Citroën C1 (2014-…) – Motorguia
Ligue-se connosco

Avaliações Usados

Citroën C1 (2014-…)

Published

on

Desde que foi lançado que o pequeno Citroën C1 se revelou a solução para muitos. Com um preço acessível, custos de manutenção comedidos, fácil de conduzir e ideal para uma vida citadina, este gaulês facilmente conquistou o seu espaço no mercado e esta segunda geração vem confirmar a aposta certa da marca francesa.



“Irmão” do Peugeot 108 e Toyota Aygo este C1 está 5 cm mais comprido que a primeira geração o que no entanto não é sinónimo de grandes melhorias no espaço interior ou na bagageira. Esta continua pequena com os seus 196 litros de capacidade e o habitáculo continua suficiente para quatro ocupantes viajarem sem grande complicações, mas sem grande “à vontade” também.

A versão de cinco portas oferece um acesso mais facilitado a um interior que continua com uns plásticos cuja qualidade não é das melhores, mas os retoques no desenho tornam-no mais apelativo e agradável que o antecessor. A posição de condução é boa e facilmente quem se senta ao volante encontra o equilíbrio correto.

Ideal para a cidade o C1 continua a ser um citadino muito fácil de conduzir. As dimensões ajudam e a leveza da direção também. Confortável quanto baste, a suspensão mostra-se eficaz a suprimir as armadilhas do ambiente urbano e não se faz rogado quando é preciso fazer uma viagem mais longa. Aqui só o ruído do motor que entra facilmente no habitáculo é que pode manchar um pouco o seu conforto. Quando a estrada se torna mais exigente este pequeno francês também não se nega e responde com eficácia suficiente ao que lhe é pedido sem grandes alaridos ou emoções fortes.

Motores
A simplicidade do C1 estende-se também à oferta de motores que é composta apenas por duas unidades a gasolina. O 1.0 VTi com 72 cv de potência e o 1.2 Puretech com 82 cv. Qualqueer um deles mostra-se suficiente para que o C1 se desenvencilhe bem do trânsito citadino ao mesmo tempo que mantém uns consumos reduzidos.

Principais avarias e problemas
Foram detetadas algumas anomalias no sistema de injeção do motor 1.0 nas primeiras unidades produzidas. Nalguns modelos equipados com o motor 1.2 foram registados casos de um consumo de óleo excessivo devido a uma fuga com origem numa das extremidades da cambota.

Nos modelos fabricados até ao início de 2015 a coluna de direção pode começar a apresentar ruídos, algo que pode inclusive levar à sua substituição. O comando dos piscas também pode dar problemas obrigando à sua troca. As óticas traseiras e a terceira luz de stop podem revelar algumas falhas de estanquicidade sendo que esta última pode mesmo originar uma infiltração na bagageira.

Citroën C1 (2014-...)
6.6 Avaliação
Utilizadores 0 (0 Votos)
Pros
Consumos
Custos de manutenção
Facilidade de condução
Contras
Bagageira
Insonorização
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção7
Desvalorização6
Qualidade dos materais6
Habitabilidade e bagageira6.5
Segurança7
Conforto6.5
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico6.5
Performance6.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Avaliações Usados

Citroën Xsara (1997-2004)

Published

on

Sucessor do Citroën ZX, o Xsara veio trazer um design mais fluído e moderno, sendo um dos modelos que de certa forma marcaram uma transição estética geracional no seio da marca gaulesa.



Lançado no mercado com um preço convidativo, o Xsara oferece uma boa habitabilidade e uma bagageira generosa com 408 litros de capacidade. Disponível nas carroçarias de cinco portas, coupé e carrinha, a gama Xsara assegurou a satisfação das mais variadas necessidades dos seus compradores e ainda hoje é presença comum nas nossas estradas.

Com uma suspensão equilibrada que lhe dá um bom compromisso entre conforto e eficácia dinâmica, o Xsara é um modelo fácil de conduzir e no dia a dia apenas se lamenta que a sua visibilidade traseira não seja mais ampla.

Competente em cidade e capaz nas viagens mais longas, o Xsara podia ter uma insonorização mais bem conseguida, mas ainda assim é algo que não mancha de forma significativa o conforto que oferece aos ocupantes.

Motores
Os motores que equipam o Xsara são vários, fruto também do seu tempo de vida como produto já que apanhou a introdução da família de motores HDI que vieram substituir os TD com que começou a ser comercializado. Assim no universo de propostas Diesel o Xsara conta com o 1.4 HDI de 70 cv, 1.9 TD de 92 cv e o 2.0 HDI nas versões de 90 e 110 cv de potência.
Já a oferta a gasolina é composta pelo 1.4 de 75 cv, o 1.6 de 88cv e o 1.6 16V de 110 cv.

Principais avarias e problemas
Alguns modelos equipados com o motor Diesel 1.9 TD revelaram problemas com a câmara de combustão que em certos casos chegou mesmo a levar à rutura do motor por volta dos 100 mil quilómetros. Os Xsara fabricados em Julho de 2002 foram alvo de uma reprogramação da gestão da centralina para resolver problemas de motor que foram detetados.

O ponteiro do depósito teve de ser substituído nos modelos HDI produzidos entre agosto e outubro de 2002 devido ao seu mau funcionamento. Nalgumas unidades foram assinalados casos de desgaste prematuro da bomba da direção assistida.

Citroën Xsara (1997-2004)
6.5 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Preço
Conforto
Habitalidade
Contras
insonorização
Visibilidade traseira
Fiabilidade6
Custos de manutenção7
Desvalorização6
Qualidade dos materais6
Habitabilidade e bagageira7
Segurança6.5
Conforto7
Consumo combustível6.5
Comportamento dinâmico6.5
Performance6
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Toyota Corolla (2001-2007)

Published

on

Por muitos considerado o melhor Corolla de sempre, esta geração elevou a fasquia da qualidade dos materiais e apresenta-se ainda com uma estética mais apelativa do que as gerações anteriores.



Apostada em fazer frente aos rivais germânicos a Toyota deu um salto qualitativo substancial com este Corolla. A qualidade de construção já estava patente nos anteriores modelos com este bem conhecido nome, mas agora a qualidade dos materiais veio reforçar e muito a sensação de robustez e solidez deste nipónico.

Com uma boa habitabilidade e senhor de um bom conforto graças ao eficaz trabalho da suspensão, este Corolla só peca um pouco por ter perdido alguma capacidade na bagageira face às anteriores gerações.

Fácil de conduzir em ambiente citadino este Toyota não se nega a uma viagem mais longa ou a um traçado mais sinuoso, onde se mostra muito previsível e fácil de controlar, naturalmente sem ser particularmente entusiasmante.

Motores
A gama de motores é composta pelas unidades a gasolina 1.4 com 97 cv, 1.6 com 110 cv e a mais potente 2.0 com 192 cv e estende-se à opções a gasóleo com o 1.4 D-4D de 90 cv e o 2.0 D-4D com 110 e 116 cv. Estas unidades Diesel são muito equilibradas na sua relação entre prestações e bons consumos e só se lamenta o facto de serem algo ruidosas, fazendo-se sentir em demasia no interior do habitáculo.

Principais avarias e problemas
As primeiras unidades equipadas com os motores D-4D surgiram com a correia da distribuição demasiado esticada o que causou um desgaste prematuro nos tensores. Nalguns modelos foram detetadas falhas de impermeabilização na tampa do bocal do óleo dos travões.

Os pneus podem apresentar um desgaste maior do que o esperado e nalguns modelos foi necessário fazer uma reprogramação para solucionar uma anomalia no fecho centralizado.

Toyota Corolla (2001-2007)
6.7 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Conforto
Acabamentos
Habitalidade
Contras
Insonorização
Capacidade da mala
Fiabilidade7.5
Custos de manutenção6.5
Desvalorização6.5
Qualidade dos materais6.5
Habitabilidade e bagageira6.5
Segurança7
Conforto7
Consumo combustível6.5
Comportamento dinâmico6.5
Performance6.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Renault Twingo (2014-…)

Published

on

Esta terceira geração do Renault Twingo marca uma autêntica revolução no conceito deste citadino. Passou a ter cinco portas e o motor passou para a traseira, fruto da parceria com a Smart, que juntamente com o construtor francês desenvolveu esta geração do Twingo e também o Smart Forfour II, levando a que os dois modelos partilhem a mesma plataforma.



Com esta mudança, o Twingo perdeu o gene de “pequeno monovolume” que tinha na primeira geração e alguma da versatilidade que isso acarretava, mas ganhou uma facilidade de condução em cidade ainda maior pois tem um melhor diâmetro de viragem e apesar de ser ligeiramente mais curto em comprimento que a segunda geração do Twingo ele apresenta uma melhor habitabilidade.

Com o melhor acesso ao interior graças às quatro portas, este Twingo por seu turno perdeu alguma capacidade de bagageira, ficando-se pelos 174 litros de capacidade. O habitáculo tem um desenho simples, mas moderno e funcional, não se podendo esperar grandes requintes em termos de materiais num modelo desta natureza. De forma a conseguir compensar alguma da versatilidade perdida face às anteriores gerações, este Twingo oferece vários pequenos espaços de arrumação para guardar os mais variados objetos.

A suspensão assegura que tudo neste Twingo decorre de forma previsível e garantem um conforto adequado a um citadino. Só o campo da insonorização fica um pouco comprometido quando a viagem é mais longa e a velocidades mais altas pois então este Renault revela alguns ruídos aerodinâmicos.

Motores
Equipado apenas com dois motores a gasolina, este Twingo conta com duas unidades capazes para as necessidades citadinas a que este pequeno gaulês se propõe. Assim, o SCE de 70 cv e o TCE, turbocomprimido, com 90 cv são dois motores de três cilindros que se mostram suficientes para as voltas urbanas, mas não impressionam pelas suas prestações. Em compensação são duas motorizações que não se mostram muito gulosas no que diz respeito aos consumos.

Principais avarias e problemas
Os modelos produzidos até junho de 2015 equipados com o motor TCE revelaram alguns problemas de funcionamento que foram resolvidos com uma nova programação.

Algumas unidades revelaram anomalias no sistema Strat & Stop sendo que nalguns casos este deixou mesmo de funcionar por completo. Os amortecedores do eixo dianteiro levaram a uma chamada à assistência para serem substituídos devido a ruídos que surgiram de forma prematura.

Em termos eletrónicos este Twingo pode evidenciar falhas no sistema multimédia, funcionamento do ABS de forma intempestiva e dificuldades no arranque.

Renault Twingo (2014-...)
6.5 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Habitalidade
Agilidade em cidade
Espaços de arrumação
Contras
Insonorização
Capacidade da bagageira
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção7
Desvalorização6
Qualidade dos materais6
Habitabilidade e bagageira6
Segurança7
Conforto6.5
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico6.5
Performance6
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Newsletter

Em aceleração