Ligue-se connosco

Avaliações Usados

Mini (2001-2006)

Uma proposta premium, com uma imagem inconfundível, comportamento dinâmico de excelência e a garantia de um elevado valor de retoma.

Published

on

A reinterpretação moderna do icónico Mini é, após 17 anos desde o seu lançamento, é objeto de desejo e paixão. Por isso, tornou-se um sucesso de vendas para a marca agora no seio da BMW, que não tardou a lançar diversas variantes de carroçaria.
A primeira geração (R50) moderna abriu as hostilidade em 2006, utilizando um bloco a gasolina oriundo de uma parceria com a Chrysler e um motor Diesel da Toyota.
O Cooper S é o mais desejado, graças ao seu motor 1.6 com 163 cv até setembro de 2004 e 170 cv a partir daí e até à segunda geração. As boas prestações acarretam consumos elevados. A versão Cooper, como o mesmo bloco, mas sem sobrealimentação, desenvolve apenas 115 cv e apresenta prestações medianas.

A versão One D debita apenas 75 cv, que passaram a 88 cv a partir de setembro de 2005. As prestações são sofríveis, mas os consumos são de bom nível, assim como a fiabilidade.

A dinâmica não tem rival no segmento, mas o conforto é escasso, tal como o espaço no banco traseiro e o equipamento de série.

Principais problemas e avarias
No casos dos motores sobrealimentados, foram chamadas mais de 10.000 unidades para substituição da bomba de água. Os casquilhos da suspensão têm uma duração bastante limitada. O sistema elétrico não é especialmente fiável, principalmente em elementos como o fecho das portas.

Mini
6.6 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Imagem
Comportamento
Desvalorização
Contras
Conforto
Prestações do motor Diesel
Consumos do Cooper S
Sumário
Uma proposta premium, com uma imagem inconfundível, comportamento dinâmico de excelência e a garantia de um elevado valor de retoma.
Fiabilidade6
Custos de manutenção6
Desvalorização9
Qualidade dos materais6
Habitabilidade e bagageira4
Segurança7
Conforto5
Consumo combustível6
Comportamento dinâmico9
Performance8
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler
Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Avaliações Usados

Smart Fortwo (2007-2014)

Published

on

Com ou sem capota o Smart Fortwo é o rei da cidade e tem uma legião de fãs incontornável. Muito fácil de conduzir e de estacionar tem no baixo consumo de combustível o seu melhor argumento.

Só leva duas pessoas a bordo e nada de bagagens, mas consegue mover-se com destreza no trânsito citadino e consegue estacionar onde só cabe uma moto. O Smart é um veículo que os jovens adoram e que os mais velhos começaram a apreciar pela facilidade e versatilidade da sua utilização. O mais importante de todos os aspectos é o da manutenção que é barata e muito reduzida.

Tem uma suspensão “dolorosa” para as costas de que qualquer humano por muitas sessões de ginásio que faça por semana. Em oposição os motores a gasolina e Diesel são bastante despachados e até permitem arriscar viagens por autoestrada durante muitos quilómetros. É neste território que os consumos perdem a pose e disparam para valores pouco simpáticos. O Smart foi concebido para andar na cidade e não passar muitas vezes dos 100 km/h.

A caixa de velocidade automática é lenta nas mudanças, mas com o passar do tempo o condutor habitua-se a esta transmissão pasmacenta.

O cockpit onde se senta quem o conduz está todo voltado para o condutor e possui tudo o que é necessário e bem posicionado. No Smart há o essencial e nada se complica com botões e mais botões. É um carro prático, um pouco barulhento – porque a insonorização nunca foi das melhores – e os motores de baixa cilindrada são na sua génese ruidosos.

Nesta geração de 2007 os níveis de equipamento são bons e incluem itens como o ABS, ESP, duplo airbag, vidros elétricos, fecho centralizado, banco do passageiro rebatível (que jeitão que dá), jantes de liga leve, ar condicionado, entre outros.

Motores

A gama de motores do Smart nunca foi muito extensa, mas nem por isso menos competente. Nesta geração os motores a gasolina continuaram a ter maior oferta. O mais vendido foi o 1.0 com duas potências de 61 e 71 cv. Uma versão turbocomprimida deste 1.0 conseguia chegar aos 81 cv e a versão Brabus do mesmo motor fazia 98 e mais tarde 102 cv (mas a preços demasiado elevados).

A única opção Diesel é o 0.8 CDI de 45 e 54 cv que reclama 3,3 litros de consumo aos 100 Km.

Principais avarias e problemas

Um dos problemas crónicos da anterior geração passou para a seguinte: a bomba de gasolina demasiado frágil que se avaria com frequência. O motor Diesel recebeu uma nova injeção common-rail que não gosta de combustível de má qualidade (low cost) e apresenta falhas e disfunções em diversas situações, obrigando a limpeza do circuito.

A direção assistida dos Fortwo fabricados entre maio e junho de 2007 foram chamados em outubro para substituição de uma peça que não estava em conformidade. Coluna de direção substituída em 131 unidades devido a um clip de retenção mal posicionado.

Smart (2007-2014)
6.4 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Facilidade de condução
Consumos baixos
Manutenção barata
Contras
>Habitabilidade e bagageira
Conforto
Caixa lenta
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção9
Desvalorização7
Qualidade dos materais5.5
Habitabilidade e bagageira3
Segurança6.5
Conforto5
Consumo combustível9.5
Comportamento dinâmico6
Performance6
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Renault Clio II (1998-2005)

Published

on

A segunda geração do Renault Clio representa um salto gigante face à primeira, tendo apenas como semelhança entre elas o nome, continuando a fazer do utilitário gaulês o modelo mais vendido da marca. Apresentado em 2008, sofreu uma profunda reformulação em 2001, tanto por fora como por dentro, tornando-se muito mais moderno e trazendo equipamento equipamentos opcionais até então inexistentes: cruise control, sensor de luz e chuva, faróis de xénon e ar condicionado automático.

A qualidade de construção é apenas razoável, misturando alguns materiais simpáticos com materiais rijos. A montagem não está isenta de críticas, podendo algumas unidades apresentar diversos ruídos parasitas. Neste campo, houve uma notória evolução com o restyling. A posição de condução é a grande falha do Renault Clio, pois o volante está numa posição pouco vertical, a coluna de direção só regula em altura e o banco está colocado num plano alto. Felizmente a ergonomia é boa, destacando-se o funcionamento dos comandos do sistema de som.

A habitalidade também não é brilhante, principalmente atrás.

O equipamento de série é bastante completo para a época e para o segmento. A partir de 2000, ABS e quatro airbags de série, o que era raro no segmento. Em termos de conforto, algumas unidades incluem de série o computador de bordo, o ar condicionado e os comandos no volante para o rádio. As jantes de liga leve são também de série a partir dos níveis RXE, Dynamique e Privilége. Antes do facelift, a indicação do nível de equipamento surge nos frisos exteriores e, depois, no interior do porta-luvas.

O Clio II é imbatível na relação entre o comportamento dinâmico e o conforto, superando mesmo diversos modelos de segmentos superiores. Curva de forma muito eficaz e segura, sendo até divertido, ao mesmo tempo que oferece um bom nível de conforto a todos os passageiros.

Motores

A gama de motores é alargada, oferecendo diversas possibilidades. Até 2000, a entrada da gama fazia-se pelo motor 1.2 a gasolina com apenas 8 válvulas e 60 cv. Prestações modestas, consumos razoáveis, mas uma manutenção barata. Mais tarde, surgiu o bloco 1.2 16v com 75 cv, capaz de prestações muito melhores, mas com consumos piores.
Para os mais exigentes, existem as versões 1.4 16v e 1.6 16v, com 98 e 110 cv, respetivamente. Ainda que um pouco menos económicos, acabam por compensar com uma utilização muito mais agradável.

Quem se importar com consumos, tem ao seu dispor as versões Diesel, que começam no bloco 1.9, em versões D e DTi, sendo o primeiro atmosférico e o segundo sobrealimentado, com potências de 65 e 80 cv, respetivamente. Mais tarde, em 2000, foram ambos substituídos pelo bloco 1.5 dCi, já com injecção common-rail, disponível em versões de 65, 80 e 100 cv. Muito mais económico e agradável de conduzir do que o anterior bloco 1.9 Diesel.

Principais avarias e problemas

O Renault Clio II resiste bem à passagem do tempo, mas há várias avarias registadas e que são comuns a diversos exemplares. No casos do motores a gasolina de 16 válvulas, são conhecidos problemas com a bobines, com os vedantes do coletor de admissão e com o sensor de posição da cambota, que impede que o motor arranque.
No caso dos motores Diesel 1.5 dCi, tenha atenção às capas das bielas e aos injetores.

Renault Clio II (1998-2005)
7.1 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Comportamento dinâmico
Conforto
Segurança
Contras
Habitalidade
Fiabilidade de alguns componentes
Posição de condução
Sumário
O Renault Clio continua a ser o automóvel mais vendido em Portugal e é fácil perceber porquê, se analisarmos todas as qualidades e defeitos da segurança geração, que consegue ainda estar bastante atual e capaz de satisfazer as necessidades por um preço baixo.
Fiabilidade6
Custos de manutenção8
Desvalorização7
Qualidade dos materais6
Habitabilidade e bagageira6
Segurança9
Conforto8
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico8
Performance6
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

BMW Série 3 E46 (1998-2005)

Published

on

A quarta geração do BMW Série 3 é, ainda hoje, uma das mais marcantes, pois surgiu numa altura em que motores Diesel começaram a ganhar protagonismo, marcando uma enorme evolução face à geração predecessora, E36. Com linhas que ainda hoje se mantém elegantes, e disponível em diversos tipos de carrinha, onde o destaque, no toca ao sucesso em Portugal, vai para a carrinha, denominada Touring.

A qualidade de construção é inquestionável, ainda que exista alguma fragilidade no revestimento rubber touch de alguns elementos do habitáculo. Excelente posição de condução, com regulações amplas, comandos colocados no sítio certo, mas de utilização algo pesada para os padrões atuais.

O equipamento de série é bastante reduzido, por isso a comodidade a bordo varia de exemplar para exemplar, ainda que a suspensão seja suficientemente confortável em qualquer um deles, assim como sofrível é o espaço para pernas no banco traseiro.

O comportamento dinâmico oferece bons momentos de condução, fruto de toda a fluidez proporcionada pela tração traseira. A informação transmitida pelos comandos é fantástica e permite abater quilómetros sempre a velocidades elevadas, limitadas pelas capacidades dos motores em causa.

Motores

Seja qual for a carroçaria, a versão 20d é a mais comum e fácil de encontrar. Bloco Diesel com 2,0 litros de capacidade, onde a potência se fica pelos 136 cv nas unidades antes do facelift, operado em 2001, passando a partir daí a debitar 150 cv. A caixa de velocidades é sempre de 5 velocidades até 2003, que é quando passa a ser de seis velocidades, oferecendo prestaçóes marginalmente melhores e consumos mais baixos.
Abaixo, existe a versão 18d com 115 cv, mas que acaba por não se justificar, pois oferece muito menos e o preço é parecido.
Já o bloco, referência na altura, tem prestações de excelente nível, principalmente na versão de 204 cv, mas é bastante mais gastador e oneroso de manter face ao 20d.

Os motores a gasolina são vários, mas só começam a ter particular interesse a partir do 20i, já com seis cilindros e 150 cv. Idealmente, a aposta deverá passar pela versão 28i, dona de uma suavidade notável, excelentes prestações e consumos razoáveis. Os blocos de quatro cilindros têm prestações modestas, ainda que sejam suaves.

Principais avarias e problemas

No geral, o Série 3 E46 é robusto e fiável. O calcanhar de aquiles surge na versão 20d de 150 cv, que tende a engolir as borboletas de admissão, o que resulta em consequências trágicas. Neste motor, o turbocompressor também exige atenção especial. Como já referido, alguns materiais no interior tendem a deteriorar-se.

BMW Série 3 E46 (1998-2005)
7.2 Avaliação
7.7 Utilizadores (1 Votar)
Pros
Posição de condução
Solidez
Comportamento dinâmico
Contras
Equipamento de série
Habitabilidade
Comandos pesados
Sumário
Senhor de muita elegância, bons motores e um comportamento dinâmico do melhor que se fazia na época, o BMW Série 3 continua a ser um dos familiares médios mais desejados no mercado de usados.
Fiabilidade7
Custos de manutenção7
Desvalorização8
Qualidade dos materais8
Habitabilidade e bagageira6
Segurança7
Conforto6
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico9
Performance7
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Newsletter

Em aceleração