Ligue-se connosco

Avaliações Usados

Mercedes Classe A (2012-2018)

Published

on

Em 2012 o Classe A deixou de ser uma “coisa estranha” para se tornar um automóvel elegante e atrativo que rapidamente conquistou uma importante fatia de mercado aos seus rivais alemães como o Audi A3 e o BMW Série 1.

Aproveitou os motores Renault de 1,5 litros para conseguir poupar no desenvolvimento. Em Portugal a maioria dos Classe A que foram vendidos possuem o propulsor francês, mas isso não interessa porque o resto é Mercedes.

A apresentação interior é sofisticada com umas linhas modernas que fizeram sucesso á altura do lançamento, embora alguns materiais pequem pela qualidade mediana, mas a posição de condução compensa e muito tudo o resto. O condutor(a) vai muito bem instalado num banco envolvente e firme que proporciona uma condução de qualidade. Já os passageiros que seguem atrás não podem gozar do mesmo conforto pela escassez de habitabilidade traseira. A bagageira alinha pela bitola da habitabilidade traseira e também não permite muitas compras ou malas volumosas.

A Mercedes podia ter aproveitado também a suspensão da Renault que teria um efeito mais confortável e agradável em piso degradado.

Motores

A gama de motores é vasta apesar da maioria ter optado pela compra do Classe A 180 CDI. No entanto, a gasolina existem 5 opções: o 160 de 102 cv, 180 de 122 cv, 200 com 156 cv 220 4matic de 184 cv e o 250 com 211 cv. Todos eles são motores um pouco preguiçosos exceção ao 250 que se despacha muito bem nesta carroçaria do Classe A.

A oferta Diesel foi a mais procurada em Portugal com o 160 CDI de 90 cv a ser o mais acessível do Mercedes, mas era melhor negócio o 180 CDI de 110 cv pelo nível de equipamento e preços e aquele que vai encontrar mais no mercado de usados a par do 200 CDI de 136 cv. Ainda teve uma versão 220 CDI de 170 e 177 cv.

Principais avarias e problemas

O motor 180 a gasolina registou problemas de ralenti instável por defeito do sensor de ponto morto. Os motores 180, 200 e 220 CDI tiveram problemas com a válvula EGR e fugas do líquido de refrigeração que originavam perdas de potência.

O 220 e 220 CDI registaram também problemas com os tensores da correia de distribuição. No 160 e 180 CDI houve falhas no volante bimassa.

Foram registados diversos casos de problemas de direção que obrigaram a reprogramação da centralina. A parte eletrónica também anotou disfunções nos sistemas de GPS e multimédia.

Mercedes Classe A
7.8 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Estilo atraente
Conforto interior
Motores económicos
Contras
Suspensão dura
Insonorização
<strong<Habitabilidade traseira
Fiabilidade8
Custos de manutenção6.5
Desvalorização9.5
Qualidade dos materais7.5
Habitabilidade e bagageira7
Segurança8.5
Conforto7
Consumo combustível8
Comportamento dinâmico8
Performance8
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler
Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Avaliações Usados

Seat Leon (2005-2012)

Published

on

O Leon de 2005 veio cortar com o estilo do anterior mantendo umas linhas agressivas que não deixou os fãs dececionados.

Tem um interior que rivaliza com os seus “primos” da VW apesar dos plásticos interiores não serem de qualidade elevada e a habitabilidade traseira não estar ao nível do VW Golf ou do Ford Focus.

O mais importante neste Leon encontra-se no momento em que nos sentamos ao volante. Tem um “feeling” de desportivo e não desilude na dinâmica, apresentando um comportamento dinâmico preciso associado a um leque de motores muito interessante.

A manutenção do Leon não é das mais baratas e os intervalos de revisões podem aumentar os custos. Desengane-se se pensa que a Seat está num nível inferior de valores de manutenção em relação à VW. Os fornecedores de componentes são os mesmos e os preços são similares.

Motores

O line-up de motores do Leon teve 13 opções a gasolina, nove propulsores Diesel e uma opção a GPL.

Na oferta a gasolina pode eleger-se o 1.2 TSI (105 cv), 1.4 (86 cv), 1.4 TSI (125 cv), 1.6 (102 cv), 1.8 TSI (160 cv), 2.0 FSi (150 cv), 2.0 TFSI (185 cv), 2.0 TFSI FR (200 cv), 2.0 TFSI Cupra (241 cv), 2.0 TFSI Cupra R (265 cv), 2.0 TFSI Copa Edition (286 cv), 2.0 TFSI Cupra 310 (310 cv). A versão a GPL tem um a cilindrada de 1,6 litros com 102 cv.

Os motores Diesel têm um leque de potência muito alargado a começar no 1.6 TDI (105 cv) e seguem-se os 1.9 TDI (90 e 105 cv), 2.0 TDI (136, 140 e 170 cv).

Principais problemas e avarias

Vários registos de entrada em modo de segurança devido a defeito no sensor de temperatura. Luz de airbag que se liga sem motivo devido a um defeito na ficha por baixo do banco do condutor. Luz de DPF (Filtro de Partículas) a surgir no painel de instrumentos sempre que a DPF fica bloqueada. Este problema deve-se ao facto de veículos que fazem pequenos percursos e não conseguem regenerar o sistema.

Borrachas defeituosas nas portas dianteiras que deixam entrar água no habitáculo.

Seat Leon (2005-2012)
7.9 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Comportamento dinâmico
Gama de motores
Posição de condução
Contras
Habitabilidade traseira
Bagageira
Habitabilidade traseira
Fiabilidade8
Custos de manutenção7.5
Desvalorização7.5
Qualidade dos materais7
Habitabilidade e bagageira7
Segurança8
Conforto8
Consumo combustível8
Comportamento dinâmico9
Performance9
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

BMW Série 5 (2003-2010)

Published

on

O Série 5 do século XXI não teve uma carreira feliz em matéria de fiabilidade. Tem espaço, bom comportamento dinâmico e requinte a bordo, mas a fiabilidade dos motores Diesel deixou muitos clientes desagradados.

Vendido em versões Sedan e Touring o Série 5 (E60) seguia a identidade da BMW e os maois acérrimos da marca bávara aceitaram-nos de braços abertos. O prazer de condução está lá por inteiro, mesmo que o conforto da suspensão não seja extraordinária apesar de cumprir bem com a maioria dos percursos. O comportamento dinâmico é um dos pontos mais fortes e a facilidade de condução deixa a sensação de ser um carro pequeno (que não é) dada a agilidade que apresenta.

Qualquer versão de equipamento está muito bem apetrechada e o cliente tem ainda ao seu dispor uma extensa lista de opcionais que lhe permite carregar o Série 5 com tudo o que entender, assim a sua conta bancária o permita.

A carrinha Série 5 tem uma bagageira imensa e um espaço para os passageiros ao nível de uma limousine de luxo. A BMW não poupou na qualidade dos materiais que revestem o interior e tornou o E60 uma referência nessa matéria.

Os motores que equipavam o 520d não tiveram um histórico de fiabilidade ao nível dos pergaminhos da marca. O 525 e o 535d não deram quase nenhuns problemas mecânicos e são a melhor opção como usados.

Também o sistema iDrive que controla a climatização e o rádio surgiu muito confuso de operar e foi apontado como um dos equipamentos que mais queixa recebeu dos clientes.

Motores

A gama de motores do Série 5 não era muito extensa. Com cinco opções a gasolina e quatro Diesel, os blocos de quatro e seis cilindros em linha tinham a particularidade de serem todos eles muito silenciosos.

Na gama a gasolina poderá encontrar o 523i de 177 e 190 cv, 525i de 192 e 218 cv, 530i de 231, 258 e 272 cv e ainda o 540i e 550i de 333 e 367 cv, terminando com o M5 que apresenta um V10 de 5,0 litros com 507 cv.

Os motores a gasóleo começavam com o 520d de 163 e 177 cv e seguiam-se o 525 d/xd de 177 e 197 cv, 530d/xd de 218, 231 e 235 cv e fechava com o 535d de 272 e 286 cv.

Principais avarias e problemas

Os motores a gasolina praticamente não registaram casos graves em matéria de mecânica. Já os Diesel tiveram no 520d diversos episódios de avarias graves que implicaram a reparação do motor ou troca por motores reconstruídos.

No 530d registaram-se situações de emissão de fumo excessivo devido a um problema na regeneração do FAP. O 525d e 535 foram chamados aos concessionários da BMW em junho de 2005 para trocar as bombas injetoras defeituosas.

Mais chamadas aos concessionários ficaram inscritas na história do E60 por defeito na direção ativa, em 2004; Bancos aquecidos que “escaldavam” devido a um cabo mal montado; Amortecedores em julho de 2006 para viaturas produzidas entre janeiro e abril de 2006 que tiveram de substituir os batentes de borracha traseiros.

A eletrónica também deu dores de cabeça devido a uma parametrização errada do ESP que obrigou a uma chamada em agosto de 2004.

BMW Série 5 (2003-2010)
8.2 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Comportamento
Qualidade de construção
Habitabilidade
Contras
Conforto em piso degradado
Fiabilidade dos Diesel
iDrive confuso
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção7
Desvalorização9
Qualidade dos materais8.5
Habitabilidade e bagageira9
Segurança8.5
Conforto7.5
Consumo combustível8
Comportamento dinâmico9
Performance9
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Renault Clio III (2005-2012)

Melhor em todos os aspetos, a terceira geração do Renault Clio continuou a tradição como modelo mais vendido em Portugal, mantendo todos os argumentos das gerações anteriores e melhorando os defeitos.

Published

on

Foi em 2005 que a terceira geração do Renault Clio se deu a conhecer, apresentando uma imagem bastante diferente e prometendo resolver os problemas relativos ao espaço e posição de condução, tão contestados na segunda geração. A promessa foi cumprida em parte, não se podendo considerar que tenha havido uma revolução em termos gerais, pois até os motores transitaram de uma geração para a outra.

A qualidade de construção apresenta, nas versões mais equipadas, materais muito mais agradáveis ao toque, mas a montagem dos mesmos não se revela propriamente mais sólida do que seu antecessor, gerando ruídos parasitas com alguma facilidade. Nem mesmo o facelift operado a meio do ciclo de vida conseguiu minorar este aspeto. A posição de condução melhorou substancialmente, pois a coluna de direção deixou de estar tão horizontal, o volante tem melhor pega e o banco do condutor está melhor colocado. No entanto, a posição não é perfeita porque continuou a faltar a regulação em profundidade para a coluna de direção.

A habitabilidade melhorou, continuando sem ser referencial no segmento.

O equipamento de série é bastante completo para a época e para o segmento, principalmente nas verses Privilege e Dynamique, que incluiam itens como o ar condicionado automático, o cruise control, o sensor de luz e chuva e, raro no segmento, o acesso mãos-livres para fecho e abertura das portas e arranque do motor.

Tal como o Clio II, o Clio III é imbatível na relação entre o comportamento dinâmico e o conforto, superando mesmo diversos modelos de segmentos superiores. Curva de forma muito eficaz e segura, sendo até divertido, ao mesmo tempo que oferece um bom nível de conforto a todos os passageiros. Pode ser dito o mesmo para os dois, portanto.

Motores

A gama de motores é alargada, pois transita da segunda geração. A entrada da gama faz-se pelo bloco 1.2 16v com 75 cv, capaz de prestações apenas razoáveis, tal como os consumos.
Para os mais exigentes, existem as versões 1.4 16v e 1.6 16v, com 98 e 110 cv, respetivamente. Ainda que um pouco menos económicos, acabam por compensar com uma utilização muito mais agradável.

Quem se importar com consumos, tem ao seu dispor as versões Diesel, sempre com o bloco 1.5 dCi, disponível em versões de 70, 85 e 105 cv – a novidade e que utiliza caixa manual de seis velocidades.

Principais avarias e problemas

O Renault Clio III, mas o revestimento em pele do volante tende a degradar-se com facilidade, assim como outros revestimentos interiores. No casos do motores a gasolina de 16 válvulas, são conhecidos problemas com a bobines, com os vedantes do coletor de admissão e com o sensor de posição da cambota, que impede que o motor arranque.
No caso dos motores Diesel 1.5 dCi, tenha atenção às capas das bielas e aos injetores.

Renault Clio III (2005-2012)
7.3 Avaliação
Utilizadores 0 (0 Votos)
Pros
Comportamento dinâmico
Conforto
Segurança
Contras
Solidez
Resistência de alguns materiais
Prestações do motor 1.2
Sumário
Melhor em todos os aspetos, a terceira geração do Renault Clio continuou a tradição como modelo mais vendido em Portugal, mantendo todos os argumentos das gerações anteriores e melhorando os defeitos.
Fiabilidade6
Custos de manutenção7
Desvalorização7
Qualidade dos materais8
Habitabilidade e bagageira7
Segurança8
Conforto8
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico9
Performance6
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Newsletter

Em aceleração