Peugeot 407 Coupé (2005-2011) – Motorguia
Ligue-se connosco

Avaliações Usados

Peugeot 407 Coupé (2005-2011)

Published

on

Depois da aposta ganha com o 406 Coupé desenhado por Pininfarina, a Peugeot voltou à carga com uma versão coupé na gama 407. Apesar de já não ter a assinatura de Pininfarina, o 407 Coupé manteve uma silhueta esguia e fluída, com uma grande grelha frontal e um certo caráter agressivo apesar da sobriedade geral.



Apesar de não ser muito arrojado no desenho do seu interior o 407 Coupé tem um habitáculo envolvente e com bons materiais, sendo que para um coupé, ele oferece um bom espaço interior, até nos bancos de trás, normalmente o calcanhar de Aquiles deste tipo de modelos. Com uma bagageira com 400 litros de capacidade este gaulês também é generoso na hora de reunir a bagagem para uma viagem maior.

A suspensão revela um bom compromisso entre o conforto e a eficácia, demonstrando uma boa capacidade para filtrar as “armadilhas” do piso ao mesmo tempo que controla bem os movimentos deste coupé permitindo que ele se revele divertido quando a estrada é mais sinuosa e mais adequada aos amantes do prazer de condução. Em cidade as manobras podem exigir um pouco mais de cálculo pois o seu diâmetro de viragem não facilita muito.

Na hora da revisão este coupé não é muito amigo da carteira, tendo uns custos de manutenção algo elevados, o que, de certa forma, reflete alguma aura premium que o rodeia.

Motores
A gama de motores é composta por duas opções a gasolina, o 2.2 16v com 163 cv e o 3.0 V6 com 211 cv. Já nas propostas Diesel este 407 Coupé conta com o 2.0 HDI nas versões de 136 e 163 cv, o 2.7 HDI com 204 cv e o mais potente 3.0 HDI, um V6 com 241 cv de potência máxima. Sem impressionarem em termos de prestações, face a alguns concorrentes, nomeadamente germânicos, estes motores mostram-se equilibrados, em especial a opção 2.0 HDI pois é aquela que oferece uma das melhores relações entre baixos consumos e bom rendimento.

Principais avarias e problemas
Os motores Diesel 2.0 HDI e 2.7 HDI podem evidenciar perdas de potência normalmente associadas a problemas com os turbos.

Em termos de eletrónica o sistema de controlo da pressão dos pneus pode dar valores errados e o fecho centralizado também pode não funcionar corretamente. A climatização também pode apresentar anomalias que poderão levar à substituição da unidade de comando no painel de instrumentos.

Peugeot 407 Coupé (2005-2011)
6.6 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Conforto
Habitabilidade
Comportamento dinâmico
Contras
Diâmetro de viragem
Custos de manutenção
Fiabilidade6
Custos de manutenção5.5
Desvalorização6
Qualidade dos materais6.5
Habitabilidade e bagageira6.5
Segurança7
Conforto7.5
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico7
Performance6.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Avaliações Usados

Renault Clio (2019-…)

Published

on

Já na sua quinta geração, o Renault Clio é um dos nomes mais bem sucedidos da marca gaulesa e sempre andou no topo das preferências do segmento no nosso mercado.



Esta geração marca uma clara opção pelo conforto e a nova afinação da suspensão traseira dá a este Clio uma maior eficácia e suavidade a lidar com trepidações e ressaltos do piso. Mantém um bom comportamento dinâmico, previsível e sereno e perdeu apenas um pouco de emoção na forma como interage com o condutor. A direção está menos vaga que no anterior Clio, mas ainda assim continua algo suave.

A habitabilidade está num bom plano e o mesmo se pode dizer do volume da bagageira com os seus 284 litros de capacidade mínima que podem chegar aos 1069 com o rebatimento dos bancos traseiros e só se lamenta que o seu acesso seja algo elevado. Os materiais do interior também foram alvo de uma melhoria face à geração anterior e o ambiente a bordo está mais agradável para os ocupantes.

Bem equipado em termos de sistemas de segurança, este Clio revela-se um bom companheiro para os trajetos diários em cidade, mostrando-se fácil de conduzir e também não se faz rogado nas viagens mais longas se bem que aqui sentem-se alguns ruídos aerodinâmicos que não abonam muito a favor do conforto acústico no interior.

Motores
A gama de motores é composta por unidades que privilegiam os consumos e a economia de utilização e começa com as propostas a gasolina com o 1.0 SCe com 65 e 75 cv e também o 1.0 TCe com 100 e 130 cv de potência. As versões Diesel contam com o 1.5 dCi com 85 e 115 cv. Há ainda a proposta híbrida 1.6 E-TECH com 140 cv de potência.

Principais avarias e problemas
Nos motores 1.5 dCi a bomba de gasóleo pode revelar-se ruidosa enquanto que no 1.3 TCe a gasolina foram registadas algumas situações de dificuldades no arranque do seu funcionamento.

A nível eletrónico este Clio pode sofrer com o acendimento intempestivo de luzes de aviso no tablier sem razão aparente e de algumas falhas no sistema multimédia.

A direção pode vir a ter problemas, perdendo a assistência, situação que causou o regresso de algumas unidades à assistência no início do ano 2020.

Renault Clio (2019-...)
6.7 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Conforto
Habitabilidade
Tecnologia de segurança
Contras
Acesso da bagageira
Ruídos aerodinâmicos
Fiabilidade6
Custos de manutenção6.5
Desvalorização6
Qualidade dos materais6.5
Habitabilidade e bagageira7
Segurança7.5
Conforto7.5
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico6.5
Performance6
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Citroën C3 (2017-…)

Published

on

A terceira geração do Citroën C3 rompe com as linhas do seu antecessor e surge com um estilo moderno e com toques de SUV que segue as tendências do mercado, mas mantendo uma personalidade própria e jovial.



O seu habitáculo não é uma referência em termos de espaço, mas é o suficiente para albergar cinco adultos sem problemas de maior. O desenho do interior também é bem conseguido, apesar de ter alguns plásticos que podiam ser melhores e algumas falhas em termos de ergonomia. Sente-se a falta de uns comandos diretos do ar condicionado que só pode ser gerido através da navegação no ecrã táctil.

A posição de condução ligeiramente elevada é boa e o C3 mostra-se um modelo muito fácil de conduzir em cidade com uma direção muito leve, talvez até demasiado leve.

A suspensão faz um bom trabalho a lidar com o mau piso ajudando ao conforto evidenciado por este francês e ao mesmo tempo garante um comportamento dinâmico são e previsível. Nada de grandes emoções, mas competente e apropriado.

Com uma boa relação entre o seu preço e o equipamento de série que oferece, este C3 também não vai ser demasiado penalizador na hora da sua manutenção.

Motores
Este Citroën C3 conta com o bloco a gasolina com três cilindros e 1.2 litros de cilindrada Puretech nas suas versões com 68, 82 e 110 cv de potência. Já nas soluções Diesel estão disponíveis o 1.5 BlueHDi com 102 cv e o 1.6 BlueHDi com 86 e 100 cv de potência. Qualquer um destes motores, a gasolina ou a gasóleo, são unidades com consumos baixos, o que reforça o posicionamento do C3 como modelo acessível.

Principais avarias e problemas
Os motores PureTech podem dar problemas, nomeadamente o de 100 cv que pode sofrer com falhas na distribuição e no circuito do óleo. Já a versão de 110 cv pode tornar-se ruidosa no seu funcionamento.

A suspensão pode evidenciar também alguns ruídos tanto nos braços dianteiros como nos amortecedores traseiros. O compressor do ar condicionado pode deixar de funcionar, comprometendo a climatização a bordo.

Foram registados alguns casos de modelos produzidos até 2018 com falhas no sistema Start & Stop.

Citroën C3 (2017-...)
6.4 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Conforto
Custos de manutenção
Facilidade de condução
Contras
Leveza da direção
Alguns plásticos
Fiabilidade6
Custos de manutenção7
Desvalorização6
Qualidade dos materais5.5
Habitabilidade e bagageira6
Segurança7
Conforto7
Consumo combustível6.5
Comportamento dinâmico6.5
Performance6.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Volvo XC40 (2017-…)

Published

on

O Volvo XC40 marcou a entrada da marca sueca no segmento dos SUV compactos e a aposta tem-se revelado bem sucedida com o XC40 a conseguir conquistar muitos corações.



Com umas linhas muito bem conseguidas que misturam na conta certa um ar robusto e uma silhueta dinâmica, o Volvo XC40 oferece também um design moderno no seu interior, tornando-o acolhedor e envolvente. A posição de condução é boa e a qualidade de construção revela um bom cuidado sendo apenas de lamentar a escolha de alguns materiais para certos painéis que acabam por se mostrar de um nível um pouco abaixo do que o XC40 pedia.

O espaço disponível para os ocupantes é generoso e a bagageira oferece um acesso fácil e uma capacidade de 460 litros, jogando ainda a seu favor uma boa gestão do espaço disponível para guardar objetos com volumes diferentes.

O conforto que se faz sentir a bordo deste Volvo é um dos seus trunfos. A suspensão revela um excelente trabalho a suprimir a esmagadora maioria das armadilhas que o asfalto possa apresentar e ao mesmo tempo quando a estrada se mostra mais exigente ela consegue controlar bem os movimentos da carroçaria. Muito previsível nas reações, este Volvo conta ainda com sistemas de segurança ativa que dão ao condutor mais algumas armas para evitar certos dissabores.

Sendo uma marca com um gene premium é normal que na hora das revisões este Volvo não apresente os custos de manutenção mais convidativos.

Motores
O XC40 conta com uma oferta de motorizações composta por três unidades a gasolina, o T2 com 129 cv, o T3 com 163 cv e o T5 com 250 cv e também por dois motores a gasóleo, o D3 com 150 cv e o D4 com 190 cv de potência máxima. As unidades a gasolina mostram-se razoáveis nos consumos, ao passo que os motores Diesel, naturalmente, são os mais poupados.

Principais avarias e problemas
Nalguns XC40 equipados com o motor D3 a gasóleo registaram-se problemas com o filtro de partículas. O sistema GPS e multimédia pode apresentar anomalias no funcionamento.

Os bancos podem começar a exibir algumas vibrações devido a uma falha na sua montagem. O encaixe da câmara traseira de auxílio ao estacionamento pode revelar-se frágil.

Volvo XC40 (2017-...)
6.5 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Conforto
Segurança
Comportamento dinâmico
Contras
Alguns materiais
Custos de manutenção
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção5.5
Desvalorização6.5
Qualidade dos materais6
Habitabilidade e bagageira6.5
Segurança7
Conforto7
Consumo combustível6.5
Comportamento dinâmico6.5
Performance6.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Newsletter

Em aceleração