A partir de 2040 deixarão de se vender camiões Diesel e a gás na Europa – Motorguia
Ligue-se connosco

Comerciais

A partir de 2040 deixarão de se vender camiões Diesel e a gás na Europa

Published

on

Os principais construtores de veículos pesados europeus celebraram um acordo para acelerar a transição para o transporte industrial sem emissões de carbono. Uma década antes do planeado, em 2040, esperam deixar de vender camiões a gasóleo e a gás.



O setor do transporte continua a ser vital para o funcionamento essencial da sociedade e da economia. A verdade é que os camiões são fundamentais para o transporte de tudo um pouco.

Trata-se de um setor muito complicado de eletrificar, sobretudo quando falamos de distâncias médias e longas, onde as baterias não são viáveis. Por outro lado, existe o hidrogénio na pilha de combustível, uma tecnologia que a Hyundai já tem num estado muito próximo da produção em série.

O Financial Times adiantou o compromisso que foi assinado por: Daimler, DAF, IVECO, Ford, MAN, Scania e Volvo. Todos se comprometem em eliminar dos seus catálogos os motores a gasóleo convencionais em menos de 20 anos.

Isto significa que a aposta a longo prazo no mundo dos camiões passa pelo veículo pesados elétricos, a célula de combustível de hidrogénio o que sejam compatíveis com biocombustíveis ou equivalente sintéticos. Estes últimos podem alimentar motores de combustão interna mas com menor rendimento.

Nos últinos tempos observámos alguns movimentos para avançar neste sentido. Por exemplo, a Daimler e a Volvo Trucks já estão a colaborar na eletrificação dos camiões. A Hyundai iniciou na Suíça um teste piloto de camiões a hidrogénio XCIENT Fuel Cell. Para além disso, a Traton (Grupo que inclui a MAN, Scania, Volkswagen Caminhões e Ônibus e a Navistar) vai colaborar com a Hino Motors (Toyota) neste campo da eletrificação.

Estes construtores calculam que deverá ser necessário investir nestas novas tecnologias somas entre os 50 e os 100 mil milhões de euros. Abandonar o gasóleo não vai ser um processo nada simples.

Atualmente, os camiões Diesel representa mais de 98% dos camiões que circulam pela Europa. As motorizações a gás, fundamentalmente GNL, continuam a ter um papel muito discreto e aos ecologistas esta solução não convence em absoluto.

Estão ainda a ser pensadas alternativas ao facto dos camiões elétricos precisarem de uma imensidão de baterias para rolar durante algum tempo, reduzindo a sua capacidade de carga. Sem ir mais longe, a Scania testou um protótipo de uma camião híbrido que é alimentado através de uma catenária tal como acontece com um elétrico, rolando num troço da estrada delimitado.

Seja como for, os camiões acabarão poe ser movidos por motores elétricos. Isto vai permitir simplificar o seu design, as caixas de velocidades deixarão de ser necessárias e vão facilitar a condução dos profissionais. E, obviamente, reduziram as emissões de forma massiva.

É preciso ter em conta que um camião de longo curso muito eficiente não baixa dos 20l/100 km de média de consumos e o mais comum é gastar 30 l/100 km. Estes valores têm associados valores de CO2 elevados, valores esses que seriam reduzidos com os elétricos.

Todavia, o caminho a percorrer ainda é longo.

Comerciais

Bosch e Qingling Motors colaboram nas células de combustível

Published

on

Em conjunto com o fabricante de veículos comerciais premium Qingling Motors, a Bosch estabeleceu uma joint venture na China, designada Bosch Hydrogen Powertrain Systems (Chongqing) Co. Ltd. A nova empresa irá desenvolver, montar e comercializar sistemas de célula de combustível para o mercado chinês.



O principal objetivo é reunir a tecnologia e experiência dos dois parceiros e contribuir para o desenvolvimento do mercado chinês de células de combustível e para a transformação da indústria automóvel local.

De acordo com o Energy Saving and New Energy Vehicle Technology Roadmap 2.0 da Sociedade Chinesa de Engenheiros Automóveis (China-SAE), mais de um milhão de veículos com sistemas de célula de combustível podem vir a ser registados na China até 2030. A joint-venture tem como objectivo fornecer todos os fabricantes de veículos chineses com este tipo de sistema.

Os componentes necessários para isso, como pilha de células de combustível, compressor de ar com electrónica de potência e unidade de controlo com sensores, têm como origem a Bosch, principalmente a fábrica de Wuxi.

A produção em pequena escala irá começar nessa fábrica este ano. Também em 2021, uma frota de teste de 70 camiões Qingling equipados com o Módulo de Célula de Combustível da Bosch irá fazer-se à estrada. O lançamento no mercado do sistema de célula de combustível está previsto para 2022/2023.

Continuar a ler

Comerciais

É um AVIA e é o primeiro camião elétrico desenvolvido em Espanha

Published

on

O operador logístico FM Logistic e CITYlogin, empresa especializada em logística da última milha e distribuição urbana de mercadorias, iniciou os testes do primeiro camião 100% elétrico desenvolvido e produzido em Espanha pela Avia Engenharia e Design.



O veículo em período de testes destina-se à logística urbana e vai ser testado na distribuição de mercadorias para uma loja do IKEA no centro de Madrid. O camião elétrico foi desenvolvido no âmbito do projeto europeu CIVITAS ECCENTRIC, no qual participaram a Câmara de Madrid, a FM Logistic, a Universidade Politécnica de Madrid e a Avia Engenharia e Design. A finalidade deste projeto europeu passa por melhorar a mobilidade urbana, “um dos grandes desafios que tem a Europa”, de acordo com estas empresas.

O desenvolvimento foi alinhado com as políticas europeias que constam do Acordo de Paris, nas quais os países assumem o desafio de limitar o aquecimento global e reconhecem a necessidade de uma resposta progressiva e eficaz à ameaça das alterações climáticas.

Este camião é um modelo de 12 toneladas de peso bruto e oferece uma autonomia de 120 km. Um carregamento completo é feito em 6 horas. Os primeiros testes foram realizados em redor da loja do IKEA e nas ruas ali perto.

Continuar a ler

Comerciais

Ford lança duas séries especias da Ranger que chegam em outubro

Published

on

A Ford apresentou duas novas versões da sua pick-up, Ranger, que vão chegar ao mercado europeu já no próximo mês de outubro. São elas as variantes Stormtrak e Wolftrak, de edição limitada e cujo objetivo é reforçar a gama da pick-up da oval azul com mais estilo e maior capacidade de carga.



A Stormtrak vai posicionar-se no topo da gama e assume caraterísticas premium, com um estilo diferenciado e que surge equipada com faróis LED e proteção inferior. O visual é reforçado por decalques exclusivos no capô e nas laterais, pára-choques traseiro em preto e barra desportiva.

Adicionalmente, o revestimento do piso da caixa de carga, a divisória de carga e a nova cobertura Power Roller Shutter da Ford estão incluídos no equipamento de série, proporcionando maior conveniência e versatilidade em tudo o que diz respeito à carga.
O interior está repleto de equipamento premium, com destaque para os bancos específicos que apresentam o mesmo couro flexível da icónica Ford Ranger Raptor, acentuado com logótipos Stormtrak bordados e gomos revestidos a tecido técnico.
Para além disso, este modelo está dotado de superfícies interiores em grafite escurecida e as costuras vermelhas combinam com a inconfundível paleta exterior da Stormtrak.

A produção desta nova variante será bastante limitada de modo a garantir a sua exclusividade, estando disponível em versão Cabine Dupla, com bancos confortáveis e maior habitabilidade, ou Super Cab, com mais espaço de carga.
Todas as versões da Ranger Stormtrak vão contar com o motor Diesel Ford EcoBlue 2.0 Bi-turbo de 213 cv de potência, um binário de 500 Nm e uma transmissão automática de 10 velocidades.
Por sua vez, a Ranger Wolftrak apresenta-se como uma pick-up arrojada e robusta, concebida para responder às necessidades dos clientes que trabalham ao ar livre e desejam um desempenho off-road.

Tendo por base a versão Ranger XLT, a Wolftrak é animada pelo motor Diesel Ford EcoBlue 2.0 com 170 cv, com opção de transmissão manual de seis velocidades ou automática de 10 velocidades.
O sistema selecionável de tração integral com função shift-on-the-fly, o bloqueio eletrónico do diferencial traseiro e os pneus todo-o-terreno são de série, de forma a assegurar a sua evolução, mesmo nas mais exigentes condições fora de estrada, contando com o apoio de uma configuração de tração integral com relações de caixa curtas (redutoras) para melhorar o desempenho em subidas íngremes e pisos macios.
A nova Ranger Wolftrak, dispõe de uma carga útil de 1,0 tonelada e 3.500 kg de peso máximo rebocável.

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Newsletter

Em aceleração