Gasnam pede que o GNV seja “tratado” como o gasóleo profissional – Motorguia
Ligue-se connosco

Comerciais

Gasnam pede que o GNV seja “tratado” como o gasóleo profissional

Published

on

A Gasnam defende a “extensão” do gasóleo profissional ao Gás Natural Veicular (GNV), considerando “injusto” o tratamento fiscal desigual em vigor.



Neste contexto, e numa altura em que o novo Governo se prepara para tomar posse, a associação “solicita a intervenção urgente, especialmente do Ministério das Finanças, no sentido de equiparar este combustível (GNV) ao gasóleo profissional no que se refere aos transportes de mercadorias”.

O objectivo é que o regime aplicado ao GNV seja equiparado ao do gasóleo profissional, o que se traduz num reembolso parcial de ISP até aproximadamente 0,19 euros por litro, para um total de até 40 mil litros por ano, para todas as viaturas de uso profissional com peso bruto igual ou superior a 16 toneladas.
Citado no comunicado, o representante em Portugal da Gasnam e presidente executivo (CEO) da Dourogás GNV salienta que o GNV é “uma energia de transição reconhecida pela União Europeia e utilizada como elemento base da política de descarbonização”.

De acordo com estudos realizados pela Gasnam, “só em 2020, a utilização do gás natural veicular em Portugal, e em detrimento do gasóleo, terá evitado a emissão de mais de 10 mil toneladas de CO2″.
“Em toda a Europa a valorização do GNV tem sido crescente, promovendo a aquisição de veículos de gerações mais recentes e de tecnologia que ajuda ao melhor cumprimento das metas com que cada um dos Estados se comprometeu até 2030”, enfatiza.

A Gasnam é uma associação ibérica que apoia e promove a utilização do gás natural, biometano e hidrogénio como soluções de mobilidade sustentável nos transportes terrestres, marítimos e ferroviários em Espanha e Portugal.

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Comerciais

São 80 as Ford E-Transit que se juntam à frota da DPD em Portugal

Published

on

O operador de transporte expresso DPD vai passar a contar com mais 80 viaturas elétricas Ford E-Transit que se vêm juntar às 207 que já se encontram em operação em 14 cidades portuguesas.



O investimento está inserido na estratégia de descarbonização da frota da DPD em Portugal, sendo esta uma das principais medidas definidas pela Geopost, que detém a DPD, permitindo ao operador de transporte expresso tornar-se Net Zero até 2040, antecipando em dez anos o cumprimento dos objetivos do Acordo Climático de Paris, garantindo uma redução de 90% nas emissões poluentes, sendo os restantes 10% compensados através de outras medidas e projetos implementados pelo grupo.
“A DPD está consciente do impacto ambiental da sua atividade e do setor das entregas como um todo, pelo que está comprometida em estar na vanguarda da sustentabilidade”, afirma Olivier Establet, CEO da DPD Portugal.


“Este novo investimento vem reafirmar a nossa missão de descarbonizar o mercado doméstico do transporte expresso, enquanto impulsionadores de uma mobilidade mais verde e de um planeta mais sustentável”, acrescenta o responsável do do operador de transporte expresso.
A opção da DPD recaiu no furgão elétrico L4H3, cujo compartimento de carga com um comprimento de 4,26 metros, largura entre as cavas das rodas de 1,39 metros e altura de 2,03 metros, permite disponibilizar um volume útil de até 15,1 m3.

A bateria de iões de lítio com capacidade de 68 kWh permite percorrer mais de 300 quilómetros entre carregamentos, operação essa que demora cerca de sete horas num carregador de 11 kW ou 34 minutos para recuperar o nível de carga de 15% a 80% num posto rápido com potência de 115 kW.
Por seu lado, João Ferro, Gerente Delegado da Ford Lusitana, refere que “sendo a produtividade e a sustentabilidade os principais eixos das duas empresas, é, para a Ford Pro, um orgulho poder colaborar com a DPD no seu objetivo de maximizar a inovação da sua frota”.
O responsável da Ford Lusitana salienta que a marca conta com a “gama de veículos comerciais líder de vendas na Europa nos últimos nove anos, cujo ‘ponta de lança’ é a E-Transit, a viatura elétrica de duas toneladas mais vendida da Europa em 2023”.
Atualmente, 30% da frota da DPD Portugal há é elétrica. Com o investimento previsto para este ano, espera-se que essa percentagem cresça para os 35%, passando assim a existir em circulação em Lisboa, no Porto, no Seixal, na Guarda, em Coimbra, em Évora, em Viseu, em Leiria, em Faro e no Funchal.

Continuar a ler

Comerciais

Scania faz mais de 3500 km na Europa em modo elétrico

Published

on

Dois camiões Scania em destaque na Transpotec 2024: o Super 460 R, vencedor do “Green Truck 2024”, e o 45 S, 100% elétrico. Este último, que participou numa viagem europeia, revelou um consumo de energia excecional e um desempenho surpreendente nos seus 2.000 quilómetros percorridos da Suécia a Itália.



Na Scania, promovemos a mudança para um sistema de transportes sustentável para a sociedade, o ambiente e a empresa, disponibilizando soluções e conhecimentos que vão muito além da tecnologia. Um dos objetivos mais ambiciosos desta década é reduzir significativamente as emissões de carbono das operações, infraestruturas, cadeia de abastecimento e produtos em utilização. As emissões dos veículos representam um enorme desafio, mas também uma incrível oportunidade para os fabricantes. Graças à sua abordagem inata à economia circular e à procura cada vez maior de sustentabilidade em todas as suas formas na Europa, a Scania oferece soluções destinadas a apoiar esta transição.

É por esta razão que a Scania apresenta dois dos melhores camiões já fabricados na zona de test drive da Transpotec 2024, feira europeia sobre a inovação nos transportes e na logística: o Super 460 R, vencedor do “Green Truck 2024” e o elétrico 45 S. Este último, caracterizado por 450 kW de potência (equivalente a 610 hp), um binário de 3.500 Nm e uma capacidade de 624 kWh, está a participar numa viagem europeia pela Suécia, Dinamarca, Alemanha, Suíça, Itália e Países Baixos, sendo a mais recente geração elétrica desenvolvida pela Scania, com a Northvolt a fabricar as células da bateria. Nos testes, as células de iões de lítio revelaram uma durabilidade excecional de até 1,5 milhões de quilómetros, equivalendo a toda a vida útil do veículo. Produzidas com eletricidade de fontes renováveis no norte da Suécia, a pegada de carbono das células constitui cerca de um terço da pegada da indústria de referência.


Nos primeiros 2000 quilómetros de um percurso de 3500 km, registaram um consumo médio de energia de 1,25 kWh/km a uma velocidade média de 80 km/h e uma massa total no solo de 40 toneladas. O desempenho do veículo foi monitorizado através da aplicação Scania Driver, que forneceu valiosos dados sobre a autonomia, assim como pontos sugeridos para paragens de carregamento que também podem ser geridas por um gestor de frota através do portal MyScania. O desempenho registado durante o percurso foi extremamente fiel às simulações previamente efetuadas com um software Scania para planeamento da viagem.

Atualmente já é possível uma missão de transportes pesados elétricos em toda a Europa: O camião elétrico da Scania demonstrou um ótimo desempenho energético, fiabilidade e uma experiência de condução incomparável, mediante articulação com uma infraestrutura de carregamento público disponível e em constante evolução. O recarregamento em estações públicas foi efetuado tirando partido do Ponto de Acesso Scania (Scania Charging Access, ainda não disponível em Espanha e Portugal), o primeiro serviço europeu do género que permite identificar infraestruturas de carregamento adequadas para camiões pesados a preços previsíveis e transparentes e com uma faturação simplificada.
Para muitas empresas de transporte e logística, a implementação de cadeias de abastecimento sustentáveis tornou-se uma prioridade.

Continuar a ler
Publicidade

Publicidade

Newsletter

Ultimas do Fórum

  • por Mrodrigues
    Procurei e não encontrei nenhum tópico para o modelo. Está prestes a aparecer mais um Skoda
  • por topspeedPT
    2022 - (Max Chilton) McMurtry Spéirling: 0:39.08(-0.82s) 2019 - (Romain Dumas) Volkswagen I.D. R: 0:39.90 1999 - (Nick Heidfeld) McLaren-Mercedes...
  • por SenhorVX
    O novo aditivo da Liqui Moly faz mesmo sentido usar ou é um placebo que não faz falta nenhuma? Algum com opinião acadêmica sobre o tema? Eu...
  • por QVWHITE
    Bom dia agradeço a vossa ajuda em duas questões. a primeira, a sprinter tem a luz de motor acesa, fez diagnóstico em duas garagens...

Em aceleração