Ligue-se connosco

Avaliações Usados

Citroën C2 (2003-2009)

Published

on

Posicionado entre o pequeno citadino C1 e o C3, a Citroën apostou no C2 para oferecer um modelo mais acessível ainda que o C3, mas que oferecesse um pouco mais que o C1. O resultado convence, especialmente por ser um modelo com um preço e custos de manutenção acessíveis que se mostra agradável e fácil de conduzir.

Com um comportamento dinâmico e um conforto dignos de nota considerando o seu segmento, o Citroën C2 conquistou o coração de muitos, que viram nele o companheiro ideal para ludibriar o trânsito citadino, dada a sua facilidade de condução, e ao mesmo tempo enfrentar uma ou outra viagem sem problemas de maior.

A posição de condução é boa, a maioria dos comandos está bem posicionada e o espaço nos bancos da frente até é generoso, mas para quem viajar atrás o cenário muda de figura. Os bancos traseiros não oferecem muito espaço e se por acaso tiver muita bagagem para transportar então vai ter de fazer alguma ginástica pois a bagageira também é pequena.

O C2 mostra-se um modelo confortável com a suspensão a processar bem as armadilhas da estrada e a garantir o bem estar dos ocupantes apesar de poder haver alguns ruídos parasitas devido à qualidade dos plásticos utilizados no interior. Os modelos equipados com motores Diesel revelam alguma carência na capacidade de insonorização do ruído do motor.

Motores

O Citroën C2 conta com três motorizações a gasolina, o 1.1i com 61 cv de potência, o 1.4i com 75 cv, e o 1.6i com 110 cv e 125 cv. Os motores HDi compõem a oferta a gasóleo com as unidades 1.4 HDI com 70 cv de potência e a 1.6 HDI com 110 cv.

De um modo geral são motores que revelam um bom rendimento sendo de realçar os bons consumos dos motores HDI, mas já não se pode esperar grandes feitos do motor 1.1i a gasolina que cumpre, mas não deslumbra.

Principais avarias e problemas

Os motores 1.4 e 1.6 a gasolina e os HDI podem levar a uma reprogramação da parte eletrónica. Nos modelos produzidos até 2004 podem surgir ruídos no eixo dianteiro o que leva à substituição de elementos da suspensão ao passo que nos C2 que foram produzidos após 2006 podem revelar problemas no alternador.

A luz do airbag pode acender devido a uma falha num conetor que está debaixo do banco do condutor e que tem de ser substituído. O indicador no nível de combustível nos modelos a gasolina pode dar informações erradas o que obriga à sua reprogramação.

A caixa de velocidades de embraiagem robotizada Sensodrive pode apresentar falhas e levar a uma visita à oficina para ser reprogramada.

Citroën C2 (2003-2009)
6.8 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Conforto
Custos de Manutenção
Facilidade de condução
Contras
Bagageira
Habitabilidade traseira
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção8
Desvalorização6.5
Qualidade dos materais6
Habitabilidade e bagageira6
Segurança7
Conforto7
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico7
Performance6.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Avaliações Usados

Honda Accord (2003-2008)

Published

on

O nome Accord é um dos que conta com uma maior longevidade no seio da Honda e esta que foi a sua sétima geração representou uma ainda maior aproximação da marca ao mercado europeu, tanto em termos de linhas como de oferta de motores já que estreou o motor 2.2i-CDTi a gasóleo, um dos mais silenciosos e capazes do segmento na altura.



Com um interior muito bem montado e com bons materiais este Accord oferece uma boa habitabilidade, mesmo nos bancos traseiros. Também a capacidade da mala é muito boa, tanto na versão de quatro portas como na versão carrinha onde a bagageira apresenta um acesso muito fácil.

A posição de condução é boa e este Honda está bem equipado assegurando um bom conforto em estrada aos ocupantes até porque está muito bem insonorizado. Infelizmente a sua suspensão já não exibe um trabalho tão eficaz em cidade onde as irregularidades do mau piso não são bem filtradas para o interior.

A firmeza da suspensão que assegura um comportamento dinâmico sério e previsível nas estradas mais sinuosas, acaba por penalizar um pouco o conforto no interior do Accord quando o asfalto é mais degradado.

Com uns custos de manutenção algo elevados este Honda de certa forma acaba por compensar com uma boa fiabilidade e um bom valor de retoma no mercado de usados.

Motores
O Accord oferece três motores na sua gama, dois a gasolina, o 2.0i com 155 cv e o 2.4i com 190 cv e o 2.2i-CDTi a gasóleo, uma unidade a ter em conta com os seus baixos consumos, boas prestações e funcionamento silencioso.

Principais avarias e problemas

O Honda Accord foi alvo de algumas chamadas à rede de assistência para corrigir pequenas anomalias nos motores a gasolina e também no motor Diesel, neste caso, algumas unidades produzidas até 2004 foram chamadas para reprogramar a unidade de comando do motor que causava o acendimento sem razão da luz de aviso no painel de instrumentos.

Honda Accord (2003-2008)
7.1 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Habitabilidade
Capacidade da mala
Qualidade de construção
Contras
Custos de manutenção
Suspensão algo firme
Fiabilidade8
Custos de manutenção6.5
Desvalorização7.5
Qualidade dos materais7
Habitabilidade e bagageira7.5
Segurança7
Conforto7
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico7
Performance6.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Citroën Berlingo (1996-2011)

Published

on

O Berlingo é um nome que há muito se instalou no mercado automóvel como um dos modelos mais polivalentes no exigente segmento dos veículos comerciais, mas também como uma proposta a ter em conta para quem precisa de um veículo de passageiros com espaço para os ocupantes e também para bagagem a um preço acessível.



Já com vários anos na sua carreira e com os naturais restylings e alterações, o Citroën Berlingo sempre se manteve como um modelo muito fácil de conduzir, com uma direção leve e uma boa visibilidade, o que simplifica as manobras citadinas. Confortável quanto baste, exceção feita à insonorização que não é muito bem conseguida, o Berlingo até revela um bom comportamento dinâmico se considerarmos a sua altura.

O interior é muito espaçoso e oferece um desenho muito simples, mas funcional. Os materiais utilizados não são dos melhores e o equipamento disponibilizado também não é farto, mas isso é perfeitamente compreensível face ao bom preço que o Berlingo sempre teve.

A posição de condução não é das mais bem conseguida com o volante algo inclinado e um pouco horizontal face ao banco, não deixando o condutor esquecer o gene comercial original deste modelo francês.

Motores
A gama de motores é relativamente simples, mesmo considerando a longevidade das várias gerações do Berlingo. Começando nas unidades a gasolina, pouco procuradas no nosso mercado, este gaulês conta com o 1.4i com 75 cv, o 1.6 16V com 110 cv. Já nas propostas Diesel este Citroën é motorizado pelo 1.9D com 71 cv, o 1.6 HDI nas suas versões de 75 e 92 cv e pelo 2.0 HDI com 90 cv de potência.

Principais avarias e problemas
O motor 1.6 HDI pode apresentar perdas de potência, fugas de óleo e de combustível e um consumo elevado de líquido de refrigeração. Já as unidades equipadas com o motor a gasolina 1.4i produzidas entre 1997 e 1998 podem ter algumas falhas na aceleração, problema que é resolvido com uma reprogramação do sistema de injeção.

Houve alguns casos de problemas com os travões nos modelos produzidos entre 1997 e 1999 mas que são facilmente resolvidos. A bomba da assistência da direção pode evidenciar um desgaste prematuro.

O fecho centralizado e os vidros elétricos podem apresentar anomalias no seu funcionamento.

Citroën Berlingo (1996-2011)
6.8 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Preço
Espaço disponível
Facilidade de condução
Contras
Equipamento
Alguns materiais
Motores Diesel ruidosos
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção7.5
Desvalorização6.5
Qualidade dos materais6
Habitabilidade e bagageira7.5
Segurança7
Conforto6.5
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico6.5
Performance6.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Renault Espace (2015-…)

Published

on

A Renault Espace marcou a indústria automóvel como o primeiro monovolume do mercado e nunca perdeu o carisma de ser pioneiro e marcar as tendências. Com esta quinta geração a Renault apostou forte em manter os atributos principais da Espace, mas ao mesmo tempo focou muitos dos seus esforços e apurar o seu comportamento dinâmico.



Com um estilo moderno e fluído esta Espace é uma das mais bem conseguidas em termos estéticos e essa modernidade faz-se sentir também no interior que se revela sofisticado e apelativos.

O espaço continua a ser um dos pontos fortes e nesta Espace isso estende-se também à terceira fileira de bancos. Considerando esta lotação de sete lugares a própria bagageira não fica muito prejudicada face às gerações anteriores, permitindo ainda levar alguns volumes.

A modularidade continua bem conseguida sendo fácil mudar a configuração interior desta Espace. Os materiais são bons e o ambiente que se sente abordo apela a viagens longas.

A posição de condução é bem conseguida e ao volante apenas se lamenta que a direção seja algo vaga na informação que fornece ao condutor sobre o que se passa no eixo dianteiro. Também a caixa automática de dupla embraiagem não é um primor de rapidez.

O conforto continua num bom nível e nesta geração o comportamento está mais refinado com um melhor controlo dos movimentos da carroçaria, quase fazendo esquecer que estamos num monovolume. Aliás, não é por acaso que a própria Renault o apelida mais como um “crossover de topo”.

Motores
A gama de motores disponível começa com a unidade a gasolina 1.8 TCe com 225 cv, passando para as propostas a gasóleo com o bloco 2.0 dCi nas suas versões de 160 e 200 cv de potência. Com boas prestações estas duas propostas apresentam ainda consumos na casa dos 4,6 e 5,3 l/100 km, respetivamente, o que são valores bem simpáticos para um modelo destas dimensões.

Principais avarias e problemas
Alguns problemas no turbo podem assolar os motores Diesel causado perdas de potência. Além disso também podem aparecer fugas de óleo nestas unidades.

O sistema multimédia R-Link tem tendência para o surgimento de algumas falhas de funcionamento. A caixa automática também pode revelar problemas para se manter na posição “P”.

O eixo dianteiro pode ganhar alguns ruídos com origem nas fixações dos braços inferiores da suspensão.

Renault Espace (2015-...)
7.2 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Conforto
Habitabilidade
Qualidade de construção
Contras
Direção vaga
Caixa algo lenta
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção7
Desvalorização6.5
Qualidade dos materais7
Habitabilidade e bagageira8
Segurança7.5
Conforto7.5
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico7.5
Performance7
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Newsletter

Em aceleração