Ligue-se connosco

Avaliações Usados

Opel Astra (2004-2009)

Solidez alemã, boa dinâmica, numa embalagem apenas beliscada por um nível de conforto melhorável e por um motor Diesel com prestações dececionantes.

Published

on

A geração H do Opel Astra rompe totalmente com a anterior. Mais moderno em tudo, o Astra lançado em 2004 oferece uma série de tecnologias modernas, como sistemas de navegação, faróis de xénon, chassis com dois modos, entre outras coisas. De construção tremendamente sólida, o Astra pauta-se pelo rigor na montagem, o que o isenta de ruídos parasitas e de um pisar consistente, ainda que demasiado firme. A posição de condução é bastante versátil e cómoda.
Bom nível de equipamento de série e um chassis que se pauta por comportamento eficaz.

Motores

A gama de motores a gasolina é curta, incluindo apenas os blocos 1.4 de 90 cv e 1.6 de 115 cv, sendo este último bastante raro em Portugal. O primeiro tem um funcionamento suave e linear, oferecendo prestações apenas medianas com consumos relativamente elevados. O segundo melhora um pouco no primeiro aspeto e piora no segundo.

A oferta Diesel é um pouco mais alargadas, divindo-se entre o bloco 1.3 CDTI com 90 cv, proveniente da Fiat, o bloco 1.7 CDTI, de origem Isuzu, que está disponível com potências de 100, 110 e 125 cv, e o bloco 1.9 CDTI, resultante da parceria com a Fiat e que aqui surge apenas com 150 cv. Com o preço mais contido e tendo sido bastante escolhido para frotas e rent-a-car, o bloco 1.3 é o mais fácil de encontrar no mercado de usados. Contudo, está longe de ser o mais agradável de utilizar. Letárgico nos baixos regimes, torna a condução em circuito urbano algo penosa, ao passo que as relações demasiado longas da caixa de seis velocidades dificultam as recuperações. Os consumos não são especialmente atrativos.
O bloco 1.7 CDTI de 100 cv é melhor em todos os sentidos face ao motor 1.3, exceto no ruído e vibrações. Contudo, se for possível, opte pelas versões de 110 cv ou 125 cv. A primeira tem os melhores consumos e a segunda oferece prestações de excelente nível para a época.
O melhor é a versão 1.9 CDTI, naturalmente, mas é relativamente rara no mercado de usados. Mas vale a pena.

Principais avarias e problemas

O motor 1.4 registou alguns problemas com a correia de distribuição, que pode partir.

No bloco 1.7 CDTI há relatos de vibrações excessivas, derivadas de problemas com os apoios do motor. Algumas unidades produzidas em 2005 revelaram problemas no radiador devido ao mau funcionamento da ventoinha.

Algumas unidades produzidas em 2006 necessitam de substituir as fixações da suspensão traseira e de rever os amortecedores dianteiros.

Opel Astra (2004-2009)
6.7 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Qualidade de construção
Posição de condução
Equipamento de série
Contras
Bancos duros
Motor 1.3 CDTI
Capacidade da bagageira
Sumário
Solidez alemã, boa dinâmica, numa embalagem apenas beliscada por um nível de conforto melhorável e por um motor 1.3 Diesel com prestações dececionantes e pouco agradável de conduzir.
Fiabilidade6
Custos de manutenção6
Desvalorização6
Qualidade dos materais8
Habitabilidade e bagageira6
Segurança8
Conforto6
Consumo combustível6
Comportamento dinâmico8
Performance7
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

 

Continuar a ler
Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Avaliações Usados

Mercedes Classe A (2012-2018)

Published

on

Em 2012 o Classe A deixou de ser uma “coisa estranha” para se tornar um automóvel elegante e atrativo que rapidamente conquistou uma importante fatia de mercado aos seus rivais alemães como o Audi A3 e o BMW Série 1.

Aproveitou os motores Renault de 1,5 litros para conseguir poupar no desenvolvimento. Em Portugal a maioria dos Classe A que foram vendidos possuem o propulsor francês, mas isso não interessa porque o resto é Mercedes.

A apresentação interior é sofisticada com umas linhas modernas que fizeram sucesso á altura do lançamento, embora alguns materiais pequem pela qualidade mediana, mas a posição de condução compensa e muito tudo o resto. O condutor(a) vai muito bem instalado num banco envolvente e firme que proporciona uma condução de qualidade. Já os passageiros que seguem atrás não podem gozar do mesmo conforto pela escassez de habitabilidade traseira. A bagageira alinha pela bitola da habitabilidade traseira e também não permite muitas compras ou malas volumosas.

A Mercedes podia ter aproveitado também a suspensão da Renault que teria um efeito mais confortável e agradável em piso degradado.

Motores

A gama de motores é vasta apesar da maioria ter optado pela compra do Classe A 180 CDI. No entanto, a gasolina existem 5 opções: o 160 de 102 cv, 180 de 122 cv, 200 com 156 cv 220 4matic de 184 cv e o 250 com 211 cv. Todos eles são motores um pouco preguiçosos exceção ao 250 que se despacha muito bem nesta carroçaria do Classe A.

A oferta Diesel foi a mais procurada em Portugal com o 160 CDI de 90 cv a ser o mais acessível do Mercedes, mas era melhor negócio o 180 CDI de 110 cv pelo nível de equipamento e preços e aquele que vai encontrar mais no mercado de usados a par do 200 CDI de 136 cv. Ainda teve uma versão 220 CDI de 170 e 177 cv.

Principais avarias e problemas

O motor 180 a gasolina registou problemas de ralenti instável por defeito do sensor de ponto morto. Os motores 180, 200 e 220 CDI tiveram problemas com a válvula EGR e fugas do líquido de refrigeração que originavam perdas de potência.

O 220 e 220 CDI registaram também problemas com os tensores da correia de distribuição. No 160 e 180 CDI houve falhas no volante bimassa.

Foram registados diversos casos de problemas de direção que obrigaram a reprogramação da centralina. A parte eletrónica também anotou disfunções nos sistemas de GPS e multimédia.

Mercedes Classe A
7.8 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Estilo atraente
Conforto interior
Motores económicos
Contras
Suspensão dura
Insonorização
<strong<Habitabilidade traseira
Fiabilidade8
Custos de manutenção6.5
Desvalorização9.5
Qualidade dos materais7.5
Habitabilidade e bagageira7
Segurança8.5
Conforto7
Consumo combustível8
Comportamento dinâmico8
Performance8
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Volkswagen Polo (2001-2009)

Published

on

O Volkswagen Polo sempre foi, e continua a ser, uma referência no segmento dos utilitários, a par de modelos como o Renault Clio. Apresentando sempre linhas muito conservadoras e clássicas, tornou-se disruptivo na geração apresentada em 2001, com uma imagem marcada pelos quatro faróis dianteiros de formato circular – na imagem, vemos a versão já com o facelift operado em 2005. Mas a diferenças para o seu antecessor não são meramente estéticas.

O Polo cresceu em todas dimensões, o que lhe permite apresentar uma habitabilidade muito mais capaz, tornando-se mesmo este ponto numa das suas maiores qualidades, num habitáculo também mais arrojado, mas que continou a apostar numa elevada qualidade de construção, o que permite encontrar unidades que resistiram bem ao passar dos anos.

Já o equipamento de série é reduzido, mesmo para a época. Não será fácil encontrar uma unidade com muitos elementos de conforto, como o computador de bordo, apenas para dar alguns exemplos. Neste aspeto, o melhor será procurar uma versão, no mínimo, Confortline. A versão Highline será de evitar com o motor 1.2, devido às jantes de 16. Felizmente, o ABS e os quatro airbags são comuns a todas as versões de equipamento.

A relação entre conforto e comportamento não é referencial, pois o Polo não é propriamente divertido de conduzir, como a sua suspensão transmite para o habitáculo algumas irregularidades do asfalto, fruto de um acerto algo firme.

Motores

A gama de motores não é especialmente alargada, principalmente no mercado português, onde o grosso das vendas se dividiu entre o bloco 1.2 a gasolina e o Diesel, 1.4 TDI. O primeiro encontra-se, naturalmente, por valores mais baixos, mas o seu desempenho é algo limitado ao nível das prestações. O pequeno bloco de três cilindros tem alguma dificuldade em lidar com o peso do Polo, obrigando a usar a caixa de velocidades com excessiva frequência. Fora da cidade, as dificuldades são ainda mais evidentes.

Já o motor Diesel, ainda que transmita elevados níveis de ruído e vibrações, consegue ser expedito e, ao mesmo tempo, oferecer excelentes consumos.

Principais avarias e problemas

O Vokswagen Polo é genericamente fiável. Contudo, há que ter atenção às afinações do eixo dianteiro, que tende a provocar desgaste irregular nos pneus. Há ainda relatos de problemas elétricos com o airbag e com o elevadores elétricos dos vidros elétricos. No bloco 1.4 TDI, tenha atenção ao medidor de massa de ar.

Volkswagen Polo (2001-2009)
6.7 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Imagem
Qualidade de construção
Habitabilidade
Contras
Prestações do motor 1.2
Conforto
Equipamento de série
Fiabilidade7
Custos de manutenção7
Desvalorização8
Qualidade dos materais7
Habitabilidade e bagageira8
Segurança6
Conforto6
Consumo combustível6
Comportamento dinâmico6
Performance6
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Smart Fortwo (2007-2014)

Published

on

Com ou sem capota o Smart Fortwo é o rei da cidade e tem uma legião de fãs incontornável. Muito fácil de conduzir e de estacionar tem no baixo consumo de combustível o seu melhor argumento.

Só leva duas pessoas a bordo e nada de bagagens, mas consegue mover-se com destreza no trânsito citadino e consegue estacionar onde só cabe uma moto. O Smart é um veículo que os jovens adoram e que os mais velhos começaram a apreciar pela facilidade e versatilidade da sua utilização. O mais importante de todos os aspectos é o da manutenção que é barata e muito reduzida.

Tem uma suspensão “dolorosa” para as costas de que qualquer humano por muitas sessões de ginásio que faça por semana. Em oposição os motores a gasolina e Diesel são bastante despachados e até permitem arriscar viagens por autoestrada durante muitos quilómetros. É neste território que os consumos perdem a pose e disparam para valores pouco simpáticos. O Smart foi concebido para andar na cidade e não passar muitas vezes dos 100 km/h.

A caixa de velocidade automática é lenta nas mudanças, mas com o passar do tempo o condutor habitua-se a esta transmissão pasmacenta.

O cockpit onde se senta quem o conduz está todo voltado para o condutor e possui tudo o que é necessário e bem posicionado. No Smart há o essencial e nada se complica com botões e mais botões. É um carro prático, um pouco barulhento – porque a insonorização nunca foi das melhores – e os motores de baixa cilindrada são na sua génese ruidosos.

Nesta geração de 2007 os níveis de equipamento são bons e incluem itens como o ABS, ESP, duplo airbag, vidros elétricos, fecho centralizado, banco do passageiro rebatível (que jeitão que dá), jantes de liga leve, ar condicionado, entre outros.

Motores

A gama de motores do Smart nunca foi muito extensa, mas nem por isso menos competente. Nesta geração os motores a gasolina continuaram a ter maior oferta. O mais vendido foi o 1.0 com duas potências de 61 e 71 cv. Uma versão turbocomprimida deste 1.0 conseguia chegar aos 81 cv e a versão Brabus do mesmo motor fazia 98 e mais tarde 102 cv (mas a preços demasiado elevados).

A única opção Diesel é o 0.8 CDI de 45 e 54 cv que reclama 3,3 litros de consumo aos 100 Km.

Principais avarias e problemas

Um dos problemas crónicos da anterior geração passou para a seguinte: a bomba de gasolina demasiado frágil que se avaria com frequência. O motor Diesel recebeu uma nova injeção common-rail que não gosta de combustível de má qualidade (low cost) e apresenta falhas e disfunções em diversas situações, obrigando a limpeza do circuito.

A direção assistida dos Fortwo fabricados entre maio e junho de 2007 foram chamados em outubro para substituição de uma peça que não estava em conformidade. Coluna de direção substituída em 131 unidades devido a um clip de retenção mal posicionado.

Smart (2007-2014)
6.4 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Facilidade de condução
Consumos baixos
Manutenção barata
Contras
>Habitabilidade e bagageira
Conforto
Caixa lenta
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção9
Desvalorização7
Qualidade dos materais5.5
Habitabilidade e bagageira3
Segurança6.5
Conforto5
Consumo combustível9.5
Comportamento dinâmico6
Performance6
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Newsletter

Em aceleração