Volkswagen Passat (1997-2005) – Motorguia
Ligue-se connosco

Avaliações Usados

Volkswagen Passat (1997-2005)

Published

on

O Volkswagen Passat, apesar de vendido anteriormente em Portugal, conheceu a fama no nosso país com a sua geração com o código interno B5, apresentada ao público em 1997. O segredo para o sucesso passou, essencialmente, pela imagem de robustez, qualidade de construção e pelo excelente binómio entre performance e consumos apresentado pelo seu motor 1.9 TDI.
Recebeu um facelit em 2001, que podemos ver na foto acima, apresentando uma carroçaria ainda mais sólida e mais equipamento de série, principalmente na versão Highline.

Disponível em carroçaria de três volumes ou carrinha (Variant), a imagem é sempre clássica, com linhas muito simples. A funcionalidade sempre foi a prioridade. Nada de inovador para a época, mas que permite que, ainda hoje, a imagem não esteja cansada.

A habitabilidade é bastante boa para o segmento, com muito espaço para as pernas dos passageiros traseiros e largura para que três ocupantes viajem no banco traseiro. O acesso à bagageira, no caso do sedan, não é melhor, como é típico em automóveis com este formato de carroçaria. Seja qual for a carroçaria, a capacidade é boa.
O design do habitáculo segue a linha aplicada no exterior, ainda que esta sensação possa variar consoante o tipo e cor dos acabamentos presentes. Seja como for, a solidez de construção é inquestionável.
A visibilidade é boa para todos os ângulos. Igualmente de bom nível é a ergonomia.

Os níveis de equipamento disponíveis na época variam do básico ao bastante completo, que é como quem diz do Trendline ao Highline, sendo este último sempre o mais aconselhável.

A posição de condução tem imensas regulações, adaptando-se a condutores de qualquer estatura. A primeira sensação transmitida ao condutor é de solidez de todo o conjunto, o que se sentirá também nos comandos, todos eles bastante pesados para os padrões atuais. O pisar é muito sólido, a suspensão tem um acerto bastante brando, mas não o suficiente para que o conforto seja o pináculo do segmento. Ainda assim, bem melhor do que o comportamento dinâmico, pautado por uma direção vaga e por um eixo dianteiro bastante impreciso, mesmo em autoestrada.

Motores

No lançamento, a oferta de motores Diesel dividia-se pelo bloco 1.9 TDI nas suas versões de 90 e 110 cv. As prestações do primeiro são justas, mas as do segundo já são adequadas. Em 2000, a versão de 110 cv saiu para dar lugar à menos fiável de 115 cv, que durou apenas até ao restyling, em 2001. Foi nessa altura que surgiu o melhor dos Passat B5, com o motor 1.9 TDI 130 cv. Prestações consideravelmente melhores e consumos igualmente notáveis.

Principais avarias e problemas

No geral, o Passat é bastante fiável. Ainda assim, há que ter em atenção ao sistema de refrigeração dos motores TDI, ao medidor de massa de ar, a possíveis problemas elétricos, entre outros pormenores. Comum é também a entrada de água no habitáculo, causada por entupimento dos canais de escoamento.

Volkswagen Passat (1997-2005)
7.2 Avaliação
6.8 Utilizadores (1 Votar)
Pros
Qualidade de construção
Motores TDI
Espaço interior
Contras
Comportamento dinâmico
Peso da direção
Ruído dos motores TDI
Sumário
O Volkswagen Passat B5 marcou uma época pela sua qualidade de construção e qualidades do motores TDI. Hoje, passados mais de 20 anos, continua a ser uma das melhores apostas no mercado de usados.
Fiabilidade7
Custos de manutenção8
Desvalorização7
Qualidade dos materais9
Habitabilidade e bagageira8
Segurança6
Conforto6
Consumo combustível9
Comportamento dinâmico5
Performance7
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Avaliações Usados

Peugeot 807 (2002-2014)

Published

on

O Peugeot 807 juntamente com o Citroën C8 e o Fiat Ulysse compõem uma família de três monovolumes de sete lugares desenvolvidos no início dos anos 2000 pelas três marcas. Nunca tendo conseguido o sucesso ou o estatuto que a Renault Espace atingiu, o 807 não deixa de ser um produto interessante até pelo que oferece por um preço mais acessível.



Confortável na maioria das situações, seja na cidade ou em viagem, o 807 oferece uma boa habitabilidade para os sete ocupantes. Marca pontos na versatilidade graças às suas portas traseiras deslizantes que facilitam sobremaneira o acesso à segunda e terceira fileira de bancos.

A bagageira não é muito generosa quando os sete lugares estão em utilização e é bem possível que quando estejam todos ocupados seja o momento em que ela é mais necessária. Serve de consolo o facto de se forem rebatidos todos os bancos o 807 fica quase como um furgão oferecendo 2870 litros, o que dá para transportar praticamente qualquer volume de grandes dimensões, mas o 807 é um monovolume, não um furgão.

No habitáculo a qualidade dos materiais é razoável e o nível de montagem satisfatório. Com a colocação do painel de instrumentos no centro do tablier o condutor irá passar por um processo de habituação pois a leitura dos mesmos não é das mais intuitivas.

Motores
Naturalmente que a gama do 807 é dominada pelas versões equipadas com motores a gasóleo, mas ainda assim inclui três unidades a gasolina, o 2.0 16V com 138 cv, o 2.2 16V com 158 e até um 3.0 V6 com 210 cv. Todas estas unidades com muito pouca expressão entre nós pois a família Diesel HDI encaixa muito melhor no 807 com o 2.0 HDI com 110, 120, 136 cv e 163 cv e o 2.2 HDI com 130 e 170 cv de potência.

Principais avarias e problemas
Nas unidades produzidas até ao ano de 2006 o motor 2.2 HDI pode dar problemas com a correia de distribuição. Em 2007 vários modelos foram chamados à assistência para corrigir um problema com a válvula EGR que poderia deixar de funcionar corretamente.

Os pneus dianteiros tendem a exibir um desgaste prematuro. O funcionamento elétrico das portas laterais deslizantes também pode vir a evidenciar algumas anomalias. O vidros elétricos podem deixar de funcionar e os sensores de luz também podem começar a ser muito lentos na resposta para acender as luzes.

Peugeot 807 (2002-2014)
5.8 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Conforto
Versatilidade
Habitabilidade
Contras
Volume da mala
Posição dos instrumentos
Fiabilidade6
Custos de manutenção5
Desvalorização5
Qualidade dos materais5.5
Habitabilidade e bagageira6
Segurança6
Conforto6
Consumo combustível6.5
Comportamento dinâmico6
Performance5.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Hyundai Kauai (2017-2021)

Published

on

O Hyundai Kauai trouxe à gama de modelos da marca coreana um estilo arrojado e dinâmico de pequeno SUV capaz de ser o companheiro ideal nas mais variadas situações.



Com o Kauai os desenhadores da Hyundai apostaram forte nas linhas exteriores, mas parece que deixaram o interior para segundo plano pois este surge com um ambiente demasiado sóbrio comparado com o que a carroçaria pode sugerir. Quase podemos mesmo afirmar que parece o habitáculo de um modelo anterior. A maioria dos plásticos são duros, mas a sua montagem está bem conseguida no geral a qualidade de construção é boa.

A habitabilidade traseira não é muito generosa, especialmente no espaço disponível para as pernas. Já a bagageira oferece uma capacidade de 361 litros, o que é suficiente para a maioria das situações do quotidiano.

Bem equipado, com algumas soluções mais comuns em segmentos superiores, este coreano conta com uma suspensão cujo trabalho é suficiente para garantir um bom conforto a bordo e em simultâneo assegurar um comportamento dinâmico previsível e fácil de dominar quando o trajeto se mostra mais exigente com as curvas a sucederem-se.

Motores
A gama de motores oferece opções para todos os gostos, começando pelas unidades a gasolina 1.0 T-GDI com 120 cv e 1.6 T-GDI com 177 cv. Nas motorizações Diesel conta com o bloco 1.6 CRDi nas versões de 115 e 136 cv de potência. Além destas soluções mais “tradicionais”, o Kauai tem também versões híbridas com o 1.6 GDI Hybrid com 141 cv e totalmente elétricas com o Electric 39 kWh com 136 cv ou o Electric 64 kWh com 204 cv. Qualquer uma destas opções mostra-se muito equilibrada, nenhuma entusiasma em demasiada, mas também nenhuma é demasiado consumidora.

Principais avarias e problemas
Foram registados alguns problemas com os injetores no motor a gasolina 1.0 T-GDI. Também nos Diesel CRDi os injetroes podem não funcionar corretamente e nestes motores há ainda a possibilidade de surgirem fugas de óleo.

Nos modelos com propulsão híbrida podem haver alguns contratempos com o liquido de refrigeração e também com a gestão do sistema, algo que pode ser resolvido através de uma reprogramação.

Em 2021 foi feito um recall aos modelos totalmente elétricos para corrigir um problema no pack de baterias que poderia em última instância causar um curto-circuito.

Hyundai Kauai (2017-2021)
6.1 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Conforto
Equipamento
Bem construído
Contras
Habitabilidade traseira
Interior demasiado sóbrio
Fiabilidade6
Custos de manutenção6
Desvalorização5.5
Qualidade dos materais5.5
Habitabilidade e bagageira6
Segurança6.5
Conforto6.5
Consumo combustível6.5
Comportamento dinâmico6
Performance6
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Newsletter

Em aceleração