Renault Espace (2002-2015) – Motorguia
Ligue-se connosco

Avaliações Usados

Renault Espace (2002-2015)

Published

on

O nome Espace ficará para sempre na história automóvel como o primeiro monovolume comercializado e a Renault nunca deixou que a Espace perdesse essa aura de farol do que é ser um monovolume onde os conceitos de conforto, versatilidade, família e viagem se unem num só veículo.

Com o seu desenho de vanguarda, a Espace sempre puxou dos galões de precursora do segmento dos monovolumes e sempre apresentou soluções de modularidade no seu interior que definiram o conceito do que é ser monovolume.

Com uma lotação de sete lugares esta Renault oferece o tradicional “jogo de cadeiras” em que se pode ajustar a lotação às necessidades do momento. O único senão é que com os sete lugares colocados o espaço para a bagagem não é muito. Neste caso a versão Grand Espace, mais longa, consegue resolver um pouco esse problema. O facto de não ter portas traseiras deslizantes não facilita o acesso à segunda e terceira fileira de bancos como alguns dos seus concorrentes.

O equipamento é vasto, a posição de condução é boa e quem vai ao volante parece ir aos comandos de uma nave espacial, tal o espaço, a visibilidade e o próprio desenho do interior. Os materiais utilizados podiam ser melhores em alguns painéis já que em alguns pontos parecem algo frágeis.

Em estrada a Espace revela um comportamento eficaz, mas não deixa que o condutor se esqueça das suas dimensões ou do seu peso. O trabalho da sua suspensão é bom e mostra-se suficiente para garantir uma viagem confortável aos seus ocupantes.

Motores
Como seria expectável, as versões Diesel da Espace foram são as mais procuradas e a gama é composta pelos motores 1.9 dCi com 120 cv, motor que viria a ser substituído após 2005 pelo 2.0 dCi nas suas versões com 130, 150 e 175 cv de potência. Além destas unidades a Espace conta ainda com o 2.2 dCi de 140 e 150 cv e o 3.0 dCi com 180 cv.

No que diz respeito aos motores a gasolina este monovolume estava equipado com os motores 2.0T de 165 cv e o 3.5 V6 de 245 cv de potência máxima.

Principais avarias e problemas
Os modelos equipados com o motor 1.9 dCi produzidos até Julho de 2003 podem revelar problemas no turbo e nestas versões a caixa de velocidades pode ficar danificada por falhas na lubrificação (modelos fabricados entre Novembro de 2003 e Janeiro de 2004).

Nas versões 2.2 dCi foram registadas anomalias na válvula EGR e um desgaste exagerado nas bielas e também nos injetores.

Nas primeiras unidades fabricadas verificaram-se várias avarias eletrónicas ao nível da climatização, computador de bordo,, na regulação dos bancos elétricos ou no funcionamento do fecho centralizado.

Foram verificados problemas no travão de mão que pode não destravar a Espace no momento do arranque.

Renault Espace (2002-2015)
7 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Equipamento
Modularidade
Habitabilidade
Contras
Prestações
Acessibilidade traseira
Bagageira com a lotação total
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção7
Desvalorização6.5
Qualidade dos materais6.5
Habitabilidade e bagageira8
Segurança7.5
Conforto7.5
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico7
Performance6.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Avaliações Usados

Mercedes Classe C (1993-2000)

Published

on

Aquela que foi a primeira geração do Mercedes Classe C (W202) herdou muito do ADN do seu antecessor natural, o W201 (o bem conhecido 190). Melhorou em vários aspetos, aprimorou a estética com formas mais arredondadas, mas manteve o gene responsável por grande parte do seu sucesso: a qualidade de construção e a fiabilidade.



Não é por acaso que este Classe C foi também ele um dos modelos escolhidos para servir como taxi nas nossas cidades. Confortável, espaçoso quanto baste e com motores capazes de dar a volta ao mundo sem grandes contratempos mecânicos.

Com bons materiais no seu interior e uma qualidade de construção muito apurada, o Classe C ainda é daqueles automóveis construídos para viverem longos anos e por isso mesmo ainda são uma presença frequente nas nossas estradas.

A suspensão foi afinada tendo o conforto como principal objetivo pelo que não se espere um comportamento dinâmico acutilante ou entusiasmante, mas tem sempre reações previsíveis e sóbrias.

Como modelo de uma marca premium não se esperem valores muito baixos no que diz respeito aos custos de manutenção quando for chegada a hora de ir à assistência.

Motores
Sendo um modelo que viveu na última década do século passado ele assistiu a uma evolução tecnológica nos motores, nomeadamente nas unidades Diesel, o que explica a vasta gama de motorizações que teve ao longo do seu período de vida como produto. Assim nas versões a gasolina o Classe C conta com o 1.8 com 122 cv, o 2.0 com 136 cv, o 2.0 Kompressor com 180 cv, o 2.2 com 150 cv e o 2.3 com 193 cv de potência. Já nas propostas Diesel a oferta começa com o 200D com 75 cv, o 2.0D com 88 cv, o 220D com 95 cv, o 250D com 113 cv, o 2.5TD com 150 cv e o 220 CDI com 125 cv de potência.

Principais avarias e problemas
Os motores de quatro cilindros a gasolina podem ter algumas falhas. O 230K de 1996 apresentou alguns problemas no funcionamento a frio com a tomada do compressor a desencaixar com alguma facilidade. As versões equipadas com os motores da família CDI podem revelar um ralenti irregular.

Os vidros elétricos, especialmente os traseiros, podem ter problemas com o motor. O ponteiro do combustível pode não fazer uma leitura correta da quantidade do mesmo no depósito. Acima dos 150 mil quilómetros as caixas de velocidades podem começar a apresentar falhas de funcionamento.

Mercedes Classe C (1993-2000)
6.7 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Conforto
Fiabilidade
Qualidade de construção
Contras
Custos de manutenção
Suspensão demasiado suave
Fiabilidade8.5
Custos de manutenção5
Desvalorização7
Qualidade dos materais7
Habitabilidade e bagageira6.5
Segurança6.5
Conforto7.5
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico6
Performance6
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Toyota Avensis (1998-2003)

Published

on

Com o lançamento do Avensis, a Toyota apresentou uma nova família de modelos que viria a ocupar o espaço do familiar Carina, então descontinuado, e representou um salto qualitativo que aproximou as propostas da marca japonesa dos rivais germânicos e franceses.



Com umas linhas muito sóbrias, talvez até demasiado, o Avensis trouxe consigo todo um legado de fiabilidade da Toyota que fez com que tivesse um bom sucesso no seu segmento, considerando o domínio dos modelos alemães no mesmo.

Muito confortável, este familiar oferece um interior com bons materiais e uma qualidade de construção rigorosa. A posição de condução podia ser melhor pois o banco do condutor está algo alto em relação com a coluna de direção.

De um modo geral bem equipado de série nas versões mais altas, este Toyota, no entanto, não oferece muito equipamento nas versões base. A habitabilidade é boa e a sua bagageira com 500 litros de capacidade mostra-se generosa, apesar do seu acesso não ser muito amplo.

A suspensão assegura um bom conforto aos ocupantes, superando o mau piso com suavidade e garantindo uma viagem tranquila em auto-estrada. Em ritmos mais exigentes em estradas mais sinuosas ela confere ao Avensis um comportamento previsível apesar de não ser muito firme, o que faz com que não controle na perfeição algum adorno da carroçaria, mas nada de dramático.

Motores
Este familiar conta com uma gama de motores que começa com as propostas a gasolina 1.6 e 1.6 VVT-I, ambos com 110 cv, o 1.8 VVT-I com 129 cv, o 2.0 com 128 cv e o 2.0 VVT-I com 150cv. Nas versões a gasóleo contamos com o 2.0 TD com 90cv e o 2.0 D4-D com 110cv, unidade que surge como uma das melhores proposta pelo seu equilíbrio entre prestações e consumos que segundo a marca ficam em média nos 5,9 l/100km

Principais avarias e problemas

De um modo geral os motores que equipam o Avensis revelam-se fiáveis não havendo registos relevantes de problemas crónicos.

Os discos de travão podem ter tendência para ficarem vidrados, o que pode provocar algumas vibrações na travagem.

O comando à distância do fecho centralizado pode não funcionar corretamente.

Toyota Avensis (1998-2003)
6.4 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Conforto
Fiabilidade
Qualidade de construção
Contras
posição de condução
Equipamento nas versões base
Fiabilidade7.5
Custos de manutenção6.5
Desvalorização6.5
Qualidade dos materais6
Habitabilidade e bagageira6.5
Segurança6
Conforto6.5
Consumo combustível6
Comportamento dinâmico6
Performance6
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler
Publicidade

Newsletter

Em aceleração