Peugeot 206 (1998-2012) – Motorguia
Ligue-se connosco

Avaliações Usados

Peugeot 206 (1998-2012)

Published

on

Logo aquando do seu lançamento o Peugeot 206 prometia ser um sucesso de vendas graças às suas linhas fluídas, equilibradas e com personalidade, capaz de agradar tanto ao público masculino como feminino, independentemente da classe etária e assim foi, a Peugeot tinha lançado um dos seus modelos mais bem sucedidos, o que também explica a sua longevidade como produto e a forma como ainda hoje é muito procurado no mercado de usados.

Cativante por fora, o 206 tem um desenho simples, mas bem conseguido no seu interior. Infelizmente a qualidade dos plásticos utilizados não é a melhor e a sensação de robustez sai algo penalizada por isso. A posição de condução não é má, mas para condutores de maior estatura o compromisso entre o banco e o volante pode não ser o ideal.

O conforto geral é bom graças ao trabalho bem conseguido da suspensão e só a sua insonorização merece reparos pois o ruído do motor entra facilmente no habitáculo. A habitabilidade está dentro da média do segmento e a bagageira também, revelando um acesso fácil e amplo.

Em estrada o 206 mostra-se um modelo eficaz, ágil, com uma direção informativa e uma suspensão que controla bem os movimentos da carroçaria e, para os mais apaixonados pela condução, também assegura bons momentos quando a estrada se torna mais exigente.

Motores
Sendo um produto que esteve muitos anos no mercado, chegando mesmo a coexistir com o seu sucessor, o 207, é compreensível que o 206 tenha uma gama de motores vasta que começa nas propostas a gasolina com o 1.1 com 60 cv, seguindo-se o 1.4 com 75 cv, o 1.4 16S com 90 cv, o 1.6 também com 90 cv, o 1.6 16S com 110 cv e o 2.0 16S com 137 cv. Estas unidades não são propriamente “poços de potência” nem referências nos consumos, mas cumprem de forma capaz com as necessidades do 206.

As versões Diesel contam com o 1.9D de 70 cv, o 1.4 HDI com 70 cv, o 1.6 HDI com 110 cv e o 2.0 HDI de 90 cv. Os motores da família HDI dão uma outra alma ao 206 conjugando uns consumos muito bons com prestações bastante interessantes.

Principais avarias e problemas
Os primeiros modelos equipados com o motor 1.9D revelaram alguns problemas de fiabilidade com a correia do alternador. Em 2011 houve uma chamada às oficinas para corrigir um problema de ajuste no sistema de injeção do motor 2.0 HDI nos modelos produzidos entre Setembro e Novembro de 1999.

Nos 206 equipados com os motores 1.4 a gasolina foram assinalados casos de fragilidade na junta da cabeça.

Os modelos fabricados entre Setembro e Outubro de 2001 foram alvo de uma reprogramação do elemento de gestão BSI que revelou algumas falhas.

O eixo dianteiro pode ter de levar novas rótulas em torno dos 100.000 km.

Peugeot 206 (1998-2012)
7 Avaliação
7.5 Utilizadores (3 Votos)
Pros
Estética
Conforto
Comportamento dinâmico
Contras
Insonorização
Qualidade dos plásticos
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção6.5
Desvalorização7.5
Qualidade dos materais6.5
Habitabilidade e bagageira7
Segurança7
Conforto7
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico7.5
Performance7
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Avaliações Usados

Mercedes Classe C (1993-2000)

Published

on

Aquela que foi a primeira geração do Mercedes Classe C (W202) herdou muito do ADN do seu antecessor natural, o W201 (o bem conhecido 190). Melhorou em vários aspetos, aprimorou a estética com formas mais arredondadas, mas manteve o gene responsável por grande parte do seu sucesso: a qualidade de construção e a fiabilidade.



Não é por acaso que este Classe C foi também ele um dos modelos escolhidos para servir como taxi nas nossas cidades. Confortável, espaçoso quanto baste e com motores capazes de dar a volta ao mundo sem grandes contratempos mecânicos.

Com bons materiais no seu interior e uma qualidade de construção muito apurada, o Classe C ainda é daqueles automóveis construídos para viverem longos anos e por isso mesmo ainda são uma presença frequente nas nossas estradas.

A suspensão foi afinada tendo o conforto como principal objetivo pelo que não se espere um comportamento dinâmico acutilante ou entusiasmante, mas tem sempre reações previsíveis e sóbrias.

Como modelo de uma marca premium não se esperem valores muito baixos no que diz respeito aos custos de manutenção quando for chegada a hora de ir à assistência.

Motores
Sendo um modelo que viveu na última década do século passado ele assistiu a uma evolução tecnológica nos motores, nomeadamente nas unidades Diesel, o que explica a vasta gama de motorizações que teve ao longo do seu período de vida como produto. Assim nas versões a gasolina o Classe C conta com o 1.8 com 122 cv, o 2.0 com 136 cv, o 2.0 Kompressor com 180 cv, o 2.2 com 150 cv e o 2.3 com 193 cv de potência. Já nas propostas Diesel a oferta começa com o 200D com 75 cv, o 2.0D com 88 cv, o 220D com 95 cv, o 250D com 113 cv, o 2.5TD com 150 cv e o 220 CDI com 125 cv de potência.

Principais avarias e problemas
Os motores de quatro cilindros a gasolina podem ter algumas falhas. O 230K de 1996 apresentou alguns problemas no funcionamento a frio com a tomada do compressor a desencaixar com alguma facilidade. As versões equipadas com os motores da família CDI podem revelar um ralenti irregular.

Os vidros elétricos, especialmente os traseiros, podem ter problemas com o motor. O ponteiro do combustível pode não fazer uma leitura correta da quantidade do mesmo no depósito. Acima dos 150 mil quilómetros as caixas de velocidades podem começar a apresentar falhas de funcionamento.

Mercedes Classe C (1993-2000)
6.7 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Conforto
Fiabilidade
Qualidade de construção
Contras
Custos de manutenção
Suspensão demasiado suave
Fiabilidade8.5
Custos de manutenção5
Desvalorização7
Qualidade dos materais7
Habitabilidade e bagageira6.5
Segurança6.5
Conforto7.5
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico6
Performance6
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Toyota Avensis (1998-2003)

Published

on

Com o lançamento do Avensis, a Toyota apresentou uma nova família de modelos que viria a ocupar o espaço do familiar Carina, então descontinuado, e representou um salto qualitativo que aproximou as propostas da marca japonesa dos rivais germânicos e franceses.



Com umas linhas muito sóbrias, talvez até demasiado, o Avensis trouxe consigo todo um legado de fiabilidade da Toyota que fez com que tivesse um bom sucesso no seu segmento, considerando o domínio dos modelos alemães no mesmo.

Muito confortável, este familiar oferece um interior com bons materiais e uma qualidade de construção rigorosa. A posição de condução podia ser melhor pois o banco do condutor está algo alto em relação com a coluna de direção.

De um modo geral bem equipado de série nas versões mais altas, este Toyota, no entanto, não oferece muito equipamento nas versões base. A habitabilidade é boa e a sua bagageira com 500 litros de capacidade mostra-se generosa, apesar do seu acesso não ser muito amplo.

A suspensão assegura um bom conforto aos ocupantes, superando o mau piso com suavidade e garantindo uma viagem tranquila em auto-estrada. Em ritmos mais exigentes em estradas mais sinuosas ela confere ao Avensis um comportamento previsível apesar de não ser muito firme, o que faz com que não controle na perfeição algum adorno da carroçaria, mas nada de dramático.

Motores
Este familiar conta com uma gama de motores que começa com as propostas a gasolina 1.6 e 1.6 VVT-I, ambos com 110 cv, o 1.8 VVT-I com 129 cv, o 2.0 com 128 cv e o 2.0 VVT-I com 150cv. Nas versões a gasóleo contamos com o 2.0 TD com 90cv e o 2.0 D4-D com 110cv, unidade que surge como uma das melhores proposta pelo seu equilíbrio entre prestações e consumos que segundo a marca ficam em média nos 5,9 l/100km

Principais avarias e problemas

De um modo geral os motores que equipam o Avensis revelam-se fiáveis não havendo registos relevantes de problemas crónicos.

Os discos de travão podem ter tendência para ficarem vidrados, o que pode provocar algumas vibrações na travagem.

O comando à distância do fecho centralizado pode não funcionar corretamente.

Toyota Avensis (1998-2003)
6.4 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Conforto
Fiabilidade
Qualidade de construção
Contras
posição de condução
Equipamento nas versões base
Fiabilidade7.5
Custos de manutenção6.5
Desvalorização6.5
Qualidade dos materais6
Habitabilidade e bagageira6.5
Segurança6
Conforto6.5
Consumo combustível6
Comportamento dinâmico6
Performance6
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler
Publicidade

Newsletter

Em aceleração