Países europeus começam a exigir testes PCR aos transportadores – Motorguia
Ligue-se connosco

Comerciais

Países europeus começam a exigir testes PCR aos transportadores

Published

on

Portugal posiciona-se no topo do ranking de contágios e esta circunstância vai afetar negativamente a atividade dos transportadores portugueses que se dedicam ao transporte internacional e é precisamente a esses que se exigirá a realização de diferentes medidas sanitárias de controlo.


De nada serviu a carta que a Comissária Europeia de Transportes, Adina Valean, dirigiu na semana passada aos Ministros de Transportes dos Estados Membros opondo-se a que esses mesmos Estados Membros imponham aos transportadores medidas de controlo sanitário, já que isso iria contra a necessária fluidez do transporte de mercadorias pelo seu caráter essencial.

Na missiva, coloca como exemplo a experiência vivida no Natal passado no Reino Unido pela exigência das autoridades francesas em que cada transportador ou motorista que cruzasse o Canal da Mancha teria de apresentar um teste negativo PCR. “Os testes negativos aos condutores de camiões antes de cruzar o Canal mostram que o pessoal do transporte de mercadorias é um grupo bastante seguro porque não precisa de se misturar com os cidadão locais quando transitam por um determinado país.”

Na mesma carta, Valean adverte do risco que “estas novas medidas sejam tomadas de forma unilateral, sem coordenação, confrontando a indústria do transporte com um mosaico de regras em constante mutação, com o risco de que com o transporte de mercadorias, enfrentem diferentes regimes de testes enquanto viajam Europa fora, arriscando-se a serem sancionados, e em última instância, medidas de quarentena, se não seguirem o mosaico das regras.” Assim, assinalam que os “Estados membros deveriam reconhecer sempre os trabalhadores do transporte como pessoal essencial e evitar que tenham de se submeter a testes e medidas de quarentena. É preciso manter os carris verdes operacionais, sendo agora ainda mais importante porque começam a ser implementados novos controlos fronteiriços e os bens essenciais devem ser distribuídos rapidamente.”

PCR negativo para entrar na Alemanha

Fazendo caso omisso a estas recomendações, a Alemanha já aprovou novas medidas de controlo aplicáveis a todas as pessoas que entram no país depois de terem estado num outro país membro com alta incidência de covid nos 10 dias anteriores à entrada, entre os quais se encontra Portugal, ao qual se somarão outros países europeus nas próximas semanas.

Assim, o condutores profissionais devem completar um registo digital antes de entrar no país, disponível em www.einreiseanmeldung.de e fazer uma cópia do mesmo para entrarem na Alemanha,um teste negativo PCR e apresentar a dita prova às autoridades competentes, isto se a sua permanência exceder as 72 horas.

Em todo o caso, estarão isentos desta obrigação os condutores profissionais procedentes de Portugal no caso de terem estado em Portugal menos de 72 horas ou permaneçam na Alemanha menos de 72 horas.

Da mesma forma, a Bélgica estabeleceu a restrição para viajar para o país, permitindo que só se realizem viagens essenciais de e para o território belga, nos quais se encontra o transporte de mercadorias por via terreste, mas será preciso acreditá-lo, devendo levar a bordo do veículo uma declaração responsável (declaração de honra) que pode ser obtida no seguinte link: https://d34j62pglfm3rr.cloudfront.net/downloads/20210126_BU_Verklaring_op_eer_Finaal_EN_Goedgekeurd_Blanco.pdf

Comerciais

Scania entrega primeiro tractor elétrico de três eixos na Suécia

Published

on

A Scania entregou um trator elétrico de três eixos, homologado com um peso bruto de 64 toneladas, a uma empresa sueca fabricante de produtos químicos, Wibax, para utilização nas estradas do norte da Suécia.



O veículo ajudará a companhia a atingir os seus objetivos ambientais, representando mais um exemplo de uma parceria entre uma marca e um cliente, assim como mais um passo na eletrificação do transporte pesado.

O trator elétrico de três eixos e 64 toneladas está a efetuar uma rota entre as cidades de Pitea e Skelleftea, numa distância de 80 quilómetros em cada sentido. A sua performance e capacidade de carga foram otimizadas pela adoção de um motor elétrico mais potente.

Ao abrigo da parceria de longo prazo, a Scania e a Wibax irão trabalhar em conjunto para melhorar a utilização do veículo ao longo do tempo, designadamente em áreas como o carregamento, duração da vida útil da bateria e planeamento de rotas. Esta colaboração também permitirá à Wibax recolher dados na preparação para a introdução de mais veículos elétricos no futuro.

Para a Wibax, o camião elétrico da Scania é uma forma de reduzir o impacto ambiental das suas operações. “Temos feito o máximo para sermos sustentáveis desde a fundação da empresa em 1968 e como identificamos o transporte como o nosso maior impacto ambiental, este camião elétrico constitui um passo para conseguirmos efetuar as nossas operações levando em consideração o ambiente. Durante a vida útil deste camião, a Wibax irá reduzir as emissões de dióxido de carbono em cerca de 1400 toneladas”, afirma Jonas Wiklund, CEO do Wibax Group.

A Scania e a Wibax encetaram uma colaboração estreita para permitir esta solução eletrificada. “Este é o primeiro camião elétrico de 64 toneladas que colocamos na estrada para operação num cliente. Passo a passo, estamos a demonstrar que as soluções elétricas estão a acontecer muito rapidamente e basicamente em todos os segmentos”, afirma Fredrik Allard, diretor de Mobilidade Elétrica da Scania.
Este desenvolvimento contínuo e rápido sublinha a importância de uma infraestrutura de carregamento fora das zonas urbanas. Para possibilitar o carregamento deste camião, o operador elétrico Skelleftea Kraft também está envolvido no projeto e ficou responsável pela implementação da infraestrutura de carregamento.

 

Continuar a ler

Comerciais

Mercado de comerciais ligeiros e pesados melhora em 2021

Published

on

Analisando o mercado de veículos comerciais ligeiros e pesados durante o ano de 2021, verificiou-se uma recuperação. O primeiro registou um aumento de 4,4% enquanto o segundo subiu aos 21,3%.



Foram matriculadas 28 790 veículos comerciais, ficando a Renault no primeiro lugar acabando por destronar a Peugeot que foi a marca mais vendida em 2020. Em 2021, a diferença foi mínima, de 5337 para a Renault e 5296 unidades para a Peugeot e, no terceiro lugar, acaba por aparecer mais uma marca da Stellantis.

A Citroën matriculou 3350 carros. Na lista dos mais vendidos, surgem depois a Toyota com 2468 unidades, a Fiat com 2458, a Opel com 1793, a Ford que registou 1762 matrículas, a Mercedes-Benz 1194 e a Volkswagen 1151. A Iveco ficou-se pela 1057 matrículas.

No mercado de pesados, incluindo camiões e autocarros, foram matriculadas 4850 unidades, surgindo a Mercedes-Benz no primeiro lugar, com 784 unidades, seguindo-se a MAN, com 733 unidades, a DAF com 719 unidades. Nas posições imediatas surgem a Scania, com 569 unidades, a Volvo, com 552, a Renault, com 519, a Iveco, com 398, a Ford, com 244, a Fuso, com 177, e a Isuzu, com 123.

Referência ainda para a Ford Trucks no mercado dos pesados de mercadorias que está a consolidar a sua posição no mercado nacional, tendo matriculado 236 unidades. Relativamente ao ano anterior, isto representa uma subida de 136%, enquanto a quota de mercado passou de 2,79% para 5,53%.

Continuar a ler

Comerciais

Camião a hidrogénio consegue carregar 48 elétricos por dia

Published

on

Uma start-up russa lançou o L-Charge, um camião que funciona como uma espécie de supercarregador móvel para automóveis elétricos, que opera com potências de 150 até 1.000 kW, para recargas em minutos num máximo de 48 automóveis por dia.



O camião L-Charge é movido a gás natural liquefeito (GNL) ou a hidrogénio (depende da opção do cliente), o mesmo combustível que pode ser armazenado e transportado na forma de gás ou líquido para ser convertido em energia, o que faz com que o processo não seja completamente livre de emissões – embora o fabricante sublinhe que é três vezes inferior ao que produziria uma mecânica Diesel.

Também o preço não é especialmente atrativo, já que o custo de kWh consumido é de 0,80 cêntimos, uma tarifa que é praticamente o dobro das praticadas por outras operadoras. O que não impede que, só na cidade de Moscovo, onde está o único camião em operação atualmente, o L-Charge receba em média seis solicitações diárias.

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Newsletter

Em aceleração