Conduzir um camião com chuva – redobre os cuidados – Motorguia
Ligue-se connosco

Comerciais

Conduzir um camião com chuva – redobre os cuidados

Published

on

Conduzir um veículo pesado em dias de chuva é um desafio para quem passa dia e noite na estrada. O piso molhado, a falta de visibilidade, o risco de aquaplaning e as condições de algumas estrada fazem com que os camionistas tenham de fazer o seu trabalho em momentos de adversidades climatéricas.



 

 

Já deve ter enfrentado situações críticas em dias de mau tempo. São momentos delicados que pedem atenção redobrada, por isso, preparamos este artigo com algumas dicas para que enfrente a chuva com maior tranquilidade e chegar em segurança ao seu destino.

Reduza a velocidade

Quanto maior for a velocidade, maior é o risco de acidente. Esta máxima tanto serve para uma estrada seca como para uma molhada, mas é quando chove que abusar do acelerador se torna ainda mais crítico.

Não subestime as primeiras gotas de chuva. Embora não sejam “capazes” de formar a perigosa camada de água que causa o aquaplaning, ao contactarem com a sujidade do asfalto, tornam o piso demasiado escorregadio. Assim, quanto maior for a velocidade, menor será o seu tempo de reação.

À medida que a precipitação vai aumentado de tom, o perigo também sobe. O aquaplaning é uma das situações de maior risco. Este fenómeno acontece quando, ao passar a uma velocidade elevada por uma zona do asfalto com mais água, os pneus perdem o contacto com o asfalto e o veículo acaba por escorregar. Quanto maior for a velocidade, maiores são os riscos de ter um acidente por aquaplaning.

Depois, atenção à visibilidade. A velocidades mais elevadas, a água bate com mais força no pára-brisas o que diminui a eficiência dos limpa pára-brisas, que não conseguem desobstruir a visão e dar vazão à quantidade de água que bate no vidro.
Convém não esquecer que nenhuma destas dicas será efetiva se não diminuir a sua velocidade de circulação.

Não utilize os máximos

Sob chuva torrencial, as condições de visibilidade pioram muito. Seja pelo excesso de água no pára-brisas ou pela formação de névoa, situação comum com estas condições. Há quem tenha de imediato a tendência de ligar os máximos, mas em vez de resolver só piora a situação.
A utilização de médios é obrigatória em alguns países da Europa, mesmo que não esteja a chover, mas os máximos, para além de ofuscarem os outros condutores, piora a visibiidade em condições de chuva ou de névoa. Isto acontece porque a névoa ou neblina que se forma na frente do camião é muito densa e reflete a luz que incide diretamente sobre ela, formando uma parede branca à frente do camião. Assim, acaba por não ver o que se passa à sua frente, mesmo que os obstáculos estejam a poucos metros.

Não faça movimentos bruscos

Conduzir com chuva exige mais atenção, velocidade reduzida e cuidados nos movimentos com o volante. Travagens bruscas ou desvios repentinos podem resultar em perdas de aderência fatais.
Se se encontrar numa situação de controlo reduzido, o ideal será segurar o volante com firmeza e pisar o travão com suavidade e pouco a pouco, de forma a que as rodas continuem a girar e possam retomar o contacto com o asfalto. Ao fazer curvas, vire o volante de forma progressiva de forma a manter o veículo sob controlo.

Ligue o ar condicionado

O ar condicionado refresca o ambiente e torna as viagens mais agradáveis, especialmente no verão. A verdade é que o ar condicionado não é apenas um aparelho de conforto. O sistema de ar condicionado pode ser muito útil sob chuva forte para manter os vidros com 100% de visibilidade.
A humidade e as baixas temperaturas levam os vidros a embaciarem rapidamente quando a cabina está totalmente fechada, tal como acontece em dias de chuva. Por ser mais seco, o ar condicionado desembacia os vidros de forma instantânea e não é preciso utilizar panos ou até as mãos para resolver o “problema”.

Evite fazer ultrapassagens

A ultrapassagem é uma das manobras mais arriscada de uma viagem de camião. É necessária, pois existem veículos ainda mais lentos, todavia há locais adequados para que a ultrapassagem seja feita em segurança.
Sob chuva é preciso redobrar a cautela. Com um decréscimo da visibilidade, aumenta o risco de não ver toda a estrada à sua frente. Aumentar a velocidade pode correr o risco de entrar em aquaplaning, criando a situação perfeita para um acidente.
Assim sendo, quando começar a chover avalie muito bem se é mesmo preciso ultrapassar. Se a chuva for intensa, esqueça a ultrapassagem.

Mantenha a distância de segurança para os outros veículos

Combinar o asfalto molhado com pouca visibilidade causada pela chuva, faz com que o tempo de reação para evitar o acidente tenha de ser diferente. Portanto, quanto maior for a distância para os veículos que seguen à nossa frente, maior será a possibilidade de evitar acidente.

 

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Comerciais

IVECO e Nikola inauguram fábrica em parceria para camiões elétricos em Ulm

Published

on

Arrancou em Ulm, Alemanha, um novo capítulo na história dos transportes sustentáveis da IVECO e da Nikola Corporation, com a apresentação da fábrica dedicada à produção de camiões pesados elétricos Nikola Tre, com tudo a postos para iniciar a produção até ao final do ano.



Um marco alcançado a uma velocidade recorde e completado dentro do prazo previamente comunicado pela IVECO, a marca de veículos comerciais da CNH, e pela Nikola Corporation.

Os primeiros modelos Nikola Tre aqui produzidos aqui entregues em 2022 a clientes selecionados nos Estados Unidos. Além do da produção do veículo elétrico a bateria (BEV), a próxima evolução desta plataforma modular para veículos pesados foi também apresentada ao público sob a forma do protótipo de um veículo elétrico a pilha de combustível (FCEV), com base no Nikola Tre. Este futuro modelo entrará em produção em Ulm até ao final de 2023.

Abrangendo 50.000 metros quadrados, dos quais 25.000 são cobertos, a fábrica de Ulm conta com um processo de montagem final concebido para veículos “nascidos” para a propulsão elétrica”. Estas instalações, e primeira fase de industrialização, representa um investimento conjunto da IVECO e da Nikola e prevê o envolvimento de 160 fornecedores ao longo de todo o processo, do início ao fim.
As estimativas atuais apontam para que a linha de produção seja capaz de fabricar aproximadamente 1.000 unidades por turno por ano, e deverá sofrer aumentos progressivos nos próximos anos.

Tudo aponta para que as instalações funcionem de acordo com os princípios do programa “World Class Manufacturing”, com o objectivo de atingir zero desperdício, zero acidentes, zero falhas e zero “stock”, confirmado pelas suas características-chave que incluem uma gestão totalmente digital da linha de montagem concebida para garantir 100% de rastreamento e executar operações sem recurso a papel.

Concebido e projetado como uma solução de transporte segura, fiável e de alto desempenho, com zero emissões, o Nikola Tre está a impulsionar a mudança no sector. Baseado na plataforma de camiões IVECO S-WAY com um eixo elétrico desenhado e produzido conjuntamente pela FPT Industrial, apresenta a avançada tecnologia elétrica e célula de combustível da Nikola, juntamente com os componentes-chave fornecidos pela Bosch.

Juntas, as equipas conceberam uma plataforma modular compatível com a tecnologia de célula de combustível e com a tecnologia de propulsão a bateria. O lançamento antecipado da tecnologia de bateria conduzirá à maturidade da plataforma subjacente antes de adicionar a célula de combustível como tecnologia de extensão de autonomia.

Continuar a ler

Comerciais

Segunda geração do Mercedes-Benz Citan vai ter versão elétrica

Published

on

Com a segunda geração do Mercedes-Benz Citan chega também uma versão elétrica no segundo semestre de 2022. Já se conhecem algumas especificações técnicas, como a bateria de 44 kWh e a autonomia, que será de 285 km.


Desta forma, toda gama de veículos comerciais ligeira da marca da estrela, estará equipada com uma versão 100% elétrica. O Mercedes-Benz eCitan vai ser proposto em todas as versões de carroçaria e vai oferecer os já mencionados 285 quilómetros de autonomia em ciclo WLTP, o que corresponde à esmagadora maioria das necessidades dos operadores que utilizam este tipo de veículos nos setores do correio expresso ou da distribuição urbana. Nos postos de carregamento rápido é possível recuperar entre 10% a 80% da capacidade da bateria em cerca de 40 minutos.

Todas as versões do Citan elétrico vão estar equipadas com um motor elétrico que desenvolve uma potência de 75 kW (102 cv) e um binário máximo de 245 Nm, disponível logo no arranque.
Os utilizadores têm ao seu dispor dois programas de condução – Comfort e Eco -, assim como três modos de recuperação de energia (D-, D e D+). A velocidade máxima está limitada a 130 km/h.

A bateria de iões de lítio foi posicionado por baixo da carroçaria, à frente do eixo traseiro, onde também está protegida contra embates. Constituída por oito módulos oferece uma capacidade de 44 kWh.

O eCitan está equipado de série com um carregador de bordo de 11 kW ou, em opção, de 22 kW. A bateria pode ser carregada numa tomada doméstica, numa wallbox ou num ponto de carregamento normal ou rápido com uma potência até 75 kW.

Continuar a ler

Comerciais

Michelin lança novo pneu de camião para condições de inverno severas

Published

on

Agora que passou o verão e o inverno será uma consequência inevitável, a Michelin lançou a sua nova gama de pneus de inverno para veículos pesados, o X Multi Grip.

Ainda mais eficiente do que o seu antecessor, a gama do pneu X Multi Grip conta com a certificação 3PMSF, e foi desenvolvido para garantir a máximas segurança e mobilidade em condições invernais severas, graças a um elevado nível de aderência em estradas com neve e escorregadias, sem renunciar à duração e à redução do consumo, para um transporte mais sustentável.

O inovador desenho da banda de rolamento, com lamelas evolutivas baseadas na tecnologia Michelin Regenion, proporciona excelente aderência, inclusivamente à medida que o pneu se desgasta. Com uma profundidade restante do piso de 5 mm, a tração sobre neve melhora 50%, e a travagem sobre neve 20%, face ao seu predecessor. Com 2 mm de profundidade restante do piso na banda de rolamento, a aderência transversal é 20%(2) melhor.

Sobre estradas com gelo ou neve, tanto acabada de cair, como compactada ou derretida, assim como sobre piso molhado, os pneus X Multi Grip oferecem uma boa performance durante todo o inverno e continuam a manter prestações muito elevadas no resto do ano, especialmente em piso molhado.

A resistência da banda de rolamento, e a manutenção das prestações ao longo da sua vida útil, fazem do novo pneu uma solução altamente eficiente. O rendimento quilométrico é melhorado ee mais de 10%(3) para os pneus do eixo direcional, e em mais de 30%(4) para os do eixo motriz. A sua capacidade para ser reesculturado e recauchutado também permite reduzir o custo por quilómetro.

A resistência ao rolamento é reduzida em até 10%(4) relativamente ao seu antecessor. Para uma unidade tratora equipada com pneus 385/65R22.5 X Multi Grip Z e 315/80R22.5 do mesmo modelo, esta nova geração de pneus permite reduzir o consumo de combustível em até 0,6 litros/100km, e baixa, em média, em 1,5 toneladas as emissões de CO2 anuais(5) durante a vida útil dos pneus.

 

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Newsletter

Em aceleração