Ligue-se connosco

Usados

Mercedes-Benz Classe M (W163) – O americano

Published

on

No início dos anos 90, a Mercedes-Benz depara-se com um desafio: redesenhar e repensar o Classe G ou criar uma nova filosofia e um nicho de mercado. Para um grupo do tamanho da Daimler, o assunto resolveu-se muito rapidamente, decidindo-se, e bem, pela segunda hipótese.  Agora só faltava  escolher o mercado certo. Para isso avaliou o market share e concluiu que nos Estados Unidos as vendas de SUV valiam cerca de 775.000 unidades anuais em 1985, qualquer coisa como 5% das vendas totais do mercado automóvel local e com um aumento de 6% ao ano.

Na altura em que a Mercedes terminava a construção da sua fábrica americana, a primeira da sua história fora da Alemanha, o valor total de SUV já valia 14,5% do mercado e os números continuavam a crescer. Para quem acha que foi só uma moda, desengane-se, pois em 2013 os SUV representavam 32% das vendas de automóveis nos Estados Unidos e as previsões apontam para valores próximos dos 50% em 2025. Como tal, pouco mais há a dizer. Os SUV vieram mesmo para ficar e ainda bem. Após extenso desenvolvimento do Classe M, que contou como ponto de partida com o chassis do Mercedes Classe G – aligeirado – e após a conclusão da fábrica nos Estados Unidos, em Julho de 1996, no estado americano de Alabama, mais concretamente em Tuscaloosa, dá-se início à produção do Mercedes ML ou Classe M com nome de chassis w163. Em Janeiro de 1997, sai a primeira unidade da linha de montagem; é um ML 230 de 150cv branco.

Contudo, as primeiras imagens oficiais são vistas pela primeira vez em Hollywood no sucesso de bilheteira “Jurassic Park – O mundo perdido” com versões offroad bastante agressivas colocadas em cenas de cortar a respiração. Claro está que antes já tinha existido a apresentação de um protótipo, o AAV, nalguns salões locais durante 1996, deixando antever algumas das linhas mestras deste modelo. As primeiras vendas começaram em Setembro de 1997. Os “americanos” estavam mais que habituados a SUV e “Trucks” e o grande trunfo da Mercedes foi o de conseguir propor um SUV vincadamente mais desportivo por usar suspensão independente em ambos os eixos e conseguir reunir dentro do habitáculo um conjunto de fatores que tornavam o ML mais luxuoso e bem construído, apesar de mesmo assim estar abaixo daquilo que se esperava para um Mercedes, pelo menos no mercado europeu.

Aliado a isso, a marca equipou o modelo com tudo o que tinha de melhor de dispositivos de segurança. Mesmo que algumas unidades iniciais não tivessem ESP de série, algo revisto passados alguns meses do início da produção, a Mercedes não deixou de ser a primeira marca a oferecer um SUV com controlo de estabilidade de série. Além do ESP o ML apresentava, de série, os seguintes sistemas electrónicos: ABS com modo offroad de atuação nos 4 discos de travão, controlo de tração 4-ETS, BAS ou sistema de assistência à travagem, EBV – distribuição electrónica da força de travagem, tração permanente às 4 rodas 4MATIC e caixa redutora de accionamento electrónico. No que se refere a segurança passiva contava com duplo airbag para condutor e passageiro, airbags laterais dianteiros e cintos de segurança com pré-tensores e limitadores de força.

Por outro lado, contava com um tradicional chassis de travessas e longarinas em aço soldadas como o mais purista Classe G, mas, neste caso, associado a uma carroçaria que já previa zonas de deformação, inclusive mostrando cuidado nos embates com veículos de menores dimensão. A carroçaria permitia, segundo a Mercedes, criar uma célula de sobrevivência para os ocupantes e a verdade é que os resultados de crash testes da altura mostravam um enorme fosso de eficácia do ML comparativamente a qualquer outro SUV/Jipe existente no mercado, isto quando ainda as “estrelas” EuroNcap não faziam parte do conhecimento geral. Nos “States” a marca pedia 35.000 USD dólares. Uma pechincha face ao que oferecia.

O mercado “espumava-se” por colocar a mão neste modelo, fossem clientes, fossem concessionários e a concorrência tremia com o preço e soluções apresentadas e a verdade é que tinham sérias razões para estarem apreensivos. O ML “Made in USA” foi um sucesso estrondoso do outro lado do oceano e a verdade é que na velha Europa também foi um dos modelos mais vendidos e cobiçados durante anos, estando sempre nos tops de vendas.

Pouco tempo após a chegada ao mercado, o ML começou sucessivamente a somar prémios um pouco por toda a parte do mundo, contando com 28 troféus no primeiro ano de vida e entre eles o mais importante, todo-o-terreno do ano nos Estados Unidos. Rapidamente a produção ficou esgotada, sendo insuficientes as 65.000 unidades/ano previstas de produzir em Tuscaloosa. Em 1999, parte da produção (modelo Diesel) passou para a Áustria, para a fábrica da Magna Steyr, pertencente também à Daimler, unidade que produzia na altura, e ainda hoje produz, o Mercedes Classe G. Em números redondos, das cerca de 650.000 unidades vendidas entre 1997 e 2005, em 135 países e apenas referentes à primeira geração w163, metade ficou nos Estados Unidos e das cerca de 80.000 unidades que saíram da linha de montagem austríaca quase todas ficaram na Europa. Com mais de 50% da produção absorvida pelo mercado interno dos “States”, não existiram, de início, grandes preocupações com a qualidade dos acabamentos. Muito por culpa da maneira de ser dos americanos e pela distância face à casa mãe, o que também não ajudou a criar um produto com os padrões da marca. Contudo, as críticas começaram a ouvir-se e a Mercedes envia uma equipa aos Estados Unidos da América para resolver a situação, começando os melhoramentos do modelo a sentirem-se em 2000 e até 2002, quando o modelo foi profundamente revisto a todos os níveis. Por esta altura, já se respirava um ar 100% Mercedes dentro do ML. Durante vários anos o ML era consecutivamente o SUV / todo terreno mais potente que o dinheiro podia comprar, quer fosse alimentado a gasolina como, mais tarde, a gasóleo. ML 430 – V8 de 272 cv (1998), o ML 55 AMG – V8 de 351 cv (1999) e também por duas vezes teve o ceptro do SUV / todo terreno diesel mais potente e mais rápido do mercado aquando da estreia do ML 270 CDI – I5 de 163 cv (1999) e mais tarde o ML 400 CDI – V8 de 250 cv (2001).

Se vai comprar um usado
O MY2002 em diante é o modelo a escolher no mercado de usados, pois a marca trabalhou profundamente para eliminar em grande medida os bugs electrónicos existentes nas versões iniciais. Nos modelos dos anos de 1997 a 1999, eram recorrentes algumas avarias tais como: sistema de airbags/SRS em conjunto com os sensores dos bancos, chips defeituosos de chaves codificadas impossibilitando a colocação em marcha da viatura, falha no accionamento dos vidros elétricos, relé de bomba de gasolina nos ML 320 que descarregava as baterias, sensor da cambota, luz do ABS/ESP que acendia, sendo necessário troca do interruptor do pedal de travão, entre outras coisas que moíam o juízo aos seus proprietários. Provavelmente muitas das unidades atuais e dada a idade e os kms já terão resolvido grande parte destes problemas, mas convém sempre verificar o historial de manutenção da viatura. A juntar a tudo isto temos também uma caixa automática que requer revisão a cada 60.000kms e, como tal, convém identificar na documentação do veículo algo que comprove se essa manutenção foi feita para evitar ter despesas elevadas. Um ponto positivo é que uma vez resolvido estes problemas eles não voltavam a acontecer, ou seja foi algo identificado pela marca, sendo que muitos destes problemas também foram resolvidos em garantia.

O ideal é sempre uma unidade nacional onde seja possível junto da marca e até onde exista registo perceber o que se passou com a viatura ao longo dos anos. Algo que não foi completamente resolvido com a passagem para o MY 2002 foi um problema na direcção assistida que podia ter uma fuga e a viatura ficava sem direcção assistida. É possível que ainda exista um recall da marca para esta avaria e, se assim for, e a viatura nunca tiver sido intervencionada, a marca deverá fazê-lo sem qualquer custo. Relativamente às unidades Diesel, o ML 270 CDI teve os mesmos problemas que apresentam outros modelos da marca com esta tecnologia. Fugas na bomba de alta pressão, fácil de resolver e barato com um kit de orings +/- 65 €, fuga de combustível pelos injectores, visto que as anilhas de cobre originais não vedavam bem, problemas na admissão com as borboletas de controlo da mesma, problemas de EGR entupida nas unidades de maior quilometragem entre outras maleitas menores, como tubos do turbocompressores desapertados ou falha no potenciómetro do acelerador. Depois disto está visto que ninguém ficou com vontade de comprar uma unidade destas, mas como referido anteriormente, muitas destas incidências deram-se numa altura de garantia das viaturas e muitas outras dependem da utilização e manutenção do veículo. No global são motores que fazem, no caso do 270 CDI, mais de 500.000 quilómetros e, efetivamente, foi um modelo que teve os seus problemas de juventude, mas que após resolução torna-se numa viatura muito recompensadora para o condutor e acompanhantes. Possuo um modelo de 2003 e tem sido sempre bastante fiável. Leva cerca de 200.000kms e nunca tive nenhuma despesa de maior com ele nem me deixou parado à beira da estrada. Sorte, dizem você. Não me parece. Já levou um ou outro kit de orings, uma anilha de injetor, entre outras coisas menores, mas não convém falhar na manutenção nem deixar andar quando aparece algum indicador.

Posto isto, voltamos ao que de melhor este modelo tem para oferecer e porque se torna tão apelativo. Centramo-nos no ML 270 CDI MY 2002 Automático. E porquê automático? Primeiro porque um Mercedes tem de ter caixa automática e segundo porque foi a partir desta altura que as caixas automáticas começaram a ser mais performantes e eficientes que as manuais, mas já lá vamos. Começando pelas características técnicas do ML 270 cdi: Motor Turbo-diesel de 5 cilindros em linha, com duas árvores de cames à cabeça e 20 válvulas com uma cilindrada de 2688 cc, Turbocompressor com turbinas de geometria variável, cabeça em alumínio e injecção electrónica Common Rail, produzia uma potência máxima de 163cv às 4200 rpm e um binário de 400 Nm constante entre as 1800 e 2600 rpm, no caso da caixa manual o binário chegava apenas aos 370 Nm para a mesma rotação. Face à caixa manual a automática rubrica melhores performances: 186 km/h, + 1 km/h que na cx manual, 11,6 s dos 0-100 km/h, – 0,1 s que na cx manual e consumo médio de 9,3 litros/100 km, – 0,1 litros/100km que a cx manual. O motor primava por uma sonoridade bastante interessante dado os 5 cilindros sendo ao mesmo tempo bastante silencioso em carga.

A caixa automática é de conversor de binário, contando com 5 relações e denomina-se 5G-tronic. Adicionalmente, em todos os modelos desde 2001, passou a denominar-se 5G-tronic Speedshift por permitir accionamento sequencial. A transmissão era completada por uma caixa redutora (de série em todos os W163) de accionamento num botão “Low Range”. Esta redutora permitia uma redução de 1 para 2,64. Para efeitos de comparação, um Pajero DID da mesma altura apresentava uma relação de 1 para 1,9, sendo esta efetivamente uma super redutora capaz de mover com todo o controlo este veículo no fora de estrada. E é neste ponto que o veículo consegue aquele poder de sedução difícil de conseguir com outros modelos que é o de permitir uma utilização diária familiar e ao mesmo tempo permitir um largo raio de acção de utilização, exista coragem do seu proprietário para utilizá-lo em todo terreno. Conforme a configuração, o ML W163 pode ter até 7 lugares, ou seja, aventura em larga escala ou então com espaço de sobra. Quanto a ângulos de desempenho TT, contamos com 30º para o ângulo de ataque, 31,5º para o ângulo de saída e 22º de ângulo ventral, sendo que a distância mínima ao solo é de 20,4 cm. Capacidade de vau, a marca anuncia apenas 50 cm em Portugal, mas claramente é possível verificar outras publicações estrangeiras em que o valor é bem maior. Conduto e sem se pretender efetuar todo terreno trialeiro este modelo permite aceder a percursos mais complicados com segurança.

Para efeitos comparativos, os ângulos TT deste ML são superiores ao que oferece hoje em dia um Discovery 5 com suspensão por molas helicoidais como este ML, como tal está feita a apresentação das capacidades. Apesar do curso de suspensão ser reduzido em ambos os trens independentes o controlo de tração 4ETS+ (Plus nesta versão mais recente pois inclui um modo Hill Descent Control) trata de resolver sempre que uma roda fica no ar ou perde aderência, reconduzindo o binário para a roda com mais tração. Com a aceleração certa chega a ser desconcertante a eficácia do sistema. Todos os MY2002 possuem jantes 17 e albergam travões maiores. Algumas versões especiais como as Inspiration ou Special Edition incluem travões dianteiros Brembo de 344 mm provenientes do ML 500.

Este ML nasce para oferecer uma experiência mais suave e apelativa para um uso quotidiano, combinado o conforto com a versatilidade de um TT, mas acrescentando-lhe uma extrema simplicidade de condução mercê de todos os recursos mecânicos e electrónicos que apresenta. Dinamicamente este ML permite imprimir ritmos rápidos sendo que o chassis não é dos mais desportivos mas permite tirar algum sumo deste motor. Ponto negativo para a desmultiplicação exagerada da direcção assim como a acção lenta da mesma. De resto viagens longas em família em estrada e fora dela são um prazer difícil de obter com outras viaturas, sem dúvida este modelo é uma excelente opção tendo sempre em conta o historial de manutenção. Para terminar e aguçar ainda mais o apetite a lista de equipamento de série que também foi reforçada no MY2002: além de todos os sistemas acima descritos como ESP, ABS, EBV, BAS, 4Matic, incluí faróis de nevoeiro, apoio de braços à frente e atrás, barras no tejadilho, filtro de habitáculo, cintos de segurança de 3 pontos em todos os lugares, 2º fila de bancos reguláveis, jantes de liga leve 17”, retrovisores elétricos aquecidos e rebatíveis, reconhecimento da ocupação do banco do acompanhante, Cruise Control + Limitador de velocidade, 4 vidros elétricos, ar condicionado automático, com comandos independentes para frente e traseira, autorádio leitor de CD, – Indicador de revisões Assyst Plus, tomadas de 12volts, à frente atrás e no meio, roda suplente, direcção assistida, fecho automático das portas, argolas de fixação da carga na bagageira e habitáculo, rede separadora de carga, etc.

Em opção era possível “derreter” uns quantos euros no sistema de navegação, rádio e telefone com pré instalação de TV com a aquisição de uma unidade Command 2.0, além de outros equipamentos como, o alarme, volante e punho da caixa em pele, caixa automática sequencial, sensores de estacionamento, luzes de iluminação de saída nas portas, luzes interiores de iluminação de piso, costuras dos bancos em linha branca, tapetes personalizados, bancos em pele, bancos elétricos, bancos memórias, espelhos retrovisores interiores e exteriores antiencandeamento, bancos desportivos, faróis bi-xénon, computador de bordo e indicadores multifunções, pintura metalizada, tecto de abrir elétrico, tecto panorâmico de abrir em lamelas, suporte de roda exterior, estribos, 3ª fila de bancos, bola de reboque, assentos dianteiros aquecidos, side-bags, sistema de som Bose, etc.Sem dúvida um pacote de deixar água na boca.

Texto e fotos: Alexandre Carvalho

Canal Youtube
Facebook

[smartslider3 slider=21]

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Usados

Land Rover Defender 90 TD5 – Nascido para o TT

Published

on

Numa altura em que muito se fala do novo Land Rover Defender 2020, mas ainda pouco se viu na prática, as vozes mais puristas fazem-se ouvir. Contudo esta é a altura ideal para relembrar um modelo que preenche o imaginário de muitos, de saber o que ainda representa a palavra “Defender” no universo dos verdadeiros puros e duros.

Mesmo para os menos atentos desta vertente automobilística, é difícil não o identificar de imediato como um profissional do todo-o-terreno. Atingiu o estatuto de icónico e até de clássico. Obviamente que o Defender sempre teve uma gama para uma utilização profissional. Contudo, rapidamente se transformou num modelo de referência para os entusiastas do todo-o-terreno mais duro e das viagens em autonomia ou Overland.

Basicamente, em 70 anos de vida. Sim, 70 anos, e mais de um milhão de unidades vendidas, a filosofia do modelo sempre se manteve. A história da Land Rover começa pouco depois do final da 2ª Guerra Mundial. Inglaterra precisava de um veículo que pudesse ajudar nos trabalhos agrícolas, circular com cargas fora de estrada e toda uma série de necessidades daquela altura, só possíveis de realizar com um veículo todo-o-terreno. Veículo esse que bebeu muita da sua inspiração no Jeep original, usado especificamente pelos Aliados na já referida 2º Guerra Mundial. Apesar de ser um veículo rude, começou a ter um público que não era de todo o seu alvo, mas permitiu ao modelo crescer em notoriedade. Celebridades como Paul McCartney, Steve McQueen e também a Rainha Elizabeth deixavam-se fotografar ao volante dos seus LR Series. Isso permitiu que o modelo crescesse também em popularidade, tornando-se no fenómeno que é hoje. Por outro lado, as aventuras realizadas pela marca como o Camel Trophy trouxeram-lhe a reconhecida imagem de TT puro e duro perante público em geral. Um clássico já com o seu lugar assegurado na história automóvel. Até porque não é um qualquer todo-o-terreno que fica no ativo décadas a fio. Isto só é possível por uma questão de confiança, difícil de obter nos veículos mais modernos. O LR Defender 90 foi concebido a pensar na utilização profissional e é sem dúvida alguma um dos modelos de jipes mais aptos para tal. Podem ser vistos modelos destes espalhados um pouco por todo o mundo, ao serviço de exércitos, ONGS, Forças da Paz, Polícia, Bombeiros, Serviços Camarários, Assistência auto, etc, etc. Atividades que necessitam de um veículo que possa rolar fora de estrada com pessoas e mercadoria com todas as garantias.

A nível estético as linhas direitas, ângulos retos e arestas vivas, dão uma sensação de robustez e fiabilidade, tão de agrado dos mais puristas. Contudo estas formas, acima de tudo visam dotar o veículo de ângulos e capacidades trialeiras bem acima do normal e também manter um custo de produção mais baixo em relação aos painéis mais elaborados. Painéis esses feitos em alumínio, uma mais valia contra a corrosão. Contudo convém não descurar este ponto numa unidade usada, visto que toda a estrutura e algumas partes da carroçaria incluem o normal aço estampado, que sendo exposto pode ter pontos de corrosão em sítios não visíveis numa primeira observação. A nível de versões existiam várias possibilidades, estando desde sempre associadas ao tamanho do chassis. Os mais utilizados eram os tamanhos 90, 110 e 130. Este valor representava a distância em entre eixos das diferentes versões, distância essa medida em polegadas. Obviamente em cada uma das versões existiam carroçarias fechadas (hard top), abertas (soft top), pickup, etc, etc. Nestas 7 décadas que esteve no ativo, como já escrito pouco mudou no conceito original. Mas obviamente para o Defender se manter vivo foi preciso sofrer alterações, até aquilo que conhecemos hoje. Os motores diesel foram mais que muitos, contudo aquilo que fez dele o que era, não mudou. O chassis em travessas de aço e longarinas soldadas, as molas helicoidais em ambos os trens, sendo o traseiro completado por um triângulo central posterior que une o eixo ao chassis, em conjunto com 2 eixos rígidos, tração permanente 4×4, caixa redutoras e bloqueio do diferencial central, ângulos de desempenho TT muito acima da média davam-lhe uma mobilidade no terreno muito acima do que normalmente os seus proprietários precisavam. ngulo de ataque: 51º, Saída: 53º, Ventral 39º. Obviamente o conforto não era palavra de ordem nesta viatura, até porque na sua grande maioria, estava capacitado para levar carga e isso influenciava desde logo a taragem das molas.

Não existiam no mercado muitos veículos capazes de acompanhar o Defender no fora de estrada, tal e qual como saiam dos concessionários. Daí que a sua reputação não seja uma ação de marketing tão em voga nos Suvs e Crossovers de hoje em dia, mas sim porque é um veículo com substância, também se assim não fosse não estaria aqui com esta conversa toda.
Sobre o habitáculo não há muito a dizer: interior espartano, funcional e com o mínimo indispensável, plásticos rijos, possibilidade de lavar o piso à mangueirada e está tudo dito. Interior rústico para completar a estética exterior e poucas opções tirando o AC e pouco mais. Pelo contrário, a nível de acessórios, este modelo sempre contou com uma grande linha de oferta da própria marca: para-choques, guinchos, coberturas de bancos, jantes, pneus, etc.

Um dos motores mais reputados é o 5 cilindros turbo diesel intercooler, mais conhecido por TD5. Motor que introduziu a eletrónica no Defender. Conta com 2495 cc, 122 cv às 4000 rpm e 300 Nm de binário às 1950 rpm. Tem intervalos de manutenção de 20.000 kms e já tem diversos componentes eletrónicos. Dos quais se destaca o acelerador eletrónico, o sistema ASC (Anti Shunt Control), que compensa perdas de regime nas passagens de caixa, entre outros. Alguns, não de muito agrado dos puristas, mas sem dúvida um motor muito superior em todos os aspetos relativamente aos anteriores 200 e 300 TDI. O motor está associado a uma caixa manual de 5 velocidades e a uma caixa de transferências. A nível de travagem discos dianteiros ventilados e discos maciços na traseira. O sistema poderia ser completado em opção por um controlo de tração conhecido como ETC (Electronic Traction Control), bastante eficaz nos cruzamentos de eixos mais abusados, mas opção que não estava na prioridade dos proprietários na altura.

Obviamente evoluir fora de estrada com o Defender tem sempre um encanto inegável e mesmo quando não se põe à prova todo o hardware, faz-nos sentir bem, talvez por algum romantismo associado a ir ao volante de uma máquina como já não se fazem. Contudo o Defender engole qualquer obstáculo com toda a naturalidade. Copia o terreno muito bem com as suas suspensões de longo curso e mesmo nas trialeiras mais duras não há o que recear. Onde a grande maioria dos jipes contemporâneos do Defender, deixaria uma boa parte de plásticos arrancados, o Defender passaria com certeza com um ou outro toque numa longarina ou para-choques em ferro. Tirando as abas das rodas em plástico, este é material que não abunda no exterior do Defender, garantido a sua integridade nas piores condições por muito e muito tempo. Contudo o Defender acima de tudo é um veículo de trabalho, mas talvez seja isso que atrai tanta gente! Sendo desprovido de muitos itens é neste limiar que as preparações mais extremas de TT começam a fazer sentido. Ou seja, é nessa altura que os proprietários sonham em instalar acessórios conforme o seu gosto: bloqueios de diferencial, guinchos, roll-bars, snorkels, pneus e jantes de dimensões consideráveis, etc, etc. Existe de tudo para transformar este Defender num profissional do todo terreno e das viagens em autonomia.

Se pensa em comprar uma unidade usada vá amealhando bem. Os valores podem chegar a ser pornográficos. Se isso é 100% justificável? Talvez não, mas é um modelo que irá sem dúvida manter o seu valor e ter pouca desvalorização com o passar dos anos. Quanto a problemas, o TD5 tem alguns bugs, mas claramente já identificados por todas as oficinas que normalmente assistem estes modelos, apesar disso é um motor fiável. Se a ideia for equipar o jipe com pneus maiores, bloqueios, guinchos, convém rever o amortecimento de série e possivelmente reforçar os semieixos originais. O material Land Rover, pelo menos para os jipes desta época é bastante barato quando comparado com os seus congéneres japoneses. Existe muita oferta na internet e claro está os sites ingleses oferecem de tudo. Vamos ver o que irá acontecer com o Brexit e se isso terá impacto nos preços do material importando diretamente do Reino Unido.

Em todo o caso, quem procura um Defender, procura um veículo distinto e que rompa com o panorama atual. É com certeza um dos últimos jipes em que o conceito original dos veículos todo terreno não foi minimamente adulterado. Será com certeza numa outra vertente que não a do TT um excelente veículo clássico. Existem unidades que vão nesse sentido até porque existem algumas séries especiais nos últimos anos de vida que serão com certeza alvo de valorização futuras, nomeadamente o Defender works V8 70th Edition, lançado pela divisão LR Classics em 2018. Seja qual for a versão será sempre uma boa aposta.

 

Texto e fotos: Alexandre Carvalho

Para mais sobre TT siga o canal youtube EspiritoTT

Continuar a ler

Usados

Embrulhe a sua chave para não ser clonada

Published

on

Os ladrões conseguem copiar o seu comando à distância com muita facilidade. Já não precisam forçar fechaduras para levarem o seu carro em pouco menos de 60 segundos.

São cada vez mais os carros que usam o sistema de chave Keyless que também ativa a ignição… e os ladrões adoram. Todos os carros que arrancam com o pressionar de um botão de Start são possíveis vítimas deste tipo de roubo.

Atualmente os ladrões de automóveis são bem diferentes dos de antigamente que forçavam fechaduras e faziam ligações diretas. Os novos ladrões de automóveis são equiparados a hackers e limitam-se a estar perto de si (sem que se aperceba) no momento em que a sua chave/comando comunica com o carro, copiando o código de acesso que lhes permitirá levar a viatura quando estiver longe dela.

As Faraday Bags são uma forma de evitar a clonagem das chaves.

Os especialistas em cibersegurança deixam algumas recomendações aos proprietários, sendo a principal a possibilidade de envolver o comando em papel de alumínio. Desta forma o sinal emitido fica mais fraco e só funciona dentro do carro, ou seja, onde é realmente necessário. Desta forma os ladrões não conseguem captar o sinal, a não ser que se encostem ao automóvel.

No entanto, os ladrões utilizam equipamentos que recolhem a grande distância os códigos das chaves, mesmo quando estas estão dentro de casa, clonado depois o código para aceder ao veículo.

Atualmente já se encontram no mercado bolsas específicas para todo o tipo de chaves (procure por exemplo Faraday Bags) que tornam a tarefa dos bandidos mais dificultada.

Os construtores de automóveis também já despertaram para este problema e estão a desenvolver sistemas mais fechados de comunicação entre a chave e o carro.

Veja o vídeo e confirme como é fácil a clonagem das chaves.

Continuar a ler

Usados

Nissan Patrol GR Y60 2.8 TD – O mais desejado

Published

on

Tal como os concorrentes, Mitsubishi Pajero e Toyota Land Cruiser, também o Nissan Patrol nasceu da necessidade do exército japonês possuir veículos que lhes permitissem circular por todo o território japonês, bastante montanhoso por sinal, assim como assistir o país nas mais variadas frentes das guerras que travou.

Como tal, em 1951 nasce o primeiro modelo desta saga conhecido como Datsun Patrol com a designação 4W60. Contava já com um motor de 6 cilindros em linha a gasolina com 3670 cc e cerca de 85 cv.

Em 1959 nasce o Patrol G60 que equipava uma evolução do anterior motor elevado a 3900 cc, 130 cv às 3600 rpm e um binário máximo de 290 Nm às 1600 rpm, valores de referência nessa época.

Entre 1980 e 1989, assistimos à 3ª geração do Patrol com o modelo 160, que mudava radicalmente de aspeto, contado com linhas direitas quadradas. No Japão, a versão longa assumiu o nome de Safari. Equipou variadíssimos motores e foi inclusive fabricada anos a fio em Espanha na Nissan Motor Ibérica, tendo ainda se chamado durante algum tempo “Ebro Patrol”. Em 1987 aparece a geração Y60, mais à frente analisada e entre 1997 e 2013 temos Patrol Y61. Atualmente continua a saga com o Patrol Y62, apenas conhecido pelos australianos, países do Far-East e no continente Americano, nomeadamente Estados Unidos também conhecido por Nissan Armada e Infinit QX80 (Infinit é a marca de luxo da Nissan nos Estados Unidos, à imagem do que a Toyota faz com a Lexus).

Mas voltando novamente ao Nissan Patrol Y60 ou Patrol GR como a maioria o conhece pelas suas siglas míticas que significam Grand Raid. O Y60 também chegou a chamar-se Ford Maverick no mercado Australiano, existiu um Ford Maverick na Europa, mas era o irmão gémeo do Nissan Terrano II, nada a ver com esta ligação. Ambas as marcas tinham uma parceria neste campo e nestes dois modelos conforme os mercados e interesses comuns. Em todo o caso, de Ford só mesmo o símbolo nas grelhas dos referidos modelos.

Adiante… O Y60 no seu lançamento contava com uma versão curta e uma versão longa. Foram desenvolvidas também versões de teto elevado e também versões pick-up para os mercados australianos e de Far-East, sendo estas últimas um verdadeiro deleite para os puristas, juntando num só veículo a possibilidade de uso profissional e capacidades surpreendentes em todo terreno.

A nível de motorizações, o Nissan Patrol GR Y60 equipava conforme os mercados os seguintes motores: RB30s: um 6 cilindros em linha a gasolina, com uma árvore de cames, de 2962cc de 130cv às 4800 rpm e 224Nm às 3000 rpm e 2 motores código TB42, o S com 165cv e o E com 178cv ambos a gasolina e também com 6 cilindros.

No caso do diesel, equipava inicialmente um motor diesel de 4200cc de 6 cilindros em linha naturalmente aspirado com 123cv e 273 Nm às 2000 rpm e mais tarde um Turbo Diesel de 143cv às 4000 rpm e um binário máximo de 330 Nm às 2000 rpm. Mas o que se pretende saber é do RD28T. Um Turbo Diesel de 6 cilindros em linha e 2826cc, uma árvore de cames à cabeça, duas válvulas por cilindro, injeção indireta e turbo Garret T25, refrigerado por líquido. Tinha de origem uma potência máxima de 115 cv às 4400 rpm e um binário máximo de 240 Nm às 2400 rpm. A relação peso/potência era de cerca de 15,9 kg /cv. A versão curta acelerava até à velocidade máxima de 155 km/h, cumprindo os 0-100 km/h em 15s. Como tal e apesar de ser um motor algo lento desde o ralenti tinha uma excelente resposta acima das 2000/2200 rpm, subindo alegremente de rotação. A juntar a isso os seus 6 cilindros emitem uma sonoridade difícil de igualar mesmo para as mecânicas atuais. O som é simplesmente delicioso de se ouvir! A suspensão do Patrol GR Y60 era um dos pontos fortes do modelo e representou a maior alteração quando a série 260 deixou caminho aberto para o Y60.

O esquema de suspensão é composto por eixos rígidos em ambos os trens e diria que são quase de nível militar, tal a sua robustez. Os eixos são suportados por tirantes longitudinais que se fixam ao chassis de travessas e longarinas em aço soldadas, contando ainda o eixo traseiro com uma barra panhard. Ambos os eixos equipam molas helicoidais e barras estabilizadoras. Mesmo assim têm um curso de suspensão de fazer inveja a qualquer outro modelo da “praça”.

As vias aumentaram até aos 1,53m, que lhe conferia uma estabilidade e motricidade imbatível em qualquer situação, mesmo em estrada, além, claro está, do conforto proporcionado por este sistema, é um atleta nato dos trilhos offroad. Ambos os eixos equipam discos ventilados em ambos os trens, 295 mm à frente e 316 mm atrás.

No caso das transmissões pode-se dizer que equipa um sistema clássico. Conta com uma caixa de 5 velocidades, de acionamento preciso, silencioso e bem sincronizado como é apanágio dos japoneses, associada a uma caixa redutora de duas relações. Tem tração permanente apenas no eixo traseiro, sendo o dianteiro inserível por alavanca. A passagem de 4×2 a 4×4 pode ser feita em andamento mas a baixas velocidades, cerca de 30 km/h. Além disso possuí um sistema de cubos de roda livre no eixo dianteiro com uns sincronizadores que permitem um uso 4×4 mais ligeiro e outro que, com a chave das rodas, pode ser completamente bloqueado evitando falhas de engrenagem típicas dos cubos automáticos que quando em manobras em que se avança e recua continuamente num obstáculo mais difícil, os cubos tendem a desengrenar-se momentaneamente. O esquema fica completo com um diferencial de deslizamento limitado no eixo traseiro ou então equipa um bloqueio a 100% também no eixo traseiro.

Em Portugal, e visto que a maioria das unidades foram adquiridas no mercado paralelo fora dos concessionários oficiais, muitas das unidades não têm bloqueio traseiro. Este esquema de transmissão sem diferencial central não permite usar o 4×4 em asfalto seco, correndo-se o risco de danificar o sistema. Deverá somente ser usado em pisos escorregadios e fora de estrada.

Depois de falarmos do que não se vê à primeira vista passamos para aquilo que mais chama a atenção neste GR. O seu aspeto imponente assusta o mais incauto por onde passa. A versão curta mede 4,24 mt, tem 1,8mt (1,93mt com os espelhos !!!!) de largura e 1,79 metros de altura e pesa qualquer coisa como 1940 kg.  É um monumento às linhas quadradas, apesar da largura ter melhorado face ao anterior modelo, o interior não é tão espaçoso como se poderia pensar, até porque o acesso aos lugares traseiros, como todos os jipes 3 portas da sua época, é pouco prático, contudo, deixamos isso para a versão longa. As linhas do Y60 em si pouco mudaram face ao 260, mas os alargamentos tornaram-no um pequeno big-foot. Este GR de 3 portas, 4 se contabilizarmos que o portão traseiro que é divido em duas folhas assimétricas verticais, tem um aspeto forte, agressivo e musculado.

Olhando para o que foi a carreira comercial do modelo em Portugal, apenas em 1995 o Entreposto disponibilizou este modelo entre nós. Contudo, nessa altura já muitas unidades rodavam nas nossas estradas e trilhos, fruto da importação paralela. Ou seja, quando o modelo Y60 2.8 TD chegou a Portugal já levava quase seis anos no ativo no mercado europeu. No mesmo ano a Nissan por mão do Entreposto, disponibilizou também a versão de 5 portas e 7 lugares. A nível de preços pelo curto eram pedidos 6820 contos e pelo longo 7445 contos. Tirando a cor pouco mais existia de opções a considerar no modelo. Não era caso para se pensar que o modelo não estava bem equipado. Muito pelo contrário, pois os modelos oficiais já contavam com: ar condicionado, vidros elétricos, direção assistida, auto-rádio, voltímetro, inclinómetro, altímetro, manómetro de pressão de óleo, relógio digital, retrovisores elétricos, bancos reclináveis, antena elétrica, volante regulável em altura, fecho centralizado, etc.

O interior era bem acabado e, tal como no exterior, o interior primava pela existência de linhas quadradas, que contribuíam para uma boa ergonomia e arrumação de toda a instrumentação. Só a posição da alavanca das redutoras parece desfasada face à consola central… parecendo que alguém se enganou nas medidas, mas nada de mais. Criticável poderá ser também a posição do comando dos vidros elétricos nas portas que roubam algum espaço às pernas.

Este modelo e tirando raras exceções, será escolhido primordialmente por quem quer efetuar todo o terreno já com alguma dificuldade. Tal como vem de série este GR Y60 2.8 TD apresenta um conjunto muito robusto, um motor que nas primeiras rotações chega a ser penoso, mas acima das 2200 rpm mostra todo o seu vigor, isto associado à suspensão equilibrada, excelente estabilidade e excelente curso da suspensão permite e quando equipado com uns pneus Mud-Terrain, levar o seu dono por montes e vales com toda a segurança. É preciso tomar atenção pois de série os 29º de ângulo de saída, ou os 22 cm de distância ao solo poder-nos-ão deixar encalhados quando menos se espera. A zona traseira é muito exposta a pancadas, seja na traseira seja na lateral traseira, como tal, por norma, qualquer preparação nestes modelos começa com a alteração da suspensão com a substituição das molas originais por umas molas helicoidais de maior curso e respetivos amortecedores.

O motor por norma também é alvo de mexidas pelos experts (e já existem alguns de renome pelo país fora) que retiram mais sumo e binário em baixas deste motor RD28T, contudo não é um motor isento de problemas. O mesmo sofre de um problema de arrefecimento do 6º cilindro e existem e são conhecidas soluções que visam evitar danos maior no motor e resolver este erro de conceção do motor. Como tal, esta operação de “puesta a punto”, como dizem os espanhóis, é ideal para quem quer outros andamentos para o seu jipe mantendo a fiabilidade. Contudo, quando se começa a preparação de um modelo destes o mais difícil é parar. São modelos conhecidos também por Money-pits, pois são muitos os casos em que os equipamentos extra superam em grande medida o valor da viatura em si. Talvez esta seja a maior façanha deste modelo que é agradar a gregos e a troianos e permitir uma evolução quase sem fim das capacidades offroad. É uma das melhores bases para se investir numa preparação séria para uso offroad. Para os que pretendem ir por este caminho, deixo aqui uma nota para que se informem bem sobre as alterações que pretendem efetuar e o enquadramento legal das mesmas para não terem problemas com as autoridades. Depois disso irão usufruir sem dúvida de um dos melhores todo terreno alguma vez construído e acessível à maioria dos mortais.

Texto: Alexandre Carvalho

Canal Youtube: https://www.youtube.com/user/TerranoII/

Fotos: J.P. Canta

[smartslider3 slider=22]

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Newsletter

Em aceleração