Renault Mégane (2008-2016) – Motorguia
Ligue-se connosco

Avaliações Usados

Renault Mégane (2008-2016)

Published

on

A Renault lançou em 2008 um modelo que tinha como objetivo substituir um dos bem-sucedidos produtos da sua história. Em Portugal a carrinha Mégane pulverizou a concorrência e não fosse o problema crónico dos “bronzes da cambota” do motor 1.5 dCi e teria sido um sucesso total.

Este novo Mégane tinha linhas mais compactas, um estilo mais aerodinâmico e mantinha um volume de bagageira de referência para o seu segmento, o que tem sempre muita importância num veículo que serve a família.

O nível de equipamento é bastante rico nos vários níveis a começar logo pelo básico Authentique. Os motores continuam a ser mais económicos do que performantes, mas não deixam de oferecer uma condução equilibrada. O conforto da suspensão é realmente uma das vantagens deste Mégane que permite viagens longas e confortáveis.

Motores

A gama de motores do Mégane apresenta um interessante leque de motores a gasolina: 1.2 TCe de 115 cv, 1.2 e 1.4 TCe com turbo a debitarem 130 cv, 1.6 16v com 110 cv, 2.0 16v de 140 cv e 2.0 TCe de 180 e 190 cv.

Nos blocos Diesel, o 1.5 dCi é o que faz maior volume com potências de 85, 90, 95 105 e 110 cv. Mais tarde chega o melhor motor Diesel do Mégane, o 1.6 dCi de 130 cv, a mesma potência do 1.9 dCi também disponível mas que praticamente não se vendeu em Portugal. Há ainda a opção 2.0 dCi de 150, 160 e 165 cv, com o motor de 150 cv acoplado a uma caixa automática.

Principais avarias e problemas

Os motores 1.5 dCi continuaram a sua saga problemática na nova geração do Mégane. Problemas com as bombas injetoras e com a correia de distribuição. O 1.5 dCi de 105 cv teve de fazer uma revisão extraordinária que obrigou a trocar tubagens da alimentação que estavam defeituosas.

Durante 2012 foram chamadas várias unidades para reprogramação do calculador de injeção da travagem e direção que originava problemas na assistência da direção.

Os airbags continuaram a dar problemas nesta geração à imagem da anterior. A luz de airbag acende sem razão e não se desliga. Muitas unidades (em especial as produzidas em 2011) foram obrigadas a recorrer aos concessionários para apagar este erro, que teima a surgir amiúde.

Renault Mégane (2008-2016)
7.6 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Condução e conforto
Consumos
Equipamento
Contras
Bancos traseiros
Controlos pouco intuitivos
Gama extensa e confusa
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção7
Desvalorização7
Qualidade dos materais7.5
Habitabilidade e bagageira8
Segurança8.5
Conforto8.5
Consumo combustível8
Comportamento dinâmico8
Performance7
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Avaliações Usados

Renault Kangoo (2007-2020)

Published

on

A segunda geração do Renault Kangoo refinou alguns aspetos do seu antecessor, tornando-o mais apelativo e moderno e mantendo a boa versatilidade de utilizações que caracteriza a família Kangoo.



Senhor de um espaço invejável, tanto para os passageiros, como para a bagagem, o Kangoo de passageiros sempre surgiu como uma espécie de monovolume mais acessível em termos de preço que, apesar de não oferecer a qualidade de materiais ou a diversidade de soluções de um Scénic, não deixava de ser um modelo muito polivalente na sua utilização.

A sua raiz de modelo comercial não lhe deixa grande margem para um melhor refinamento quer no desenho do interior, quer na qualidade dos materiais, mas marca pontos graças à sua simplicidade e à sua capacidade para levar praticamente tudo no seu interior.

Fácil de conduzir, a sua direção é leve e em termos de conforto esta geração está ligeiramente mais apurada na forma como a suspensão lida com o piso mais degradado. Ainda assim a insonorização não é das melhores, até porque a dimensão do seu interior acaba por de certa forma amplificar os ruídos.

Motores
Os motores não são propriamente os mais impressionantes em termos de prestações, mas cumprem, especialmente no domínio dos consumos. Assim, a gama começa com as unidades a gasolina 1.6 16V com 105 cv e também o 1.2 TCe com 115 cv. Já no campo dos motores Diesel o Kangoo conta com o 1.5 dCi nas suas versões de 70, 75, 85, 90, 95, 105, 110 e 115 cv de potência (esta amplitude de potências deve-se não apenas às versões disponibilizadas, mas também à evolução da potência do próprio motor 1.5 dCi ao longo dos anos em que equipou o Kangoo).

Principais avarias e problemas
Nos modelos equipados com o motor a gasolina TCe produzidos até junho de 2016 foram registados alguns casos de um consumo excessivo de óleo. Já nos motores dCi é preciso estar atento a um desgaste prematuro da correia da distribuição e também podem surgir falhas nos injetores.

Em 2008 foi feito um recall a algumas unidades para corrigir um problema na direção e reposicionar a cremalheira e a coluna de direção. Nos Kangoo fabricados até fevereiro de 2008 foi também necessário trocar os enroladores dos cintos de segurança que não estavam a funcionar corretamente.

Nos modelos fabricados em 2009 foi necessário retificar um problema na tubagem no sistema de travagem do eixo dianteiro.

Renault Kangoo (2007-2020)
6.1 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Preço
Versatilidade
Espaço interior
Contras
Insonorização
Alguns materiais
Fiabilidade6
Custos de manutenção6.5
Desvalorização5.5
Qualidade dos materais5.5
Habitabilidade e bagageira7
Segurança6.5
Conforto6
Consumo combustível6.5
Comportamento dinâmico5.5
Performance5.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Toyota Yaris (2011-2020)

Published

on

A terceira geração do Yaris melhorou em quase todos os aspetos face às duas anteriores, mas ainda assim não conseguiu bater algumas das referências do segmento. No entanto, revela-se um produto muito equilibrado e senhor de uma boa fiabilidade, típica herança da marca nipónica.



Com um bom espaço interior este Yaris é menos arrojado que os anteriores no que diz respeito ao desenho do habitáculo, mas oferece uma boa posição de condução, apesar de um pouco alta, e uma boa qualidade de construção, qualidade essa que acaba por atenuar a escolha de alguns dos materiais utilizados que se esperava estarem a outro nível nalguns painéis.

Com uma direção leve e um excelente visibilidade este japonês mostra-se fácil de conduzir em ambiente urbano, só se lamentando que não tenho um melhor diâmetro de viragem. A suspensão oferece um bom equilíbrio entre um conforto razoável e um comportamento dinâmico previsível e seguro.

Quando surgiu no mercado foi um dos primeiros a oferecer um opção híbrida na gama que permitia um funcionamento exclusivo em modo elétrico o que jogou a seu favor, ajudando a abrir o segmento a estas novas soluções de motricidade que hoje são já comuns.

Motores
Este Toyota Yaris conta com os motores a gasolina 1.0 VVT-i com 69 cv e 1.3 VVT-i com 99 cv enquanto que a solução Diesel é preenchida pelo 1.4 D-4D com 90 cv. Já a opção Hybrid conta com um motor 1.5 a gasolina com 75 cv de potência. Estas unidades não são propriamente um exemplo de prestações, mas mostram-se fiáveis e poupadas na hora de ir abastecer.

Principais avarias e problemas
A nível de motores a anomalia mais reportada é um consumo de óleo superior ao esperado tanto no motor 1.3 VVT-i a gasolina como no motor 1.4 D-4D a gasóleo. Neste último também podem haver perdas de potência devido a problemas com o turbo.

Nalguns modelos 1.3 VVT-i e 1.4 D-4D foi registado um desgaste prematuro da embraiagem, podendo mesmo algumas vezes acontecer antes dos 50 mil quilómetros.

A caixa de velocidades pode começar a apresentar ruídos e pode inclusive começar a revelar falhas nas passagens de caixa.

Toyota Yaris (2011-2020)
6.6 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Fiabilidade
Habitabilidade
Opção híbrida
Contras
Alguns materiais
Diâmetro de viragem
Fiabilidade7
Custos de manutenção6.5
Desvalorização6.5
Qualidade dos materais6
Habitabilidade e bagageira7
Segurança7
Conforto6.5
Consumo combustível6.5
Comportamento dinâmico6.5
Performance6
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Renault Laguna Coupé (2008-2015)

Published

on

O Renault Laguna Coupé surge como a proposta mais arrojada da gama com o seu estilo fluído e equilibrado é um coupé “alternativo” para quem procura algo diferente da oferta germânica.



Nesta geração do Laguna a Renault apostou numa melhoria qualitativa face aos modelos anteriores e também quis dar-lhe um pouco mais de caráter e isso foi conseguido com o Coupé. Apelativo no estilo, ele distingue-se da restante gama, mas a tarefa de fazer frente aos seus rivais, num segmento onde o Laguna não tinha grande historial, não foi fácil.

O interior é bem conseguido, com bons materiais na maioria dos painéis e apenas se lamenta que o espaço nos bancos de trás seja algo acanhado, muito devido à sua silhueta com um tejadilho muito baixo nos pilares traseiros.

O seu grande trunfo é o bom trabalho da suspensão que assegura um excelente equilíbrio entre conforto e eficácia dinâmica, eficácia essa que ai amplamente reforçada com a inclusão de um sistema de rodas direcionais no eixo traseiro o que permite ao Laguna uma agilidade em curva bem acima da média e muito entusiasmante para os amantes da condução.

Motores
O Laguna Coupé praticamente replicou a gama de motores da berlina. Como tal não é de estranhar que a oferta Diesel comece com o 1.5 dCi com 110, 115 e 120 cv, passando para o 2.0 dCi com 150, 175 e 180 cv, chegando ao 3.0 V6 dCi com 235 cv. Já ns propostas a gasolina este coupé conta com o motor 2.0 Turbo com 170 e 205 cv e o mais potente 3.5 V6 com 240 cv. Exepção feita aos motores de seis cilindros em V os restantes ficavam um pouco aquém da alma que se esperava de um coupé, especialmente com um comportamento dinâmico como o que exibe este Laguna Coupé. Em compensação, os consumos, de um modo geral, são comedidos.

Principais avarias e problemas
Tal como na berlina também no coupé os modelos produzidos até 2009 equipados com o motor 2.0 dCi deram alguns problemas com os rolamentos das bielas. As unidades fabricadas entre novembro de 2012 e setembro de 2014 também revelaram anomalias com o filtro de partículas.

Em 2010 houve um recall para verificar o estado dos cintos de segurança. Nalguns modelos o volante em pele pode revelar um desgaste prematuro, algo que foi resolvido nos modelos produzidos a partir de 2012.

A nível eletrónico, o sistema de verificação da pressão dos pneus pode não funcionar corretamente.

Renault Laguna Coupé (2008-2015)
6.5 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Conforto
Estética
Comportamento dinâmico
Contras
Prestações
Habitabilidade traseira
Fiabilidade6
Custos de manutenção6
Desvalorização5.5
Qualidade dos materais6.5
Habitabilidade e bagageira6
Segurança7
Conforto7
Consumo combustível6.5
Comportamento dinâmico8
Performance6.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Newsletter

Em aceleração