Nissan Micra (2011-2018) – Motorguia
Ligue-se connosco

Avaliações Usados

Nissan Micra (2011-2018)

Published

on

Esta geração do Nissan Micra perdeu muito do charme que o desenho algo irreverente dos seus antecessores tinha e que cativou muita gente e isso refletiu-se nas vendas. Mesmo sendo um modelo mais racional, fácil de conduzir e mais espaçoso, este Micra não conquistou tantos corações como as gerações anteriores.



Muito fácil de conduzir, especialmente em cidade, graças a uma direção leve, a um bom diâmetro de viragem e a uma boa visibilidade, este Micra revela-se o companheiro ideal para quem anda maioritariamente em circuito urbano.

Já para as viagens mais longas o motor mostra as suas limitações e a velocidades mais elevadas a insonorização também não é muito eficaz, deixando que alguns ruídos aerodinâmicos se sintam no habitáculo.

O interior tem um desenho simples e os materiais não exibem uma qualidade ao mesmo nível de alguns do seus rivais que estavam já um passo à frente no ambiente a bordo. Com quatro portas a acessibilidade é facilitada e o espaço interior é generoso para o condutor e ocupantes. O conforto é assegurado por uma suspensão com uma afinação suave que garante uma boa supressão das irregularidades.

O seu preço mostra-se equilibrado considerando o equipamento que oferece de série e o que propõe, mas já os custos de manutenção não são tão simpáticos.

Motores
Este Micra conta apenas com uma proposta em termos de motor, o tricilíndrico com 1.2 litros de cilindrada nas suas versões de 80 e 98 cv de potência máxima. Em ambos os casos são motores comedidos nos consumos e para quem faça mais quilómetros em viagens mais longas recomenda-se o 1.2 com 98 cv que revela ser mais expedito nas recuperações e acelerações.

Principais avarias e problemas
Sem grandes problemas mecânicos a assinalar o Micra mostra-se um modelo fiável, sendo apenas de referir algumas fugas de combustíveis nas primeiras unidades produzidas que levou a um regresso à assistência para corrigir o problema.

A embraiagem e os rolamentos do eixo traseiro podem evidenciar um desgaste superior ao esperado.

Nissan Micra (2011-2018)
6.4 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Preço
Habitabilidade
Facilidade de condução
Contras
Insonorização
Alguns materiais
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção6
Desvalorização6
Qualidade dos materais6
Habitabilidade e bagageira7
Segurança7
Conforto6.5
Consumo combustível6.5
Comportamento dinâmico6
Performance6
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Avaliações Usados

Citroën C-Crosser (2007-2013)

Published

on

O Citroën C-Crosser foi uma das primeiras incursões na “nova vaga” SUV por parte da marca francesa e fez isso em parceria com a sua “irmã” Peugeot e a Mitsubishi, o que deu origem a três modelos equivalentes, o C-Crosser, o 4007 e a segunda geração do Outlander, respetivamente.



Com uma boa habitabilidade, o C-Crosser não esconde totalmente a estética da sua base e, se excluirmos o símbolo no volante, estamos perante um Mitsubishi Outlander. Solidamente montado, mas com uns plásticos que deixam algo a desejar.

Para este tipo de modelo seria ideal uma maior modularidade nas soluções do interior já que se mostra um modelo muito versátil, sendo fácil de conduzir em cidade ao mesmo tempo que permite uma ou outra incursão numa estrada de terra, este gaulês com sotaque nipónico ainda demonstra uma boa solidez e postura nas viagens mais longas.

A sua suspensão deixa passar algumas vibrações para o interior pois a sua afinação revela alguma dureza, algo que acaba por favorecer este C-Crosser quando a estrada se torna mais desafiante. Dinamicamente ele mostra-se sólido e eficaz tirando também partido de uma direção precisa.

O seu sucesso de vendas não foi grande muito por culpa do seu “familiar” Outlander que estava no mercado com um preço mais convidativo, tendo ao mesmo tempo uma imagem de marca mais associada ao fora de estrada do que a Citroën.

Motores
O Citroën C-Crosser conta apenas com uma motorização, o Diesel 2.2 HDI com 160 cv de potência que se revela uma boa unidade em termos de prestações dando a este SUV uma aceleração dos 0 aos 100 km/h em menos de 10 segundos (9,9s). Segundo a marca os consumos ficam-se em torno dos 7.0 l/100 km em média, mas será fácil subir essa média pois este HDI ainda terá algum trabalho para dar boa resposta aos 1747 kg do C-Crosser.

Principais avarias e problemas
O sistema de injeção pode obrigar a uma ida à assistência para ser reprogramado de forma a corrigir algumas falhas de funcionamento. Foram ainda registados alguns problemas com a válvula EGR.

Os vidros traseiros podem sair da calha e ficar no interior da porta. Nos modelos produzidos entre abril de 2007 e maio de 2008 o contacto nos travões que faz acionar as luzes de stop pode não funcionar corretamente, obrigando à sua substituição.

Citroën C-Crosser (2007-2013)
6.3 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Versatilidade
Habitabilidade
Comportamento dinâmico
Contras
Conforto
Modularidade
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção6.5
Desvalorização5.5
Qualidade dos materais6
Habitabilidade e bagageira6.5
Segurança6.5
Conforto6
Consumo combustível6.5
Comportamento dinâmico6.5
Performance6.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Smart (1998-2003)

Published

on

O crescimento do Smart como produto teve um início titubeante fruto de ser um conceito diferente de encarar a mobilidade, mas que conseguiu afirmar-se graças à sua facilidade de condução e versatilidade em cidade.



Criado pela Mercedes-Benz em parceria com a Swatch, daí o nome Smart (Swatch Mercedes Art), o Smart revela-se o companheiro ideal para utilizar em ambiente urbano. De dimensões reduzidas é fácil de estacionar em qualquer lugar e com a sua caixa automática é muito simples de conduzir no dia a dia.

Duas pessoas viajam sem problemas de maior, mas é bom que não levem muita bagagem porque a mala do Smart é quase só simbólica com os seus 150 litros de capacidade.

Com um desenho jovial, o interior do Smart é funcional, mas alguns dos plásticos utilizados não favorecem muito a imagem de robustez. O som do motor e os ruídos aerodinâmicos entram com facilidade no habitáculo o que não ajuda muito ao conforto dos ocupantes.

Tendo o foco na cidade este Smart não é um estradista, apesar de não se negar a nenhuma viagem mais longa, mas não “é a sua praia”. Por isso não se esperem grandes capacidades dinâmicas quando os troços se revelam mais sinuosos. A suspensão consegue suprimir as armadilhas maiores das ruas da cidade, mas não é propriamente um primor de conforto.

Esta geração do Smart vale pelo seu conceito de mobilidade urbana, tendo feito parte dos primeiros modelos que a indústria produziu a ter uma certa aura ecológica e que veio mostrar que se pode circular na cidade de uma forma diferente.

Motores
Os motores são todos unidades de três cilindros e a gama começa com as propostas a gasolina compostas pela unidade de 599 cc de cilindrada com as potências de 45, 55 e 61 cv. Já a versão Diesel conta com um motor capaz de debitar 41 cv. Todas estas motorizações são poupadas nos consumos, sendo que aquela que se mostra mais equilibrada é a versão de 61 cv que oferece uma potência capaz de dar uma boa mobilidade ao Smart e ao mesmo tempo continua a ser comedida no consumo.

Principais avarias e problemas
Os motores a gasolina dos modelos produzidos em 2001 podem apresentar fugas no sistema de refrigeração. O retentor da cambota pode ser um calcanhar de Áquiles pois tem tendência para fugas de óleo.

Com o tempo a carroçaria pode revelar uma certa tendência para ganhar folgas nalgumas junções dos painéis. Foram registados alguns casos de problemas de estanquicidade nos vidros e na capota.

Alguns modelos revelaram anomalias no funcionamento do fecho centralizado.

Smart (1998-2003)
5.9 Avaliação
Utilizadores 0 (0 Votos)
Pros
Conceito
Versatilidade
Facilidade de condução
Contras
Insonorização
Qualidade dos materiais
Fiabilidade6
Custos de manutenção6
Desvalorização6
Qualidade dos materais5.5
Habitabilidade e bagageira5
Segurança5.5
Conforto6
Consumo combustível6.5
Comportamento dinâmico6
Performance6
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Jeep Renegade (2014-…)

Published

on

O Renegade representa o modelo de entrada na gama Jeep e mesmo sendo um pequeno SUV não esqueceu o gene da família e tem uma personalidade que não receia um ou outro caminho sem asfalto… desde que não se entre em exageros.



Muito fácil de conduzir em ambiente citadino, o Renegade oferece um bom espaço interior e uma capacidade da mala que chega aos 350 litros. Apesar do desenho do habitáculo ser bem conseguido, dando até um certo ambiente de todo-o-terreno, os materiais utilizados deixam algo a desejar, o que compromete a imagem de solidez.

O conforto não é dos melhores pois a suspensão revela uma afinação firme, o que em mau piso faz a sua mossa. Contudo, essa afinação permite ao Renegade revelar-se eficaz quando a estrada se torna mais exigente, mostrando um comportamento previsível e fácil de domar.

Com a sua altura ao solo ele marca pontos na versatilidade pois além de não obrigar a cuidados extra com os buracos nas vias urbanas, ele também permite fazer um estradão de terra sem grandes receios, mas… convém não não esquecer que é apenas um pequeno SUV e não um todo-o-terreno puro e duro, por isso é melhor não abusar nas aventuras fora de estrada.

Motores
A gama Renegade é composta por dois motores a gasolina e um Diesel. No primeiro caso ele conta com o 1.0 T, um tricilíndrico turbocomprimido com 120 cv e o 1.3 T, um quatro cilindros também turbocomprimido com 150 cv. Para quem opte pela proposta a gasóleo este Jeep está equipado com o motor 1.6 Multijet de 120 cv. Qualquer um destes motores não se mostra muito guloso nos consumos, sendo que naturalmente o Diesel leva vantagem com consumos médios anunciados de apenas 4,1 l/100 km.

Principais avarias e problemas
O motor 1.6 Multijet pode revelar perdas de potência devido a problemas no turbo. O sistema Stop & Start pode ter um funcionamento anormal devido a falhas eletrónicas.

Foram reportadas algumas falhas no funcionamento do sistema de climatização. Os travões podem vir a ser uma fonte de ruídos, o mesmo acontecendo com o eixo traseiro.

Jeep Renegade (2014-...)
6.2 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Consumos
Habitabilidade
Versatilidade
Contras
Conforto
Alguns materiais
Fiabilidade6
Custos de manutenção5.5
Desvalorização6
Qualidade dos materais6
Habitabilidade e bagageira6.5
Segurança6.5
Conforto6
Consumo combustível6.5
Comportamento dinâmico6.5
Performance6
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Newsletter

Em aceleração