarias e problemas
Equipado com motores que não revelaram problemas de maior, o Giulia acaba por continuar a revelar algumas anomalias no campo dos componentes eletrónicos que parecem sempre ter assombrado a marca.

Os sensores de estacionamento podem começar a funcionar sem necessidade e o sistema multimédia também pode apresentar falhas. A abertura elétrica da tampa da mala também não é um dos elementos mais fiáveis.

Alfa Romeo Giulia (2016-...)
6.9 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Prestações
Equipamento
Comportamento dinâmico
Contras
Alguns materiais
Habitabilidade traseira
Fiabilidade7
Custos de manutenção6.5
Desvalorização6.5
Qualidade dos materais6.5
Habitabilidade e bagageira6.5
Segurança7
Conforto7
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico7.5
Performance7.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Peugeot 1007 (2005-2010)

Published

on

Com uma estética de pequeno monovolume, o Peugeot 1007 surpreende pela adoção de umas portas elétricas deslizantes e esse é o seu grande trunfo diferenciador face a outros modelos do segmento.



Para entrar e sair do veículo quando está estacionado entre outros não há melhor que o 1007 com as suas portas deslizantes que lhe dão uma enorme polivalência, até para carregar sacos de compras para os bancos traseiros, ou algo semelhante. Contudo esta solução até nem ajuda muito para quem vá para os lugares traseiros pois oferece uma acessibilidade inferior à de um “normal” 5 portas.

Espaçoso nos lugares dianteiros, o mesmo não pode ser dito da área disponível nos bancos traseiros e a própria capacidade da bagageira com os seus 246 litros é algo escassa.

Bem equipado com ar condicionado de série e vários sistemas de segurança que lhe asseguraram a nota máxima (de então) nos testes Euro NCAP, o 1007 revela-se muito fácil de conduzir com uma direção informativa quanto baste, boa resposta aos comandos e uma boa visibilidade.

A sua suspensão é algo firme pois tem a tarefa de evitar os movimentos de uma carroçaria que é alta e isso acaba por prejudicar um pouco o conforto que se sente a bordo pois este Peugeot não lida da melhor forma com os pisos degradados das cidades.

Motores
As opções em termos de motores passam por três unidades a gasolina, o 1.4i com 75 cv, o 1.4 16v com 90 cv e o 1,6 16v com 133 cv, mas este utilitário com ares de monovolume também conta com dois motores Diesel da família HDI, nomeadamente o 1.4 HDI com 70 cv e o 1.6 HDI com 110 cv. Qualquer uma destas unidades não brilha no que diz respeito às prestações pois o 1007 é um modelo algo pesado, ainda assim revelam-se suficientes para uma utilização citadina.

Principais avarias e problemas
Nos modelos produzidos até ao início 2007 houve alguns problemas nos modelos com motores HDI que apresentaram fugas de gasóleo com origem na bomba de injeção. Também foram registadas algumas anomalias na válvula EGR dos motores 1.6 HDI.

O sistema das portas elétricas deslizantes pode apresentar anomalias no seu funcionamento podendo não fechar corretamente, em especial nas estações mais frias do ano.

Em 2008 vários modelos regressaram à assistência para verificar a correta fixação dos triângulos da suspensão no eixo dianteiro.

Peugeot 1007 (2005-2010)
6.5 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Segurança
Polivalência
Facilidade de condução
Contras
Bagageira
Habitabilidade
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção7
Desvalorização6
Qualidade dos materais6.5
Habitabilidade e bagageira6
Segurança7
Conforto6.5
Consumo combustível6.5
Comportamento dinâmico6.5
Performance6.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Citroën Xsara Picasso (1999-2006)

Published

on

Aquela que foi a estreia da Citroën no universo dos monovolumes não podia ser melhor. Com o Xsara Picasso a marca francesa conseguiu um produto capaz de ombrear lado a lado com a referência do segmento na altura, o Renault Scénic.



Senhor de uma boa luminosidade interior graças à sua superfície vidrada ser extensa, o Xsara Picasso oferece um interior espaçoso, merecendo destaque o autêntico “corredor” que existe entre os bancos dianteiros devido à inclusão da alavanca da caixa na base da elevada consola central.

Oferecendo uma enorme versatilidade graças à modularidade dos bancos e aos vários espaços de arrumação, este monovolume mostra-se capaz de dar uma boa respostas às necessidades de uma simples ida às compras ou às exigências de uma grande viagem com a lotação esgotada e muita bagagem.

Os materiais escolhidos para o interior podiam ser melhores, mas percebe-se num modelo onde o preço competitivo é um dos seus argumentos.

Confortável graças à suavidade da suspensão o Xsara Picasso inclui uma caixa robotizada como opção elemento que se revela algo lento nas mudanças de relação e isso por vezes não ajuda na facilidade de condução.

Motores
Equipado motores a gasolina gasóleo, o Picasso tem no 1.6 16v a gasolina nas versões de 90 e 95 cv o motor de entrada de gama. Nas opções com o mesmo combustível seguem-se o 1.8 16v com 110 e 117 cv e o 2.0 16v com 137 cv.

Compreensivelmente as opções Diesel foram as mais vendidas e são as mais procuradas no nosso mercado e contam com o 1.6 HDI com 92 cv e 110 cv e o 2.0 HDI com 90cv.

Entre todos a escolha mais equilibrada capaz de proporcionar boas prestações e os consumos mais baixos é o 1.6 HDI, especialmente o de 110 cv que surgiu já no final de vida desta geração do Xsara Picasso.

Principais avarias e problemas
Algumas anomalias de funcionamento no 1.8 16v podem obrigar a uma reprogramação da unidade de gestão. Alguns modelos equipados com o 2.0 HDI sofreram de problemas no common rail que revelou fugas de gasóleo. Nos modelos produzidos até 2002 os apoios do motor revelaram-se pouco robustos.

Verificaram-se alguns casos de necessidade de substituição dos radiadores, ainda dentro da garantia. Os apoios dos amortecedores e por vezes os próprios amortecedores tiveram de ser substituídos por falhas nos apoios. Foram registados casos de bombas da direção defeituosas que levaram à sua substituição.

O sistema de airbags dos modelos fabricados até Abril de 2000 pode revelar erros na sua parametrização o que levou à troca dos airbags laterais numa chamada à assistência que teve lugar a partir de Julho de 2000.

Citroën Xsara Picasso (1999-2006)
6.9 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Preço
Conforto
versatilidade
Contras
Caixa robotizada
Qualidade de alguns materiais
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção7
Desvalorização6.5
Qualidade dos materais6.5
Habitabilidade e bagageira7.5
Segurança7.5
Conforto7
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico6.5
Performance6.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Newsletter

Em aceleração