6 conselhos para evitar o enjoo – Motorguia
Ligue-se connosco

Novos

6 conselhos para evitar o enjoo

Published

on

Falar de viagens de carro e de enjoos é algo que infelizmente para algumas pessoas é comum. Certamente que já houve uma viagem em que não nos sentimos lá muito bem e se afortunadamente isso nunca nos aconteceu, de certeza que conhecemos alguém que enjoa quando anda de carro.



Aqui lhe deixamos seis conselhos para minimizar este mau estar quando viaja num automóvel:

1 – Previna-se para o pior
Para começar, o melhor mesmo é salvaguardar o pior cenário e, “não vá o diabo tecê-las” leve um saco de enjoo, ou de plástico, toalhetes e água fresca. A “desgraça” pode sempre acontecer e por vezes quem vai ao volante pode não ter tempo, ou local, para parar o carro em segurança. Pelo menos com este “kit” sempre salvaguarda a manutenção da limpeza dos demais e do próprio habitáculo.

2 – Não viaje no banco de trás
Se é propenso a enjoar, evite ir no banco de trás. Prefira o do pendura e se tiver mesmo de ir no banco traseiro então escolha viajar ao meio pois sempre pode fixar o olhar para a frente, o que reduz o risco de enjoo.

3 – Cuidado com o olhar
Evite olhar para a paisagem que passa ao lado do veículo. O movimento cansa a vista, por isso o melhor é focar-se na frente ou então olhar para um ponto fixo mais perto de si. Ler ou utilizar o telemóvel também não ajuda nada a evitar o enjoo.

4 – Conduza suavemente
Quem vai ao volante tem muita responsabilidade no bem estar dos demais e por isso conduzir de forma suave é o ideal para reduzir a possibilidade de enjoar. Evite movimentos bruscos, tanto na travagem, como na direção ou aceleração.

5 – Areje o habitáculo
O ar fresco é determinante para minimizar os riscos de enjoo. Um interior bem oxigenado e fresco reduz a sensação de mau estar para quem é mais suscetível ao enjoo. Areje o veículo antes da viagem e assegure-se que este não está muito quente (por ter estado ao sol, por exemplo) antes de iniciar a viagem.

6 – Faça paragens regulares
Além de ajudar a recuperar o corpo reduzindo a fadiga, parar várias vezes nas viagens mais longas é fundamental também para descansar a vista e melhorar a circulação sanguínea, o que ajuda a reduzir o risco de enjoo.

Além destes concelhos convém salientar que por vezes o problema do enjoo só é resolvido com medicação adequada e para tal deve consultar o seu médico. Ainda assim, estes conselhos são pequenos gestos que pode fazer para evitar que a sua viagem se torne muito complicada.

Publicidade
Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Novos

A importância da distância de segurança

Published

on

A distância de segurança é um conceito no meio rodoviário que pode ser definido como a distância que separa dois veículos que circulam na mesma faixa e que permite ao que circula atrás travar em segurança sem embater no da frente.



Naturalmente que essa distância em concreto varia em função de vários fatores como a velocidade, o estado do piso ou as condições climatéricas, por isso aqui lhe deixamos alguns conceitos e conselhos para garantir que circula sempre com a distância de segurança adequada.

O bom estado do veículo

Pneus, travões e amortecedores em boas condições são determinantes para a eficácia da travagem do veículo, logo é importante saber gerir a distância para o veículo da frente caso desconfie que algum destes elementos possa não estar a 100% (como antes de ir à revisão, por exemplo).

A velocidade

Quando maior a velocidade, mais espaço o veículo necessita para se imobilizar em segurança e menos tempo de reação tem o condutor, logo tem de adequar a distância de segurança à via em que circula, aumentando-a em função do aumento da velocidade. Ou seja, em auto-estrada a distância para o veículo da frente terá que ser maior do que em estrada e aqui maior do que em cidade.

As condições do condutor

O cansaço, o sono ou as distrações são dois fatores que influenciam a capacidade de reação. Numa primeira análise, se sentir alguma destas condições o condutor não deve conduzir, mas se ainda assim tiver de o fazer, então convém aumentar a distância de segurança para poder ganhar tempo de reação face a qualquer imprevisto.

O estado do piso

Um piso degradado prejudica a capacidade de travagem do veículo pois os amortecedores estão sempre a ressaltar. Isto faz com que a roda não esteja permanentemente em contacto com o asfalto o que em caso de travagem vai aumentar a distância percorrida pelo veículo pois o esforço dos travões não está a ser aplicado em pleno no alcatrão. Por isso se a estrada está degradada também deve aumentar a distância de segurança.

A meteorologia

Chuva, neve, gelo ou nevoeiro são elementos que prejudicam a aderência e também a visibilidade e como tal exigem uma condução mais preventiva e cautelosa. Por isso deve, pelo menos, duplicar a distância de segurança habitual em função da via em que circula porque uma má visibilidade prejudica o seu tempo de reação e um piso escorregadio aumenta e muito a distância percorrida numa travagem de emergência, por exemplo.

Continuar a ler

Manutenção

Como lidar com o gelo acumulado no para-brisas

Published

on

Com o inverno e as temperaturas a baixar o gelo acumulado no para-brisas pode ser um problema quando chega ao seu automóvel pela manhã por isso aqui lhe deixamos alguns conselhos para poder solucionar este problema.



Prevenir

O primeiro passo é prevenir a acumulação de gelo e isso pode ser feito de forma simples. Se o seu veículo “dorme” na rua então proteja o para-brisas com um tecido grosso ou então um cartão. Desta forma cria uma superfície entre o vidro e o possível gelo que possa vir a acumular durante a noite, bastando de manhã remover o cartão ou o tecido e seguir viagem.

Ligue o desembaciador

Verifique que não tem neve ou gelo a obstruir o tubo de escape e ponha o carro a trabalhar. Depois ligue o desembaciador e o ar condicionado na temperatura mais elevada de forma a aquecer o para-brisas. Nalguns modelos o desembaciador do para-brisas é elétrico, ou seja, o vidro tem filamentos elétricos que aquecem o mesmo facilitando o desembaciamento o que também ajuda a remover o gelo. No entanto, não se esqueça de o fazer com o veículo a trabalhar para não descarregar a bateria.

Não use água quente

Nunca recorra a água quente para remover o gelo porque isso irá causar um choque térmico no vidro podendo levá-lo a rachar e em vez de resolver um problema fica com outro bem maior.

Use uma solução de água e álcool

Recorra a um simples borrifador e encha-o com 1/3 de água e 2/3 de álcool etílico (há quem defenda que uma proporção ao contrário é suficiente, ou seja, 2/3 de água e 1/3 de álcool… sempre gasta menos álcool). Misture bem esta solução e borrife o gelo que cobre o para-brisas deixando-a atuar na remoção do gelo e verá como ele desaparece de uma forma mais simples.

Raspar o gelo

Retirar o gelo do para-brisas raspando-o é outra solução, mas exige cuidado na escolha do “raspador” para não riscar ou danificar o vidro e as borrachas. Um simples cartão de crédito serve, mas evite usar um cartão ativo pois pode danificá-lo e ficar com ele inutilizado o que depois lhe complica a vida. Por isso, um cartão fora da validade pode dar uma ajuda. Contudo há raspadores próprios no mercado e como são soluções que não ocupam muito espaço, pode sempre ter um na bagageira.

Continuar a ler
Publicidade

Publicidade

Newsletter

Ultimas do Fórum

Em aceleração