Ligue-se connosco

Avaliações Usados

Volkswagen Passat (1997-2005)

Published

on

O Volkswagen Passat, apesar de vendido anteriormente em Portugal, conheceu a fama no nosso país com a sua geração com o código interno B5, apresentada ao público em 1997. O segredo para o sucesso passou, essencialmente, pela imagem de robustez, qualidade de construção e pelo excelente binómio entre performance e consumos apresentado pelo seu motor 1.9 TDI.
Recebeu um facelit em 2001, que podemos ver na foto acima, apresentando uma carroçaria ainda mais sólida e mais equipamento de série, principalmente na versão Highline.

Disponível em carroçaria de três volumes ou carrinha (Variant), a imagem é sempre clássica, com linhas muito simples. A funcionalidade sempre foi a prioridade. Nada de inovador para a época, mas que permite que, ainda hoje, a imagem não esteja cansada.

A habitabilidade é bastante boa para o segmento, com muito espaço para as pernas dos passageiros traseiros e largura para que três ocupantes viajem no banco traseiro. O acesso à bagageira, no caso do sedan, não é melhor, como é típico em automóveis com este formato de carroçaria. Seja qual for a carroçaria, a capacidade é boa.
O design do habitáculo segue a linha aplicada no exterior, ainda que esta sensação possa variar consoante o tipo e cor dos acabamentos presentes. Seja como for, a solidez de construção é inquestionável.
A visibilidade é boa para todos os ângulos. Igualmente de bom nível é a ergonomia.

Os níveis de equipamento disponíveis na época variam do básico ao bastante completo, que é como quem diz do Trendline ao Highline, sendo este último sempre o mais aconselhável.

A posição de condução tem imensas regulações, adaptando-se a condutores de qualquer estatura. A primeira sensação transmitida ao condutor é de solidez de todo o conjunto, o que se sentirá também nos comandos, todos eles bastante pesados para os padrões atuais. O pisar é muito sólido, a suspensão tem um acerto bastante brando, mas não o suficiente para que o conforto seja o pináculo do segmento. Ainda assim, bem melhor do que o comportamento dinâmico, pautado por uma direção vaga e por um eixo dianteiro bastante impreciso, mesmo em autoestrada.

Motores

No lançamento, a oferta de motores Diesel dividia-se pelo bloco 1.9 TDI nas suas versões de 90 e 110 cv. As prestações do primeiro são justas, mas as do segundo já são adequadas. Em 2000, a versão de 110 cv saiu para dar lugar à menos fiável de 115 cv, que durou apenas até ao restyling, em 2001. Foi nessa altura que surgiu o melhor dos Passat B5, com o motor 1.9 TDI 130 cv. Prestações consideravelmente melhores e consumos igualmente notáveis.

Principais avarias e problemas

No geral, o Passat é bastante fiável. Ainda assim, há que ter em atenção ao sistema de refrigeração dos motores TDI, ao medidor de massa de ar, a possíveis problemas elétricos, entre outros pormenores. Comum é também a entrada de água no habitáculo, causada por entupimento dos canais de escoamento.

Volkswagen Passat (1997-2005)
7.2 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Qualidade de construção
Motores TDI
Espaço interior
Contras
Comportamento dinâmico
Peso da direção
Ruído dos motores TDI
Sumário
O Volkswagen Passat B5 marcou uma época pela sua qualidade de construção e qualidades do motores TDI. Hoje, passados mais de 20 anos, continua a ser uma das melhores apostas no mercado de usados.
Fiabilidade7
Custos de manutenção8
Desvalorização7
Qualidade dos materais9
Habitabilidade e bagageira8
Segurança6
Conforto6
Consumo combustível9
Comportamento dinâmico5
Performance7
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Avaliações Usados

Citroën C2 (2003-2009)

Published

on

Posicionado entre o pequeno citadino C1 e o C3, a Citroën apostou no C2 para oferecer um modelo mais acessível ainda que o C3, mas que oferecesse um pouco mais que o C1. O resultado convence, especialmente por ser um modelo com um preço e custos de manutenção acessíveis que se mostra agradável e fácil de conduzir.

Com um comportamento dinâmico e um conforto dignos de nota considerando o seu segmento, o Citroën C2 conquistou o coração de muitos, que viram nele o companheiro ideal para ludibriar o trânsito citadino, dada a sua facilidade de condução, e ao mesmo tempo enfrentar uma ou outra viagem sem problemas de maior.

A posição de condução é boa, a maioria dos comandos está bem posicionada e o espaço nos bancos da frente até é generoso, mas para quem viajar atrás o cenário muda de figura. Os bancos traseiros não oferecem muito espaço e se por acaso tiver muita bagagem para transportar então vai ter de fazer alguma ginástica pois a bagageira também é pequena.

O C2 mostra-se um modelo confortável com a suspensão a processar bem as armadilhas da estrada e a garantir o bem estar dos ocupantes apesar de poder haver alguns ruídos parasitas devido à qualidade dos plásticos utilizados no interior. Os modelos equipados com motores Diesel revelam alguma carência na capacidade de insonorização do ruído do motor.

Motores

O Citroën C2 conta com três motorizações a gasolina, o 1.1i com 61 cv de potência, o 1.4i com 75 cv, e o 1.6i com 110 cv e 125 cv. Os motores HDi compõem a oferta a gasóleo com as unidades 1.4 HDI com 70 cv de potência e a 1.6 HDI com 110 cv.

De um modo geral são motores que revelam um bom rendimento sendo de realçar os bons consumos dos motores HDI, mas já não se pode esperar grandes feitos do motor 1.1i a gasolina que cumpre, mas não deslumbra.

Principais avarias e problemas

Os motores 1.4 e 1.6 a gasolina e os HDI podem levar a uma reprogramação da parte eletrónica. Nos modelos produzidos até 2004 podem surgir ruídos no eixo dianteiro o que leva à substituição de elementos da suspensão ao passo que nos C2 que foram produzidos após 2006 podem revelar problemas no alternador.

A luz do airbag pode acender devido a uma falha num conetor que está debaixo do banco do condutor e que tem de ser substituído. O indicador no nível de combustível nos modelos a gasolina pode dar informações erradas o que obriga à sua reprogramação.

A caixa de velocidades de embraiagem robotizada Sensodrive pode apresentar falhas e levar a uma visita à oficina para ser reprogramada.

Citroën C2 (2003-2009)
6.8 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Conforto
Custos de Manutenção
Facilidade de condução
Contras
Bagageira
Habitabilidade traseira
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção8
Desvalorização6.5
Qualidade dos materais6
Habitabilidade e bagageira6
Segurança7
Conforto7
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico7
Performance6.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Dacia Duster (2010-2017)

Published

on

Desde o seu lançamento que o Dacia Duster marcou pontos como sendo um dos SUV mais acessíveis do mercado , seguindo as pisadas de outros modelos da marca romena. Para quem procura um modelo que é espaçoso, oferece mais versatilidade que uma berlina e tem um preço bem convidativo, o Duster surge como a escolha óbvia.

Pelo seu preço não se pode ter as expetativas muito altas e uma vez dentro do Duster percebe-se isso mesmo. É espaçoso, mas a qualidade dos materiais e o aprumo da construção não são dos melhores. O conforto é aceitável, mas fica-se por aí já que a insonorização não é grande coisa e a própria suspensão deixa entrar muito das irregularidades do piso para o interior do habitáculo.

A bagageira é generosa com os seus 475 litros de capacidade, mas o equipamento de série está limitado ao essencial para o segmento. Se por um lado o seu preço competitivo no momento da compra é muito bom, na hora de vender o Duster revela uma desvalorização considerável.

A direção é leve e facilita a condução no dia a dia, mas é pouco direta e informativa, o mesmo acontecendo com os restantes comandos. O Duster é claramente um automóvel acima de tudo racional e funcional e o maior prazer que se pode extrair dele é a sua polivalência pois, mesmo não sendo um todo o terreno, permite algumas escapadelas fora de estrada, desde que não se seja demasiado otimista.

Motores

O Duster surge no mercado com os motores a gasolina 1.2 TCE de 125 cv, 1.6 16v com 110cv, sendo que o 1.2 TCe revela melhores prestações e consumos que o 1.6, mas ainda assim não estamos perante motores que impressionem no rendimento.

Já a oferta a gasóleo conta com o bloco 1.5 dCi nas versões de 86, 90 e 110 cv de potência e esta solução é aquela que melhor se adequa ao Duster pois associa à poupança do preço a poupança dos consumos.

Principais avarias e problemas

Todas as versões equipadas com o motor dCi podem sofrem de perdas de potência que são solucionadas com um ajuste no turbo, a mudança de um injetor ou uma reprogramação.

Convém estar atento ao desgaste da correia da distribuição que pode levar a que esta parta. Os modelos com o motor 1.5 dCi de 110cv produzidos até outubro de 2010 e os dCi de 85 e 90 cv produzidos até fevereiro de 2011 devem ser alvo de uma atenção particular neste ponto.

No campo da eletrónica o Duster pode exibir algumas falhas no sistema GPS Media Nav e também é possível que ocorram problemas com o indicador de combustível (sobretudo nas versões 4×4). Além disso também não é de estranhar que algumas luzes de aviso acendam no painel de instrumentos sem que no entanto haja motivo para tal.

A direção pode apresentar ruídos oriundos do motor da direção assistida e nos modelos dCi é possível que a embraiagem revele um desgaste prematuro obrigando à sua substituição, por vezes com ocorrências logo aos 50.000 kms.

Dacia Duster (2010-2017)
6.8 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Preço
Habitabilidade
Custos de Manutenção
Contras
Conforto
Desvalorização
Plásticos interiores
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção8
Desvalorização6.5
Qualidade dos materais6
Habitabilidade e bagageira7.5
Segurança7
Conforto6.5
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico6.5
Performance6.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Audi Q5 (2008-2017)

Published

on

Com o Q5 a Audi propõe um SUV do segmento com aquele toque premium tradicional da marca germânica e a recetividade do mercado não se fez esperar, tendo este Q5 vendido mais de meio milhão de modelos só na Europa desde o seu lançamento, apesar do seu preço refletir o seu gene premium.

Com linhas sóbrias e fluídas no exterior, o Q5 também conquista pelo requinte do seu habitáculo. Com um desenho envolvente e a utilização de bons materiais o ambiente a bordo é requintado e confortável.

A posição de condução é boa e os demais ocupantes do Q5 não terão problemas de espaço no interior. Espaço também é algo que não falta na boa bagageira deste SUV.

Ao volante o Q5 mostra o seu excelente comportamento dinâmico em que a suspensão controla muito bem os movimentos da carroçaria e a direção se mostra direta e informativa. No entanto a firmeza da suspensão acaba por penalizar um pouco o conforto que se sente a bordo.

Motores

Naturalmente as versões Diesel são as mais procuradas e o Q5 surge no mercado equipado com o motor 2.0 TDI nas versões de 143 cv, 150 cv, 170 cv, 177 cv e 190 cv e ainda o mais potente V6 3.0 TDI com 245 cv, 278 cv, 313 cv e o expoente máximo SQ5 Quattro Tiptronic com 343 cv. Todos estes motores exibem boas prestações sendo as propostas com o motor de quatro cilindros 2.0 TDI as mais equilibradas pois são também as mais poupadas em termos de consumos.
A gama de motores a gasolina é composta pelos motores 2.0 TFSI com 188 cv, 210 cv e 225 cv de potência, pelo 3.2 V6 FSI com 270 cv e ainda pela solução híbrida 2.0 TFSI Hybrid com 245 cv.

Principais avarias e problemas

Os motores 2.0 TFSI exibem algum consumo de óleo além do esperado. Todos os motores TDI revelam alguma fragilidade no turbo. Nos modelos produzidos até 2011 ocorreram casos de entupimento do filtro de partículas devido a falhas nos sensores de pressão. Nas motorizações 2.0 TDI ocorreram fugas de líquido de refrigeração devido a juntas algo frágeis (na bomba de água e na válvula EGR).

Alguns casos de fugas de óleo na caixa de dupla embraiagem STronic. São recorrentes os acendimentos de luzes de aviso no painel de instrumentos sem que no entanto haja justificação para o alerta. O sistema multimédia também pode apresentar falhas que são normalmente resolvidas com uma reprogramação, mas podem levar à substituição da parte eletrónica do sistema.

Audi Q5 (2008-2017)
7.3 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Desvalorização
Ambiente a bordo
Comportamento dinâmico
Contras
Preço
Suspensão firme
Custos de manutenção
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção6
Desvalorização8
Qualidade dos materais7.5
Habitabilidade e bagageira7.5
Segurança8
Conforto7
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico7.5
Performance7.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Para ler

Newsletter

Em aceleração