Citroën C4 (2010-2018) – Motorguia
Ligue-se connosco

Avaliações Usados

Citroën C4 (2010-2018)

Published

on

Com um preço convidativo e uma boa proposta de equipamento, esta geração do Citroën C4 representou a adoção das novas linhas mais fluídas e envolventes dos modelos da marca francesa e apesar de não estar ao nível dos principais concorrentes do segmento ele marcou pontos pela sua economia de utilização.



Com melhores acabamentos e qualidade de construção que o C4 anterior, este modelo ainda assim merecia uns plásticos de melhor qualidade nalguns painéis, especialmente nos que estão posicionados nos planos inferiores.

A posição de condução é boa e, tirando alguns comandos cuja ergonomia podia ser melhor, o condutor irá facilmente adaptar-se a este C4. A habitabilidade na frente não merece reparos, mas o mesmo já não se pode dizer em relação a quem viaje nos bancos traseiros, já que certamente sentirá alguma falta de espaço para as pernas.

A suavidade da sua suspensão assegura um excelente conforto, tanto em ambiente citadino como em auto-estrada e quando o trajeto se mostra mais sinuoso este Citroën revela-se previsível e fácil de dominar. Lamenta-se que a caixa manual pilotada (CMP) seja demasiado lenta nas mudanças de relação, o que exige alguma habituação para não se tornar demasiado incomodativa no seu funcionamento.

Motores
A gama de motores é vasta e destaca-se pelos seus baixos consumos anunciados, mesmo nos modelos a gasolina cujas propostas começam no 1.4 VTi com 95 cv, passando para o 1.2 PureTech nas versões de 110 cv e 130 cv, o 1.6 VTi com 120 cv e o 1.6 THP com 155 cv. No universo das soluções a gasóleo, este C4 conta com a família HDI começando no 1.6 HDi de 92 cv e seguindo para o 1.6 BlueHDi com 99 cv e 120 cv, o 1.6 HDI com 112 cv e o 2.0 BlueHDi com 150 cv.

Principais avarias e problemas
Os motores 1.2 Puretech podem evidenciar problemas na distribuição, tendo mesmo sido alvo de um recall no início de 2021 para verificação e correção desse problema.

Foram registados casos de anomalias com os injetores no motor 1.6 HDI que, nos modelos produzidos até novembro de 2013, também pode dar problemas com o filtro de partículas e com a válvula EGR.

O travão de estacionamento pode não funcionar corretamente e os amortecedores do eixo dianteiro podem dar origem a ruídos.

Citroën C4 (2010-2018)
6.4 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Preço
Conforto
Consumos
Contras
Caixa robotizada
Habitabilidade traseira
Fiabilidade6
Custos de manutenção6.5
Desvalorização6
Qualidade dos materais6
Habitabilidade e bagageira6
Segurança7
Conforto7
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico6
Performance6
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Publicidade
Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Avaliações Usados

Mazda MX-5 (2005-2015)

Published

on

A terceira geração do MX-5 veio trazer uma nova opção para os amantes deste roadster ao introduzir a carroçaria roadster-coupé que tinha uma capota sólida em vez da tradicional de lona e que recolhia eletricamente para a bagageira. Esta solução transformava em segundos o MX-5 num roadster ou num coupé mediante a preferência do condutor.



Mantendo umas linhas simples, arredondadas e fluídas este MX-5 foi uma evolução estética dos seus antecessores, sem grandes radicalismos ou aventuras pois o nome MX-5 ou “Miata” granjeou uma grande legião de adeptos em todo o mundo e mexer com algo tão precioso não fazia muito sentido.

O interior também acompanhou esta tendência, mantendo uma boa posição de condução que favorece as sensações de quem vai ao volante, um espaço suficiente para dois adultos viajarem confortavelmente num ambiente muito simples, sem grandes arrojos estilísticos, mas que alinha com os desejos e expectativas dos puristas do MX-5. A bagageira não é muito grande, mas isso é o normal neste tipo modelos.

A qualidade de construção é boa, transmitindo uma boa noção de solidez, mesmo considerando que alguns dos plásticos do habitáculo não são dos mais nobres, mas o cuidado colocado na sua montagem dá boas perspetivas quanto à robustez deste pequeno roadster. Este cuidado no seu fabrico estende-se à componente mecânica pois a imagem de fiabilidade que estes descapotáveis da Mazda foram granjeando ao longo de décadas é outro dos seus pontos fortes.

Muito divertido de conduzir, o MX-5 é um roadster para apreciar cada minuto passado aos seus comandos. Uma direção precisa, direta e informativa, um punho da caixa de velocidades com um curso curto, uma suspensão que garante um comportamento eficaz e uma tração traseira que, caso o condutor assim o deseje, está sempre pronta para uns bons momentos de diversão.

Motores

O MX-5 está equipado com dois motores a gasolina, o 1.8 com 126 cv de potência e um consumo médio anunciado de 7,3 l/100 km e o mais potente 2.0 com 160 cv e um consumo médio anunciado de 7,7 l/100 km. Claro que o 2.0 dá a MX-5 uma alma que faz dele um roadster mais completo, mas ainda assim o motor 1.8 com 126 cv além de consumir um pouco menos e ser uma versão mais acessível em termos de preço, também cumpre perfeitamente quando um dos maiores prazeres é mesmo andar de cabelos ao vento.

Principais avarias e problemas

Senhor de uma fiabilidade invejável, o MX-5, como todos os outros automóveis, não é “à prova de bala”. Tanto no 1.8 como no 2.0, a luz de avaria do motor pode acender sem justificação, algo que é resolvido com uma simples reprogramação.

Nos modelos produzidos até 1 de abril de 2009 o fecho centralizado pode deixar de funcionar corretamente o que obriga a uma reparação.

Nalgumas unidade produzidas até ao início de 2006 podem surgir infiltrações de água no MX-5 com capota de lona, nomeadamente nas zonas laterais e na zona frontal.

Mazda MX-5 (2005-2015)
6.7 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Fiabilidade
Prazer de condução
Qualidade de construção
Contras
Alguns materiais
Capacidade da bagageira
Fiabilidade7.5
Custos de manutenção6
Desvalorização7
Qualidade dos materais6
Habitabilidade e bagageira6
Segurança6.5
Conforto6.5
Consumo combustível6.5
Comportamento dinâmico8
Performance7
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Kia Sportage (2010-2016)

Published

on

Aquela que é a terceira geração do Kia Sportage faz parte de uma fase da marca coreana marcada por uma mudança no design do construtor coreano que deu aos seus modelos mais caráter, graças a umas linhas mais apelativas, dinâmicas e modernas.



Este Sportage é um bom exemplo dessa mudança e tirou partido também da afirmação dos SUVs no mercado para marcar pontos junto do público.

Com um preço competitivo, bem equipado, sete anos de garantia, um interior espaçoso e uma bagageira com 465 litros, este Kia mostrou-se uma excelente proposta para as jovens famílias. O desenho do interior também é moderno, mas a adoção de alguns materiais menos nobres prejudica-o um pouco, não lhe dando uma imagem de grande robustez.

O conforto é bom, com a suspensão a lidar bem com as irregularidades do piso apesar de não controlar na plenitude todos os movimentos verticais. Quando as estradas se mostram mais exigentes com as curvas a sucederem-se, este Sportage revela um comportamento dinâmico muito filtrado, mas previsível. A sua direção é pouco informativa e mostra-se demasiado leve, mas por outro lado isso até facilita as manobras citadinas.

No fundo, este Kia é uma aposta certa para quem faz da racionalidade pura a sua bitola na escolha de um automóvel.

Motores

A gama Sportage é composta por três soluções Diesel da família CRDi, o 1.7 com 115 cv de potência, o 2.0 com 136 cv e o 2.0 com 184 cv que equipa a versão de tração integral equipada com caixa de velocidades automática. Estes motores mostram-se muito equilibrados na relação entre as suas prestações e os consumos, sendo que o 1.7 e o 2.0 de 136 cv exibem consumos médios na casa dos 5,2 e 5,5 l/100 km respetivamente.

Principais avarias e problemas

Este Kia Sportage pode evidenciar um desgaste prematuro da embraiagem. O motor 2.0 CRDi pode exibir perdas de potência devido a avaria na válvula EGR ou por anomalias no turbo.

A caixa de velocidades manual pode começar a exibir alguns ruídos com possível origem no sincronizador.

As rótulas da suspensão traseira podem começar a produzir alguns barulhos e nos modelos produzidos até outubro de 2012 os amortecedores traseiros podem perder rendimento mais cedo do que o esperado.

A direção pode começar a fazer ruídos devido a uma junta da coluna de direção. Problema que é facilmente solucionado com a substituição dessa junta.

Kia Sportage (2010-2016)
6 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Preço
Equipamento
Habitabilidade
Contras
Alguns materiais
Sensibilidade da direção
Fiabilidade6
Custos de manutenção6.5
Desvalorização5.5
Qualidade dos materais5.5
Habitabilidade e bagageira6.5
Segurança6
Conforto6
Consumo combustível6
Comportamento dinâmico5.5
Performance6
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler
Publicidade

Publicidade

Newsletter

Ultimas do Fórum

Em aceleração