Como ler o que “diz” um pneu – Motorguia
Ligue-se connosco

Manutenção

Como ler o que “diz” um pneu

Published

on

Um pneu contém no seu flanco mais informação do que se espera e saber lê-la pode ser uma ajuda preciosa.



A mais simples e comum é a marcação da dimensão do pneu. Utilizando o exemplo gráfico da imagem abaixo temos um pneu 235/55 R17 99W:

Assim temos a largura do pneu (235), o seu perfil (55), a dimensão da jante (17), o índice de carga (99) e o índice de velocidade (W). Nestes dois índices o valor indicado tem uma equivalência numa tabela de carga e de velocidade que aqui ficam:

Índice de carga:

Índice de velocidade:

Mas a informação no flanco do pneu não se fica por aqui. É normal encontrar a referência “Tubeless” que indica que o pneu não precisa de câmara de ar (caso contrário indicaria “Tube Type”). Além disso existem também as marcações de inverno.

Quando o pneu inclui o símbolo de uma montanha com três picos e um floco de neve no centro, antes da indicação M+S, que significa lama e neve (Mud +Snow), então estamos perante um pneu de inverno testado para condições extremas de neve.

Para saber quando é que o pneu foi fabricado, essa indicação também está na lateral do pneu. Na linha de referências “DOT” os últimos 4 dígitos indicam a semana e o ano em que o pneu foi fabricado.

Este dado é importante pois normalmente são os quilómetros e o desgaste do pneu que dão indicação quando este tem de ser mudado, mas o tempo também é importante pois a borracha perde propriedades com o passar dos anos. Pode dar-se o caso de uns pneus terem feito poucos quilómetros, terem a banda de rolamento quase sem desgaste, mas não estarem em condições pois estiveram muito tempo parados e a borracha “endureceu” perdendo qualidade de aderência ou flexibilidade entre outras.

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Manutenção

Sons que podem identificar problemas

Published

on

Um automóvel produz centenas de sons quando está em funcionamento, mas alguns sons podem ajudar o condutor a perceber que algo não está bem com o seu veículo. vejamos alguns exemplos:



Um silvo no momento do arranque

Quando liga o seu veículo e ouve um som semelhante a um silvo agudo e prolongado isso pode significar que a correia da distribuição já viu melhores dias, que já está gasta e muito usada, devendo de imediato ir à assistência pois em caso de rutura as consequências podem ser catastróficas para o motor.

Os travões chiam

Ainda dentro do universo dos “silvos”, os travões podem ser outra fonte desse tipo de som. Sempre que trava ouve uma das rodas chiar? Então isso pode significar que as pastilhas de travão estão gastas e necessitam de ser trocadas.

Som abafado nas rodas

Por vezes enquanto conduz, especialmente a velocidades de cruzeiro, ouve um som abafado, grave que varia ligeiramente com a velocidade e que surge de uma das rodas (ou de mais que uma). Esse som pode indicar que está a conduzir com um pneu com pressão a menos ou que os pneus já estão com um desgaste ou uma idade em que necessitam de ser trocados. Lembre-se que por vezes o piso ainda está dentro dos limites legais de desgaste, mas a idade do pneu já fez com que a borracha endurecesse, perdendo elasticidade e consequentemente perdendo as suas qualidades e desempenho.

Som de máquina de lavar

Se enquanto conduz ouvir um som semelhante ao de uma máquina de lavar, encoste de imediato. Este som pode ter origem num elemento solto no cubo da roda o que significa que a mesma não está segura. Logo, o melhor a fazer é parar a viatura em segurança o mais rapidamente possível.

Uma espécie de rugido debaixo do carro

Quando sentir que debaixo do banco do condutor surge um som grave, quase semelhante a um rugido, isso pode significar problemas com a linha de escape. pode haver um buraco ou uma fissura que deixa os gazes saírem sem fazerem o seu trajeto através do catalisador ou da panela de escape. A tendência é que o som se torne mais intenso e grave já que normalmente o orifício na linha de escape tende a aumentar de tamanho. Convém ver esta situação antes que provoque mais danos.

Ruídos metálicos na suspensão

Quando circula em mau piso e repara que há sons metálicos como se algo batesse de forma ritmada na zona das rodas, então convém verificar o estado da suspensão. Podem haver borrachas, foles ou uniões desgastadas que estão a fazer com que os elementos metálicos entrem em contacto entre si, causando desgaste e podendo levar a situações mais complicadas, tanto em termos mecânicos como de segurança.

A direção chia

Se nas manobras do dia a dia sente que a direção chia, especialmente quando estão perto dos limites do seu diâmetro de viragem, então esse som pode indicar que o sistema de direção assistida precisa de ser verificado pois pode haver problemas com a bomba da direção ou com o próprio fluído da direção.

O som de um estoiro na traseira

Quando o motor está a queimar combustível no momento errado ou de forma errada podem surgir os vulgarmente chamados “rateres” ou o som de uma explosão como um tiro na ponteira de escape. Isso resulta de problemas na gestão do motor que pode estar a funcionar com uma mistura demasiado rica (uma relação desequilibrada entre a quantidade de combustível e o ar que entra na câmara de combustão, sendo que neste caso é combustível a mais) ou porque o timing da distribuição está errado.

Continuar a ler

Manutenção

Cuidados a conduzir com chuva

Published

on

Com a chegada da chuva o ambiente rodoviário muda consideravelmente e requer mais cuidados na condução de forma a evitar percalços e a garantir a sua segurança e a dos outros.



Com as primeiras chuvas as condições do piso mudam substancialmente. As primeiras águas que caem sobre o asfalto misturam-se com o óleo, gasóleo e demais resíduos que estão no asfalto e formam aquela película “espumosa” que prejudica substancialmente a aderência do veículo.

É um período particularmente propício a acidentes pois os condutores ainda estão a conduzir em “modo verão”, ou seja, muito confiantes na aderência típica de um piso seco, mas que entretanto mudou radicalmente.

Além deste período inicial, conduzir com chuva requer sempre uma mudança no comportamento ao volante. A aderência diminui com a presença da água, mas também a visibilidade fica substancialmente prejudicada tanto pela água no exterior do veículo como pela condensação no seu interior que embacia as superfícies vidradas.

Assim, o condutor deve:

Assegurar-se do bom estado dos pneus

Os pneus são o único elo de ligação do veículo à estrada, por isso devem estar nas melhores condições. Verifique o estado do piso, se não está gasto ou degradado e confirme também a pressão, certifique-se que está correta.

Ver bem e ser bem visto

Confirme também que todas as luzes do seu veículo estão a funcionar e com boa intensidade. Assim garante que de noite tem uma melhor visibilidade, mas ao mesmo tempo também assegura que a sua presença está bem evidente para os demais utentes da via.

Verificar o estado das escovas

Ver bem é determinante em tempo de chuva, por isso veja se as escovas limpa para-brisas estão em boas condições, se a borracha continua flexível e se não está quebradiça ou com falhas.

Adequar a sua condução

Com o piso molhado deve adequar a sua condução às condições do momento. Pelo menos duplicar a distância de segurança para o veículo da frente, ganhando tempo de reação. Evitar movimentos bruscos no volante, nas acelerações ou travagens. Conduza de forma suave e atenta.

Continuar a ler
Publicidade

Newsletter

Em aceleração