Ligue-se connosco

Manutenção Motos

Pense como os ladrões e defenda a sua moto

Published

on

Proteger a moto contra roubo requer investimento e diversos cuidados específicos para impedir que a sua moto desapareça. Veja como funcionam os ladrões de motos.

A maioria dos roubos de motos em Portugal acontece por preguiça dos seus proprietários. Acham que por demorarem cinco ou dez minutos não se justifica colocar a corrente ou o alarme de disco e que a tranca de direção é suficiente. Pois fique sabendo que uma moto pode ser roubada em menos de 60 segundos.

Deixar a moto estacionada sempre no mesmo local, seja no trabalho ou casa, permite que a mesma passe a constar da lista. No dia que os ladrões precisarem de uma moto igual à sua, sabem onde a vão encontrar. Esta e outras práticas dos proprietários dão vantagem a que rouba.

Vamos deixar-lhe de seguida alguns conselhos de defesa da sua moto e revelar práticas conhecidas dos ladrões. Siga-nos…

 

1 – LOCAIS PREFERIDOS DOS LADRÕES

– Garagens dos prédios

– Parques de estacionamento de centros comerciais

– Estacionamento na rua e sempre no mesmo local

Estacionar na garagem do seu prédio é cómodo e seguro, aparentemente. Os ladrões gostam da tranquilidade de um estacionamento de prédio no auge da madrugada, quando todos dormem e pouco ou nenhum movimento existe. É mais seguro para o ladrão do que tentar roubar uma moto na rua durante a madrugada. Se deixa a sua moto na garagem do prédio, deixe-a trancada com um cadeado e corrente como se estivesse na rua, e se possível presa a um poste ou tubo que não permita ser arrastada. Um alarme também faz parte do equipamento de segurança, nem que seja um alarme de disco. Não poupe nestes dois itens: alarme e corrente com cadeado. Não se fie na tranca de direção.

Se vai ao centro comercial e acha que não se demora, isso não é motivo para adotar as medidas máximas de segurança. Prenda sempre a sua moto a algo que impeça a sua movimentação do local. A corrente ao poste é a melhor solução. Para roubarem uma moto bastam no máximo 2 minutos ou até menos se forem profissionais experientes. Ainda nem pisou no centro comercial e a sua moto já desapareceu. Ser preguiçoso com a segurança é a maior dádiva para os ladrões.

Para quem não tem garagem e estaciona a moto na rua durante todo o ano, aconselhamos corrente e cadeado fortes e uma cobertura da moto. A cobertura dá trabalho, está sempre suja e suja a nossa roupa, mas impede o ladrão que faz o reconhecimento de da zona a ter de ir mexer na cobertura para ver que moto está debaixo dela e alguns não arriscam esse procedimento.

Na rua é obrigatório que a moto esteja presa a um poste e se possível com a corrente na roda traseira. Não prenda a sua moto na roda dianteira. É a roda mais fácil de remover e se os ladrões precisam da sua moto para retirarem peças, prescindem da roda dianteira sem problema. Demoram uns escassos minutos a desapertar a roda dianteira, encostam uma carrinha junto ao passeio onde está a moto e carregam-na em menos de 60 segundos.

2 – CONFIA NA SUA OFICINA?

Ter confiança no seu mecânico é muito importante. No entanto, se não quiser correr riscos faça o seguinte: se lhe pedirem a sua morada para faturarem os serviços não forneça a sua morada oficial onde a sua moto pernoita habitualmente. Dê a morada de casa de um familiar ou simplesmente recuse dar a morada e forneça apenas um e-mail. A oficina não lhe vai levar nada a casa, logo a morada não lhe faz falta nenhuma.

Basta que um colaborador mal-intencionado faça cópia da chave da sua moto e do cadeado, durante a permanência desta na oficina, e com a sua morada será mais fácil roubar a moto enquanto dorme.

3 – MARCAS E MODELOS APETECÍVEIS

A moto da moda pode ser um problema para si. As Yamaha BWs ainda hoje são um alvo entre as scooters citadinas de 50 cc. Continuam a desaparecer todos os dias. Mas existem outros modelos de outras marcas que também são muito procurados para roubo de motores, carenagens e outros componentes. E não pense que por ter uma BMW GS 1200 isso condiciona os ladrões. É pesada, mas também “voa” nas mãos deles.

As malas laterais são outro dos alvos dos larápios que se especializaram em rapinar estas valiosas caixas das BMW. Extras da Touratech também desaparecem com frequência.

Por vezes escolher um modelo “out of the box” pode ser um alívio.

4 – A SUA MOTO FAZ PARTE DA LISTA?

Se tentaram roubar a sua moto e não a conseguiram levar isso é um sinal que vão voltar mais tarde e mais apetrechados para o fazerem. Procure um local seguro para a guardar a sua moto porque na próxima tentativa eles vão ter as ferramentas certas para a conseguirem. Isto é um sinal que a sua moto faz parte de uma lista. Não facilite.

5 – NÃO EXISTE SISTEMA ANTI-ROUBO 100% SEGURO

Perceba como funciona a mente dos ladrões. Eles procuram sempre a moto mais fácil e mais rápida de roubar. Uma combinação de sistemas de segurança pode desviar o interesse deles. Um cadeado de disco com alarme; uma corrente de aço temperado de alta resistência com cadeado robusto; alarme autoalimentado; direção sempre trancada. Este último item pode ser o mais fácil de ultrapassar, mas é mais uma tarefa que terão de executar para levarem a moto e algumas trancas de direção dão trabalho a partir. Conjugue vários sistemas para garantir que o interesse se desvanece ao olharem para a sua moto.

6 – ATENTO AO ALARME

Quando um alarme dispara na rua não deixe de espreitar à janela e confirmar se não é o da sua moto. Os ladrões recorrem aos mais diversos expedientes para testarem a segurança da sua moto. Passeiam com crianças ou com cães junto da sua moto e se o alarme disparar vão pedir desculpa e dizer que foi a criança ou o cão que tocaram na moto. Desconfie destas duas situações. São procedimentos habituais utilizados no reconhecimento do terreno.

7 – EM CASO DE ROUBO CONSUMADO

Na maioria das vezes quando dá por falta da sua moto ela já está longe. No entanto, com a proliferação de sistemas de localização por GPS os ladrões optam por levar a sua moto para uma rua mais recatada nas imediações e verificam se está equipada com localizador de GPS. Costumam tapar a moto com uma cobertura deixando entender que está ali há algum tempo estacionada. Voltam mais tarde para desativar o GPS e levar em definitivo a moto. Em caso de roubo, procure a sua moto nas imediações do local onde foi roubada e em especial as motos que estejam tapadas.

8 – A MAIS RECENTE FORMA DE ROUBAR MOTOS

De há algum tempo a esta parte existe um novo tipo de roubo de motos para o qual alertamos todos os nossos clientes. São roubos na cara do proprietário.

Funcionam da seguinte forma: você coloca a sua moto à venda e é contactado por um interessado que viu o anúncio e que se propõe a ver a moto num local a combinar. Chegados ao local o ladrão, por norma com boa apresentação e boa conversa, mas sempre sozinho (nunca vai acompanhado) fala sobre a moto e na maioria das vezes como excelente conhecedor do modelo e pede para experimentar a moto. Caso aceda a deixar experimentar a sua moto fique a saber que pode ser a última vez que a vê. O ladrão monta-se na moto e desaparece. Muitas vezes nem capacete leva.

NÃO DEIXE ninguém experimentar a sua moto sem ter pago a mesma.

Este tipo de ladrão é fácil de identificar pelos seguintes padrões:

– Marca encontro consigo num posto de abastecimento de combustível ou no parque de um hipermercado;

– Vai ao seu encontro sozinho e a pé (não leva amigo, namorada, carro, moto, etc);

– Costuma levar o seu próprio capacete para testar a moto;

– Preferem motos de enduro (mato) sem documentos (a polícia não tem como recuperar uma moto nestas condições, nem provar que era a sua).

Caso venha a encontrar algum dia com uma destas “figuras” não deixe testar a moto e peça o dinheiro. Se ele insistir, diga que não lhe vai vender a moto e saia rapidamente do local com a sua moto, não fique a dar conversa, desapareça rapidamente do local. O ladrão chegou até lá com um grupo de amigos que está num carro a ver toda a ação e podem a qualquer momento avançar contra si e roubarem-lhe a moto à força, basta que o ladrão que está consigo faça o sinal de ataque que normalmente consiste em um de dois sinais: deitar-se no chão dizendo que vai verificar se o cárter da moto está estalado ou soldado; colocar as mãos atrás das costas como se estivesse a ser algemado. São os sinais mais comuns para o grupo avançar sobre si e levar-lhe a moto.

Não aceite mostrar motos em postos de abastecimento de combustíveis ou parques de supermercados. Pode estar a colocar os seus bens e a sua vida em risco.

Motos roubadas

Os ladrões profissionais possuem todo o equipamento necessário para desbloquear a sua moto. Nunca facilite a sua tarefa com acessórios de segurança baratos e de qualidade duvidosa

 

NOTAS FINAIS:

Se as avarias causam stress nos proprietários, o roubo de uma moto é uma situação desagradável e que provoca a ira de quem ficou sem a moto e quando a encontra, na maioria das vezes está danificada ou sem várias peças.

Não seja preguiçoso nem avarento com a segurança da sua moto. Este é o melhor conselho que lhe podemos dar. Seja por 5 minutos para ir tomar um café ou por uma noite inteira à porta de casa, utilize todos os dispositivos de segurança para impedir que a sua moto seja roubada.

Não poupe no cadeado e na corrente. Mesmo que gaste 100 euros neste equipamento, se ficar sem a sua moto vai perder muito mais. Há quem invista 300 euros num capacete, 250 euros num blusão, 50 euros em luvas, etc., o que muito nos apraz verificar porque estão a pensar na sua segurança enquanto motociclistas, mas não têm a mesma disponibilidade financeira para comprarem equipamentos de segurança para as suas motos. Se a moto for roubada o capacete, o blusão e as luvas não lhes vão servir de nada.

Existem muitos sites de material anti-roubo onde pode escolher o melhor para defender a sua moto, como o espanhol Motocard, entre outros.

Não se esqueça que os ladrões não atuam a solo. Quando entra no centro comercial um deles vai atrás de si para garantir através do telemóvel que os outros podem trabalhar descansados.

 

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Manutenção Motos

Como se proteger a si e à sua moto do Covid-19

Published

on

O regresso a uma vida o mais próximo do normal possível após o confinamento causado pelo vírus Covid-19 trouxe as motos de novo à estrada e também elas e tudo o que as envolve requer alguns cuidados especiais nestes tempos ainda dominados pelo novo Coronavirus.



Analisando as formas de transporte, rapidamente percebemos que andar de moto até é uma das formas mais seguras de fazer qualquer deslocação nestes tempos que exigem muito cuidado. É necessário usar capacete, o que no caso dos capacetes fechados é logo uma proteção. Convém utilizar luvas, o que também protege de eventuais contaminações através do tato e em viagem está assegurada uma boa distância de segurança para os demais, exceção feita para quem ande com pendura pois aí já exige cuidados acrescidos.

Assim vejamos algumas regras de higienização importantes para circular de moto de forma a minimizar o risco de contágio neste contexto de pandemia do vírus Covid-19:

1 – Higienize o capacete
sendo o elemento que está mais em contacto próximo com as vias respiratórias é determinante que esteja bem higienizado. Para tal pode limpá-lo com os já habituais produtos à base de álcool, mas apenas nas zonas exteriores deixando de lado a viseira pois pode haver danos na mesma. No caso da viseira utilize outro tipo de desinfetantes e se não souber o que utilizar recorra a água com sabão neutro que também é eficaz e não é agressivo para os materiais. Já o forro interior do capacete deve ser removido e lavado seguindo as indicações do fabricante. Toda esta limpeza deve ser feita garantindo que as próprias mãos foram bem lavadas antes de começar a limpar tudo.

2 – Cuide bem das luvas
Com as luvas calçadas é inevitável tocar em quase tudo não só na moto como fora dela enquanto as temos calçadas, como tal há um elevado risco de contágio. Portanto, convém também lavar corretamente as luvas com sabão neutro e desinfetá-las bem, garantindo que não são causados danos nas luvas impermeáveis ou de couro pois nesse caso devem ser utilizados produtos próprios para esse tipo de materiais. O interior das mesmas também não deve ser esquecido.

3 – Limpar a moto
Com todo o equipamento individual devidamente limpo e desinfetado cuidar da moto é o próximo passo e todos os elementos de contacto devem ser bem limpos. Os punhos, o banco, ou o depósito devem ser higienizados também com produtos desinfetantes que sendo eficazes não sejam nocivos para as superfícies.

 

Como deve calcular, se viajar com pendura também ele deve ter o equipamento bem limpo e desinfetado e não se esqueça de manter comportamentos adequados pois numa moto o pendura vai praticamente “colado” a quem vai aos comandos da moto.

Continuar a ler

Manutenção Motos

Proteja-se bem na sua moto

Published

on

Andar de moto é uma realidade completamente diferente de andar de automóvel. O motociclista está muito mais exposto a toda a envolvente que o rodeia e consequentemente a todos os riscos que isso acarreta.



Legalmente o único equipamento obrigatório para circular de moto nas nossas estradas é o capacete, mas para andar em duas rodas de uma forma minimamente protegida é necessário muito mais que isso.

Portanto aqui lhe indicamos quais os equipamentos de proteção que o bom senso define como básicos para andar de moto e ter o mínimo de segurança caso o azar lhe bata à porta.

 

Luvas
Logo a seguir ao capacete é um dos elementos mais importantes para o motociclista. Em caso de queda o instinto dita que as mãos são as primeiras a sofrer por isso é determinante que circule com luvas. Estas devem proteger os pulsos, a palma da mão e os nós dos dedos. Certifique-se que quando colocadas ficam por cima do blusão não deixando nenhuma parte do braço junto ao pulso exposta.

 

Blusão
O blusão é fundamental, especialmente se tiver proteção de coluna pois pode fazer a diferença entre uma lesão grave incapacitante ou não. Além disso é o principal protetor dos membros superiores e deve ter proteções para os ombros e cotovelos. Se for em pele melhora a resistência à abrasão e ao mesmo tempo reduz a resistência à deslocação do ar o que favorece o conforto, o que também é importante.

 

Calças
Tal como o blusão, as calças são determinantes para proteger os membros inferiores e devem incluir proteções nos joelhos e na anca. Além disso as pernas são normalmente, em conjunto com as mãos, a parte do corpo que mais sofre numa queda devido ao potencial deslizamento no asfalto causando sérias queimaduras. Por isso as calças devem ser resistentes à abrasão. A título de exemplo umas calças de ganga demoram uns meros 0,4 segundos a rasgar enquanto deslizam no alcatrão.

 

Botas
Sempre que um motociclista pára a sua moto, os pés são a primeira coisa a garantir o equilíbrio, logo a sola das botas deve ser antiderrapante para não escorregar no contacto com o solo. Além disso também é importante que não deslize nas peseiras, seletor e travão da moto. Os tornozelos e o calcanhar são outros pontos sensíveis a lesões e portanto devem ter proteções nessas zonas.

 

Em todos os equipamentos o motociclista deve garantir que se adequam à época do ano em que circula (verão ou inverno) e assegurar-se que são confortáveis pois conduzir com desconforto reduz o foco na condução o que aumenta o risco e diminui a segurança.

Continuar a ler

Manutenção Motos

Como escolher o seu capacete de moto

Published

on

O capacete é um dos elementos mais importantes para a segurança do motociclista e como tal é imperativo fazer uma boa escolha. A reforçar a sua importância, de acordo com a lei atual, o capacete é o único elemento de segurança obrigatório para poder andar de moto.



Logo à partida deve apenas escolher um capacete que seja homologado. A maioria dos modelos comercializados são homologados e para confirmar se o capacete que tem nas mãos cumpre as normas de segurança vigentes basta procurar a etiqueta que indica que o capacete é aprovado pela norma ECE 22, a norma seguida em Portugal e no resto da Europa. Esta certificação indica que o modelo do capacete foi aprovado em vários testes de impacto e de resistência da presilha, por exemplo e que a marca monitoriza permanentemente a qualidade dos modelos produzidos.

 

Tipos de capacete
Ter um capacete homologado é determinante e é o primeiro parâmetro a considerar na escolha. Depois vem a escolha do tipo de capacete. Existem vários, sendo o mais comum e conhecido o capacete fechado que assegura uma boa proteção da cabeça e do rosto e que normalmente se adequa aos vários tipos de moto, desde scooters a trails.

Depois há o capacete aberto (ou por vezes denominado jet) que segue um estilo mais retro pois os primeiros capacetes que surgiram para os motociclistas eram abertos na face. Normalmente são usados por quem anda de scooter em cidade por ser um capacete mais pequeno e simples de transportar ou pelos fãs do universo custom que assim recuperam uma imagem vintage. Tem o prazer acrescido de aumentar a sensação de conduzir com o ar a bater na cara, o que reforça a sensação de liberdade, mas tem o grande revés de não proteger a cara ou o queixo em caso de queda.

Numa espécie de fusão entre os dois tipos já indicados temos o capacete modular que é a junção de um capacete fechado com um aberto pois a sua viseira inclui a proteção do queixo. Quando fechada ele encaixa na base e garante a proteção de um capacete fechado. Quando se abre a viseira ela sobe com a proteção do queixo e assegura o ar fresco na face como um capacete aberto.

Existem ainda modelos que se adequam a uma utilização da moto mais específica, como os de Motocross, que são especialmente desenvolvidos para proteger quem gosta de andar com a sua moto mais tempo fora de estrada do que no asfalto.

Um ajuste correto

Na compra do capacete experimente-o sempre para se assegurar que este tem um bom encaixe. Não pode ficar apertado senão irá magoar, particularmente nas viagens mais longas e não pode ficar largo pois isso significa que oscilará com a deslocação do ar e em caso de acidente o facto de estar largo pode ter consequências graves.

Portanto coloque o capacete, veja se este encaixa de forma confortável e abane a cabeça garantindo que este não se move. Fique com ele alguns minutos e depois retire-o. Veja se não foi difícil tirar e se não ficou com marcas de pressão na face. Não esquecer que se usar óculos deve experimentar o capacete com os óculos postos.

Esteja atento que as medidas do capacete (S, M, L, por exemplo) podem não ser muito lineares de marca para marca pois o desenho do forro pode ser diferente. Logo, um L numa marca pode corresponder ao M noutra, daí a importância de experimentar ao vivo e a cores o capacete que quer adquirir.

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Newsletter

Em aceleração