Estas são 9 dicas para fazer manutenção aos pneus do seu camião – Motorguia
Ligue-se connosco

Comerciais

Estas são 9 dicas para fazer manutenção aos pneus do seu camião

Published

on

Seja uma empresa de grande porte com vários camiões na frota, seja um autónomo que faz apenas algumas cargas, todos gostamos de poupar. Um camião é um investimento que requer vários cuidados para prolongar a sua vida útil. Quando o tema são os pneus, o melhor será ficar ainda mais alerta.



Manter a boa condição dos pneus é uma atitude pouco valorizada, mas que pode fazer alguma diferença no bolso e no desempenho do veículo.

Os camiões carregam toneladas de diversos tipos de cargas, enfrentam frio e calor, rolando por estradas variadas e nem sempre nas melhores condições. Os pneus estão em contacto direto com todas essas situações, passando por buracos, passando por dentro de água ou sustentando o peso do veículo.
Em baixo deixamos-lhe 11 dicas de manutenção para manter os pneus em ótimas condições de operação e manutenção.

1 – Ande sempre dentro da lei
Nós portugueses somos por vezes um pouco desleixados com as manutenções dos veículos, por isso, e quando se trata de veículos pesados não convém facilitar. Neste caso é preciso potencializar os cuidados para as dimensões dos pneus dos quais falamos. A atenção ao pneu de um veículo pesado deve ser redobrada. Lembre-se que existe um limite máximo de desgaste que os pneus podem ter para continuarem a rolar sem o risco de não passar na inspeção. Deve ainda conhecer todas as regras de trânsito e respeitá-las adequadamente.
Os sulcos dos pneus não podem ser menores que 1,6 mm de profundidade. Todos os abaixo desse limite são considerados carecas e sem as condições ideiais.

2 – Controlar a utilização dos pneus
Todo e qualquer pneu vai ser utilizado nos mais diversos tipos de piso: asfalto em boas condições, autoestradas, estradas de terra, entre outros. As irregularidades podem afetar o tempo de vida dos pneus, mas é uma imprevisibilidade com a qual todos devem saber lidar.
Se preferir investir em camiões usados, por exemplo, é preciso ficar atento a este aspeto. Verifique o pneus com todo o cuidado de forma a analisar melhor o real estado de conservação de cada um deles.
A partir daqui, a condução defensiva é muito eficiente e vai trazer benefícios no desgaste da borracha. Travagens, acelerações e curvas feitas de forma cuidadosa pesam positivamente no orçamento e no tempo de utilização dos pneus.

3 – Saiba qual é o momento certo para trocar de pneus
Há fatores recorrentes que influenciam diretamente a durabilidade do pneu para um veículo pesado: o tipo de estrada percorrido com maior frequência; o clima que o veículo enfrenta; a calibragem adequada para cada pneu e o peso total da carga.
Se o motorista ou o condutor estiverem cientes dessas informações, é mais simples controlar o desgaste dos pneus, pois é viável encontrar soluções para lidar com cada um desses fatores.
Normalmente é possível perceber visualmente o momento exaro para trocar de pneus. Os sinais de desgaste são evidentes. O principal é a deterioração dos sulcos, basicamente as frestas que garantem a boa aderência dos pneus ao solo. Se estiverem excessivamente gastas é porque chegou o momento de as trocar.

4 – Utilize o TWI
A utilização do indicador TWI (Tread Wear Indicator) é essencial em muitos momentos. Na banda de rolamento do pneu, há um indicador do desgaste, uma espécie de ponte entre os sulcos. É o TWI. Se o TWI está a uma altura muito próxima da do piso, então está na hora de trocar o pneu.
Para verificar o TWI é simples. Localize a sigla ou um símbolo triangular na lateral do pneu. Abaixo de 1,6 mm significa que está na hora de os reformar. Rasgos aparentes, bolhas e perfurações são sinais de falta de cuidado. Assim, significa a necessidade de realizar uma troca precoce, mas se o indicador TWI estiver dentro dos limites.

5 – A experiência do veículo ligeiro serve para o camião
A experiência acumulada como motorista de automóveis também pode ser bastante útil em relação aos veículos pesados. Os procedimentos periódicos que costuma ter com o seu automóvel também se aplicam ao camião. São gestos auxiliares, mas sempre úteis na hora de economizar pneus… Respeite os prazos de revisão; mantenha o alinhamento em dia, fique de olho na calibragem e por aí fora.
Por mais simples que estes gestos possam parecer, são úteis na prevenção em relação a um desgaste mais acentuado dos pneus. Assim, depois de percorrer cerca de 10 mil km é interessante realizar alguns procedimentos “de rotina”. Vibrações e incomuns são indicadores relevantes. Caso contrário: pode ficar sem estabilidade na direção, o camião pode perder tração e ficar instável e pode ainda prejudicar vários componentes e as próprias rodas.

6 – Conheça o pneu de um camião
No caso dos camiões, um pneu pode ter as seguinte medidas: um pneu novo tem de ter pelo menos 8 mm de espessura, um pneu em meio de vida terá de ter 4 mm de espessura e um pneu em fim de linha quase careca, tem menos de 2 mm de espessura.
Na hora de trocar de pneus, não menospreze a experiência. Se não souber pergunta a quem sabe e considere alguns fatores como: o tipo de pneu; a pressão; o pneu adequado ao veículo; os serviços que va realizar, o tipo de carga transportada, a qualidade e o reconhecimento da marca.
São diversas as opções disponíveis no mercado. Dessa forma reflita bastante acerca do custo/benefício antes de fazer a sua escolha. Pneus de qualidade também garantem a boa conservação de outros componentes do camião.

7 – Cuide da calibragem dos pneus
Falar em calibragem ou equilibragem com os motoristas experientes até pode parecer uma estupidez. Mas nunca é demais recordar, mesmo para com quem sabe, sobre a real importância dos pneus.
A quantidade de benefícios de um simples gesto pode ser realizado, por exemplo, enquanto abastece o seu veículo.
Num veículo pesado, a calibragem ou equilibragem, deverá ser feita a cada duas semanas. Todavia o período pode variar um pouco de acordo com as especificidades do veículo em questão.
Rolar com os pneus com pressão baixa provoca desgaste nos ombros, curvas mal feitas, desgaste dos veios da direção, direção pesada, aumento do consumo de combustível. A pressão excessiva pode desgastar o centro do pneu, rachar a base dos sulcos, aumentar a hipótese de rebentamento por causa de impactos e diminuir a área de contacto com o piso.

8 – Limpe os pneus do veículo
Todos os camionistas se preocupam em manter a cabina limpa e confortável. Passam ali grande parte do tempo e não há nada pior do que um ambiente sujo.
A mesma regra vale para os pneus. Por mais estranha que esta dica pareça e até porque estão em contacto com vários tipos de sujidade, limpá-los é uma tarefa simples e que ajuda na manutenção.
Tendo isto em conta, limpe sempre que possível: resíduos de óleo, pedaços de borracha soltos, materiais pontiagudos, poeiras, restos de comida, entre outros.

9 – Pode recauchutar
A recauchutagem é uma prática comum nos pneus e funciona de forma perfeita, transformando pneus em más condições em pneus quase novos. Assim sendo, saiba onde realiza esta operação, sabendo que comprar e montar um pneu novo é sempre melhor.

Publicidade
Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Comerciais

Mercedes-Benz renova eSprinter com mais potência e autonomia

Published

on

A Mercedes-Benz atualizou a gama eSprinter com um motor elétrico mais potente, por culpa de baterias de maior capacidade, e que lhe permitem oferecer ao utilizador uma autonomia de até 400 km.



A renovada linha motriz elétrica também possibilitou o alargamento da oferta da gama, com a introdução de mais derivações.
A atualização da eSprinter também inclui um eixo traseiro elétrico, que além de otimizar a linha motriz, é mais leve e permite a produção de outro tipo de versões. Isto significa que estará disponível uma gama mais alargada que incluirá chassis-cabina, versões refrigeradas e em chassis, assim como várias distâncias entre-eixos no furgão.

A potência é obtida a partir de um motor síncrono de iman permanente totalmente novo que desenvolve 100 kW (136 CV) ou 150 kW (204 CV). Constitui um aumento significativo face aos 85 kW do eSprinter atual, cujo binário é de apenas 295 Nm em comparação com os 400 Nm do novo motor.
Será proposta em três opções de bateria de iões de lítio com fosfato de ferro com capacidades de 56 kWh, 81 kWh e 112 kW.

A potência máximo de carregamento também aumentou dos atuais 80 kW para 115 kW. O eSprinter pode receber carregamentos em corrente alterna ou contínua, sendo possível recuperar entre 10% a 80% da capacidade da bateria em 28 minutos no pack de 56 kWh e em 42 minutos no pack maior de 113 kWh.
A autonomia da bateria de maior capacidade, segundo simulações no ciclo WLTP, pode chegar aos 400 quilómetros ou aos 500 quilómetros em ciclo WLTP urbano.

A nova Sprinter recebe o sistema MBUX completo, que foi atualizado para os detalhes específicos de veículos elétricos. Isto significa que o utilizador tem acesso em tempo real ao nível de carga da bateria e à autonomia. Na verdade, a marca alemã criou um indicador interativo inteligente de autonomia ligado ao sistema de navegação, com o objetivo de fornecer uma ideia mais precisa acerca do raio de ação real da bateria.

Continuar a ler

Comerciais

Freightliner apresenta segunda geração do SuperTruck

Published

on

A Daimler Truck North America (DTNA), uma subsdiária da Daimler Truck, apresentou a segunda gerçaão do SuperTruck em Las Vegas, no CES, camião que traz uma variedade de inovações técnicas para demonstrar o potencial da eficiência no transporte de carga.



O protótipo foi desenvolvido como parte integrante do programa SuperTruck cofinanciado pelo Departamento de Energia dos EUA, cujo objetivo passa por reduzir as emissões no transporte rodoviário de mercadorias. Os engenheiros da DTNA investigam tecnologias de camiões pesados da nova geração, formas técnicas para o seu desenvolvimento e formas de as integrar em produtos de série.

Desenvolvido sobre a base de sucesso do SuperTruck I, apresentado em 2015, o SuperTruck II superou as expetativas no que diz respeito à aerodinâmica, pneus, cadeia cinemática e fornecimento de energia, duplicando a eficiência de carga do veículo base desde o início do programa SuperTruck.
Os engenheiros da Freightine puderam superar as melhorias aerodinâmicas e reduzir a resistência aerodinâmica deste veículo em mais de 12% face ao da primeira geração. E em vez de mudar radicalmente a estrutura do camião, o objetivo do desenho do SuperTruck II era redefinir o formato existente no mercado para maximizar a eficiência aerodinâmica e, ao mesmo tempo, utilizar uma linguagem de design avançado para transmitir essa eficiência. O capô, o para-choques e a carenagem do chassis redesenhados funcionam bem com a estrutura da cabina existente e agora permite que o ar flua sem perturbações ao redor do camião. A grelha, as entradas de ar e as portas foram redesenhadas para que se tornassem mais uniformes e limpas para não comprometerem a aerodinâmica do camião.

O SuperTruck II conta com a cadeia cinemática mais eficiente que a Freightline integrou num camião. O sistema de propulsão altamente eficiente permite uma redução do consumo de 5,7% face ao primeiro modelo. Um inovador sistema elétrico de 48V que conta com baterias de iões e lítio permite reduzir o consumo de combustível e aumentar o conforto do condutor, como um novo sistema de ar condicionado elétrico que consome menos 50% de energia e continua a funcionar mesmo com o motor desligado.
Os pneus também são novos e foram desenhados especificamente para este modelo. Reduzem o consumo de energia do veículo e o tempo de inatividade por manutenção devido ao desgaste minímo. Os pneus têm um papel fundamental para alcançar os objetivos de eficiência ao reduzir a fricção em asfalto, logo é preciso menos combustível para o camião manter a velocidade.

Continuar a ler
Publicidade

Publicidade

Newsletter

Ultimas do Fórum

Em aceleração