Ligue-se connosco

Manutenção

Automóvel parado há muito tempo

Published

on

A oxidação do óleo do motor, ou mesmo a do óleo da transmissão, geralmente ocorre quando os motores permanecem em repouso por longos períodos de tempo.



Os problemas de oxidação surge porque o ar entra nos reservatórios de óleo e permanece em contacto com o mesmo durante bastante tempo.
Esta entrada de ar nos reservatórios vai criar bolhas, que depois vão interferir e provocar provocar a oxidação do óleo e, consequentemente, afetar o processo de lubrificação e arruinar a capacidade de lubrificar todas as peças que precisam de lubrificação. Essas bolsas, ou bolhas de ar, causam ferrugem e atrito ao romper as finas camadas de óleo entre as diversas partes móveis.

Alterações nas caraterísticas do óleo por oxidação e respetivos problemas:

  • aumento de viscosidade
  • formação de lodo, verniz e sedimentos
  • depleção dos aditivos
  • quebra de óleo base
  • entupimento do filtro
  • perda no controlo de espuma
  • formação de ferrugem e corrosão

Os resultados surgem na forma de falha do motor e/ou desgaste prematuro dos seus componentes.

O óleo oxidado, em termos técnicos, não está sujo nem fora de validade, mas a química foi alterada e a composição dos produtos químicos foi destruída pelas reações químicas resultantes do contacto com o ar. Nestes casos, os óleos devem ser trocados logo que possível, preferencialmente antes de usar o veículo novamente.

2 Comentarios

2 Comments

  1. José Maia

    02/02/2020 at 12:49

    O que é “muito tempo”? 1 Ano? 6 Meses?

    • Motor Guia

      03/02/2020 at 10:44

      Depende das condições (zona mais húmida, parado na rua ou na garagem), mas 6 meses já é um tempo considerável

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Manutenção

Como limpar o carro dos insetos

Published

on

Normalmente os períodos da Primavera e Verão são as alturas do ano em que mais insetos proliferam no meio ambiente e isso significa que qualquer viagem pode tornar-se num caso sério de “ataque” de insetos ao nosso veículo.



Infelizmente parece que a quantidade de mosquitos, abelhas, borboletas e demais insetos tem vindo a diminuir e apesar de pequenos eles são determinantes para toda a natureza e o seu funcionamento equilibrado. Ainda assim, nestas estações do ano é normal que o nosso automóvel fique repleto de insetos esborrachados na frente e no para-brisas e é importante que estes sejam limpos pois com o passar do tempo podem danificar a pintura e em simultâneo diminuir a visibilidade noturna ao cobrirem as óticas do automóvel.

Limpar de forma imediata
O ideal é mal se aperceba que tem o carro cheio de insetos tratar da sua limpeza pois uma vez secos tornam-se mais difíceis de remover.

Usar produtos adequados
Se lavar o automóvel pouco depois do “ataque” de insetos, um normal produto como um champô pode ser suficiente para os remover da carroçaria e para-brisas. Mas se demorar mais tempo, então é possível que tenha de recorrer a produtos específicos para a remoção de insetos que normalmente são pulverizados nas zonas afetadas e depois de atuarem são removidos com água, limpando o carro. No para-brisas pode utilizar produtos de limpeza de vidros, mas evite que estes cheguem à pintura pois são agressivos.

Cuidado com as máquinas de pressão
Se lavar o carro com uma máquina de pressão, a tendência é ficar com ela apontada naquele “inseto teimoso” que não sai, e ir aproximando esperando que a pressão o remova. Nada mais errado! Ao fazer isso está a danificar a pintura pois as máquinas de pressão devem ser utilizadas a uma distância de segurança para evitar danos na pintura. Nessa situação o melhor é mesmo recorrer a um produto para remover os insetos, e deixar atuar, limpando então posteriormente com a máquina como se de uma lavagem normal se tratasse.

Proteja a pintura
Depois de removidos os insetos o melhor é mesmo fazer uma lavagem normal ao carro e no final aplicar uma cera que assim criará uma película que no futuro impedirá que os insetos fiquem tão agarrados à pintura ao mesmo tempo que diminui o risco de danos na mesma causados por estes pequenos voadores.

Continuar a ler

Manutenção

Transporte o seu animal de estimação em segurança

Published

on

Os animais de estimação são os nossos companheiros nas mais variadas situações e muitas vezes andam connosco no nosso automóvel. Por isso devem também eles viajar em segurança e o condutor deve garantir o seu bem estar durante a viagem. Desta forma aqui lhe deixamos alguns conselhos para que possa levar o seu “patudo” consigo para qualquer lado de forma segura.



1 – Cuidado com a alimentação
O primeiro passo a ter em conta quando vai transportar o seu animal de estimação no seu automóvel é não o alimentar antes da viagem. Ele pode sentir-se mal e haver um acidente gástrico em plena viagem, o que vai causar mau estar no animal, distração na condução e uma grande trabalheira para limpar o carro depois.

2 – Não o deixe à solta
O seu animal de estimação não deve ser transportado à solta dentro do veículo. Um animal solto pode interferir no campo de visão do condutor, atrapalhar os seus movimentos na condução e em caso de acidente pode haver consequências muito graves para o animal e para os ocupantes. Além disso não é permitido por lei transportar o animal de estimação solto. Recorra a caixas de transporte, arnés ou uma rede divisória entre o habitáculo e a bagageira (no caso de uma carrinha por exemplo), sendo que os dois primeiros são preferíveis pois ambos podem ser fixos aos sistemas de retenção do veículo, o que reforça a segurança para todos a bordo.

3 – Nunca o deixe fechado no veículo
Em circunstância alguma deve deixar o seu animal de estimação trancado dentro do automóvel com as janelas fechadas enquanto vai tratar de algo no exterior. Especialmente nas épocas mais quentes como no verão um automóvel atinge temperaturas superiores às que se fazem sentir no exterior e os animais sofrem muito com o calor. Nunca deixe o seu animal de estimação fechado, leve-o consigo. Se for um cão aproveite para o passear, por exemplo.

4 – Recompense o seu animal
Não se esqueça de levar aquele biscoito ou snack que o seu cão ou gato adoram para o premiar pelo seu bom comportamento. Assim estará a reforçar o estímulo positivo para um bom comportamento quando ele viaja consigo, minimizando o stress do animal e fazendo da viagem um momento que ele cada vez mais goste de experienciar consigo, sempre em segurança.

 

Continuar a ler

Manutenção

10 dicas para cuidar do seu clássico

Published

on

Ter um automóvel clássico é algo que tem sempre uma forte carga emocional, ou porque foi um modelo que tem história na família ou porque é um sonho concretizado com esforço. Isso só por si já é justificação para que se cuide destes modelos com especial carinho, mas junta-se também o fator idade a obrigar a algumas atenções especiais. Por isso aqui ficam 10 dicas que o podem ajudar a manter o seu clássico em boas condições.



1 – Guarde o seu clássico
Se tiver possibilidade guarde o seu clássico numa garagem. Os modelos de outrora sofrem muito com as condições climatéricas tanto em termos de pintura como em termos estruturais por isso manter o seu clássico abrigado é determinante para a sua longevidade. Caso não possa, então assegure-se que tem uma capa para o proteger. É o mínimo para lhe dar alguma proteção extra.

2 – Ponha o carro a trabalhar
Parado um clássico também se estraga, por isso deve colocá-lo a trabalhar pelo menos uma vez de duas em duas semanas. Ligue-o e deixe o motor atingir a temperatura ideal. Se possível dê um passeio com ele. É importante para que todos os fluídos e peças móveis circulem e até para evitar que os pneus fiquem quadrados.

3 – Teste os travões
Regularmente veja o estado dos travões. Pressione o pedal de travão para verificar o estado do circuito dos travões. O tempo e as características corrosivas do óleo dos travões pode levar a que os tubos fiquem ressequidos e quebradiços, o que pode originar fugas.

4 – Não use o travão de mão
Quando estacionar o seu clássico não use o travão de mão. Engate uma mudança e se for necessário coloque calços nas rodas para o manter no sítio desejado. Muito tempo parado com o travão de mão engatado pode provocar uma tensão desnecessária no cabo do travão, levando a que gradualmente este perca eficácia.

5 – Desligue a bateria
Ainda falando de paragens prolongadas, é aconselhável que desligue a bateria, assim diminui o risco de esta descarregar completamente.

6 – Verifique os níveis
Assegure-se que os níveis de óleo, óleo de travão, líquido de refrigeração ou água do limpa para-brisas estão nos parâmetros aconselhados e se for necessário coloque o que estiver em falta.

7 – Esteja atento às luzes
O tempo também não é amigo das lâmpadas que tendem a amarelecer e a perder intensidade. Por isso verifique todas as luzes, mínimos, médios, máximos, piscas, faróis de nevoeiro, caso tenha, e luzes de matrícula. Tenha sempre um conjunto de lâmpadas suplentes pronto para o caso de alguma fundir.

8 – Utilize peças originais
Sempre que tiver de fazer alguma reparação no seu clássico tende dentro dos possíveis utilizar peças originais. Desta forma assegura que a montagem e encaixe é perfeito e ao mesmo tempo garante que o valor do seu clássico se mantém por continuar a ter a maior parte das peças originais da marca.

9 – Cuide da limpeza
Garanta que o seu clássico está bem limpo, tanto por fora como por dentro. Lave-o regularmente, de preferência à mão e aplicando cera no final e cuide também do habitáculo. Assim prolonga a vida da pintura e assegure-se que no interior não surgem odores menos desejáveis fruto da humidade, por exemplo, que depois são mais complexos de eliminar.

10 – Tenha um kit de emergência
Para minimizar algum dissabor ou azar que possa acontecer quando for passear com o seu clássico, tenha preparado um kit de emergência na bagageira composto por uns cabos de bateria, lâmpadas, um extintor, uma garrafa de água, uma bomba de ar, lâmpadas, luvas e uma caixa de primeiros socorros.

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Newsletter

Em aceleração