MAN está a testar camiões autónomos em terminais intermodais – Motorguia
Ligue-se connosco

Comerciais

MAN está a testar camiões autónomos em terminais intermodais

Published

on

A MAN Truck & Bus, a Deutsche Bahn, a Universidade Fresenius de Ciências Aplicadas e a Götting KG estão a participar num projeto conjunto de autonomização ANITA – Autonomous Innovation in Terminal Operations. O objetivo é avaliar o funcionamento prático de um sistema de condução autónoma com camiões de testes da MAN em terminais intermodais.

O projeto está a decorrer no armazém de contentores da DB Intermodal Services e do terminal DUSS (Deutsche Umschlaggesellschaft Schiene-Straße) em Ulm Dornstadt. O objetivo do ANITA é utilizar camiões autónomos para estabilizar os processos envolvidos em transferências de contentores da estrada para os caminhos-de-ferro, tornando-os mais eficientes, mais fáceis de planear e, ao mesmo tempo, mais flexíveis. Isto permitirá que mais mercadorias sejam transportadas de forma mais sustentável.

Para este fim, a MAN irá estar a aperfeiçoar as funções eletrónicas do camião autónomo, num contexto de verdadeiro ambiente operacional durante os próximos meses, para que possa analisar o ambiente, reagir, e planear como um verdadeiro motorista.

Um ano de testes
O programa de testes terá a duração de um ano para verificar se o camião autónomo funciona na realidade como era suposto. Os resultados permitirão introduzir novos desenvolvimentos e a otimização dos procedimentos.
Por motivos de segurança estará sempre presente um motorista a bordo para intervir, caso seja necessários, Os testes intensivos beneficiam não só o desenvolvimento futuro do camião autónomo, mas também a preparação dos terminais para a integração da nova tecnologia.

Nova linguagem de comunicação
Para que o camião autónomo possa desempenhar a sua tarefa de transporte e manuseamento de contentores, deve poder comunicar com a infra-estrutura do depósito DBIS e do terminal DUSS.
Para tal, os cientistas da Universidade Fresenius de Ciências Aplicadas analisaram os processos, procedimentos e comportamentos existentes de pessoas e máquinas no local, na primeira fase do projeto, e transferiram-nos para um conjunto de regras digitais.
O Deon Digital’s Contract Specification Language (CSL) serve como língua comum para a comunicação clara e completa de todos os sistemas envolvidos. O resultado é um sistema completo de planeamento da missão que liga tanto o veículo como os sistemas informáticos do Depósito DBIS e do Terminal DUSS.

Especificamente, isto significa um grande desenvolvimento de software: durante os test drives, a MAN irá analisar o comportamento do veículo. Estas descobertas serão então implementadas passo a passo através de atualizações de software. O sistema autónomo deve ser capaz de cobrir todas as decisões que um condutor toma hoje com base nas suas impressões sensoriais – isto significa nada menos do que substituir as perceções e ações humanas.

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Comerciais

Ford abre encomendas e inicia comercialização da E-Transit

Published

on

A nova Ford E-Transit já está disponível no mercado nacional, onde chega num total de 25 variantes, entre furgões e chassis-cabina simples ou dupla. Todas as opções disponibilizam uma bateria de 68 kWh que anuncia autonomias de até 317 km.



Apesar das encomendas já terem começado, logo os preços já são conhecidos, as primeiras entregas serão realizadas apenas no próximo mês de outubro. Desenvolvida a partir da Transit de combustão, a nova versão elétrica será proposta nos derivativos furgão e chassis-cabina, que serão disponibilizados nos pesos brutos de 3500 kg, 3900 kg e 4250 kg. A gama totaliza 25 variantes, entre furgões, chassis-cabina simples e dupla.

A bateria alimenta um motor elétrico que oferece um binário máximo de 430 Nm e opção entre 135 kW e 198 kW de potência.
Em função das necessidades, os utilizadores têm à escolha três perfis de condução: Normal, Eco e Escorregadio. Para otimizar a autonomia também está disponível um sistema de regeneração da energia das desacelerações e travagens, que pode ser ativado no comando giratório do seletor de condução. A gama E-Transit vai ser comercializada nos níveis de equipamento Base e Trend. Todos os veículos contam com especificações significativamente acrescidas comparativamente aos conteúdos das variantes diesel equivalentes.

O nível de equipamento Base inclui o Controlo Eletrónico da Temperatura do Ar, Arranque Sem Chave, bancos aquecidos, pára-brisas Quickclear e espelhos elétricos aquecidos. A E-Transit recebe o sistema de comunicações e informação SYNC 4, sendo controlado através de um ecrã tátil de 12″. Em termos de preços, a versão de entrada a Van 350 L2H2 Trend 135 kW N1, é proposta a partir de 73.109 euros, enquanto o Diesel com um nível de equipamento de potência equivalentes custa a partir de 45.000 euros.

Por sua vez, a versão Van 350 L2H2 Trend com motorização de 190 kW custa mais 2100 euros. Quanto à 350 L3H3 Trend, os preços são de 73.617 euros e 75.783 euros para as motorizações de 135 kW e 198 kW, respectivamente. Quanto à L4 Van Trend N1 de 135 kW e 190 kW, estas são comercializadas a partir de 74.633 euros e 76.799 euros. No que se refere à chassis-cabina simples, os preços vão dos 71.990 euros aos 76.921 euros.

Continuar a ler

Comerciais

Ford SuperVan do século XXI tem 2000 CV… elétricos

Published

on

A Ford abre hoje o primeiro capítulo da eletrificação da sua lendária série de Supervans, com a apresentação global da Ford Pro SuperVan Elétrica, dotada de superperformances, no Goodwood Festival of Speed 2022, no Reino Unido.



A Ford Pro SuperVan Elétrica utiliza todo o potencial deo desempenho da propulsão elétrica e da conectividade melhorada para alcançar a mais elevada performance de sempre de um furgão Ford, sublinhando o enorme empenho na eletrificação que a marca está a realizar.

Quatro motores elétricos, uma bateria com refrigeração líquida de 50 kWh e um sistema de controlo específico resultam numa potência de cerca de a 2.000 CV para uma aceleração de 0- 100 km/h inferior a dois segundos.

O desempenho de um chassis especificamente concebido para o efeito e apto a andar em pista, integrando componentes da recentemente apresentada E-Transit Custom – a primeira versão 100% elétrica do furgão mais vendido na Europa 2,3 – é complementado pela tecnologia Ford SYNC 4, com touchscreen integrado na cabina, herdada de modelos Ford de estrada, bem como funcionalidades adicionais para controlo das aptidões únicas da SuperVan Elétrica.

A primeira SuperVan da Ford foi revelada em 1971 e apresentava um motor em posição central, retirado do Ford GT40 vencedor de Le Mans, originando uma Transit Mk. 1 diferente de todas outras.

A fórmula foi elevada para outro patamar na SuperVan 2; uma versão em fibra de vidro da Transit Mk. 2 foi montada sobre a monocoque e o V8 Cosworth de 590 CV do carro de competição Ford C100. Este veículo renasceu mais tarde no facelift da Transit Mk.3 (SuperVan 3), equipado com um motor Cosworth HB de 650 CV utilizado pelos carros de Fórmula 1 da época.

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Newsletter

Em aceleração