Como planear as suas viagens – Motorguia
Ligue-se connosco

Manutenção

Como planear as suas viagens

Published

on

Apesar de todas as ajudas atuais que o automobilista tem para fazer as suas viagens mais longas, estas ainda devem ser antecipadamente planeadas. Há hábitos e precauções, que já os nossos pais tinham, e que devem ser mantidos pois são úteis e asseguram que a viagem decorre com mais conforto, mais segurança e sem percalços de maior. Assim, aqui lhe deixamos alguns conselhos para planear as suas viagens.



1 – Planeie o trajeto
Independentemente de ter sistema de navegação deve planear a viagem. Ver o trajeto, a distância, a estimativa de duração da viagem. Desta forma consegue identificar os pontos onde poderá parar para descansar (deve fazê-lo de preferência a cada duas horas de condução), locais para fazer refeição se for necessário e postos de abastecimento se a viagem exigir reabastecimentos. Naturalmente se a viagem durar mais de um dia deve ponderar também qual o local onde passar a noite. Aproveite também para neste momento programar o sistema de navegação caso tenha. Assim não perde tempo durante a viagem e evita confusões de trajeto em cima da hora.

2 – Verifique o automóvel
Confirme o bom estado dos pneus, os níveis dos líquidos (óleo, líquido de refrigeração, óleo dos travões e água do limpa para-brisas), se a iluminação está toda a funcionar, se tem lâmpadas suplentes, se o triângulo está em condições. Não se esqueça de incluir um kit de primeiros socorros e já agora veja a documentação do veículo não vá ter-se esquecido de pagar o IUC, por exemplo.

3 – Prepare os viajantes
Antes da viagem assegure-se que descansa bem, com uma boa noite de sono. Além disso garanta que todos os demais ocupantes têm todas as condições para uma viagem confortável. Se tem crianças veja bem o posicionamento e fixação das cadeiras de transporte, se tem entretenimento para eles e se eles irão numa posição onde não estejam sujeitos aos malefícios do sol. Caso tenha animais de estimação que também sigam viagem consigo, estes também deve ir bem acomodados no veículo com os respetivos sistemas de retenção e com água à disposição.

4 – Atenção à bagagem
É comum que nas viagens maiores haja muitos volumes para transportar, em especial se também há crianças com toda a logística que elas acarretam. Por isso tenha especial cuidado ao arrumar os sacos, malas e demais bagagem no veículo. Distribua bem o peso quando está a acomodar os volumes na bagageira e certifique-se que não há objetos soltos no interior do habitáculo.

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Manutenção

Sabe porque os cães perseguem os carros?

Published

on

É comum circular numa estrada, seja nacional ou local e de repente um cão surgir do nada e começar a correr atrás do nosso veículo, seja ele um automóvel ou uma moto. Sabe porque é que isso acontece?



Esse fenómeno é simples de explicar: trata-se apenas do instinto dos cães de perseguir a “presa” que vão “caçar”. O veículo é o seu alvo e eles perseguem-no. Mesmo que não o apanhem, é irresistível para alguns cães fazê-lo. É instintivo.

Como condutor não há forma de evitar a perseguição, mas se for o dono do animal e este tiver essas tendências de “caçador de automóveis” então pode contrariar este comportamento através do treino.

Treinando o seu cão antes que o momento da perseguição comece, desviando o seu foco, recompensando-o por isso e também. Além disso, reforçando o treino da ordem “fica” pode contrariar o instinto da perseguição. Quando consolidar esta ordem com o cão pode sempre testar e pedir a alguém, amigo, ou familiar que passe com o carro por perto para testar se o seu cão deixou de reagir ao estímulo da perseguição.

Como é natural manter o cão controlado por uma trela vai reduzir o seu raio de ação e ao mesmo tempo mantê-lo junto de si, tornando mais fácil o seu controlo.

Continuar a ler

Manutenção

Como ler o que “diz” um pneu

Published

on

Um pneu contém no seu flanco mais informação do que se espera e saber lê-la pode ser uma ajuda preciosa.



A mais simples e comum é a marcação da dimensão do pneu. Utilizando o exemplo gráfico da imagem abaixo temos um pneu 235/55 R17 99W:

Assim temos a largura do pneu (235), o seu perfil (55), a dimensão da jante (17), o índice de carga (99) e o índice de velocidade (W). Nestes dois índices o valor indicado tem uma equivalência numa tabela de carga e de velocidade que aqui ficam:

Índice de carga:

Índice de velocidade:

Mas a informação no flanco do pneu não se fica por aqui. É normal encontrar a referência “Tubeless” que indica que o pneu não precisa de câmara de ar (caso contrário indicaria “Tube Type”). Além disso existem também as marcações de inverno.

Quando o pneu inclui o símbolo de uma montanha com três picos e um floco de neve no centro, antes da indicação M+S, que significa lama e neve (Mud +Snow), então estamos perante um pneu de inverno testado para condições extremas de neve.

Para saber quando é que o pneu foi fabricado, essa indicação também está na lateral do pneu. Na linha de referências “DOT” os últimos 4 dígitos indicam a semana e o ano em que o pneu foi fabricado.

Este dado é importante pois normalmente são os quilómetros e o desgaste do pneu que dão indicação quando este tem de ser mudado, mas o tempo também é importante pois a borracha perde propriedades com o passar dos anos. Pode dar-se o caso de uns pneus terem feito poucos quilómetros, terem a banda de rolamento quase sem desgaste, mas não estarem em condições pois estiveram muito tempo parados e a borracha “endureceu” perdendo qualidade de aderência ou flexibilidade entre outras.

Continuar a ler
Publicidade

Newsletter

Em aceleração