Ligue-se connosco

Avaliações Usados

Volvo S40/V50 (2004 – 2012)

Published

on

Decorria o ano de 2004 quando a segunda geração dos Volvo S40/V50 – antes S40/V40 – se deu a conhecer. Nasceu sob a plataforma do Ford Focus, evoluiu a imagem exterior de forma discreta e renovando de forma evidente todo o habitáculo face à geração antecessora. Novos motores, numa inversão da aposta nos motores a gasolina para os Diesel.

Foi nesta altura que começámos a conhecer a linguagem estética para o habitáculo que, de certa forma, ainda podemos encontrar nos Volvo vendidos atualmente. Linhas direitas, minimalistas e igualmente modernas, ainda que a forma, por vezes, se sobreponha à função. Face à anterior geração, os materiais melhoraram bastante, assim como a montagem.

A habitabilidade melhorou, mas continuo a estar abaixo da média do segmento. No caso da carroçaria carrinha, V50, verifica-se também que a bagageira tem uma capacidade demasiado reduzida para os padrões da época.

Os níveis de equipamento dividem-se, literalmente, por três níveis: I, II e III. Mais tarde, as designações mudaram. A versão de acesso está bastante despida, contando apenas com os elementos de segurança e o ar condicionado. Para ter cruise control, por exemplo, é necessário ir para uma versão equipada.

Ao volante, a posição de condução é boa, assim como o conforto, que faz jus à boa escola sueca. Tudo suave e silencioso. A dinâmica não entusiasma, mas é suficientemente segura.

Motores

Além da plataforma, o Ford Focus e o Volvo S40/V50 partilham também diversos motores, com destaque para os Diesel 1.6 (110 cv) e 2.0 (136 cv), assim como o 1.6 a gasolina de 100 cv. Menos comuns no mercado português são os exclusivos Volvo 1.8 de 120 cv e T5 de 220 cv, ambos a gasolina.
Qualquer um dos Diesel oferece prestações suficientes, ainda que seja preferível optar pelo mais potente.
Os motores a gasolina desaconselhamos, pois o 1.6 tem prestações modestas, e o 1.8 e T5 têm consumos excessivos.
Em 2009, o motor 1.6 Diesel surge numa versão DRIVe, que garante melhores consumos e que, um ano depois, recebeu o sistema stop/start.

Principais avarias e problemas

Problemas com os motores 1.6 e 2.0 Diesel divididos por: válvula EGR, software e elementos elétricos.

Volvo S40/V50 (2004 - 2012)
6.7 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Imagem
Qualidade de construção
Conforto
Contras
Habitabilidade
Equipamento de série
Capacidade da bagageira na V50
Sumário
Solidez, conforto e boa imagem é aquilo que o Volvo S40/V50. Com uma plataforma de um pequeno familiar, a habitabilidade ressente-se.
Fiabilidade6
Custos de manutenção6
Desvalorização6
Qualidade dos materais8
Habitabilidade e bagageira5
Segurança8
Conforto8
Consumo combustível6
Comportamento dinâmico7
Performance7
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Avaliações Usados

Nissan Micra (2003-2011)

Published

on

O Nissan Micra sempre foi um utilitário simples e cumpridor das suas funções e esta geração não foge à regra. Rompeu esteticamente com o seu antecessor, mas sem perder as formas arredondadas, acabando por ganhar um aspeto mais jovial e irreverente.



Muito fácil de conduzir graças a uma direção leve, um bom diâmetro de viragem e uma excelente visibilidade, o Nissan Micra oferece uma posição de condução equilibrada e um bom espaço para os ocupantes dos bancos dianteiros. O mesmo já não se aplica aos bancos traseiros onde o espaço não é muito generoso.

A bagageira também não é das maiores apresentando apenas 251 litros de capacidade. O ambiente a bordo é muito racional com um nível de montagem razoável dos vários painéis.

O conforto sai algo penalizado por uma insonorização que não está muito bem conseguida, mas é algo que incomoda mais nas grandes viagens do que em cidade onde este Micra está realmente no seu habitat natural.

Motores
Os motores que equipam este pequeno japonês revelam-se perfeitamente enquadrados com as necessidades do circuito urbano com boas prestações e consumos comedidos. A gama começa pelas propostas a gasolina que incluem o 1.2 com 65 e 80 cv e o 1.4 com 88 cv. Já na alternativa Diesel o motor 1.5 dCi de origem francesa preenche a oferta nas suas versões de 65, 68, 82 e 86 cv de potência.

Principais avarias e problemas
Alguns modelos equipados com os motores a gasolina revelaram falhas na aceleração que são resolvidas com uma simples reprogramação. Os discos de travão podem revelar um desgaste prematuro.

Certas unidades tiveram de substituir elementos no banco do condutor já que este não mantinha a posição previamente ajustada. Foram ainda detetadas algumas anomalias no funcionamento do fecho centralizado causadas por um mau contacto fácil de solucionar.

Vários modelos produzidos após 2008 foram alvo de um recall (em 2014) para solucionar uma possível falha no disparo do airbag.

Nissan Micra (2003-2011)
6.7 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Visibilidade
Simplicidade
Facilidade de condução
Contras
Capacidade da bagageira
Habitabilidade traseira
Fiabilidade7
Custos de manutenção7
Desvalorização6.5
Qualidade dos materais6.5
Habitabilidade e bagageira6.5
Segurança7
Conforto6.5
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico6.5
Performance6.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Mercedes Classe C (2014-…)

Published

on

A Classe C é uma das linhagens mais bem sucedidas da Mercedes e durante muitos anos representou o modelo de entrada no universo da marca de Estugarda, sendo que ainda hoje podemos considerar que é o primeiro Mercedes da gama a personificar a escolha pelo familiar com um toque executivo e exclusivista.



Mantendo sempre umas linhas sóbrias como é apanágio da Classe C e E da Mercedes, esta geração está um pouco mais elegante graças à fluidez das suas formas e a uma grelha omnipresente na dianteira dando-lhe um pouco mais de caráter face aos seus antecessores.

No interior o desenho é um pouco mais arrojado com uma referência especial às saídas de ventilação que se destacam num habitáculo onde pontificam os materiais de boa qualidade e uma construção que não merece reparos, o que dá uma boa sensação de solidez como é habitual na marca alemã.

Com uma boa habitabilidade esta geração do Classe C oferece um bom conforto, tanto nos circuitos citadinos onde é habitual confrontar-se com mau piso como nas viagens mais longas em auto-estrada.

Marcadamente premium, este Mercedes não surge no mercado com um dos preços mais atrativos, apesar do bom equipamento de série atenuar esse facto. os seus custos de manutenção também não são dos mais meigos para a carteira.

Motores
O Mercedes Classe C oferece uma vasta gama de motores que começa com as opções a gasolina com o 160 de 129cv, passando para o 180 com 156 cv, o 200 com 184 cv, o 250 com 211 cv e o 300 com 245 cv.

Nas opções a gasóleo este Classe C conta com o 180d de 116 e 122 cv, o 200d com 136 e 160 cv, o 220d com 170 e 194 cv, o 250d com 204cv. Qualquer um destes motores apresenta um bom equilíbrio entre prestações e consumos.

Está ainda disponível a versão híbrida 300h capaz de debitar uma potência máxima de 231 cv.

Principais avarias e problemas
Os primeiros modelos produzidos do 220d e 250d exibiram alguns problemas no turbo. Foram também registados alguns casos de falhas nos tensores da corrente de distribuição. A versão 300h também revelou algumas anomalias no motor que podem levar à sua imobilização.

Os sensores de estacionamento podem apresentar problemas no seu funcionamento e o sistema Start&Stop pode revelar-se algo caprichoso. A caixa de velocidades 7G-Tronic não está isenta de falhas que podem ser solucionadas com uma simples reprogramação ou então com a substituição das juntas.

A embraiagem pode apresentar um desgaste prematuro obrigando à sua substituição e a direção assistida também pode evidenciar alguns ruídos.

Mercedes Classe C (2014-...)
7.2 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Conforto
Habitabilidade
Qualidade dos materiais
Contras
Preço
Custos de manutenção
Fiabilidade7
Custos de manutenção6
Desvalorização7.5
Qualidade dos materais8
Habitabilidade e bagageira7
Segurança7.5
Conforto7.5
Consumo combustível7.5
Comportamento dinâmico7
Performance7
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Citroën C3 Aircross (2017-…)

Published

on

Com o lançamento do C3 Aircross, a Citroën substituiu o pequeno monovolume C3 Picasso oferecendo uma proposta com uma estética que pisca o olho aos SUVs e vai mais de acordo com os gostos do mercado atual.



Mantendo uma boa polivalência de utilizações graças à sua modularidade, o C3 Aircross preservou os bons atributos que o C3 Picasso tinha e que conquistou tantas jovens famílias.

Com um interior algo sóbrio e pouco requintado no que diz respeito a alguns materiais, este Aircross prima pelo seu equipamento de segurança que lhe garante uma avaliação de 5 estrelas nos testes Euro NCAP.

A posição de condução é boa e apenas se lamenta que os comandos sejam algo vagos na interação com o condutor, nomeadamente a direção e a caixa de velocidades em que tudo é muito filtrado.

O conforto está a um bom nível apesar da suspensão em certas motorizações se revelar algo firme em mau piso, o que acaba por se compreender pois tem o trabalho de controlar os movimentos de carroçaria o que acaba por conseguir com relativa eficácia.

Motores
A oferta de motorizações é composta pela unidade a gasolina de 1.2 litros de cilindrada com 110 e 130 cv de potência e pelas propostas Diesel baseadas no motor 1.5 BlueHDI com 100 e 120 cv de potência. Qualquer um destes motores exibe boas prestações considerando a sua cilindrada sendo de salientar os baixos consumos das soluções a gasóleo.

Principais avarias e problemas
Em termos de problemas com os motores foram reportadas algumas falhas com as válvulas das unidades a gasóleo BlueHDI.

O ecrã multifunções pode revelar alguns bugs no seu funcionamento podendo ficar fixo sem responder aos comandos do condutor. O sistema de navegação GPS também pode apresentar anomalias.

Houve casos de alguns modelos com infiltrações de água na bagageira devido a uma estanquicidade com algumas falhas. A direção pode evidenciar alguns barulhos e alguns Aircross revelaram algum desalinhamento na geometria da direção causado que o modelo tivesse tendência para fugir ligeiramente para o lado direito.

Citroën C3 Aircross (2017-...)
7.1 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Modularidade
Custos de manutenção
Equipamento de segurança
Contras
Direção vaga
Interior pouco refinado
Fiabilidade7
Custos de manutenção7.5
Desvalorização7
Qualidade dos materais6.5
Habitabilidade e bagageira7
Segurança7.5
Conforto7
Consumo combustível7.5
Comportamento dinâmico6.5
Performance7
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Newsletter

Em aceleração