Renault Espace (2002-2015) – Motorguia
Ligue-se connosco

Avaliações Usados

Renault Espace (2002-2015)

Published

on

O nome Espace ficará para sempre na história automóvel como o primeiro monovolume comercializado e a Renault nunca deixou que a Espace perdesse essa aura de farol do que é ser um monovolume onde os conceitos de conforto, versatilidade, família e viagem se unem num só veículo.

Com o seu desenho de vanguarda, a Espace sempre puxou dos galões de precursora do segmento dos monovolumes e sempre apresentou soluções de modularidade no seu interior que definiram o conceito do que é ser monovolume.

Com uma lotação de sete lugares esta Renault oferece o tradicional “jogo de cadeiras” em que se pode ajustar a lotação às necessidades do momento. O único senão é que com os sete lugares colocados o espaço para a bagagem não é muito. Neste caso a versão Grand Espace, mais longa, consegue resolver um pouco esse problema. O facto de não ter portas traseiras deslizantes não facilita o acesso à segunda e terceira fileira de bancos como alguns dos seus concorrentes.

O equipamento é vasto, a posição de condução é boa e quem vai ao volante parece ir aos comandos de uma nave espacial, tal o espaço, a visibilidade e o próprio desenho do interior. Os materiais utilizados podiam ser melhores em alguns painéis já que em alguns pontos parecem algo frágeis.

Em estrada a Espace revela um comportamento eficaz, mas não deixa que o condutor se esqueça das suas dimensões ou do seu peso. O trabalho da sua suspensão é bom e mostra-se suficiente para garantir uma viagem confortável aos seus ocupantes.

Motores
Como seria expectável, as versões Diesel da Espace foram são as mais procuradas e a gama é composta pelos motores 1.9 dCi com 120 cv, motor que viria a ser substituído após 2005 pelo 2.0 dCi nas suas versões com 130, 150 e 175 cv de potência. Além destas unidades a Espace conta ainda com o 2.2 dCi de 140 e 150 cv e o 3.0 dCi com 180 cv.

No que diz respeito aos motores a gasolina este monovolume estava equipado com os motores 2.0T de 165 cv e o 3.5 V6 de 245 cv de potência máxima.

Principais avarias e problemas
Os modelos equipados com o motor 1.9 dCi produzidos até Julho de 2003 podem revelar problemas no turbo e nestas versões a caixa de velocidades pode ficar danificada por falhas na lubrificação (modelos fabricados entre Novembro de 2003 e Janeiro de 2004).

Nas versões 2.2 dCi foram registadas anomalias na válvula EGR e um desgaste exagerado nas bielas e também nos injetores.

Nas primeiras unidades fabricadas verificaram-se várias avarias eletrónicas ao nível da climatização, computador de bordo,, na regulação dos bancos elétricos ou no funcionamento do fecho centralizado.

Foram verificados problemas no travão de mão que pode não destravar a Espace no momento do arranque.

Renault Espace (2002-2015)
7 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Equipamento
Modularidade
Habitabilidade
Contras
Prestações
Acessibilidade traseira
Bagageira com a lotação total
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção7
Desvalorização6.5
Qualidade dos materais6.5
Habitabilidade e bagageira8
Segurança7.5
Conforto7.5
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico7
Performance6.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Avaliações Usados

Kia Picanto (2011-2017)

Published

on

A segunda geração do Kia Picanto marcou uma evolução estética face ao seu antecessor e manteve os mesmos argumentos racionais que fizeram dele uma excelente opção como citadino ou primeiro carro.



Com umas linhas mais atraentes que a anterior geração, este Picanto surpreende pela boa habitabilidade que oferece os seus ocupantes. Apesar das suas pequenas dimensões exteriores, típicas de um citadino, este Kia beneficia de um generoso espaço para o condutor e passageiros. Infelizmente a bagageira acaba por sair algo penalizada pela prioridade dada à habitabilidade e apenas oferece um volume de 200 litros.

O ambiente a bordo é moderno e funcional e apenas se lamenta a abundância de plásticos rígidos que apesar de aparentarem uma boa construção não o favorecem muito na sensação de robustez. Fácil de conduzir e manobrar em cidade, este Picanto não marca muitos pontos no conforto. A sua suspensão tem alguma dificuldade em lidar com o mau piso e em auto-estrada ele não é muito bem insonorizado. Facilmente os ruídos de rolamento, aerodinâmicos e do motor se fazem sentir no habitáculo.

Com um bom nível de equipamento de série, considerando o seu segmento, este Picanto tem no seu preço competitivo um dos seus trunfos ao qual se soma a sua garantia mecânica de sete anos, o que muito ajudou na tomada de decisão de quem o comprou pois são fortes argumentos racionais.

Motores

O Kia Picanto tem apenas duas propostas de motores, ambas a gasolina: o 1.0 com 69 cv de potência e o 1.2 com 85 cv, ambas com bons valores de consumos, com a marca a anunciar um consumo médio de 4,2 l/100km para o primeiro e 4,5 l/100km para o segundo, sendo que este último se mostra um pouco mais expedito nas prestações e bem mais agradável de utilizar pois é um 4 cilindros ao passo que o 1.0 é um tricilíndrico algo ruidoso e que gera algumas vibrações.

Principais avarias e problemas

Nalguns modelos equipados com o motor 1.0, fabricados entre julho e dezembro de 2015, podem surgir problemas com a bomba de água. Este motor também pode ter complicações com a distribuição. poderá acontecer alguma falta de resposta do motor às solicitações do acelerador, algo que é resolvido com uma reprogramação.

A caixa de velocidades e a embraiagem podem começar a fazer alguns barulhos, podendo ser necessário proceder à substituição da embraiagem. O eixo dianteiro também pode gerar alguns ruídos com origem na rótula do braço inferior da suspensão.

Kia Picanto (2011-2017)
6 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Preço
Garantia
Habitabilidade
Contras
Conforto
Alguns materiais
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção7
Desvalorização5.5
Qualidade dos materais5.5
Habitabilidade e bagageira6.5
Segurança6
Conforto5.5
Consumo combustível6
Comportamento dinâmico5.5
Performance5.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Volvo C30 (2006-2012)

Published

on

Com o lançamento do Volvo C30 a marca sueca de certa forma recuperou um pouco a imagem de modelos passados como o 1800ES dos anos setenta ou o 480 dos anos 80, ambos coupés com uma estética onde a traseira “cortada” era uma das suas características diferenciadoras.



Desenvolvido com base na mesma plataforma do Volvo S40, que é também a mesma plataforma do Ford Focus, o Volvo C30 apresenta um bom comportamento dinâmico. É eficaz e previsível, mas mesmo sendo um coupé, acaba por não chegar ao patamar de desportivo. É claramente mais um estradista e um companheiro confortável no dia a dia em cidade com uma suspensão que filtra bem as irregularidades e armadilhas do piso.

A posição de condução é boa, a direção suficientemente leve e informativa e todos os comandos estão à “mão de semear” graças a uma excelente ergonomia que prima pela simplicidade e bom gosto estético. Os vários materiais utilizados estão num bom plano em termos qualitativos e o rigor na sua montagem também é bom.

O óculo traseiro deste Volvo e também o desenho dos pilares traseiros acabam por não ajudar muito na visibilidade para trás mas ainda assim é um modelo fácil de conduzir nas mais variadas circunstâncias, incluindo nas manobras de trânsito mais corriqueiras.

Pelo seu design e conceito, este coupé não é propriamente muito espaçoso nos lugares traseiros e como é compreensível, apesar das suas portas de boas dimensões, o acesso atrás também não é o mais amplo. A sua bagageira também paga o preço do seu design e não é muito generosa, oferecendo uma capacidade de 251 litros.

Motores

A oferta de motores do C30 começa com duas unidades a gasolina, o 1.6 e o 2.0 com 100 e 145 cv de potência respetivamente. Seguem-se as proposta Diesel com o 1.6 D com 110 cv, o 1.6 D2 com 115 cv, o 2.0 D com 136 cv, o 2.0 D3 com 150 cv, o 2.0 D4 com 177 e por fim o 2.4 D4 com 180 cv. Qualquer uma destas unidades apresenta bons consumos, mesmo as propostas a gasolina, mas a escolha mais equilibrada recai sobre os modelos Diesel pois são os que têm os melhores consumos num bom equilíbrio com boas prestações.

Principais avarias e problemas

Os motores 1.6 D com 110 cv podem apresentar perdas de potência devido a problemas com a bomba de óleo e é ainda possível que venha a ter uma fuga nos injetores que causa um odor a combustível ou a gases de escape no habitáculo.

A válvula EGR pode dar problemas tanto nos motores 1.6 D como 2.0D. Também o filtro de partículas pode revelar algumas anomalias.

Volvo C30 (2006-2012)
6.3 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Ergonomia
Originalidade estética
Qualidade de construção
Contras
Bagageira
Habitabilidade traseira
Fiabilidade6
Custos de manutenção5
Desvalorização6.5
Qualidade dos materais6.5
Habitabilidade e bagageira5.5
Segurança7.5
Conforto6.5
Consumo combustível6.5
Comportamento dinâmico6.5
Performance6.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler
Publicidade

Publicidade

Newsletter

Ultimas do Fórum

Em aceleração