Ligue-se connosco

Avaliações Usados

Opel Astra (2004-2009)

Solidez alemã, boa dinâmica, numa embalagem apenas beliscada por um nível de conforto melhorável e por um motor Diesel com prestações dececionantes.

Published

on

A geração H do Opel Astra rompe totalmente com a anterior. Mais moderno em tudo, o Astra lançado em 2004 oferece uma série de tecnologias modernas, como sistemas de navegação, faróis de xénon, chassis com dois modos, entre outras coisas. De construção tremendamente sólida, o Astra pauta-se pelo rigor na montagem, o que o isenta de ruídos parasitas e de um pisar consistente, ainda que demasiado firme. A posição de condução é bastante versátil e cómoda.
Bom nível de equipamento de série e um chassis que se pauta por comportamento eficaz.

Motores

A gama de motores a gasolina é curta, incluindo apenas os blocos 1.4 de 90 cv e 1.6 de 115 cv, sendo este último bastante raro em Portugal. O primeiro tem um funcionamento suave e linear, oferecendo prestações apenas medianas com consumos relativamente elevados. O segundo melhora um pouco no primeiro aspeto e piora no segundo.

A oferta Diesel é um pouco mais alargadas, divindo-se entre o bloco 1.3 CDTI com 90 cv, proveniente da Fiat, o bloco 1.7 CDTI, de origem Isuzu, que está disponível com potências de 100, 110 e 125 cv, e o bloco 1.9 CDTI, resultante da parceria com a Fiat e que aqui surge apenas com 150 cv. Com o preço mais contido e tendo sido bastante escolhido para frotas e rent-a-car, o bloco 1.3 é o mais fácil de encontrar no mercado de usados. Contudo, está longe de ser o mais agradável de utilizar. Letárgico nos baixos regimes, torna a condução em circuito urbano algo penosa, ao passo que as relações demasiado longas da caixa de seis velocidades dificultam as recuperações. Os consumos não são especialmente atrativos.
O bloco 1.7 CDTI de 100 cv é melhor em todos os sentidos face ao motor 1.3, exceto no ruído e vibrações. Contudo, se for possível, opte pelas versões de 110 cv ou 125 cv. A primeira tem os melhores consumos e a segunda oferece prestações de excelente nível para a época.
O melhor é a versão 1.9 CDTI, naturalmente, mas é relativamente rara no mercado de usados. Mas vale a pena.

Principais avarias e problemas

O motor 1.4 registou alguns problemas com a correia de distribuição, que pode partir.

No bloco 1.7 CDTI há relatos de vibrações excessivas, derivadas de problemas com os apoios do motor. Algumas unidades produzidas em 2005 revelaram problemas no radiador devido ao mau funcionamento da ventoinha.

Algumas unidades produzidas em 2006 necessitam de substituir as fixações da suspensão traseira e de rever os amortecedores dianteiros.

Opel Astra (2004-2009)
6.7 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Qualidade de construção
Posição de condução
Equipamento de série
Contras
Bancos duros
Motor 1.3 CDTI
Capacidade da bagageira
Sumário
Solidez alemã, boa dinâmica, numa embalagem apenas beliscada por um nível de conforto melhorável e por um motor 1.3 Diesel com prestações dececionantes e pouco agradável de conduzir.
Fiabilidade6
Custos de manutenção6
Desvalorização6
Qualidade dos materais8
Habitabilidade e bagageira6
Segurança8
Conforto6
Consumo combustível6
Comportamento dinâmico8
Performance7
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

 

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Avaliações Usados

Toyota Auris (2013–2019)

Published

on

Foi em 2007 que o nome Corolla passou a significar apenas uma carroçaria de três volumes no catálogo da Toyota. Para a carroçaria de portas, o nome passou a ser Auris. Em 2013, ficámos a conhecer a nova geração. Em 2019, o nome Auris desapareceu e voltámos a ter o nome Corolla em todas as carroçarias. O nome Auris significou também o desaparecimento da carroçaria carrinha, que só voltou a surgir com esta segunda geração, em 2013.

Bastante mais arrojado do que na primeira geração, o Auris continuou a privilegiar a forma sobre a função. Não inova esteticamente, mas cumpre todos os requisitos em matéria de funcionalidade.

No habitáculo, a posição de condução não é perfeita porque a coluna de direcção tem pouca amplitude de regulação em profundidade.
Atrás, o espaço convence especialmente em largura e comprimento. O espaço disponível na bagageira é suficiente e dentro da média. Boa qualidade de construção, recorrendo a materiais de melhor do que na primeira geração do Auris. O desenho, contudo, é bastante austero.

Na dinâmica, o Auris pede ritmos calmos, pois o chassis é pouco eficaz e preciso e a direcção algo vaga. O cuidado foi todo para bem-estar dos ocupantes, já que a evidente inclinação da carroçaria é compensada por um nível de conforto bastante bom.

O equipamento de série varia do recheado ao básico. No entanto, a generalidade das unidades presentes no mercado de usados está bem equipada, tendo tudo o que era habitual para a época.

Motores

No geral, a gama Auris rodou em torno do motor Diesel 1.4 D-4D de 90 cv e da versão 1.8 HSD, híbrida. O primeiro, ainda que obtenha consumos razoáveis, tem prestações bastante limitadas, principalmente quando saímos das zonas urbanas. No caso da carroçaria carrinha – Touring Sports, até pela maior capacidade de carga, a coisa piora substancialmente. Não sendo também um primor das prestações, a versão híbrida acaba por ser bastante mais agradável em todos os aspetos, além de apresentar consumos notáveis em ambiente citadino. Não tendo caixa manual, é também mais fácil de conduzir.

Mais tarde, a gama Auris recebeu um motor 1.6 Diesel de 112 cv de origem BMW. As prestações melhoraram e os consumos continuaram baixos. Se deseja mesmo um Diesel, é uma opção muito melhor do que bloco 1.4.

Principais avarias e problemas

Toyota é sinónimo de fiabilidade e o Auris não foge à regra. No entanto, houve vários relatos de consumo súbito para a bateria de 12 volts.

Toyota Auris (2013–2019)
7.2 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Qualidade de construção
Facilidade de condução
Consumo nas versões Diesel e HSD
Contras
Comportamento
Interior com imagem antiquada
Prestações do motor 1.4 Diesel
Fiabilidade9
Custos de manutenção7
Desvalorização7
Qualidade dos materais8
Habitabilidade e bagageira6
Segurança7
Conforto8
Consumo combustível8
Comportamento dinâmico6
Performance6
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Honda Civic (2012–2017)

Published

on

Em 2006, a Honda achou que o Civic, o seu modelo de maior sucesso, deveria abandonar a sua imagem conservadora e clássica e passar a ser mais arrojado. Na verdade, muito arrojado. Seis anos, fruto do sucesso desta nova abordagem, lançou uma nova geração com base nas mesmas linhas, ainda que menos disruptivas. Voltou também a apresentar a carroçaria carrinha, tão importante para o mercado europeu, tal como um pequeno motor Diesel, ainda que não logo no lançamento, pois o lugar continuou a ser ocupado pelo motor Diesel 2.2 i-CTDi, pouco amigo da fiscalidade nacional.

A posição de condução do Civic não é exemplar, pois o banco do condutor está numa posição demasiado elevada e o velocímetro fica invisível para algumas estaturas. Aliás, todo o interior do Civic é algo confuso, com demasiados instrumentos. A utilização do computador de bordo é complicada. Um problema conhecido da anterior geração do Civic.

O conforto é bom, ainda que, por vezes, exista algumas trepidações no habitáculo. Felizmente, o conjunto é sólido. Dinamicamente, não é emotivo, estando abaixo do seu antecessor, pois a Honda preferiu um acerto de suspensão mais virado para o conforto. Excelente é a caixa de velocidades, com uma precisão acima do comum neste tipo de automóvel.

O habitáculo pauta-se pela utilização de bons materiais e por um recheio de equipamento que começa no bom e termina no excelente, consoante a versão, naturalmente. Mas o destaque vai mesmo para o espaço e, especialmente, para a versatilidade interior proporcionado pelo banco traseiro com o rebatimento mágico da Honda, que permite transportar objetos de grandes dimensões.

Motores

Inicialmente, o Honda Civic esteve disponível apenas com uma unidade Diesel. No caso, o motor 2.2 de 150 cv, que ganhou 10 cv face à geração anterior. Ainda que agradável de utilizar, os seus consumos são apenas razoáveis e não fácil encontrar unidades disponíveis no mercado de usados, pois o seu valor em novo era elevado face as concorrentes de baixa cilindrada.
Foi em 2013 que surgiu o bloco 1.6 i-Dtec de 120 cv. Menos potente, mas tremendamente agradável de utilizar e com consumos fantásticos. É, sem qualquer dúvida, a melhor escolha da gama.

Apesar da fama de fazer excelentes motores a gasolina, a verdade é que as unidades a gasolina presentes nesta geração do Civic – esquecendo o desportivo Type R – não são brilhantes. O motor 1.4 tem prestações paupérrimas, sendo bastante inferior em todos os sentidos ao que a concorrência já conseguia fazer com a sobrealimentação. O bloco 1.8 de 140 cv é bastante mais expedito, mas obriga a usar toda a faixa de rotações, o que poderá não ser do agrado de todos. Os consumos são simpáticos para a potência.

Principais avarias e problemas

A Honda ficou em segundo lugar do estudo JD Power em 2009, 2010 e 2011. Por isso, não é de estranhar que esta geração do Civic se mostre bastante fiável. Não está, contudo, isenta de problemas, pois há relatos de funcionamento deficiente do Filtro de partículas presente nos motores Diesel e também há queixas de problemas com sistema de travão de parque nas rodas traseiras.

Honda Civic (2012–2017)
7.4 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Motor 1.6 Diesel
Bagageira
Versatilidade
Contras
Comportamento dinâmico
Ergonomia
Motor 1.4
Fiabilidade9
Custos de manutenção7
Desvalorização7
Qualidade dos materais7
Habitabilidade e bagageira9
Segurança7
Conforto7
Consumo combustível8
Comportamento dinâmico6
Performance7
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Audi A1 (2010-2018)

Published

on

O modelo de entrada no universo Audi foi lançado em 2013 com o objetivo de promover uma oferta plena de charme, personalizada e acessível demonstrando que lá por ser pequeno não significa que não pode ser premium, facto que naturalmente se reflete no seu preço.

Com uma boa posição de condução, confortável e sólido, o A1 herda os pergaminhos principais dos seus irmãos Audi de segmentos superiores, mantendo também um comportamento dinâmico típico da marca alemã, onde a agilidade e precisão dos comandos estão bem presentes. Nas versões que contam com a caixa automática S-Tronic o seu carácter desportivo é ainda mais vincado.

Convém lembrar que quando equipado com jantes de maior dimensão ou com a opção de suspensão desportiva o conforto sai algo penalizado, especialmente no seu habitat natural: o ambiente urbano. Ainda no campo do equipamento este utilitário está bem recheado de série em termos de sistemas de segurança.

Para aqueles que precisam de um pouco mais de polivalência, o Audi A1 surge também na versão Sportback de 5 portas que facilita o acesso aos bancos traseiros, se bem que a habitabilidade não é o seu ponto forte, apesar de ainda assim ser boa face aos concorrentes diretos.

Motores

O Audi A1 apresenta uma vasta gama de opções de motores com o 1.2 TFSI capaz de debitar 86 cv e o 1.4 TFSI com as versões de 122 cv, 140 cv e 180 cv a preencherem a oferta no universo da gasolina.

Nas propostas de motorizações Diesel o Audi A1 surge com os motores de quatro cilindros 1.6 TDI de 90 cv e 105 cv e o 2.0 TDI de 140 cv. Todas as unidades apresentam bons valores de consumos, independentemente do combustível utilizado.

Principais avarias e problemas

Bem cotado em termos de fiabilidade, o A1 não deixa de ter alguns problemas pontuais como o sistema Start & Stop que por vezes no 1.4 TDI parece ter vontade própria ou um elevado consumo de óleo nos motores a gasolina 1.4 TFSI que também podem revelar problemas nos injetores.

A climatização também não está isenta de falhas e as óticas traseiras podem necessitar de ser substituídas por não apresentarem uma boa estanquicidade.

A direção pode apresentar alguns ruídos nos modelos posteriores a 2012, mas por essa data foi corrigido o problema do acendimento intempestivo da luz interior do passageiro.

Audi A1
8 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Conforto
Qualidade
Comportamento
Contras
Preço
Habitabilidade traseira
Fiabilidade8
Custos de manutenção7
Desvalorização8.5
Qualidade dos materais8.5
Habitabilidade e bagageira7
Segurança8.5
Conforto8
Consumo combustível8.5
Comportamento dinâmico8
Performance8
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Para ler

Newsletter

Em aceleração