Cuidados ao ultrapassar camiões em estradas nacionais – Motorguia
Ligue-se connosco

Comerciais

Cuidados ao ultrapassar camiões em estradas nacionais

Published

on

Você tem receio de ultrapassar os camiões? Leia as nossas recomendações e sinta-se mais preparado(a) para enfrentar estes “monstros” da estrada.

 



O camião é uma viatura quase omnipresente nas estradas. A sua presença continuada no trânsito rodoviário acontece por causa da sua importância no transporte de mercadorias, pressupondo grande parte da logística terrestre no nosso país. Além disso, no verão é uma logística que ainda aumenta, no sentido de levar bens até aos principais destinos turísticos de Portugal.

Deste modo, é muito provável que se sair de viagem de carro, se cruze com algum ou vários camiões no percurso. E tendo em conta que estes têm a velocidade limitada, inevitavelmente terá de os ultrapassar em algum ponto, para continuar no ritmo. Numa autoestrada, é uma manobra simples e sem complicações, pela existência de duas vias no mesmo sentido. No entanto, se estivermos numa estrada secundária, pode ser stressante realizá-la, caso não estejamos acostumados a fazê-lo, por estarmos habituados a conduzir apenas em cidade ao longo do ano.

A Samsung desenvolveu uma câmara frontal de alta definição ligada a um monitor instalado na traseira do camião que facilita as manobras de ultrapassagem

Como ultrapassar: passo a passo

O camião é um veículo bastante diferente de um automóvel (principalmente no comprimento), o que exige maiores precauções na altura de realizar esta manobra. O motorguia.net explica neste texto como fazê-lo, pelo que trataremos de o resumir nos seguintes pontos.

Perceber a necessidade da ultrapassagem

Devemos considerar se realmente vamos poupar tempo ao ultrapassar o camião, sobretudo se temos pensado fazer uma paragem em breve ou se vamos cruzar alguma localidade nos próximos quilómetros.

Comprovar de que temos espaço para a ultrapassagem

Não só devemos confirmar se vêm carros de frente em sentido contrário, mas também se teremos espaço com traço descontínuo suficiente para finalizar a ultrapassagem.

Perceber se alguém já nos vai a ultrapassar

Confirmar através dos espelhos retrovisores se algum veículo atrás de nós tem intenção de nos ultrapassar. Nesse caso, o melhor é deixá-lo fazer a ultrapassagem, esperar que o finalize para o fazer depois. Nunca ao contrário.

Sinalizar a manobra

Para avisar o condutor do camião, sinalize com o pisca esquerdo, uns 20 ou 30 metros antes de chegar perto dele, para que ele possa ver pelo retrovisor.

Manter a distância de segurança do camião

Nem mesmo ao iniciar a ultrapassagem devemos chegar perto da traseira do camião. Além de podermos colidir devido à proximidade, no caso de uma travagem do camião, perderemos a visibilidade da estrada.

Ultrapassar o camião com determinação

Quando estamos certos de que temos a estrada livre para ultrapassar, «lançamo-nos» à manobra. O ideal é fazê-lo com distância suficiente para poder invadir a faixa contrária de forma gradual. Também é recomendável iniciar a manobra uma ou duas velocidades abaixo do normal, para ganhar mais potência e aceleração.

Precaução com os golpes de vento e as mudanças de pressão

Quando vamos a ultrapassar o camião, notaremos um «golpe» de ar vindo do veículo. Devemos estar preparados para não perder o controlo do carro.

Incorporar-nos na faixa direita com suavidade

Após ultrapassar o camião, voltaremos à nossa faixa de forma gradual. Por isso, o conveniente é que deixemos outros 15 ou 20 metros de espaço do camião antes de começar a realizar a incorporação. Uma boa referência é ver o camião pelo retrovisor central do nosso carro.

Um dos maiores mitos é que os condutores de camião são condutores imprudentes que acham que são donos da estrada. Não há nada mais longe da realidade. Na sua grande maioria são utilizadores experientes, com um grande respeito pela estrada e pelas regras de trânsito. Na maioria dos casos vão facilitar a manobra, pelo que os veículos ligeiros também devem realizar a manobra de forma correta. Por isso é importante seguir regras como estas que ajudam à sã convivência de todos na estrada.

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Comerciais

Tesla volta a atrasar início de produção do Semi

Published

on

A empresa norte-americana anunciou que o início da produção do seu camião 100%, que foi apresentado em 2017, voltará a ser atrasado.



O Tesla Semi não vai começar a ser produzido na nova fábrica da marca no Nevada antes de 2022. A mesma sorte terá a sua pick-up Cybertruck. A falta de componentes de células para as bateria, devido a problemas na cadeia de fornecimento, é a responsável por este novo atraso.

O impacto deste camião, destinado a revolucionar o transporte de mercadorias, está a diluir-se pela apresentação dos primeiros camiões elétricos das marca generalistas. Já circulam em condições reais de trabalho modelos 100% elétricos da MAN, Mercedes-Benz, Renault Trucks ou Volvo Trucks.

Continuar a ler

Comerciais

Novo Mercedes-Benz Econic já está em fase de testes

Published

on

O veículo totalmente eléctrico de 27 toneladas para recolha de lixo será produzido em série já a partir de 2022.




O eEconic é baseado na arquitectura do eActros e destina-se a operações municipais urbanas. Está neste momento na fase de testes intensivos, com os engenheiros focados essencialmente na segurança, performance e durabilidade do mesmo.

O eEconic terá também de mostrar as capacidades das suas baterias e sistema de propulsão tanto em condições invernais ou estivais, assim como serão avaliados os níveis de ruído, compatibilidade electromagnética, havendo ainda test drives em estradas mais difíceis.

Logo que esta fase esteja concluída, a Mercedes-Benz Trucks avança para os testes em condições reais de utilização junto dos clientes. O início da produção em série na fábrica de Wörth será na segunda metade de 2022.

Grande parte das especificações técnicas centrais são idênticas às do Mercedes-Benz eActros. A ideia é que no futuro o eEconic seja capaz de cobrir a maioria das operações típica do Econic em rotas de recolha de lixo, sem necessidade de recarregamento durante o percurso, localmente neutro em questões de CO2 e silencioso.

O eEconic, de 27 toneladas, será inicialmente lançado no mercado com a configuração de 6×2 NLA, como veículo de recolha de lixo. Tal como o eActros, tem uma eixo eléctrico com dois motores eléctricos integrados e uma caixa de duas velocidades.

A bateria será composta por três packs, cada um com uma capacidade de cerca de 105kWh. Ambos os motores geram uma potência contínua de 300 kW, com um pico de 400 kW. Além disso, o veículo tem a possibilidade de recuperar energia, o que é uma vantagem especialmente neste tipo de operações.

 

Continuar a ler

Comerciais

Glenfiddich produz biogás com resíduos do seu whisky de malte

Published

on

O produtor de whisky escocês Glenfiddich está a converter os seus camiões de distribuição para que trabalhem com biometano, gás é produzido a partir dos resíduos do seu whisky de malte durante o processo de destilação.



Na destilaria da William Grant and Sons, Dufftown, na Escócia, a empresa instalou estações de serviço, pois tem o firme objetivo de converter os resíduos da sua produção de whisky em combustível de carbono para os seus camiões de distribuição.
A empresa está imersa numa iniciativa sustentável para processar a 100% os seus resíduos. A marca de whisky vendia os grãos que sobejavam do processo do malte como alimento para o gado com pouco teor proteico.

Não obstante, através de um processo de digestão anaeróbica, no qual as bactérias decompõem a matéria orgânica produzindo biogás, a destilaria pode empregar estes resíduos líquidos de forma a produzir o seu próprio combustível, e deste modo, reciclar todos os resíduos.
Atualmente, este biometano já está a ser consumido por três camiões Iveco que realizam o transporte do dito whisky desde a destilaria de Dufftown até a engarramento da bebida, noutras quatro instalações da empresa localizada no centro e oeste da Escócia.

A William Grant ans Sons conta com uma frota de 20 camiões que planeia reconverter para biogás na sua totalidade. Pretende ainda revelar este “segredo” a outras marcas de whisky.

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Newsletter

Em aceleração