Ligue-se connosco

Avaliações Usados

Mazda 3 (2009-2013)

Published

on

Não há muitos Mazda 3 usados disponíveis no mercado porque as vendas deste pequeno familiar não foram expressivas. Os poucos que existem garantem boa fiabilidade e uma manutenção reduzida, o seu maior trunfo.

Para quem procura um carro diferente dos que integram as marcas generalistas, o Mazda 3 é uma escolha a ter em conta. Tem um “look” desportivo, uma construção e acabamentos acima da média e uma boa valorização como usado, ou seja, é um carro que desvaloriza menos que os seus rivais.

A sua suspensão garante um bom comportamento dinâmico e uma condução muito agradável, mas penaliza o conforto por ser demasiado firme e em piso degradado até um pouco desconfortável. A direção é bastante direta e precisa e a travagem muito potente e eficaz.

Por dentro, o design não é apelativo, valendo pela funcionalidade e arrumação do tablier e consola que resulta agradável. As principais críticas acusavam o Mazda 3 de apresentar demasiados botões/comandos, inclusive no volante e dos plásticos da consola serem de qualidade inferior.

A habitabilidade traseira não é referência e acessibilidade também não. Não é fácil para um adulto de estatura elevada sentar-se no banco traseiro.

As versões mais vendidas em Portugal estavam equipadas com motores Diesel, em especial o 1.6 de 109 e 115 cv que oferecem uma condução económica, com alguma preguiça a baixos regimes.

Motores

A oferta de motores nesta geração do Mazda 3 é curta, tendo em conta que a marca japonesa nunca quis ter um leque muito alargado de propulsores. Como diz o povo por cá, “poucos mas bons”, e na realidade os motores da Mazda são bastante fiáveis.

A gasolina são três, o mais vendido em Portugal foi o 1.6 MZR de 105 cv, praticamente inexistente a venda dos motores 2.0 de 150 cv e 2.3 MPS de 260 cv.

Os Diesel centraram o foco no 1.6 MZ-CD de 109 e 115 cv, tendo ainda na oferta o 2.0 de 150 cv e 2.2 de 185 cv.

Principais avarias e problemas

A fiabilidade caracteriza este produto da Mazda em conjunto com custos de manutenção reduzidos.

Registaram-se nos motores 1.6 MZ-CD problemas com o filtro de partículas (FAP) devido a situações de regeneração em percursos muito curtos que o veículo realizava. No 2.2 MZ-CD foi encontrada uma falha num captor do turbo que implicava perdas de potência.

Ruídos parasitas no banco do condutor devido a uma placa de apoio do assento e foi registado apenas nas primeiras unidades da primeira série.

Fecho centralizado funcionava mal quando utilizada a chave sem comando à distância.

Mazda 3 (2009-2013)
8 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Fiabilidade
Custos manutenção
Comportamento dinâmico
Contras
Conforto
Plásticos interiores
Habitabilidade traseira
Fiabilidade9
Custos de manutenção9
Desvalorização8.5
Qualidade dos materais8
Habitabilidade e bagageira7
Segurança7.5
Conforto7
Consumo combustível8
Comportamento dinâmico8
Performance7.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Avaliações Usados

Fiat Panda (2012-…)

Published

on

A terceira geração do Fiat Panda mantém todos os atributos deste citadino intactos, com especial destaque para a facilidade de condução e a componente económica, tanto no que diz respeito ao preço como aos custos de manutenção.

Com um desenho sempre leve e apelativo no interior, o Panda oferece uma boa posição de condução e só é pena que alguns materiais não cativem muito pela sua qualidade.

Infelizmente a habitabilidade traseira não é tão generosa como seria de esperar e o conforto não está ao melhor nível já que a suspensão não consegue filtrar de forma muito eficaz as irregularidades do piso citadino mais degradado que será muito provavelmente o seu habitat natural e em simultâneo os motores tricilíndricos apresentam algumas vibrações no funcionamento.

O seu bom diâmetro de viragem associado a uma direção muito leve reforçam a facilidade com que o Panda se desloca em cidade, algo que sempre foi um dos trunfos deste citadino transalpino.

Motores
O Panda conta com três motores a gasolina: o 0.9 Twinair com 65 cv, o 0.9 Twinair T com 86 e 90 cv e o 1.2 com 69 cv e o motor 1.3 Multijet a gasóleo nas suas versões de 75 e 95 cv de potência, unidades algo ruidosas, mas que cujos consumos comedidos são um bom trunfo.

Principais avarias e problemas
Os motores twinair revelaram alguns problemas na ignição, algo que é solucionado com uma reprogramação. Além disso também foram registados alguns casos de fugas de óleo ao nível da distribuição nos modelos fabricados até abril de 2012.

Houve alguns casos de modelos com o ralenti instável e dificuldades no arranque. Nos modelos com o motor Diesel Multijet pode haver fuga de combustível nos injetores.

O sistema Start & Stop pode ter um funcionamento errático, independentemente da motorização. Nalguns modelos a luz do ESP acendeu sem que houvesse razão para tal, anomalia resolvida com uma simples reprogramação.

O eixo dianteiro pode começar a apresentar algumas vibrações.

Fiat Panda (2012-...)
6.6 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Preço
Custos de manutenção
Facilidade de condução
Contras
Conforto
Habitabilidade traseira
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção7.5
Desvalorização6
Qualidade dos materais6
Habitabilidade e bagageira6.5
Segurança6.5
Conforto6.5
Consumo combustível7.5
Comportamento dinâmico6.5
Performance6.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Peugeot 206 CC (2000-2007)

Published

on

Com o Peugeot 206 CC a marca francesa introduziu o conceito de coupé-cabriolet no segmento dos utilitários e o público aderiu de imediato a esta forma de conduzir a céu aberto com as vantagens de uma capota rígida.

Não foi pioneiro na utilização de uma capota rígida, mas a sua introdução no segmento dos utilitários, mantendo uns teóricos quatro lugares de lotação foi algo nunca visto até então.

Infelizmente esses “quatro” lugares são na realidade dois mais um espacinho atrás pois nem duas crianças vão plenamente confortáveis nos bancos traseiros, mas o 206 CC é claramente um modelo para dois.

Perde no comportamento face aos seus irmãos na gama, perde na habitabilidade e perde na capacidade da mala que apenas tem uns escassos 150 litros de capacidade, mas ganha na diversão que é poder conduzir um coupé quando o tempo é mais agreste e de um momento para o outro, quando o clima for mais agradável, poder transformar em pouco tempo esse coupé num descapotável para usufruir dos prazeres da condução a céu aberto.

Motores
A gama de motores deste 206 CC é composta por duas unidades a gasolina, o 1.6 16V com 110 cv de potência e o 2.0 16V com 16 cv. Este último é o motor mais equilibrado para este modelo pois a sua potência compensa o aumento de peso que o sistema da capota trouxe a este 206, no entanto não é muito poupado pelo que a opção Diesel composta pelo 1.6 HDI, com os seus 110 cv, surge como a mais simpática apesar do motor ser um pouco ruidoso.

Principais avarias e problemas
Em termos mecânicos este Peugeot 206 CC não revela problemas de maior, apenas algumas situações foram reportadas em que o 1.6 HDI apresentava perdas de potência.

Padece dos mesmos problemas eletrónicos que a gama 206 em que os primeiros modelos produzidos ainda sofriam com as “dores de crescimento” da adoção da multiplexagem como solução para ligar todos os elementos eletrónicos.

Nos modelos produzidos nos primeiros anos surgiram falhas na estanquicidade da capota rígida com infiltrações em algumas junções. Esses problemas foram sendo resolvidos com o tempo com algumas afinações e novos materiais.

Peugeot 206 CC (2000-2007)
6.7 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Preço
Conceito inovador
Divertido de conduzir
Contras
Insonorização
Habitabilidade
Capacidade da mala
Fiabilidade7
Custos de manutenção6.5
Desvalorização6.5
Qualidade dos materais6.5
Habitabilidade e bagageira5.5
Segurança7
Conforto6.5
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico7
Performance7
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Ford C-Max (2003-2010)

Published

on

A primeira geração do Ford C-Max representou a entrada a marca no segmento dos monovolumes compactos e trouxe como grande atributo uma condução eficaz muito semelhante a uma berlina familiar com as vantagens da polivalência oferecida por um monovolume.

Partilhando a mesma plataforma do Focus, o C-Max conta com uma base que havia dado provas da sua qualidade em termos dinâmicos e veio a capitalizar com isso apresentando um comportamento sóbrio e direto, sem os tradicionais movimentos de carroçaria típicos dos monovolumes. A suspensão é firme mas não compromete o conforto que se sente a bordo, que apenas é beliscado por alguns ruídos aerodinâmicos que se sentem a velocidades um pouco mais elevadas.

Sem ser uma referência no espaço interior o C-Max acomoda bem os seus ocupantes e oferece uma bagageira generosa com 550 litros de capacidade. Infelizmente não foi comercializado numa versão maior com lotação para sete lugares como aconteceu com alguma concorrência, ficando-se apenas pelos cinco lugares habituais.

O desenho do habitáculo é sóbrio e alguns materiais podiam ser de melhor qualidade, o que acaba por não favorecer muito a imagem de solidez que se deseja. A ergonomia é boa e a posição de condução oferece os ajustes necessários para que o condutor se encaixe bem no C-Max.

Motores
Surgindo no auge do Diesel, o C-Max oferece cinco propostas a gasóleo começando no 1.6 TDCi de 90 e 110 cv de potência, passando pelo 1.8 TDCi com 115 e terminando no 2.0 TDCI nas versões de 110 e 136 cv. Qualquer uma destas unidades revela bons valores nos consumos e umas boas prestações.

Já nas versões a gasolina este monovolume conta com os motores 1.6 com 100 e 115 cv, 1.8 com 120 e 125 cv e o mais potente 2.0 com 145 cv.

Principais avarias e problemas
As versões 1.6 e 2.0 TDCi podem revelar perdas de potência, sendo que no caso dos 1.6 TDCi há registos de problemas com a válvula EGR e de fugas de óleo.

Nos modelos produzidos até 2005 é possível que haja anomalias na regulação dos tensores da correia de distribuição.

Nos modelos equipados com travão de mão elétrico podem haver falhas no mesmo que são solucionadas com uma simples reprogramação. Foram reportadas algumas falhas eletrónicas no rádio e o compressor do ar condicionado pode tornar-se ruidoso.

Ford C-Max (2003-2010)
7 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Conforto
Capacidade da mala
Comportamento dinâmico
Contras
Ruídos aerodinâmicos
Qualidade de alguns materiais
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção6.5
Desvalorização7
Qualidade dos materais6.5
Habitabilidade e bagageira7
Segurança7.5
Conforto7
Consumo combustível7.5
Comportamento dinâmico7.5
Performance7
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Newsletter

Em aceleração