I-Shift, a transmissão da Volvo Trucks que continua a ser uma revolução – Motorguia
Ligue-se connosco

Comerciais

I-Shift, a transmissão da Volvo Trucks que continua a ser uma revolução

Published

on

A inovação da transmissão manual automatizada inteligente (AMT) I-Shift da Volvo Trucks continua a constituir um importante marco no setor graças ao seu impacto em múltiplos aspetos.



A I-Shift foi lançada pela primeira vez em 2021. Nesse momento, a Volvo Trucks reafirmou a sua aposta num sistema de transmissão baseado na embraiagem como o foco mais eficiente para a caixa automática. Desde então, em todo o mundo foram comercializados mais de um milhão de camiões com tecnologia I-Shift. Atualmente, todos os camiões Volvo FH, FH16, FM e FMX estão equipados de série com o I-Shift.

Esta caixa contribui para reduzir o consumo de combustível e, como consequência, melhorar o impacto no meio ambiente. Para além disso também influencia positivamente na segurança e na condução, mas também no que diz respeito a um nível de ruído inferior, vibrações e esforço físico do condutor.

Desenvolvida pela Volvo Trucks, a tecnologia I-Shift está sincronizada a 100% com o resto do veículo. A transmissão utiliza a informação disponível tanto do motor como do próprio veículo de forma a trabalhar conjuntamente da melhor forma com diferentes aplicações e combinações de camiões.

A partir daí, foram lançados vários sistemas com base nesta caixa:

I-Shift de dupla embraiagem

Quando no ano de 2014, a Volvo Trucks apresentou o sistema I-Shift de dupla embraiagem, tratava-se de um sistema para veículo pesados. Inspirada nas caixa de velocidades utilizadas nos carros de corrida, ofereciam um sensação instantânea e imediata de entrega de potência durante as trocas de caixa.

I-Shift com relação super curta

Em 2016, a caixa I-Shift ganhou mais uma inovação focando-se nos serviços pesados que exigem um maior binário e maior capacidade de arranque. A I-Shift com transmissão de lagarta para relações super curtas, permite arrancar desde zero numa estrada plana,um camião que transporte um peso bruto de até 325 toneladas. A relação de transmissão permite que o camião se desloque a velocidade tão baixas como 0,5 km/h, o que resulta de conveniente no momento de realizar manobras de precisão, por exemplo, em obras, no asfaltar de uma estrada ou no transporte de madeira.

I-See utiliza dados de mapas baseados na nuvem

O I-See é um sistema independente que pode ser integrado com a I-Shift e que foi concebido para analisar a topografia da estrada e utilizar esse dados de forma a manter o camião na relação de caixa mais eficiente em termos de consumo de combustível. Atualizado em 2017, o sistema I-See ajuda o camião a manter uma velocidade média constante com a análise de dados de mapas baseados na nuvem sobre a topografia da estrada e, para além disso, indica à I-Shift quando é o momento ótimo para trocas de caixa e, desta forma, poupar combustível.

I-Shift com função de mudança de direção

O lançamento da nova gama de veículos pesado da Volvo Trucks em 2020, trouxe consigo a introdução de uma outra função inovadora: I-Shift com mudança de direção. Esta nova função permite ao camião mudar de direção sem que o condutor tenha de utilizar o pedal do travão, uma caraterística muito útil em operações de construção e minas.

Publicidade
Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Comerciais

Mercedes-Benz renova eSprinter com mais potência e autonomia

Published

on

A Mercedes-Benz atualizou a gama eSprinter com um motor elétrico mais potente, por culpa de baterias de maior capacidade, e que lhe permitem oferecer ao utilizador uma autonomia de até 400 km.



A renovada linha motriz elétrica também possibilitou o alargamento da oferta da gama, com a introdução de mais derivações.
A atualização da eSprinter também inclui um eixo traseiro elétrico, que além de otimizar a linha motriz, é mais leve e permite a produção de outro tipo de versões. Isto significa que estará disponível uma gama mais alargada que incluirá chassis-cabina, versões refrigeradas e em chassis, assim como várias distâncias entre-eixos no furgão.

A potência é obtida a partir de um motor síncrono de iman permanente totalmente novo que desenvolve 100 kW (136 CV) ou 150 kW (204 CV). Constitui um aumento significativo face aos 85 kW do eSprinter atual, cujo binário é de apenas 295 Nm em comparação com os 400 Nm do novo motor.
Será proposta em três opções de bateria de iões de lítio com fosfato de ferro com capacidades de 56 kWh, 81 kWh e 112 kW.

A potência máximo de carregamento também aumentou dos atuais 80 kW para 115 kW. O eSprinter pode receber carregamentos em corrente alterna ou contínua, sendo possível recuperar entre 10% a 80% da capacidade da bateria em 28 minutos no pack de 56 kWh e em 42 minutos no pack maior de 113 kWh.
A autonomia da bateria de maior capacidade, segundo simulações no ciclo WLTP, pode chegar aos 400 quilómetros ou aos 500 quilómetros em ciclo WLTP urbano.

A nova Sprinter recebe o sistema MBUX completo, que foi atualizado para os detalhes específicos de veículos elétricos. Isto significa que o utilizador tem acesso em tempo real ao nível de carga da bateria e à autonomia. Na verdade, a marca alemã criou um indicador interativo inteligente de autonomia ligado ao sistema de navegação, com o objetivo de fornecer uma ideia mais precisa acerca do raio de ação real da bateria.

Continuar a ler

Comerciais

Freightliner apresenta segunda geração do SuperTruck

Published

on

A Daimler Truck North America (DTNA), uma subsdiária da Daimler Truck, apresentou a segunda gerçaão do SuperTruck em Las Vegas, no CES, camião que traz uma variedade de inovações técnicas para demonstrar o potencial da eficiência no transporte de carga.



O protótipo foi desenvolvido como parte integrante do programa SuperTruck cofinanciado pelo Departamento de Energia dos EUA, cujo objetivo passa por reduzir as emissões no transporte rodoviário de mercadorias. Os engenheiros da DTNA investigam tecnologias de camiões pesados da nova geração, formas técnicas para o seu desenvolvimento e formas de as integrar em produtos de série.

Desenvolvido sobre a base de sucesso do SuperTruck I, apresentado em 2015, o SuperTruck II superou as expetativas no que diz respeito à aerodinâmica, pneus, cadeia cinemática e fornecimento de energia, duplicando a eficiência de carga do veículo base desde o início do programa SuperTruck.
Os engenheiros da Freightine puderam superar as melhorias aerodinâmicas e reduzir a resistência aerodinâmica deste veículo em mais de 12% face ao da primeira geração. E em vez de mudar radicalmente a estrutura do camião, o objetivo do desenho do SuperTruck II era redefinir o formato existente no mercado para maximizar a eficiência aerodinâmica e, ao mesmo tempo, utilizar uma linguagem de design avançado para transmitir essa eficiência. O capô, o para-choques e a carenagem do chassis redesenhados funcionam bem com a estrutura da cabina existente e agora permite que o ar flua sem perturbações ao redor do camião. A grelha, as entradas de ar e as portas foram redesenhadas para que se tornassem mais uniformes e limpas para não comprometerem a aerodinâmica do camião.

O SuperTruck II conta com a cadeia cinemática mais eficiente que a Freightline integrou num camião. O sistema de propulsão altamente eficiente permite uma redução do consumo de 5,7% face ao primeiro modelo. Um inovador sistema elétrico de 48V que conta com baterias de iões e lítio permite reduzir o consumo de combustível e aumentar o conforto do condutor, como um novo sistema de ar condicionado elétrico que consome menos 50% de energia e continua a funcionar mesmo com o motor desligado.
Os pneus também são novos e foram desenhados especificamente para este modelo. Reduzem o consumo de energia do veículo e o tempo de inatividade por manutenção devido ao desgaste minímo. Os pneus têm um papel fundamental para alcançar os objetivos de eficiência ao reduzir a fricção em asfalto, logo é preciso menos combustível para o camião manter a velocidade.

Continuar a ler
Publicidade

Publicidade

Newsletter

Ultimas do Fórum

Em aceleração