Ford Fiesta (2002 a 2008) – Motorguia
Ligue-se connosco

Avaliações Usados

Ford Fiesta (2002 a 2008)

Um dos melhores utilitários nos capítulo do espaço e do comportamento, mas cujo o estilo não apaixona. O motor 1.2 é gastador e pouco despachado.

Published

on

A quinta geração do utilitário da Ford foi apresentada em 2002, recebeu um facelift em 2006, e foi substituída em 2008. Como tem sido apanágio nos últimos anos na marca da oval azul, o comportamento dinâmico posiciona-se no topo da classe. Outro dos pontos fortes passa pelo espaço disponibilizado a bordo, num habitáculo marcado por materiais todos eles duros, mas bem montados.

Sob o capot o Fiesta pode esconder o vestuto motor 1.2 de 75 cv, que transita da anterior geração, mas que aqui não é tão lesto, continuando a ser muito pouco frugal. Nesse sentido, a opção mais equilibrada passa pelo bloco Diesel 1.4 TDCI de 68 cv, resultado da parceira com a PSA, que compensa as prestações medianas com um funcionamento bastante suave e linear e consumos de excelente nível.

Principais problemas e avarias
Alguns relatos de fugas na direção. Problemas na transmissão, que originam ruídos estranhos. Fragilidade da correia de acessórios.

Ford Fiesta
6.6 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Comportamento dinâmico
Espaço
Agradabilidade do motor 1.4 TDCi e consumos
Contras
Imagem banal
Conforto dos bancos
Ruído de rolamento
Sumário
Espaço, comportamento dinâmico e um bom motor Diesel. Os melhores predicados do Ford Fiesta. O motor 1.2 é de evitar pelos consumos elevados.
Fiabilidade7
Custos de manutenção7
Desvalorização6
Qualidade dos materais6
Habitabilidade e bagageira8
Segurança7
Conforto6
Consumo combustível6
Comportamento dinâmico8
Performance5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Avaliações Usados

Citroën C4 Picasso (2013-2018)

Published

on

Esta geração do C4 Picasso é marcadamente distinta das anteriores em termos estéticos, mas não deixou cair muitas das virtudes que sempre caracterizaram esta família de monovolumes.



Bem equipado, com um preço competitivo e muito espaçoso o C4 Picasso oferece uma boa posição de condução e uma modularidade à altura dos pergaminhos desta família de monovolumes. Apenas se lamenta que a ergonomia não seja a melhor com alguns comandos a poderem revelar-se algo confusos numa fase inicial de adaptação. De resto, os ocupantes deste gaulês encontram um ambiente moderno com linhas fluídas e bons materiais.

O conforto é outro dos pontos forte deste Citroën, com uma suspensão que suprime bem as irregularidades do piso e assegura que qualquer viagem é feita de forma tranquila. Só a insonorização é que podia ser mais eficaz, especialmente nos modelos equipados com motores a gasóleo, já que o ruído do motor entra com alguma facilidade no habitáculo.

Quando a estrada se torna mais exigente com as curvas a sucederem-se o C4 Picasso cumpre, mas não se espere grandes entusiasmos de condução pois o seu foco é mesmo o conforto. A direção é leve, mas pouco informativa e a suspensão com uma afinação suave não permite que este monovolume seja muito incisivo, mas também, não é o que se espera dele.

Motores
As motorizações disponíveis neste C4 Picasso começam nos motores a gasolina 1.2 PureTech com 110 e 130 cv e 1.6 THP com 155 e 165 cv de potência. Já na oferta Diesel este monovolume está equipado com o 1.6 nas versões HDI de 110 cv e 115 cv, BlueHDI de 100 cv e 120 cv e o 2.0 BlueHDI com 150 cv

Principais avarias e problemas
Nos motores 1.6 HDI podem surgir problemas com a válvula EGR e a distribuição pode ganhar alguns ruídos. Na versão de 115 cv deste motor os injetores são propensos a falhas elétricas. Foram ainda registados alguns casos de turbos gripados e de problemas no arranque a frio.

Nos modelos produzidos até março de 2014 o ecrã tátil pode apresentar algumas anomalias de funcionamento. Também nos modelos fabricados até esta data os amortecedores traseiros podem tornar-se ruidosos.

A embraiagem pode apresentar um desgaste prematuro no volante motor e também foram registadas algumas falhas com o fecho centralizado.

Citroën C4 Picasso (2013-2018)
6.8 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Conforto
Equipamento
Habitabilidade
Contras
Ergonomia
Insonorização
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção6
Desvalorização6.5
Qualidade dos materais6.5
Habitabilidade e bagageira7.5
Segurança7
Conforto7.5
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico6.5
Performance6.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Volkswagen Passat (2005-2010)

Published

on

O nome Passat é incontornável quando se fala de berlinas familiares. Com uma longa história de sucesso construída por cada uma das suas gerações, o Passat é sinónimo de espaço e qualidade e esta que é a sexta geração de um nome que nasceu em 1973, não foge à regra.



Com uma boa qualidade de construção o interior deste Passat é simples e sóbrio nas suas linhas, revelando-se funcional e ergonómico. A posição de condução ideal é fácil de encontrar e todos os ocupantes podem usufruir do bom espaço interior que este germânico oferece. A bagageira com os seus 603 litros de capacidade assegura que praticamente nada fica para trás por não caber.

Fácil de conduzir o Passat apresenta uns comandos diretos e uma direção informativa, garantindo uma boa ligação do condutor à estrada. Confortável, este alemão só revela uma menor eficácia quando o piso é mais degradado. Aí a suspensão deixa passar algumas vibrações e ruídos para o habitáculo, mas tirando isso é um ótimo companheiro nas viagens mais longas.

Esta geração reforça as pretensões do Passat como modelo premium capaz de ser alternativa a outros concorrentes alemães e se por um lado isso é bom em termos de valor de retoma, por outro tem os seus contras como uns custos de manutenção um pouco mais pesados para a carteira.

Motores
A gama de motores é vasta e começa pelas unidades a gasolina com o 1.4 TSI com 122 cv, o 1.6 FSI com 115 cv, o 1.8 TSI com 160 cv e o 2.0 FSI com 150 cv, versões que pouca expressão tiveram no nosso mercado já que estávamos na época de ouro dos modelos Diesel. Como tal a família TDI foi a mais vendida e entre as propostas o Passat conta com o 1.9 TDI com 105 cv e o 2.0 TDI nas suas versões com 110, 140 e 170 cv. Aliando boas prestações a uns excelentes consumos estas versões do Passat foram as mais vendidas e aquelas que mais se encontram ainda no mercado.

Principais avarias e problemas
Nas unidades TDI protduzidas entre Janeiro e Abril de 2005 ocorreram casos de rutura do filtro de partículas. Devido a deficiências no volante motor houve uma chamada à assistência de alguns modelos na primavera de 2006.

Os Passat 1.6 FSI e 2.0 FSI necessitaram de uma substituição do calculador de injeção. O travão de mão pode revelar problemas de funcionamento e as caixas de seis velocidades acopladas aos motores TDI pode ganhar ruídos com o tempo.

Volkswagen Passat (2005-2010)
7.1 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Consumos
Habitabilidade
Qualidade interior
Contras
Custos de manutenção
Conforto em piso degradado
Fiabilidade7
Custos de manutenção6.5
Desvalorização7
Qualidade dos materais7.5
Habitabilidade e bagageira7.5
Segurança7
Conforto7
Consumo combustível7.5
Comportamento dinâmico7
Performance7
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Alfa Romeo 147 (2001-2009)

Published

on

Com linhas assinadas por Walter de Silva, que anos atrás havia criado o Alfa Romeo 156, este 147 exibe umas linhas plenas de caráter e destaca-se pela melhoria de qualidade que evidencia face aos anteriores modelos da marca italiana no mesmo segmento.



Bem conseguido nas forma exteriores o 147 não desilude no interior com um desenho repleto de estilo digno de um “italiano vero” e com uns materiais bem melhores que noutras propostas anteriores da marca, no fundo o salto qualitativo ditado pelo 156 também teve reflexo no 147.

Infelizmente o espaço atrás não é muito generoso e o mesmo pode ser dito em relação ao volume da bagageira. A posição de condução é boa e envolvente o que deixa antever bons momentos de condução já que este 147 posiciona-se claramente do lado do prazer de condução mais do que da funcionalidade racional.

Esse facto sente-se bem pela direção informativa e precisa e pela forma como a suspensão se mostra eficaz quando se exige um pouco mais deste Alfa, no entanto isso tem um preço. A afinação firma da suspensão penaliza-o quando se circula em mau piso, deixando passar muitos ruídos e trepidações para o habitáculo.

Motores
Os motores que equipam o Alfa Romeo 147 mostram-se adequados para lhe dar aquela vivacidade que o seu estilo desportivo sugere. Começando pelas unidade a gasolina, ele conta com o 1.6 TS com 105 e 120 cv, o 2.0 TS com 150 cv e o mais desportivo GTA que conta com um motor V6 com 3.2 litros de cilindrada e 250 cv de potência máxima.
Para quem considera a poupança nos consumos, mas sem que isso signifique perda no bom rendimento do motor as opções Diesel da família JTD preenchem os requisitos com o 1.9 JTD nas suas versões com 100, 120, 140, 150 e 170 cv de potência.

Principais avarias e problemas
Possível desgaste prematuro dos apoios da cambota nos motores Diesel das unidades produzidas até ao final de 2001. Também nos primeiros modelos fabricados, a caixa automática Selespeed revelou alguns problemas de fiabilidade.

Nas versões a gasolina a correia de distribuição tem de ser trocada aos 60 mil quilómetros em vez dos 120 mil propostos.

Alfa Romeo 147 (2001-2009)
6.5 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Estilo
Prestações
<Comportamento dinâmico
Contras
Conforto em mau piso
Habitabilidade traseira
Fiabilidade6
Custos de manutenção6
Desvalorização6
Qualidade dos materais6.5
Habitabilidade e bagageira6
Segurança7
Conforto6
Consumo combustível6.5
Comportamento dinâmico7.5
Performance7
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Newsletter

Em aceleração