Ligue-se connosco

Manutenção

Medidor de massa de ar (MAF – Mass Air flow Sensor): funções, avarias e prevenção de problemas

Published

on

Os motores modernos, sejam a gasolina ou gasóleo, precisam de saber, em tempo real, a quantidade de ar que entra na admissão.
A MAF, também designada por caudalímetro, ou Medidor de massa de ar, é o componente responsável por medir e enviar a informação sobre a quantidade de ar à centralina, sendo imprescindível no cálculo do avanço da abertura dos injetores, volume injectado, pressão da bomba de injeção e pressão do turbocompressor, quando existe.

Como funciona
Um sensor de fluxo de massa de ar com filamento quente consiste num pequeno fio eletricamente aquecido (filamento quente). Um sensor de temperatura instalado próximo ao filamento mede a temperatura do ar.



Quando o motor está ao “ralenti”, uma pequena quantidade de ar flui ao redor do filamento; portanto, é necessária uma pequena quantidade de corrente elétrica para manter o filamento quente.

Quando acelera, a quantidade de ar que flui sobre o filamento quente aumenta, sendp que esta maior quantidade de ar arrefece o filamento.

Quanto maior a quantidade de ar que passa pelo filamento, maior a quantidade de corrente elétrica é necessária para o manter quente. A corrente elétrica necessária para manter a temperatura do filamento é proporcional à quantidade do fluxo de ar.
A centralina usa a informação proveniente da MAF para calcular a quantidade de combustível a injetar. O objetivo é manter a proporção ar / combustível no nível ideal.

Sintomas da MAF avariada
Um sensor de fluxo de massa de ar contaminado ou com falha não consegue medir com precisão a quantidade de fluxo de ar corretamente, o que faz com que o computador do motor calcule mal a quantidade de combustível injetado.

Como resultado, temos vários problemas, tais como:

  • dificuldade em colocar o motor a trabalhar
  • paragem do motor
  • perda de potência
  • baixa aceleração.

Além disso, a MAF avariada pode acender a luz ou indicador no painel “Check Engine” ou “Service Engine Soon”

Porque avaria ?
Com o tempo, as partículas de poeira e óleo acumulam-se e colam-se ao filamento quente. Eventualmente, essas partículas acabam por isolar o filamento da corrente de ar, impedindo dessa forma leituras correctas por parte da MAF.

Como prevenir
Fazer a manutenção a tempo e horas, em particular a substituição do filtro de ar evita que partículas se colem ao filamento.
Existem ainda produtos no mercado (sprays) que permitem a limpeza do filamento , mantendo o mesmo operacional por mais tempo .

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Manutenção

Em tempo de férias cuidado com a bagagem

Published

on

A época de verão é tradicionalmente a época das grandes viagens de férias e como tal é sempre uma altura em que acondicionar a bagagem toda no automóvel pode não ser uma tarefa simples. Mas além da vitória de conseguir levar tudo o que é necessário, há que ter em conta alguns cuidados importantes por questões de segurança.



Quando estás pronto para ir de férias e começa a arrumar a bagagem no seu veículo deve ter algumas coisas em consideração:

1 – Não abuse do físico
veja bem o peso de alguns dos volumes e não abuse de esforços ou das suas costas. Se for necessário utilize um troley com rodas para transportar a bagagem de sua casa para o automóvel. Não comece a sua viagem de férias com dores nas costas.

2 – Utilize apenas a bagageira
Se possível deve utilizar apenas o espaço disponível na bagageira do automóvel. Nunca deve colocar objetos em cima ou acima da chapeleira pois estes irão reduzir a sua visibilidade enquanto conduz.

3 – Distribua bem o peso
O equilíbrio do automóvel é importante e já é incómodo suficiente que por causa do peso ele vá mais pesado no eixo traseiro que no dianteiro. Portanto evite desequilibrá-lo também entre o lado esquerdo e o direito. Escolha os volumes mais pesados e rígidos (malas de viagem e afins) para colocar no fundo da bagageira e o mais centrados possível ao meio. Assim consegue minimizar alguma tendência que o carro tenha em estrada para descair para um dos lados e também evita que por ter colocado os objetos mais pesados em cima de outros mais leves haja uma “derrocada” de volumes na bagageira. Se possível fixe os vários volumes com uma rede com pontos de fixação para evitar que estes se desloquem.

4 – Evite objetos no habitáculo
Excetuando as habituais garrafas de água ou documentos, que devem ser guardados nos espaços de arrumação disponíveis no habitáculo, não deve ter objetos soltos no habitáculo. Em cima dos bancos, da chapeleira ou do tablier. Se houver algum azar, um acidente ou uma travagem violenta, esses objetos podem causar sérios danos físicos aos ocupantes.

5 – Alternativas seguras
Se os volumes que tem de transportar são essenciais para a viagem e excedem a capacidade da mala, então equacione a aquisição de uma solução alternativa para estes momentos como é o caso de uma mala de tejadilho para acomodar os objetos que não cabem na bagageira.

6 – Atenção aos números
Normalmente nestes momentos que antecedem as viagens de férias nunca se pensa no peso máximo permitido num automóvel ou na necessidade de alterar a pressão dos pneus quando este vai carregado de bagagem. No entanto são duas coisas importantes pois não deve exceder a tara permitida pois pode colocar em risco a segurança e os pneus também devem ter a pressão adequada recomendada pela marca para o peso do carro pois só assim estes terão o melhor desempenho.

7 – Mais cuidado ainda na condução
Uma vez na estrada não se esqueça que o seu automóvel está mais pesado, por isso trate de definir bem as trajetórias em curva de maneira a evitar os movimentos da carroçaria que poderão desequilibrar o veículo devido ao peso extra que transporta e também não se esqueça que estando mais pesado as distâncias de travagem vão ser maiores, logo obrigando a uma maior precaução e antecipação no momento de travar.

Continuar a ler

Manutenção

As matrículas antigas têm de ser trocadas pelas novas?

Published

on

A cada dia que passa mais são os modelos que vemos na estrada com as novas matrículas que entraram em vigor a partir do final de Fevereiro de 2020, quando terminou a anterior série de matrículas. Mas, não são apenas os automóveis novos matriculados que vemos na estrada com as novas matrículas, também modelos anteriores a Fevereiro já se veem com o novo formato apesar da conjugação entre letras e algarismos ser ainda a anterior, o que pode levantar a questão se é obrigatório mudar todas as matrículas para esta nova configuração.



A resposta é simples: Não é obrigatório mudar as matrículas antigas para as novas. Esta dúvida também surgiu quando há muitos anos atrás surgiram as matrículas com o fundo branco. Também na altura se questionou se era obrigatório mudar as antigas matrículas com fundo preto e caracteres brancos em relevo. Também não era, mas podia ser feito.

As novas matrículas compostas por dois conjuntos de letras e um de algarismos, sem nenhum hífen e sem indicação da data são regulamentadas pelo Decreto Lei 02/2020 de 14 de janeiro que refere claramente que: “Os modelos que agora se aprovam passam a ser obrigatórios para todas as matrículas atribuídas a partir da data em que se esgotar a atual série de números de matrícula, podendo as chapas de matrícula que já se encontram instaladas no parque de veículos em circulação manter -se em uso, sem necessidade de substituição, que poderá, no entanto, ser efetuada pelos proprietários dos veículos caso assim o desejem”.

Portanto a conclusão é clara, as matrículas antigas não têm de ser trocadas pelas novas, mas quem quiser pode fazê-lo.

Continuar a ler

Manutenção

Como limpar o carro dos insetos

Published

on

Normalmente os períodos da Primavera e Verão são as alturas do ano em que mais insetos proliferam no meio ambiente e isso significa que qualquer viagem pode tornar-se num caso sério de “ataque” de insetos ao nosso veículo.



Infelizmente parece que a quantidade de mosquitos, abelhas, borboletas e demais insetos tem vindo a diminuir e apesar de pequenos eles são determinantes para toda a natureza e o seu funcionamento equilibrado. Ainda assim, nestas estações do ano é normal que o nosso automóvel fique repleto de insetos esborrachados na frente e no para-brisas e é importante que estes sejam limpos pois com o passar do tempo podem danificar a pintura e em simultâneo diminuir a visibilidade noturna ao cobrirem as óticas do automóvel.

Limpar de forma imediata
O ideal é mal se aperceba que tem o carro cheio de insetos tratar da sua limpeza pois uma vez secos tornam-se mais difíceis de remover.

Usar produtos adequados
Se lavar o automóvel pouco depois do “ataque” de insetos, um normal produto como um champô pode ser suficiente para os remover da carroçaria e para-brisas. Mas se demorar mais tempo, então é possível que tenha de recorrer a produtos específicos para a remoção de insetos que normalmente são pulverizados nas zonas afetadas e depois de atuarem são removidos com água, limpando o carro. No para-brisas pode utilizar produtos de limpeza de vidros, mas evite que estes cheguem à pintura pois são agressivos.

Cuidado com as máquinas de pressão
Se lavar o carro com uma máquina de pressão, a tendência é ficar com ela apontada naquele “inseto teimoso” que não sai, e ir aproximando esperando que a pressão o remova. Nada mais errado! Ao fazer isso está a danificar a pintura pois as máquinas de pressão devem ser utilizadas a uma distância de segurança para evitar danos na pintura. Nessa situação o melhor é mesmo recorrer a um produto para remover os insetos, e deixar atuar, limpando então posteriormente com a máquina como se de uma lavagem normal se tratasse.

Proteja a pintura
Depois de removidos os insetos o melhor é mesmo fazer uma lavagem normal ao carro e no final aplicar uma cera que assim criará uma película que no futuro impedirá que os insetos fiquem tão agarrados à pintura ao mesmo tempo que diminui o risco de danos na mesma causados por estes pequenos voadores.

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Newsletter

Em aceleração