Medidor de massa de ar (MAF – Mass Air flow Sensor): funções, avarias e prevenção de problemas – Motorguia
Ligue-se connosco

Manutenção

Medidor de massa de ar (MAF – Mass Air flow Sensor): funções, avarias e prevenção de problemas

Published

on

Os motores modernos, sejam a gasolina ou gasóleo, precisam de saber, em tempo real, a quantidade de ar que entra na admissão.
A MAF, também designada por caudalímetro, ou Medidor de massa de ar, é o componente responsável por medir e enviar a informação sobre a quantidade de ar à centralina, sendo imprescindível no cálculo do avanço da abertura dos injetores, volume injectado, pressão da bomba de injeção e pressão do turbocompressor, quando existe.

Como funciona
Um sensor de fluxo de massa de ar com filamento quente consiste num pequeno fio eletricamente aquecido (filamento quente). Um sensor de temperatura instalado próximo ao filamento mede a temperatura do ar.



Quando o motor está ao “ralenti”, uma pequena quantidade de ar flui ao redor do filamento; portanto, é necessária uma pequena quantidade de corrente elétrica para manter o filamento quente.

Quando acelera, a quantidade de ar que flui sobre o filamento quente aumenta, sendp que esta maior quantidade de ar arrefece o filamento.

Quanto maior a quantidade de ar que passa pelo filamento, maior a quantidade de corrente elétrica é necessária para o manter quente. A corrente elétrica necessária para manter a temperatura do filamento é proporcional à quantidade do fluxo de ar.
A centralina usa a informação proveniente da MAF para calcular a quantidade de combustível a injetar. O objetivo é manter a proporção ar / combustível no nível ideal.

Sintomas da MAF avariada
Um sensor de fluxo de massa de ar contaminado ou com falha não consegue medir com precisão a quantidade de fluxo de ar corretamente, o que faz com que o computador do motor calcule mal a quantidade de combustível injetado.

Como resultado, temos vários problemas, tais como:

  • dificuldade em colocar o motor a trabalhar
  • paragem do motor
  • perda de potência
  • baixa aceleração.

Além disso, a MAF avariada pode acender a luz ou indicador no painel “Check Engine” ou “Service Engine Soon”

Porque avaria ?
Com o tempo, as partículas de poeira e óleo acumulam-se e colam-se ao filamento quente. Eventualmente, essas partículas acabam por isolar o filamento da corrente de ar, impedindo dessa forma leituras correctas por parte da MAF.

Como prevenir
Fazer a manutenção a tempo e horas, em particular a substituição do filtro de ar evita que partículas se colem ao filamento.
Existem ainda produtos no mercado (sprays) que permitem a limpeza do filamento , mantendo o mesmo operacional por mais tempo .

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Manutenção

Sabe porque os cães perseguem os carros?

Published

on

É comum circular numa estrada, seja nacional ou local e de repente um cão surgir do nada e começar a correr atrás do nosso veículo, seja ele um automóvel ou uma moto. Sabe porque é que isso acontece?



Esse fenómeno é simples de explicar: trata-se apenas do instinto dos cães de perseguir a “presa” que vão “caçar”. O veículo é o seu alvo e eles perseguem-no. Mesmo que não o apanhem, é irresistível para alguns cães fazê-lo. É instintivo.

Como condutor não há forma de evitar a perseguição, mas se for o dono do animal e este tiver essas tendências de “caçador de automóveis” então pode contrariar este comportamento através do treino.

Treinando o seu cão antes que o momento da perseguição comece, desviando o seu foco, recompensando-o por isso e também. Além disso, reforçando o treino da ordem “fica” pode contrariar o instinto da perseguição. Quando consolidar esta ordem com o cão pode sempre testar e pedir a alguém, amigo, ou familiar que passe com o carro por perto para testar se o seu cão deixou de reagir ao estímulo da perseguição.

Como é natural manter o cão controlado por uma trela vai reduzir o seu raio de ação e ao mesmo tempo mantê-lo junto de si, tornando mais fácil o seu controlo.

Continuar a ler

Manutenção

Como ler o que “diz” um pneu

Published

on

Um pneu contém no seu flanco mais informação do que se espera e saber lê-la pode ser uma ajuda preciosa.



A mais simples e comum é a marcação da dimensão do pneu. Utilizando o exemplo gráfico da imagem abaixo temos um pneu 235/55 R17 99W:

Assim temos a largura do pneu (235), o seu perfil (55), a dimensão da jante (17), o índice de carga (99) e o índice de velocidade (W). Nestes dois índices o valor indicado tem uma equivalência numa tabela de carga e de velocidade que aqui ficam:

Índice de carga:

Índice de velocidade:

Mas a informação no flanco do pneu não se fica por aqui. É normal encontrar a referência “Tubeless” que indica que o pneu não precisa de câmara de ar (caso contrário indicaria “Tube Type”). Além disso existem também as marcações de inverno.

Quando o pneu inclui o símbolo de uma montanha com três picos e um floco de neve no centro, antes da indicação M+S, que significa lama e neve (Mud +Snow), então estamos perante um pneu de inverno testado para condições extremas de neve.

Para saber quando é que o pneu foi fabricado, essa indicação também está na lateral do pneu. Na linha de referências “DOT” os últimos 4 dígitos indicam a semana e o ano em que o pneu foi fabricado.

Este dado é importante pois normalmente são os quilómetros e o desgaste do pneu que dão indicação quando este tem de ser mudado, mas o tempo também é importante pois a borracha perde propriedades com o passar dos anos. Pode dar-se o caso de uns pneus terem feito poucos quilómetros, terem a banda de rolamento quase sem desgaste, mas não estarem em condições pois estiveram muito tempo parados e a borracha “endureceu” perdendo qualidade de aderência ou flexibilidade entre outras.

Continuar a ler
Publicidade

Newsletter

Em aceleração