Mazda MX-5: o relato de 90.000 km em dois anos – Motorguia
Ligue-se connosco

Usados

Mazda MX-5: o relato de 90.000 km em dois anos

Quando se mistura trabalho com prazer, o resultado pode ser fenomenal

Published

on

Quando se mistura trabalho com prazer, o resultado pode ser fenomenal.
Diz o senso comum que um carro desportivo tem de ser sempre um segundo carro, por ser um tipo de automóvel desconfortável e dispendioso nos consumos e manutenção. Mas o Mazda MX-5 consegue contrariar toda esta ideia pré-concebida, como vamos tentar desmistificar neste artigo, apresentando os reais custos de utilização de um desportivo, com utilização intensiva diária – acima de 40.000 km por ano – e demonstrando que é viável usufruir diariamente de um veículo desenhado para a diversão, sem que isso se transforme num pesadelo de custos.

Preço
A unidade em causa foi adquirida em finais de julho de 2016. Trata-se de um Mazda MX-5 Soft Top 1.5 Skyactiv Evolve, sem extras adicionais e custou 25.400 euros, apenas com o extra da pintura metalizada. Falamos, portanto, de um preço enquadrado com um normal pequeno familiar.

Consumos
Este MX-5 tem uma utilização, sobretudo, urbana, teoricamente pouca amiga dos consumos. No entanto os 6,1 l/100 km de média registados nestes quase 90.000 km não são, de facto, preocupantes. São, aliás, bastante simpáticos.

Manutenção
Para evidenciar corretamente os custos, juntámos todo o historial de manutenção, sempre realizada em concessionários oficiais.

Como é visível pelas faturas, a manutenção não é propriamente onerosa, estando em linha com a maioria dos veículos do segmento dos pequenos familiares.

Problemas e avarias
Os tapetes que equipam, de série, o MX-5 são uma desgraça, ficando completamente desfeito em poucos meses. Algo nunca antes visto noutros automóveis.

A tampa do depósito de combustível parece um chocalho sempre que o piso é irregular. Depois de duas tentativas infrutíferas de resolução no concessionário, resolvi a questão à boa maneira portuguesa: um pouco de borracha, dois pingos de cola e problema resolvido.

Resolvidas estas duas questões, posso garantir que a utilização diária do MX-5 como companheiro de luta foi uma aposta ganha. Rápido, eficiente, económico quanto baste, transformou o meus dias de trabalho num prazer contínuo.

Um chassis fabuloso, um motor pequeno, mas enérgico, sobretudo quando usado em regimes mais altos, garantem uma boa disposição constante. A caixa velocidades é, muito provavelmente, a melhor caixa manual que alguma vez tive o prazer de manusear. Tudo isto faz do MX-5 a minha escolha garantida para os próximos anos e, muito provavelmente, será a primeira vez na vida que irei escolher um modelo igual ao que já tenho.

Ao fim do dia, quando o sol se começa por, ponho a capota para baixo, e desfruto de um prazer sem igual. E isso não tem preço.

2 Comentarios

2 Comments

  1. eblase

    03/12/2018 at 14:14

    Gostei. Sem papas na língua. Substituíram os tapetes ?

    • Motor Guia

      03/12/2018 at 15:34

      Não, foram comprados novos, esta na fatura 2 e 4 , estes ultimos de borracha a ver se duram mais 🙂

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Manutenção

O que fazer depois de comprar um carro usado

Published

on

Comprar um usado implica sempre cuidados acrescidos face à compra de um modelo novo, por isso aqui lhe deixamos alguns conselhos para assegurar que tira o melhor partido da sua compra.



Documentos em ordem
Assegure-se que toda a documentação é tratada corretamente. Esta tarefa até pode ser feita no momento da compra de forma a que fique logo o processo todo tratado.

Necessita dos seus documentos pessoais e dos do vendedor (no caso de ser um particular) e tem de preencher o Requerimento de Registo Automóvel que pode descarregar aqui na página do Instituto dos Registos e do Notariado. Depois de devidamente preenchido por ambas as partes basta registar o acto da compra e venda num notário ou numa Loja do Cidadão e aguardar a receção do Documento Único Automóvel já em seu nome.Virando as atenções para o carro em si, confirme as datas da inspeção periódica do automóvel e do Imposto Único de Circulação (IUC) e verifique se está tudo e dia. Trate também do seguro de forma a que fique válido logo desde o primeiro momento em que o carro é seu.

Prevenção mecânica
Se não levou um mecânico consigo para ver o carro antes de o comprar, então deve fazê-lo agora e garantir que qualquer anomalia é devidamente reparada antes que se possa tornar numa complicação maior. Além disso, deve substituir todos os filtros (ar, combustível, óleo e ar condicionado) e mudar também todos os fluídos (óleo, óleo dos travões e liquido de refrigeração). Se não estiver totalmente confiante com o passado do veículo então também é aconselhável trocar o kit de distribuição (correia e tensores) pois se porventura a correia não estiver no melhor estado e partir então os danos podem ser muito complicados e onerosos e é melhor jogar pelo seguro.
Não se esqueça de ver a condição dos amortecedores, dos pneus e da bateria. Mesmo não trocando estes elementos de imediato, pelo menos fica com uma ideia de quando o terá de fazer, ou se por outro lado está tudo bem e é menos um conjunto de preocupações.

Conheça o seu “novo” automóvel
Para começar deve ler o manual de instruções. Há sempre detalhes diferentes de marca para marca e de carro para carro e por isso convém saber os pormenores particulares do modelo que comprou. Aproveite e dê uma boa lavagem exterior e uma limpeza profunda no interior. Desta forma consegue fazer uma análise mais detalhada e encontrar algo que lhe tenha escapado quando viu o carro antes da compra e que tenha de ser arranjado. Por fim, deve fazer algumas viagens, curtas e mais longas, para assimilar o comportamento do automóvel e com isso ficar mais familiarizado com o mesmo, o que no futuro lhe permitirá aperceber-se de alguma reação que não seja habitual e que possa indiciar um problema para resolver.

Continuar a ler

Manutenção

Como cuidar das jantes do seu carro

Published

on

As jantes são um importante elemento do seu veículo. Além da componente estética também são responsáveis pela proteção de elementos mais sensíveis do automóvel. Em caso de impacto num buraco da estrada, por exemplo, a jante pode sofrer com isso, mas a força do impacto fica na jante e não afeta outros componentes da suspensão mais sensíveis e mais complexos e onerosos de reparar. As jantes de liga leve ainda ajudam na redução do peso da roda tornando mais eficaz o trabalho da suspensão.



As jantes são normalmente um fator determinante na estética de um automóvel. São sempre alvo de uma escolha apurada no momento da compra e por vezes ao longo do tempo de vida do veículo são substituídas por outras mais ao gosto do condutor. Portanto são um componente muito ligado à vertente visual do veículo e ao mesmo tempo um dos que mais se suja e degrada.

Vamos por isso deixar-lhe algumas dicas para cuidar bem das jantes do seu carro:

1 – Nunca limpe as jantes quando estas estão quentes
Se acabou de chegar com o carro e as jantes estão quentes ainda, essa não é uma boa altura para lavar as jantes. O metal não gosta de variações súbitas de temperatura.

2 – Limpe as jantes pelo menos uma vez por mês
As jantes acumulam muito pó oriundo das pastilhas de travão e estão sujeitas aos mais variados tipos de materiais depositados nas estradas, alguns deles corrosivos. Por isso lavar as jantes pelo menos uma vez por mês vai evitar que estes materiais nocivos se acumulem na jante e que com o tempo causem danos irreversíveis na mesma. Além disso, a sujidade acumulada torna-se mais difícil de remover com o tempo e há até quem sugira que as jantes devem ser lavadas uma vez por semana.

3 – Lavar o carro primeiro ou as jantes?
Lave sempre as jantes primeiro. Dessa forma evita que depois do carro todo bem lavado haja sujidade das jantes que volte a sujar a carroçaria. Se lavou o seu automóvel com uma máquina de pressão preste atenção pois as jantes não devem ser lavadas com água a uma pressão superior a um bar pois pode ser demasiado agressivo para as mesmas.

4 – Atenção aos produtos utilizados
Escolha bem o produto de limpeza para as suas jantes e proteja os discos e os travões pois alguns produtos podem conter substâncias demasiado corrosivas ou também gordurosas e isso pode comprometer a plena eficácia dos travões. Além disso certos produtos de menor qualidade apostam na rapidez da remoção da sujidade e muitas vezes isso significa que são muito ácidos e corrosivos, o que com o tempo vai retirar o brilho da jante, deixando-a baça.
pode sempre recorrer a uma solução caseira segura que é utilizar um normal detergente para a loiça diluído em água numa proporção de 1 para 3, uma parte de detergente para três equivalentes de água.

5 – Cuidado com as esponjas e escovas
Esteja atento ao tipo e à qualidade das esponjas, das escovas ou dos panos que utiliza na limpeza das jantes. As esponjas ou escovas não devem ser demasiado duras ou ásperas e qualquer tipo de metal está fora de questão (como lã e aço ou algo semelhante) pois não queremos riscar a jante ou degradar o seu brilho.

6 – Tenha paciência
Algumas jantes são mais complicadas de limpar que outras. Se por um lado as jantes com poucos raios não são um desafio muito complexo, já as jantes multi-raios exigem por vezes um enorme trabalho para limpar cada um dos espaços do seu intrincado desenho. Nada que uma escova pequena e muita paciência não resolvam, por isso esteja preparado para levar o seu tempo entretido a limpar as jantes do seu carro.

7 – Acabamento
Depois de bem limpas as jantes podem ser protegidas com uma cera líquida incolor que vai reforçar o seu brilho e facilitar a remoção da sujidade que venham a acumular no futuro. Preste também especial atenção aos produtos de polimento. Estes não devem ser utilizados em jantes pintadas de cor mate pois vão danificar a pintura.

Continuar a ler

Manutenção

As matrículas antigas têm de ser trocadas pelas novas?

Published

on

A cada dia que passa mais são os modelos que vemos na estrada com as novas matrículas que entraram em vigor a partir do final de Fevereiro de 2020, quando terminou a anterior série de matrículas. Mas, não são apenas os automóveis novos matriculados que vemos na estrada com as novas matrículas, também modelos anteriores a Fevereiro já se veem com o novo formato apesar da conjugação entre letras e algarismos ser ainda a anterior, o que pode levantar a questão se é obrigatório mudar todas as matrículas para esta nova configuração.



A resposta é simples: Não é obrigatório mudar as matrículas antigas para as novas. Esta dúvida também surgiu quando há muitos anos atrás surgiram as matrículas com o fundo branco. Também na altura se questionou se era obrigatório mudar as antigas matrículas com fundo preto e caracteres brancos em relevo. Também não era, mas podia ser feito.

As novas matrículas compostas por dois conjuntos de letras e um de algarismos, sem nenhum hífen e sem indicação da data são regulamentadas pelo Decreto Lei 02/2020 de 14 de janeiro que refere claramente que: “Os modelos que agora se aprovam passam a ser obrigatórios para todas as matrículas atribuídas a partir da data em que se esgotar a atual série de números de matrícula, podendo as chapas de matrícula que já se encontram instaladas no parque de veículos em circulação manter -se em uso, sem necessidade de substituição, que poderá, no entanto, ser efetuada pelos proprietários dos veículos caso assim o desejem”.

Portanto a conclusão é clara, as matrículas antigas não têm de ser trocadas pelas novas, mas quem quiser pode fazê-lo.

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Newsletter

Em aceleração