10 conselhos para andar de moto na chuva – Motorguia
Ligue-se connosco

Manutenção Motos

10 conselhos para andar de moto na chuva

Published

on

Conduzir uma moto já exige uma postura muito própria na estrada devido ao facto de ser um veículo com uma dinâmica totalmente diferente de um automóvel, estando também o seu condutor bem mais desprotegido do que num carro. Se a isso somarmos o fator chuva então os cuidados têm de ser redobrados.



Por isso aqui lhe trazemos um conjunto de conselhos úteis para que nos dias de chuva continue a conduzir com o máximo de segurança possível.

1 – Verifique os pneus

Antes mesmo de se fazer à estrada veja o estado dos pneus. Analise bem o estado do piso para se certificar que o desgaste dos pneus não é demasiado e verifique a pressão garantindo que esta está nos valores corretos recomendados pelo fabricante.

2 – Use equipamento adequado para a chuva

Utilizar vestuário impermeável ajuda a manter o corpo seco e com a temperatura certa. Existem calças e blusões de inverno, mas também pode optar por uma capa impermeável que cobre o seu vestuário normal. Nunca se esqueça de ter umas luvas próprias para o inverno. Além de impermeáveis também ajudam a manter as mãos quentes, o que é determinante para não haver distrações ou falhas na condução por causa das mãos frias ou mesmo “geladas”.

3 – Limpe bem o capacete

Um capacete bem limpo, especialmente a viseira, é meio caminho andado para garantir uma boa visibilidade. Assegure-se que reduz a possibilidade de embaciamento e garanta que está confortável pois assim estará mais concentrado no ambiente rodoviário que o envolve.

4 – Conduza com suavidade

Com o piso molhado é determinante que todas as ações no acelerador, travão ou a curvar sejam suaves e progressivas. Qualquer reação mais brusca pode causar a perda de aderência e consequente complicação no domínio da moto.

5 – Atenção às distâncias

A distância de segurança para o veículo da frente já é importante em tempo seco e torna-se determinante quando se conduz à chuva. Pelo menos duplique a distância de segurança porque qualquer travagem, paragem ou contratempo que surja irá levar muito mais a parar a moto pois a aderência no asfalto molhado é muito menor. Além disso convém não esquecer as condições de visibilidade reduzida provocada pela chuva. Com mais distância para o veículo da frente ganha-se tempo e espaço de reação.

6 – Evite as poças e os lençóis de água

Com o piso molhado é normal a estrada ter poças ou estar coberta por um lençol de água. Além do problema de possível perda de aderência pelo excesso de água também é preciso lembrar que debaixo dessa água pode estar escondido um buraco que pode causar problemas graves. Por isso, sempre que possível, evite passar por cima de poças ou lençóis de água.

7 – Cuidado com a sinalização horizontal

A tinta das passadeiras, traços descontínuos, ou contínuos e zebras pode ser um problema com a chuva. Quando o piso está molhado, esta tinta torna-se muito escorregadia, portanto é necessária muita atenção para tentar não passar por cima dos traços pintados de uma passadeira, por exemplo.

8 – Afaste-se das bermas

Com a chuva a tendência nas estradas é que a água e as sujidades se acumulem mais próximo das bermas das estradas, tornando essa zona do piso especialmente complicada em termos de aderência. Por essa razão o ideal é circular nas faixas centrais (caso existam) ou dentro da sua faixa mas o mais afastado da berma possível.

9 – Leia bem o piso

Esteja sempre atento ao tipo de piso que tem pela frente e ao seu estado. Tenha especial atenção com pisos de cimento como o dos parques de estacionamento que mesmo podendo ser fechados têm sempre água que é arrastados por outros carros o que causa uma diminuição na aderência. Também nas bombas de gasolina é preciso uma especial atenção pois é sempre uma zona onde abundam matérias escorregadias como o gasóleo, por exemplo. Nunca esquecer os carris dos elétricos quando circula em cidade. Num dia chuvoso são especialmente escorregadios e perigosos.

10 – Siga o rasto dos outros

Uma forma de garantir um pouco mais de aderência em estradas molhadas é seguir no rasto dos pneus deixado pelo veículo que segue à frente do motociclista. Esse rasto tem menos água e sujidade que já foram parcialmente removidas pelos pneus do veículo garantindo assim um pouco mais de aderência para a moto. Este “truque” é especialmente útil quando se circula em auto-estrada num dia chuvoso.

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Manutenção Motos

Como melhorar a sua condução na moto

Published

on

Conduzir uma moto é um prazer e uma tarefa exigente aos mais variados níveis. Para melhorar o seu domínio da moto há várias opções para que possa apurar o seu controlo da máquina e o seu comportamento na estrada, o resultado será sempre um maior conhecimento e isso será sempre sinónimo de uma maior segurança e confiança com a sua moto.



Conduzir uma moto é sempre um permanente processo de aprendizagem, seja o motociclista recém encartado ou um experiente viajante com muitos anos de estrada em duas rodas. Além de toda a experiência que dão os quilómetros feitos na estrada, há sempre formas de melhorar a condução e o domínio de uma moto apetrechando o motociclista com mais ferramentas para melhor lidar com a máquina e com os mais variados desafios que andar de moto coloca a quem vai aos seus comandos.

Aqui ficam alguns conselhos para melhorar a condução de moto:

Cursos de condução

Mesmo depois de tirar a carta de moto o motociclista deve continuar a melhorar a sua técnica e à vontade no domínio de uma moto. Há várias entidades que proporcionam cursos de condução avançada onde poderá aprender mais com formadores especializados, aprendendo várias dicas de segurança ou de controlo por exemplo. Tudo isso feito num ambiente controlado e com exercícios específicos que simulam situações desafiantes para o motociclista.

Pratique manobras a baixa velocidade

No meio dos motociclistas é normal ouvir a frase “desde a escola de condução nunca mais fiz um oito”. O “oito”, essa manobra essencial para passar no exame da carta de condução e que serve para testar o domínio da moto por parte do motociclista. Volte a fazer “oitos”. Num tempo que tenha disponível vá até um parque de estacionamento com espaço e em segurança volte a testar a sua destreza e domínio em manobras de baixa velocidade como um “oito” ou uma inversão de marcha. Aproveite e convide um amigo para tornar o desafio menos solitário e mais divertido.

Track-day ou todo-o-terreno

Variar de forma “quase radical” as circunstâncias em que anda de moto vai levar o seu conhecimento ao extremo e apresentar-lhe situações novas que farão com que saia da sua zona de conforto e com isso ampliar o seu conhecimento da dinâmica e comportamento de uma moto (quiçá a sua se for possível utilizar a sua moto). Por isso experimentar conduzir num track-day, experimentado a realidade de uma pista, ou fazer um curso de condução fora de estrada, onde terá de lidar com as dificuldades de pisos sempre a mudar, são ótimas oportunidades para alargar o seu conhecimento e experiência. Sair do conforto dos trajetos conhecidos, ou do ambiente de viagem em auto-estrada sempre igual, irão ajudá-lo a ser um melhor motociclista.

Volte a conduzir com todos os preceitos

A condução de uma moto de forma regular pode criar um conjunto de “maus hábitos”. Para que estes não se tornem um problema para a sua condução tire um dia para conduzir como se estivesse no exame de condução. Com todos os cuidados, verificando os ângulos mortos olhando por cima do ombro, nunca falhando nenhum pista, antecipando reações, usando bem os espelhos. No fundo meta na cabeça que nesse dia vai tentar conduzir de forma 100% correta. Depois de cada cruzamento, mudança de faixa, ultrapassagem, ou qualquer outra manobra faça uma auto-crítica e veja se fez tudo corretamente ou se podia melhorar algum aspeto nessa manobra.

Comente a sua condução

Comentar a sua própria condução, quase como se fosse um relato de futebol, pode parecer estranho, mas é um truque que fará com que não conduza em modo “piloto-automático” em que o motociclista reage mecanicamente mas a cabeça está noutro lugar que não na condução. “Curva ligeira à direita, baixar uma mudança, travar ligeiramente, definir a trajetória, negociar a curva, agarrar a moto com a aceleração”. Este “relato” de uma curva é um exemplo do que pode fazer mentalmente e ao fazê-lo estará totalmente focado na moto, na estrada e no ambiente rodoviário que o rodeia, o que melhorará os seus índices de concentração no próprio processo de conduzir.

Continuar a ler

Manutenção Motos

Dicas para viajar de moto com pendura

Published

on

Andar de moto com um passageiro implica um conjunto de cuidados adicionais e se o passageiro não tiver experiência a andar de moto com alguém então é preciso ter ainda mais atenção.



Para que tudo corra da melhor forma e para que a viagem a dois seja uma boa experiência para ambos aqui lhe deixamos algumas dicas importantes para viajar de moto com um passageiro:

Equipamento

A experiência de andar de moto à pendura começa ainda antes de chegar à própria mota e é importantíssimo que o passageiro vá corretamente equipado, tal como o condutor. É sabido que o capacete é essencial e obrigatório, mas quem vai atrás na moto também deve levar luvas blusão com proteções e um calçado adequado. Tudo começa na segurança.

Comunicar

A comunicação é determinante para que tudo corra bem. Primeiro, se o passageiro é inexperiente é importante explicar “o básico” antes de iniciar a viagem. Falar da inclinação da moto em curva, do movimento do corpo quando se trava e de como tudo isso são sensações novas, mas que não devem assustar. Por outro lado, estabelecer um código de sinais para que quem vá aos comandos da moto saiba como se está a sentir o pendura como toques no ombro ou o conhecido sinal do polegar com a mão. Há ainda a possibilidade de montar um sistema de intercomunicadores nos capacetes, o que ainda simplifica e clarifica mais a comunicação.

Subir para a moto

Pode parecer uma coisa simples, mas também tem “a sua ciência”. O passageiro deve subir do lado esquerdo da mota com o condutor a garantir que esta ainda está no descanso pois se o banco for muito alto, o pendura terá de apoiar o pé na peseira para subir, o que desequilibra a moto. Assim com o descanso ainda em posição garante-se que não há azares logo no início da jornada.

Quais os pontos para o pendura se agarrar

Em função da moto o pendura pode agarrar-se às pegas que esta disponibiliza no banco ou nas laterais, ou então agarrar-se à cintura de quem vai aos comandos. Convém explicar tudo isso muito bem e se a moto o permitir o melhor é o pendura com uma mão agarrar uma pega e com o braço a cintura do condutor, ficando assim com dois pontos de apoio.

Faça um ensaio

Antes de se fazer à estrada c«para umas dezenas ou centenas de quilómetros com o passageiro, se este for inexperiente dê antes umas voltas ao quarteirão para que este sinta o comportamento da moto, perceba um pouco o que deve fazer e ganhe alguma confiança. Com essas voltinhas “quebra-se o gelo” e os receios iniciais naturais do pendura.

Cuidados de quem vai ao comando

Se vai viajar com pendura a primeira coisa que o motociclista tem de fazer é verificar o bom estado da moto, a pressão dos pneus e a afinação da suspensão prevendo o aumento de peso que a moto irá ter. Se nunca andou com um passageiro e também nunca foi um passageiro, faça um pequeno teste e ande no banco de trás de uma moto com alguém a conduzir e perceba o que sente um pendura. Assim perceberá melhor as suas necessidades e dificuldades. O estilo de condução também é importante para dar confiança ao passageiro. Opte por uma condução suave, confortável, previdente e segura, aumentando as distâncias de segurança e sendo previdente. Não se esqueça que seguindo com mais peso a moto naturalmente muda o seu comportamento na travagem e na aceleração e o condutor deve ter plena consciência disso.

Pare com regularidade

Fazer paragens para descanso na viagem é muito importante. Primeiro para retemperar forças, segundo para perceber como está o passageiro a reagir à viagem, se está confortável, se está a gostar ou se é preciso mudar alguma coisa e por fim porque se o pendura é inexperiente ele ainda não terá o corpo “adaptado” a andar de moto e por isso convém que o corpo descanse pontualmente durante a viagem para que esta não seja demasiado dura e desagradável para ele.

Continuar a ler
Publicidade

Publicidade

Newsletter

Ultimas do Fórum

Em aceleração