Ligue-se connosco

Avaliações Usados

BMW Série 5 (2003-2010)

Published

on

O Série 5 do século XXI não teve uma carreira feliz em matéria de fiabilidade. Tem espaço, bom comportamento dinâmico e requinte a bordo, mas a fiabilidade dos motores Diesel deixou muitos clientes desagradados.

Vendido em versões Sedan e Touring o Série 5 (E60) seguia a identidade da BMW e os maois acérrimos da marca bávara aceitaram-nos de braços abertos. O prazer de condução está lá por inteiro, mesmo que o conforto da suspensão não seja extraordinária apesar de cumprir bem com a maioria dos percursos. O comportamento dinâmico é um dos pontos mais fortes e a facilidade de condução deixa a sensação de ser um carro pequeno (que não é) dada a agilidade que apresenta.

Qualquer versão de equipamento está muito bem apetrechada e o cliente tem ainda ao seu dispor uma extensa lista de opcionais que lhe permite carregar o Série 5 com tudo o que entender, assim a sua conta bancária o permita.

A carrinha Série 5 tem uma bagageira imensa e um espaço para os passageiros ao nível de uma limousine de luxo. A BMW não poupou na qualidade dos materiais que revestem o interior e tornou o E60 uma referência nessa matéria.

Os motores que equipavam o 520d não tiveram um histórico de fiabilidade ao nível dos pergaminhos da marca. O 525 e o 535d não deram quase nenhuns problemas mecânicos e são a melhor opção como usados.

Também o sistema iDrive que controla a climatização e o rádio surgiu muito confuso de operar e foi apontado como um dos equipamentos que mais queixa recebeu dos clientes.

Motores

A gama de motores do Série 5 não era muito extensa. Com cinco opções a gasolina e quatro Diesel, os blocos de quatro e seis cilindros em linha tinham a particularidade de serem todos eles muito silenciosos.

Na gama a gasolina poderá encontrar o 523i de 177 e 190 cv, 525i de 192 e 218 cv, 530i de 231, 258 e 272 cv e ainda o 540i e 550i de 333 e 367 cv, terminando com o M5 que apresenta um V10 de 5,0 litros com 507 cv.

Os motores a gasóleo começavam com o 520d de 163 e 177 cv e seguiam-se o 525 d/xd de 177 e 197 cv, 530d/xd de 218, 231 e 235 cv e fechava com o 535d de 272 e 286 cv.

Principais avarias e problemas

Os motores a gasolina praticamente não registaram casos graves em matéria de mecânica. Já os Diesel tiveram no 520d diversos episódios de avarias graves que implicaram a reparação do motor ou troca por motores reconstruídos.

No 530d registaram-se situações de emissão de fumo excessivo devido a um problema na regeneração do FAP. O 525d e 535 foram chamados aos concessionários da BMW em junho de 2005 para trocar as bombas injetoras defeituosas.

Mais chamadas aos concessionários ficaram inscritas na história do E60 por defeito na direção ativa, em 2004; Bancos aquecidos que “escaldavam” devido a um cabo mal montado; Amortecedores em julho de 2006 para viaturas produzidas entre janeiro e abril de 2006 que tiveram de substituir os batentes de borracha traseiros.

A eletrónica também deu dores de cabeça devido a uma parametrização errada do ESP que obrigou a uma chamada em agosto de 2004.

BMW Série 5 (2003-2010)
8.2 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Comportamento
Qualidade de construção
Habitabilidade
Contras
Conforto em piso degradado
Fiabilidade dos Diesel
iDrive confuso
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção7
Desvalorização9
Qualidade dos materais8.5
Habitabilidade e bagageira9
Segurança8.5
Conforto7.5
Consumo combustível8
Comportamento dinâmico9
Performance9
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Avaliações Usados

Nissan Leaf (2011-2018)

Published

on

Quando se fala em automóveis 100% elétricos o Nissan Leaf é um modelo incontornável. A sua carreira comercial é excelente e o feedback dos seus proprietários também.

Com o passar do tempo o Leaf foi contornando um dos seus maiores obstáculos: o preço de aquisição em novo. Sempre foi um carro caro e a Nissan percebendo isso tentou na fase final desta geração que aqui apresentamos criar versões mais acessíveis ao bolso da maioria dos clientes.

O seu design exterior também gerou controvérsia e afastou alguns pretendentes à sua aquisição. Também aqui o tempo se encarregou de ir convencendo o mercado e impondo a imagem do Leaf como um carro realmente diferente.

Na última fase de comercialização desta geração a gama foi reforçada com diversas opções de equipamento, mas em 2011 quando chegou não existiam muitas escolhas e todas eram relativamente caras face aos modelos com motores de combustão. Hoje é possível encontrar um usado por bom preço, tendo sempre em consideração o estado das baterias e a eventual substituição das mesmas que é o mais oneroso item da manutenção do Leaf. A Nissan afirma que a vida útil das baterias do Leaf é de 10 anos, anote esta informação se estiver a comprar um usado.

Este veículo elétrico tem um habitáculo muito prático, é igualmente muito fácil de conduzir, graças a uma caixa de variação contínua muito bem desenvolvida para todo o tipo de trajeto.

O carregamento das baterias demora cerca de 8 horas em carga lenta para atingir os 100%, enquanto em carga rápida consegue percentagens muito interessantes que permitem seguir viagem até a casa… se não estiver a centenas de quilómetros.

Motores

O motor do Leaf é uma unidade síncrona alimentada por baterias de iões-lítio com uma potência de 80 kW, equivalente a 110 cv e com 280 Nm de binário máximo. A capacidade das unidades fabricadas entre 2011 e 2015 era de 24 kW (autonomias de 117 e 175 km). Em 2016 surgiu a versão de 30 kW (autonomia de 172 km). As autonomias que indicamos são as reais embora a Nissan anuncie autonomias superiores, mas que na realidade raramente se cumpriam.

Principais problemas e avarias

Os travões foram durante muito tempo e verdadeiro “calcanhar de Aquiles” do Leaf. Como seria de esperar num carro de caixa automática, o travão está sempre em ação e o desgaste é incontornável. Todavia, o sistema de travagem foi sendo melhorado e reforçado ao longo da produção.

A rapidez como a autonomia descia conforme a viagem avançava foi outras das queixas que os clientes apresentavam. O Leaf 100% carregado anunciava uma autonomia em torno dos 150 km, mas mal se fazia à estrada rapidamente descia para os 100 km e deixava o condutor em stress.

Nissan Leaf (2011-2018)
8.1 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Emissões Zero
Habitabilidade e bagageira
Economia de combustível
Contras
Preço
Design questionável
Autonomia limitada
Fiabilidade8.5
Custos de manutenção9
Desvalorização7.5
Qualidade dos materais8
Habitabilidade e bagageira8
Segurança8
Conforto8.5
Consumo combustível10
Comportamento dinâmico7.5
Performance6
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Dacia Logan (2012-2017)

Published

on

Não é um carro sedutor, não tem uma qualidade acima da média, mas cumpre com as funções de familiar, oferecendo espaço interior amplo e consumos muito económicos baseados nos motores fornecidos pela Renault a este fabricante romeno.

O Dacia Logan já vai na segunda geração, renovada em 2017, sendo que a primeira cumpriu com as necessidades de muitas famílias que procuravam uma carrinha de preço acessível. Os taxistas também adoram este modelo e encheram as praças das grandes cidades com muitas unidades.

O desenho tanto exterior como interior não é dos mais cativantes e tenta valer os seus argumentos pela simplicidade e arrumação dos comandos e botões. Não tem um nível de equipamento muito elevado (nem podia, pelo preço baixo), no entanto vem equipado com o necessário para uma utilização diária e intensa.

A habitabilidade é o seu forte. Espaço interior amplo e bagageira generosa são pontos fortes, até mesmo na versão de quatro portas (sedan). Os materiais que revestem o interior, em espacial os plásticos é que não vão resistir muito tempo aos ruídos parasitas.

Motores

A gama de motores é curta e tenta seguir a estratégia de preço baixo. O 1.2 16v de 75 cv a gasolina é o mais acessível e muito procurado para quem não faz muitos quilómetros anualmente. A gasolina existe ainda o 0.9 TCe de 90 cv que também conquistou muitos adeptos.

A oferta Diesel é assegurada pelo “famoso” 1.5 dCi de 75 cv ou com a mesma cilindrada a versão de 90 cv, ambas bastante económicas e mais apontadas a um uso frequente.

Principais problemas e avarias

Pequenos problemas de fiabilidade com os motores 1.2 e 0.9 TCe que foram rapidamente resolvidos nas linhas de produção e durante os períodos de garantia.

As baterias da marca Rombat são de má qualidade e foram montadas até março de 2013, aconselha-se a substituição.

O GPS (Media Nav) funciona mal mesmo depois de reprogramados e não são fáceis de substituir por outra marca. Os motores de limpa-vidros deram muitos problemas durante um longo período.

Dacia Logan (2012-2017)
7.2 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Preço em novo
Habitabilidade
Motores económicos
Contras
Insonorização
Plásticos interiores
Desvalorização
Fiabilidade7
Custos de manutenção8
Desvalorização5.5
Qualidade dos materais6
Habitabilidade e bagageira8.5
Segurança7.5
Conforto7.5
Consumo combustível8
Comportamento dinâmico7
Performance6.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Volkswagen Passat (1997-2005)

Published

on

O Volkswagen Passat, apesar de vendido anteriormente em Portugal, conheceu a fama no nosso país com a sua geração com o código interno B5, apresentada ao público em 1997. O segredo para o sucesso passou, essencialmente, pela imagem de robustez, qualidade de construção e pelo excelente binómio entre performance e consumos apresentado pelo seu motor 1.9 TDI.
Recebeu um facelit em 2001, que podemos ver na foto acima, apresentando uma carroçaria ainda mais sólida e mais equipamento de série, principalmente na versão Highline.

Disponível em carroçaria de três volumes ou carrinha (Variant), a imagem é sempre clássica, com linhas muito simples. A funcionalidade sempre foi a prioridade. Nada de inovador para a época, mas que permite que, ainda hoje, a imagem não esteja cansada.

A habitabilidade é bastante boa para o segmento, com muito espaço para as pernas dos passageiros traseiros e largura para que três ocupantes viajem no banco traseiro. O acesso à bagageira, no caso do sedan, não é melhor, como é típico em automóveis com este formato de carroçaria. Seja qual for a carroçaria, a capacidade é boa.
O design do habitáculo segue a linha aplicada no exterior, ainda que esta sensação possa variar consoante o tipo e cor dos acabamentos presentes. Seja como for, a solidez de construção é inquestionável.
A visibilidade é boa para todos os ângulos. Igualmente de bom nível é a ergonomia.

Os níveis de equipamento disponíveis na época variam do básico ao bastante completo, que é como quem diz do Trendline ao Highline, sendo este último sempre o mais aconselhável.

A posição de condução tem imensas regulações, adaptando-se a condutores de qualquer estatura. A primeira sensação transmitida ao condutor é de solidez de todo o conjunto, o que se sentirá também nos comandos, todos eles bastante pesados para os padrões atuais. O pisar é muito sólido, a suspensão tem um acerto bastante brando, mas não o suficiente para que o conforto seja o pináculo do segmento. Ainda assim, bem melhor do que o comportamento dinâmico, pautado por uma direção vaga e por um eixo dianteiro bastante impreciso, mesmo em autoestrada.

Motores

No lançamento, a oferta de motores Diesel dividia-se pelo bloco 1.9 TDI nas suas versões de 90 e 110 cv. As prestações do primeiro são justas, mas as do segundo já são adequadas. Em 2000, a versão de 110 cv saiu para dar lugar à menos fiável de 115 cv, que durou apenas até ao restyling, em 2001. Foi nessa altura que surgiu o melhor dos Passat B5, com o motor 1.9 TDI 130 cv. Prestações consideravelmente melhores e consumos igualmente notáveis.

Principais avarias e problemas

No geral, o Passat é bastante fiável. Ainda assim, há que ter em atenção ao sistema de refrigeração dos motores TDI, ao medidor de massa de ar, a possíveis problemas elétricos, entre outros pormenores. Comum é também a entrada de água no habitáculo, causada por entupimento dos canais de escoamento.

Volkswagen Passat (1997-2005)
7.2 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Qualidade de construção
Motores TDI
Espaço interior
Contras
Comportamento dinâmico
Peso da direção
Ruído dos motores TDI
Sumário
O Volkswagen Passat B5 marcou uma época pela sua qualidade de construção e qualidades do motores TDI. Hoje, passados mais de 20 anos, continua a ser uma das melhores apostas no mercado de usados.
Fiabilidade7
Custos de manutenção8
Desvalorização7
Qualidade dos materais9
Habitabilidade e bagageira8
Segurança6
Conforto6
Consumo combustível9
Comportamento dinâmico5
Performance7
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Para ler

Newsletter

Em aceleração