Renault Captur (2013-2019) – Motorguia
Ligue-se connosco

Avaliações Usados

Renault Captur (2013-2019)

Published

on

Quando chegou ao mercado o Captur foi apelidado de mini-Qashqai e logo começou a ganhar admiradores… ou melhor, admiradoras. O público feminino elegeu o pequeno SUV da Renault como o automóvel ideal para o trânsito urbano. A estética arrojada e personalizável do Captur aliada a um interior muito prático e dotado de tecnologia R-Link permitia uma conetividade elevada. No entanto, as falhas de eletrónica foram uma constante nas primeiras séries.

Os materiais são de fraca qualidade assim como a insonorização que não aguenta os motores Diesel, mas os aspetos práticos deste carro fazem esquecer essa forma que a Renault encontrou para o tornar mais barato e acessível. A habitabilidade está bem distribuída e a bagageira é bastante generosa.

A posição de condução mais elevada é muito apreciada pela maioria dos clientes, os bancos dianteiros são bastante confortáveis e a direção muito leve. A suspensão pouco filtrante e até ruidosa em cidade retira-lhe alguns pontos no conforto.

Motores

A gama de motores do Captur é curta. Conta com dois propulsores a gasolina: 0.9 TCe de três cilindros com 90 cv e o 1.2 TCe com caixa EDC e potência de 120 cv. Na oferta Diesel apenas o bloco 1.5 dCi com 90 e 110 cv.

Principais avarias e problemas

Os motores 1.2 TCe e 1.5 dCi de 110 cv com consumos de óleo excessivos. O 1.5 dCi revelou ainda desgaste prematura da embraiagem.

A eletrónica registou diversos problemas no início da vida comercial do Captur, em especial com o sistema R-Link com desconfigurações sucessivas que obrigavam a restaurar o software no concessionário.

Em 2013 verificaram-se diversas avarias relacionadas com os sistemas de ar condicionado.

O Start&Stop com “vontade própria” a funcionar aleatoriamente. A caixa de velocidades EDC com problemas no módulo de comando.

Alternadores defeituosos a “queimarem” baterias num curto espaço de tempo.

Renault Captur (2013-2019)
7.1 Avaliação
8.3 Utilizadores (2 Votos)
Pros
Posição de condução
Consumos
Facilidade de condução
Contras
Insonorização
Plásticos interiores
Suspensão pouco filtrante
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção7.5
Desvalorização7.5
Qualidade dos materais6
Habitabilidade e bagageira8
Segurança7.5
Conforto6
Consumo combustível8
Comportamento dinâmico7
Performance6.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Avaliações Usados

Ford Fiesta (1995_2002)

Published

on

Quando foi lançada em 1995, esta geração do Ford Fiesta revelou-se de imediato um sucesso. As suas linhas, o preço acessível e o equilíbrio entre prestações e custos de utilização fizeram dela uma das referências do segmento e ainda hoje é comum encontrar vários modelos deste Fiesta nas nossas estradas.



Esta quarta geração do Fiesta oferece um bom comportamento dinâmico com a suspensão a mostrar um bom equilíbrio entre o conforto e a eficácia no controlo dos movimentos da carroçaria, podendo até tornar-se num modelo divertido graças a uma direção direta e informativa.

Com alguns a materiais do interior a deixarem algo a desejar, este Ford ainda assim revela uma boa qualidade de construção e o ambiente a bordo é bom para a época, com o condutor a beneficiar de uma posição de condução equilibrada. Em termos de espaço há melhores opções na concorrência. A habitabilidade deste Fiesta não é das melhores, especialmente para quem viaje nos bancos traseiros.

Além do preço competitivo com que surgiu no mercado, este Ford Fiesta apresentava também uns bons valores nos custos de manutenção o que o tornou também muito apelativo para o nosso mercado.

Motores

As propostas de motores neste Fiesta começam nas unidades a gasolina com o 1.25i com 75 cv de potência e o 1.4 com 90 cv, unidades que lhe dão boas prestações apesar dos consumos não serem dos mais económicos do segmento. Além das unidades a gasolina o Fiesta conta também com os motores a gasóleo 1.8 D com 60 cv e o 1.8 TDDi com 75 cv, motores de uma geração em que a mais valia eram os consumos reduzidos mais do que as prestações.

Principais avarias e problemas

Nas unidades produzidas entre 1997 e 1998 o motor 1.25i tem tendência para exibir um desgaste muito acentuado.

Falhas na junta da árvore de cames são responsáveis por várias fugas de óleo nos motores 1.8 D. Alguns modelos de 1997 revelaram também fugas de óleo da direção.

Podem surgir ruídos nos travões causados pelas pastilhas que são demasiado rijas. As borrachas responsáveis pala estanquicidade do habitáculo também podem tornar-se barulhentas.

Ford Fiesta (1995_2002)
6.2 Avaliação
7.5 Utilizadores (1 Votar)
Pros
Prestações
Qualidade de construção
Comportamento dinâmico
Contras
Habitabilidade
Alguns materiais
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção7
Desvalorização6
Qualidade dos materais5.5
Habitabilidade e bagageira5.5
Segurança5.5
Conforto6
Consumo combustível6
Comportamento dinâmico7
Performance6.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Seat Altea (2004-2015)

Published

on

O Seat Altea foi o primeiro modelo da marca espanhola a ter a assinatura do designer Walter de Silva que conseguiu criar um modelo com ares de monovolume sem perder umas linhas dinâmicas e fluídas e que veio dar início a uma nova linha estética nos modelos da Seat.



Com uma estética apelativa, o Altea oferece um interior espaçoso para os seus ocupantes e uma bagageira com 409 litros de capacidade.

Os materiais podiam ser melhores nalguns painéis do interior, mas de um modo geral este Seat mostra um bom rigor na sua montagem.

Bem equipado e com um preço competitivo face ao que oferece, o Altea não oferece grandes soluções de modularidade como as que se encontram nalguns modelos da concorrência, mas, de certa forma compensa isso com uma dinâmica mais apurada, piscando o olho aos que dão um pouco mais de valor ao prazer de condução.

A sua suspensão controla bem os movimentos da carroçaria e a direção mostra-se suficientemente informativa e direta. Apenas se lamenta que nalgumas manobras em cidade a sua visibilidade não seja das melhores.

Motores

A gama de motores é composta pelas propostas a gasolina 1,6 16V com 148 cv e 2.0 FSI com 200 cv e pelas soluções a gasóleo 1.9 TDI com 105 cv e o 2.0 TDi nas versões de 140 e 170 cv. Considerando a relação entre consumos e prestações este último 2.0 TDI é o mais tentador, sendo que em termos de prestações o 2.0 FSI é o mais entusiasmante.

Principais avarias e problemas

Os motores 2.0 TDI revelaram um consumo excessivo de óleo e algumas anomalias podem surgir no seu funcionamento devido ao entupimento dos injetores.

Além destes contratempos o Altea não regista grandes problemas dignos de nota.

Seat Altea (2004-2015)
6.3 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Equipamento
Habitabilidade
Comportamento dinâmico
Contras
Visibilidade
Alguns plásticos
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção6
Desvalorização5.5
Qualidade dos materais5.5
Habitabilidade e bagageira6.5
Segurança6
Conforto6
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico6.5
Performance7
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler
Publicidade

Publicidade

Newsletter

Em aceleração