Ligue-se connosco

Avaliações Usados

Mazda 3 (2009-2013)

Published

on

Não há muitos Mazda 3 usados disponíveis no mercado porque as vendas deste pequeno familiar não foram expressivas. Os poucos que existem garantem boa fiabilidade e uma manutenção reduzida, o seu maior trunfo.

Para quem procura um carro diferente dos que integram as marcas generalistas, o Mazda 3 é uma escolha a ter em conta. Tem um “look” desportivo, uma construção e acabamentos acima da média e uma boa valorização como usado, ou seja, é um carro que desvaloriza menos que os seus rivais.

A sua suspensão garante um bom comportamento dinâmico e uma condução muito agradável, mas penaliza o conforto por ser demasiado firme e em piso degradado até um pouco desconfortável. A direção é bastante direta e precisa e a travagem muito potente e eficaz.

Por dentro, o design não é apelativo, valendo pela funcionalidade e arrumação do tablier e consola que resulta agradável. As principais críticas acusavam o Mazda 3 de apresentar demasiados botões/comandos, inclusive no volante e dos plásticos da consola serem de qualidade inferior.

A habitabilidade traseira não é referência e acessibilidade também não. Não é fácil para um adulto de estatura elevada sentar-se no banco traseiro.

As versões mais vendidas em Portugal estavam equipadas com motores Diesel, em especial o 1.6 de 109 e 115 cv que oferecem uma condução económica, com alguma preguiça a baixos regimes.

Motores

A oferta de motores nesta geração do Mazda 3 é curta, tendo em conta que a marca japonesa nunca quis ter um leque muito alargado de propulsores. Como diz o povo por cá, “poucos mas bons”, e na realidade os motores da Mazda são bastante fiáveis.

A gasolina são três, o mais vendido em Portugal foi o 1.6 MZR de 105 cv, praticamente inexistente a venda dos motores 2.0 de 150 cv e 2.3 MPS de 260 cv.

Os Diesel centraram o foco no 1.6 MZ-CD de 109 e 115 cv, tendo ainda na oferta o 2.0 de 150 cv e 2.2 de 185 cv.

Principais avarias e problemas

A fiabilidade caracteriza este produto da Mazda em conjunto com custos de manutenção reduzidos.

Registaram-se nos motores 1.6 MZ-CD problemas com o filtro de partículas (FAP) devido a situações de regeneração em percursos muito curtos que o veículo realizava. No 2.2 MZ-CD foi encontrada uma falha num captor do turbo que implicava perdas de potência.

Ruídos parasitas no banco do condutor devido a uma placa de apoio do assento e foi registado apenas nas primeiras unidades da primeira série.

Fecho centralizado funcionava mal quando utilizada a chave sem comando à distância.

Mazda 3 (2009-2013)
8 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Fiabilidade
Custos manutenção
Comportamento dinâmico
Contras
Conforto
Plásticos interiores
Habitabilidade traseira
Fiabilidade9
Custos de manutenção9
Desvalorização8.5
Qualidade dos materais8
Habitabilidade e bagageira7
Segurança7.5
Conforto7
Consumo combustível8
Comportamento dinâmico8
Performance7.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Avaliações Usados

Volkswagen Tiguan (2016-…)

Published

on

Imagem de marca, posição de condução elevada, qualidade de construção e conforto são alguns dos atributos desta segunda geração do Tiguan que conquistaram o público apesar do seu preço no mercado ser um pouco elevado.



Com um bom ambiente a bordo, tirando partido de uma grande sobriedade no desenho e de uma boa escolha dos materiais utilizados, o Tiguan oferece uma posição de condução elevada e com um bom compromisso entre o banco e a coluna de direção graças às suas múltiplas regulações.

Bem equipado, este SUV assegura um espaço generoso para todos os ocupantes e um volume da bagageira ideal para aquelas viagens maiores. O conforto é assegurado por uma boa insonorização quer dos ruídos aerodinâmicos quer do motor e a suspensão revela um bom trabalho na supressão das irregularidades, sejam elas causadas pelo mau piso ou por uma ou outra lomba.

Ao mesmo tempo o comportamento dinâmico revela uma boa eficácia considerando o peso e dimensões do Tiguan, revelando-se um modelo bem previsível e controlável nas mais variadas situações.

Com o seu estatuto algo premium o seu preço não é dos mais convidativos, o mesmo podendo ser dito dos seus custos de manutenção.

Motores
Como é habitual nos modelos Volkswagen, a gama de motores é vasta e o Tiguan não é exceção. Começando na oferta a gasolina este SUV conta com o 1.4 TSI de 125 e 150 cv, o 1.5 TSI EVO de 130 e 150 cv e o 2.0 TSI de 180 e 190 cv de potência.

Já nas soluções Diesel a família de motores TDi é composta pelo bloco de 2.0 litros de capacidade nas suas versões com potências de 115 cv, 150 cv, 190 cv e 240 cv.

Qualquer uma destas unidades revela um bom rendimento e proporciona uma boa desenvoltura em qualquer momento de condução, sempre com consumos relativamente modestos. No entanto o Tiguan sente-se mais “à vontade” com as unidades capazes de debitar potências superiores a 140 cv.

Principais avarias e problemas
Algumas unidades equipadas com o motor 1.4 TSI apresentaram problemas com a sonda Lambda e foram registados casos de fugas de líquido de refrigeração ao nível da bomba de água e de fugas de óleo no turbo.

Nos motores TDI pode surgir um consumo de óleo excessivo e também algumas anomalias com o filtro de partículas. Houve também casos de fugas de líquido de refrigeração.

A caixa de dupla embraiagem DSG pode apresentar falhas de funcionamento e em termos de carroçaria o teto panorâmico pode ganhar infiltrações.

Volkswagen Tiguan (2016-...)
7.1 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Conforto
Habitabilidade
Qualidade de construção
Contras
Preço
Custos de manutenção
Fiabilidade7
Custos de manutenção6.5
Desvalorização7
Qualidade dos materais7.5
Habitabilidade e bagageira7
Segurança7.5
Conforto7
Consumo combustível7.5
Comportamento dinâmico7
Performance7
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Honda Accord (2003-2008)

Published

on

O nome Accord é um dos que conta com uma maior longevidade no seio da Honda e esta que foi a sua sétima geração representou uma ainda maior aproximação da marca ao mercado europeu, tanto em termos de linhas como de oferta de motores já que estreou o motor 2.2i-CDTi a gasóleo, um dos mais silenciosos e capazes do segmento na altura.



Com um interior muito bem montado e com bons materiais este Accord oferece uma boa habitabilidade, mesmo nos bancos traseiros. Também a capacidade da mala é muito boa, tanto na versão de quatro portas como na versão carrinha onde a bagageira apresenta um acesso muito fácil.

A posição de condução é boa e este Honda está bem equipado assegurando um bom conforto em estrada aos ocupantes até porque está muito bem insonorizado. Infelizmente a sua suspensão já não exibe um trabalho tão eficaz em cidade onde as irregularidades do mau piso não são bem filtradas para o interior.

A firmeza da suspensão que assegura um comportamento dinâmico sério e previsível nas estradas mais sinuosas, acaba por penalizar um pouco o conforto no interior do Accord quando o asfalto é mais degradado.

Com uns custos de manutenção algo elevados este Honda de certa forma acaba por compensar com uma boa fiabilidade e um bom valor de retoma no mercado de usados.

Motores
O Accord oferece três motores na sua gama, dois a gasolina, o 2.0i com 155 cv e o 2.4i com 190 cv e o 2.2i-CDTi a gasóleo, uma unidade a ter em conta com os seus baixos consumos, boas prestações e funcionamento silencioso.

Principais avarias e problemas

O Honda Accord foi alvo de algumas chamadas à rede de assistência para corrigir pequenas anomalias nos motores a gasolina e também no motor Diesel, neste caso, algumas unidades produzidas até 2004 foram chamadas para reprogramar a unidade de comando do motor que causava o acendimento sem razão da luz de aviso no painel de instrumentos.

Honda Accord (2003-2008)
7.1 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Habitabilidade
Capacidade da mala
Qualidade de construção
Contras
Custos de manutenção
Suspensão algo firme
Fiabilidade8
Custos de manutenção6.5
Desvalorização7.5
Qualidade dos materais7
Habitabilidade e bagageira7.5
Segurança7
Conforto7
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico7
Performance6.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Citroën Berlingo (1996-2011)

Published

on

O Berlingo é um nome que há muito se instalou no mercado automóvel como um dos modelos mais polivalentes no exigente segmento dos veículos comerciais, mas também como uma proposta a ter em conta para quem precisa de um veículo de passageiros com espaço para os ocupantes e também para bagagem a um preço acessível.



Já com vários anos na sua carreira e com os naturais restylings e alterações, o Citroën Berlingo sempre se manteve como um modelo muito fácil de conduzir, com uma direção leve e uma boa visibilidade, o que simplifica as manobras citadinas. Confortável quanto baste, exceção feita à insonorização que não é muito bem conseguida, o Berlingo até revela um bom comportamento dinâmico se considerarmos a sua altura.

O interior é muito espaçoso e oferece um desenho muito simples, mas funcional. Os materiais utilizados não são dos melhores e o equipamento disponibilizado também não é farto, mas isso é perfeitamente compreensível face ao bom preço que o Berlingo sempre teve.

A posição de condução não é das mais bem conseguida com o volante algo inclinado e um pouco horizontal face ao banco, não deixando o condutor esquecer o gene comercial original deste modelo francês.

Motores
A gama de motores é relativamente simples, mesmo considerando a longevidade das várias gerações do Berlingo. Começando nas unidades a gasolina, pouco procuradas no nosso mercado, este gaulês conta com o 1.4i com 75 cv, o 1.6 16V com 110 cv. Já nas propostas Diesel este Citroën é motorizado pelo 1.9D com 71 cv, o 1.6 HDI nas suas versões de 75 e 92 cv e pelo 2.0 HDI com 90 cv de potência.

Principais avarias e problemas
O motor 1.6 HDI pode apresentar perdas de potência, fugas de óleo e de combustível e um consumo elevado de líquido de refrigeração. Já as unidades equipadas com o motor a gasolina 1.4i produzidas entre 1997 e 1998 podem ter algumas falhas na aceleração, problema que é resolvido com uma reprogramação do sistema de injeção.

Houve alguns casos de problemas com os travões nos modelos produzidos entre 1997 e 1999 mas que são facilmente resolvidos. A bomba da assistência da direção pode evidenciar um desgaste prematuro.

O fecho centralizado e os vidros elétricos podem apresentar anomalias no seu funcionamento.

Citroën Berlingo (1996-2011)
6.8 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Preço
Espaço disponível
Facilidade de condução
Contras
Equipamento
Alguns materiais
Motores Diesel ruidosos
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção7.5
Desvalorização6.5
Qualidade dos materais6
Habitabilidade e bagageira7.5
Segurança7
Conforto6.5
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico6.5
Performance6.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Newsletter

Em aceleração