A partir de 2040 deixarão de se vender camiões Diesel e a gás na Europa – Motorguia
Ligue-se connosco

Comerciais

A partir de 2040 deixarão de se vender camiões Diesel e a gás na Europa

Published

on

Os principais construtores de veículos pesados europeus celebraram um acordo para acelerar a transição para o transporte industrial sem emissões de carbono. Uma década antes do planeado, em 2040, esperam deixar de vender camiões a gasóleo e a gás.



O setor do transporte continua a ser vital para o funcionamento essencial da sociedade e da economia. A verdade é que os camiões são fundamentais para o transporte de tudo um pouco.

Trata-se de um setor muito complicado de eletrificar, sobretudo quando falamos de distâncias médias e longas, onde as baterias não são viáveis. Por outro lado, existe o hidrogénio na pilha de combustível, uma tecnologia que a Hyundai já tem num estado muito próximo da produção em série.

O Financial Times adiantou o compromisso que foi assinado por: Daimler, DAF, IVECO, Ford, MAN, Scania e Volvo. Todos se comprometem em eliminar dos seus catálogos os motores a gasóleo convencionais em menos de 20 anos.

Isto significa que a aposta a longo prazo no mundo dos camiões passa pelo veículo pesados elétricos, a célula de combustível de hidrogénio o que sejam compatíveis com biocombustíveis ou equivalente sintéticos. Estes últimos podem alimentar motores de combustão interna mas com menor rendimento.

Nos últinos tempos observámos alguns movimentos para avançar neste sentido. Por exemplo, a Daimler e a Volvo Trucks já estão a colaborar na eletrificação dos camiões. A Hyundai iniciou na Suíça um teste piloto de camiões a hidrogénio XCIENT Fuel Cell. Para além disso, a Traton (Grupo que inclui a MAN, Scania, Volkswagen Caminhões e Ônibus e a Navistar) vai colaborar com a Hino Motors (Toyota) neste campo da eletrificação.

Estes construtores calculam que deverá ser necessário investir nestas novas tecnologias somas entre os 50 e os 100 mil milhões de euros. Abandonar o gasóleo não vai ser um processo nada simples.

Atualmente, os camiões Diesel representa mais de 98% dos camiões que circulam pela Europa. As motorizações a gás, fundamentalmente GNL, continuam a ter um papel muito discreto e aos ecologistas esta solução não convence em absoluto.

Estão ainda a ser pensadas alternativas ao facto dos camiões elétricos precisarem de uma imensidão de baterias para rolar durante algum tempo, reduzindo a sua capacidade de carga. Sem ir mais longe, a Scania testou um protótipo de uma camião híbrido que é alimentado através de uma catenária tal como acontece com um elétrico, rolando num troço da estrada delimitado.

Seja como for, os camiões acabarão poe ser movidos por motores elétricos. Isto vai permitir simplificar o seu design, as caixas de velocidades deixarão de ser necessárias e vão facilitar a condução dos profissionais. E, obviamente, reduziram as emissões de forma massiva.

É preciso ter em conta que um camião de longo curso muito eficiente não baixa dos 20l/100 km de média de consumos e o mais comum é gastar 30 l/100 km. Estes valores têm associados valores de CO2 elevados, valores esses que seriam reduzidos com os elétricos.

Todavia, o caminho a percorrer ainda é longo.

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Comerciais

ABT e-line vai entrar na produção de comerciais a hidrogénio

Published

on

A ABT e-line, especializada em transformações de comerciais elétricos, anunciou que vai produzir veículos de trabalho a hidrogénio. A ideia surge depois do sucesso alcançado pela presença da marca no IAA 2022.



Após a apresentação dos primeiros protótipos no IAA Transportation 2022 desenvolvidos em parceria com a Bosch, a ABT e-Line anunciou que vai produzir veículos comerciais com tecnologia de pilha de combustível, alimentada por hidrogénio.
Em comunicado, a empresa refere que os comerciais com motores combustão são responsáveis por níveis elevados de emissões. Apesar dos veículos elétricos a bateria não emitirem emissões locais, são a única alternativa, mas a autonomia tem limites e o carregamento demora muito tempo.
Nalgumas operações de distribuição expresso são frequentes rotas com mais de 800 quilómetros, que exigiria baterias com uma capacidade de 300 kWh para evitar qualquer paragem. Segundo a ABT e-Line, “a comparação com o setor dos ligeiros de passageiros demonstra que isto não é viável nos comerciais. Os automóveis elétricos raramente têm baterias com mais de 100 kWh, mesmo no segmento premium. Acreditamos que existe uma área sensível de aplicação da pilha de combustível a hidrogénio na logística de longo curso”.

Foram convertidas duas unidades Volkswagen e-Crafter, as quais foram estreadas no IAA Transportation 2022. A recetividade foi de tal forma elevada que a ABT e-Line decidiu avançar para a produção em série com os parceiros. Na configuração do veículo de demonstração, a ABT e-Line ficou encarregue da integração do sistema de pilha de combustível, assim como do projeto de segurança, do processo de produção e da homologação.
Além disso, também foi integrado o depósito de hidrogénio de 700 bar. A ABT e-Line refere que os dois a sete depósitos de hidrogénio podem ser reabastecidos em poucos minutos.
Atendendo à arquitetura do veículo e o espaço disponível para instalação, as conversões foram um desafio, mas o esforço valeu a pena. Ao implementar um novo conceito de linha motriz conseguiu-se aumentar a autonomia em várias centenas de quilómetros, sendo mesmo possível abastecer mais tarde do que nos modelos Diesel equivalentes.
Foram convertidas duas unidades Volkswagen e-Crafter, as quais foram estreadas no IAA Transportation 2022. A recetividade foi de tal forma elevada que a ABT e-Line decidiu avançar para a produção em série com os parceiros. Na configuração do veículo de demonstração, a ABT e-Line ficou encarregue da integração do sistema de pilha de combustível, assim como do projeto de segurança, do processo de produção e da homologação.
Além disso, também foi integrado o depósito de hidrogénio de 700 bar. A ABT e-Line refere que os dois a sete depósitos de hidrogénio podem ser reabastecidos em poucos minutos.
Atendendo à arquitetura do veículo e o espaço disponível para instalação, as conversões foram um desafio, mas o esforço valeu a pena. Ao implementar um novo conceito de linha motriz conseguiu-se aumentar a autonomia em várias centenas de quilómetros, sendo mesmo possível abastecer mais tarde do que nos modelos Diesel equivalentes.

Continuar a ler

Comerciais

Stellantis e Qinomic transformam comerciais a combustão em elétricos

Published

on

A Stellantis e a Qinomic, uma empresa de elevada especialização tecnológica em soluções inovadoras e sustentáveis para a mobilidade, aliam-se para experienciar um conceito de conversão de veículos comerciais ligeiros com motor de combustão interna em veículos com motores elétricos.



Prolongar a vida útil dos veículos e o seu potencial de utilização está na origem da Business Unit de Economia Circular da Stellantis, que lidera a iniciativa, em colaboração com a Business Unit de Veículos Comerciais e com o Stellantis Ventures Studio. 
A solução de retrofit elétrico visa proteger a liberdade de mobilidade com uma opção acessível que satisfaça as necessidades dos clientes, permitindo-lhes prolongar a vida útil dos seus veículos e dar continuidade às suas atividades empresariais, passando a permitir-lhes aceder às Zonas de Baixas Emissões (ZBE) dos grandes centros urbanos.
De acordo com o Relatório de Mobilidade Urbana do EIT, o número de ZBE existentes na Europa aumentou 40% nos últimos três anos, tendência que continuará a verificar-se no âmbito da aplicação das normas de acesso a veículos em zonas urbanas. O motor deste aumento é o plano “European Green Deal”, destinado a incentivar a transição para veículos e uma mobilidade mais limpos.

O retrofitting elétrico apresenta-se, simultaneamente, como uma solução sustentável e acessível para os clientes dispostos a mudar para as emissões zero e para a redução dos seus Custos Totais de Propriedade, mantendo os seus veículos.
O projeto confirma o empenho da Stellantis para com a inovação e a sua vontade de contar com parceiros que apoiem o seu plano de eletrificação. A Stellantis tem uma estratégia de descarbonização líder no setor, com um objetivo ambicioso de alcançar o patamar zero em carbono até 2038, conforme delineado no plano estratégico “Dare Forward 2030”. 
 A conclusão bem-sucedida deste desenvolvimento conjunto em 2023 e o feedback positivo dos clientes sobre o desempenho dos veículos de demonstração levará à sua implementação e comercialização em França, a partir de 2024.

Continuar a ler
Publicidade

Publicidade

Newsletter

Ultimas do Fórum

Em aceleração