Vai de viagem? Prepare bem a bagagem! – Motorguia
Ligue-se connosco

Manutenção Motos

Vai de viagem? Prepare bem a bagagem!

Published

on

Viajar de moto é um dos grandes prazeres que esta máquina de duas rodas proporciona, mas, uma das suas limitações óbvias é a capacidade de transportar bagagem. Além de haver soluções para resolver esse dilema, também há elementos essenciais que deve ter sempre à mão quando vai de viagem na sua moto.



As opções para aumentar a capacidade de transportar bagagem numa moto são várias e as opções mais utilizadas são:

Top Case – É a solução mais comum e utilizada. Colocada na traseira da moto atrás do banco e fixa numa calha própria esta mala, normalmente em material rígido, tem a vantagem de não aumentar a largura da moto, assegurar uma boa proteção para o que é transportado e nalguns casos até serve de apoio de costas para quem viaje sentado atrás do motociclista.

Malas laterais e alforges – Colocadas atrás e lateralmente, as malas laterais e os alforges oferecem mais algum volume disponível para arrumar bagagem, mas ao mesmo tempo podem “obrigar” a algumas contas de cabeça no meio do trânsito por aumentarem a largura da moto. As malas são normalmente feitas em material rígido, ao passo que os alforges são mais flexíveis, têm uma maior variedade de tamanhos, são mais leves, mas não garantem a mesma proteção dos objetos transportados como as malas pois além da sua solidez, também têm sistemas de fecho e segurança melhores.

Mochilas – Um clássico para aumentar a capacidade de transporte quando viaja de moto é ter uma mochila e atafulhá-la até mais não. De preferência convém que seja impermeável e que tenha vários pontos de fixação ao corpo para não incomodar a velocidades de cruzeiro. Se tiver várias bolsas de fácil acesso, melhor ainda. Pode ser usada às costas ou num estilo mais “custom” ou “easy rider”, se preferirem pode ser bem fixa ao apoio de costas do banco traseiro da moto, o normalmente apelidado “sissy bar”, libertando assim um pouco mais o motociclista.

Bolsa do depósito – Com tamanhos variados, a bolsa de depósito é uma espécie de mochila que é fixa ao depósito. Convém que também seja impermeável e que o seu tamanho não seja exagerado de maneira a não perturbar os movimentos do guiador ou a leitura dos instrumentos da moto. O motociclista tem de ter toda a amplitude de movimentos, a visibilidade e o conforto mesmo com esse volume extra colocado à sua frente. Por isso é preciso escolher bem e ponderar a necessidade com a funcionalidade.

O que deve levar sempre

Dentro destas soluções de transporte há elementos que pelo sim, pelo não, o motociclista deve sempre transportar de forma a garantir uma melhor segurança e conforto:

Impermeável – Nunca se sabe quando o tempo muda de repente e depois de uma troço com um sol agradável pode sempre ser surpreendido por uma chuvada que ninguém previa.

Ferramentas – Nem que seja um pequeno conjunto de ferramentas num simples estojo, deve sempre ter as ferramentas básicas numa viagem. Nunca se sabe quando algo inesperado pode acontecer e por vezes é de simples resolução, mas sem a ferramenta certa pode significar uma paragem longa e uma assistência desnecessária.

Água – Tenha sempre uma garrafa de água disponível. As viagens, especialmente no verão, facilmente provocam desidratação e por isso convém beber água pois além de matar a sede e assegurar o conforto no trajeto também garante que tem sempre os sentidos apurados e com isso marca pontos na segurança. Se acrescentar umas barras de cereais à água também garante que a fome não o incomoda.

Soluções de fixação – Sejam elásticos, redes ou cintas, tenha sempre pelo menos uma solução extra de fixação. Nunca se sabe quando algo se parte numa mochila ou se algum volume foi mal fixo no início da viagem e precisa ser mais bem acondicionado.

Calções ou fato de banho – Nunca se sabe quando encontra aquela praia idílica ou aquela piscina irresistível e apetece refrescar depois da viagem. Ocupa pouco espaço e não se arrependerá de ter deixado os calções ou o fato de banho em casa.

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Manutenção Motos

Os riscos da condução em cidade

Published

on

Conduzir uma moto já obriga a uma atenção redobrada e um enorme foco na estrada e no ambiente rodoviário e se a isso somarmos um ambiente urbano, então é preciso ainda mais cuidado pois os riscos aumentam devido ao maior número de fatores e de imponderáveis que tem este ambiente rodoviário. alguns dos quais passamos aqui a enumerar.



Sinalização horizontal

Começamos por um dos elementos mais comuns nas ruas de uma cidade, a sinalização horizontal pintada no asfalto: as passadeiras, os traços contínuos ou descontínuos ou as setas de sentido ou de mudança de direção. Todos estes elementos são pintados no asfalto e a sua superfície não tem a mesma aderência que o alcatrão. Logo quando os pneus de uma moto passam por cima desta sinalização há um maior risco de perda de aderência o que se torna complicado se tiver de mudar de direção, travar e mais grave ainda se estiver a chover. Evite sempre passar por cima desta sinalização quando o piso está molhado e tenha um cuidado redobrado com travagens ou acelerações nessas circunstâncias.

Elementos metálicos

As tampas de esgoto ou as tampas de inspeção que se encontram nas ruas são também elas um risco pois, tal como a sinalização horizontal pintada no asfalto, também estas tampas têm menos aderência e pode ser escorregadias para os pneus da moto. A juntar a estes elementos também podemos acrescentar as juntas de dilatação das pontes ou das vias rápidas com as quais é preciso ter o mesmo tipo de cuidado. Se falarmos mais uma vez de dias de chuva o risco aumenta substancialmente, até porque se forem chuvas torrenciais pode dar-se o caso das tampas de saneamento saírem do seu lugar deixando um buraco de dimensões consideráveis e altamente perigoso se estiver dissimulado e “escondido” debaixo de água.

Água e outros líquidos

Além da chuva também os sistemas de rega das zonas verdes das cidades podem ser um perigo. Primeiro porque fazem quase o mesmo efeito na estrada que a chuva, ou seja, o piso molhado tem menos aderência e fica mais escorregadio e depois porque o motociclista não está à espera porque regar as zonas verdes é algo mais comum fora da época das chuvas e por isso ele não espera encontrar o piso molhado. Além da água também é preciso estar atento a derrames de óleo ou combustível na estrada, especialmente se circula nas imediações de um posto de abastecimento.

Carris do elétrico

Os carris do elétrico são dos elementos mais perigosos em ambiente urbano. Naturalmente já são um ponto de pouca aderência para os pneus e se chover é pior ainda. Para algumas motos com medidas de pneu mais reduzidas (como algumas scooters) acresce ainda o perigo do pneu “engatar” no carril e prender o que é meio caminho andado para uma queda séria.

Ruas de calçada

A utilização de calçada de pedra no pavimento é algo habitual nas cidades e por isso quem anda de moto deve ter especial atenção pois os pneus têm menos aderência na calçada do que no asfalto. Novamente se já é assim em seco, então quando chove, ou até mesmo com a humidade da manhã, é preciso ter ainda mais cuidado.

Piso em mau estado

O enorme fluxo de trânsito de uma cidade faz com que as vias sofram mais do que o normal e por isso o surgimento de buracos é uma constante e em zonas onde circulam veículos pesados é normal que a via comece a ficar com sulcos profundos onde passam os rodados dos camiões. Tudo isto é um risco para o motociclista. Os buracos podem causar ressaltos e além de danos na moto podem provocar quedas e as inclinações dos sulcos também complicam a condução. Nalgumas zonas a própria sujidade, poeiras ou gravilha acumuladas numa curva, por exemplo são elementos que facilmente provocam uma queda pois os pneus resvalam e perdem aderência com enorme facilidade.

Claro que em todas estas circunstâncias é essencial que o motociclista circule com o equipamento de segurança adequado, ou seja, o capacete, obviamente, mas também as luvas, o blusão e calçado protetor. São os elementos mínimos para garantir o mínimo de segurança em caso de haver algum “azar”.

Continuar a ler

Manutenção Motos

Como melhorar a sua condução na moto

Published

on

Conduzir uma moto é um prazer e uma tarefa exigente aos mais variados níveis. Para melhorar o seu domínio da moto há várias opções para que possa apurar o seu controlo da máquina e o seu comportamento na estrada, o resultado será sempre um maior conhecimento e isso será sempre sinónimo de uma maior segurança e confiança com a sua moto.



Conduzir uma moto é sempre um permanente processo de aprendizagem, seja o motociclista recém encartado ou um experiente viajante com muitos anos de estrada em duas rodas. Além de toda a experiência que dão os quilómetros feitos na estrada, há sempre formas de melhorar a condução e o domínio de uma moto apetrechando o motociclista com mais ferramentas para melhor lidar com a máquina e com os mais variados desafios que andar de moto coloca a quem vai aos seus comandos.

Aqui ficam alguns conselhos para melhorar a condução de moto:

Cursos de condução

Mesmo depois de tirar a carta de moto o motociclista deve continuar a melhorar a sua técnica e à vontade no domínio de uma moto. Há várias entidades que proporcionam cursos de condução avançada onde poderá aprender mais com formadores especializados, aprendendo várias dicas de segurança ou de controlo por exemplo. Tudo isso feito num ambiente controlado e com exercícios específicos que simulam situações desafiantes para o motociclista.

Pratique manobras a baixa velocidade

No meio dos motociclistas é normal ouvir a frase “desde a escola de condução nunca mais fiz um oito”. O “oito”, essa manobra essencial para passar no exame da carta de condução e que serve para testar o domínio da moto por parte do motociclista. Volte a fazer “oitos”. Num tempo que tenha disponível vá até um parque de estacionamento com espaço e em segurança volte a testar a sua destreza e domínio em manobras de baixa velocidade como um “oito” ou uma inversão de marcha. Aproveite e convide um amigo para tornar o desafio menos solitário e mais divertido.

Track-day ou todo-o-terreno

Variar de forma “quase radical” as circunstâncias em que anda de moto vai levar o seu conhecimento ao extremo e apresentar-lhe situações novas que farão com que saia da sua zona de conforto e com isso ampliar o seu conhecimento da dinâmica e comportamento de uma moto (quiçá a sua se for possível utilizar a sua moto). Por isso experimentar conduzir num track-day, experimentado a realidade de uma pista, ou fazer um curso de condução fora de estrada, onde terá de lidar com as dificuldades de pisos sempre a mudar, são ótimas oportunidades para alargar o seu conhecimento e experiência. Sair do conforto dos trajetos conhecidos, ou do ambiente de viagem em auto-estrada sempre igual, irão ajudá-lo a ser um melhor motociclista.

Volte a conduzir com todos os preceitos

A condução de uma moto de forma regular pode criar um conjunto de “maus hábitos”. Para que estes não se tornem um problema para a sua condução tire um dia para conduzir como se estivesse no exame de condução. Com todos os cuidados, verificando os ângulos mortos olhando por cima do ombro, nunca falhando nenhum pista, antecipando reações, usando bem os espelhos. No fundo meta na cabeça que nesse dia vai tentar conduzir de forma 100% correta. Depois de cada cruzamento, mudança de faixa, ultrapassagem, ou qualquer outra manobra faça uma auto-crítica e veja se fez tudo corretamente ou se podia melhorar algum aspeto nessa manobra.

Comente a sua condução

Comentar a sua própria condução, quase como se fosse um relato de futebol, pode parecer estranho, mas é um truque que fará com que não conduza em modo “piloto-automático” em que o motociclista reage mecanicamente mas a cabeça está noutro lugar que não na condução. “Curva ligeira à direita, baixar uma mudança, travar ligeiramente, definir a trajetória, negociar a curva, agarrar a moto com a aceleração”. Este “relato” de uma curva é um exemplo do que pode fazer mentalmente e ao fazê-lo estará totalmente focado na moto, na estrada e no ambiente rodoviário que o rodeia, o que melhorará os seus índices de concentração no próprio processo de conduzir.

Continuar a ler
Publicidade

Publicidade

Newsletter

Ultimas do Fórum

  • por Lacatus
    Na semana passada recebi um telefonema de um senhor a indicar que tinham começado obras junto do local onde tinha o carro estacionado e que...
  • por DanielDima17
    Boas malta, Atualmente tenho um hyundai accent gls de 1999, o carro já está bastante velho e desgastado, usei este carro após tirar a carta...
  • por Gralha03
    Como alguns sabem tenho um Citroën AX 1.5D 5 portas, que inicialmente saiu com motor 1.4D. Sempre achei a travagem fraca então decidi investigar...
  • por insyspower
    Boa tarde, Não passei na inspeção tenho os problemas descritos na foto: Diferença da eficiencia do amortecimento entre o lado esquerdo e lado...

Em aceleração