Ford C-Max (2010-…) – Motorguia
Ligue-se connosco

Avaliações Usados

Ford C-Max (2010-…)

Published

on

Após o sucesso conseguido com a primeira geração do C-Max, a Ford voltou a apostar na fórmula dos monovolumes compactos com esta segunda geração do C-Max melhorando vários aspetos e tornando-o ainda mais apelativo para o mercado.

Com um interior espaçoso e uma boa posição de condução, o Ford C-Max não é o mais versátil ou polivalente do segmento pois não apresenta muitas soluções de modularidade que normalmente se esperam no universo dos monovolumes, apesar de nesse aspeto estar melhor que a primeira geração.

O interior transmite uma boa imagem de solidez que só é manchada pela qualidade de certos plásticos utilizados em algumas zonas do habitáculo. A ergonomia também não é um ponto forte, com algum excesso de comandos e botões na consola central, mas nada que o hábito não resolva e que foi atenuado no restyling de 2014.

O Ford C-Max é senhor de um dos melhores comportamentos dinâmicos do segmento, tornando-se um dos mais agradáveis de conduzir pela eficácia da sua plataforma, pelo trabalho da suspensão e pela direção direta e precisa que informa muito bem o condutor de tudo o que se está a passar no eixo dianteiro.

Motores

A gama de motores desta geração é vasta, começando pelas opções a gasolina o C-Max conta com o 1.0 Ecoboost de 100 cv e 125 cv, o 1.6i de 100 cv, o 1.6 Ecoboost de 125 e 1250 cv e por fim o 2.0i Bifuel a gasolina ou GPL.

Em termos de motores Diesel este monovolume surge equipado com o 1.6 TDCi de 90 cv e 115 cv e o 2.0 TDCi de 115, 140 e 163 cv. Qualquer uma destas unidades revela-se adequada às necessidades deste Ford com um bom equilíbrio entre prestações e consumos.

Principais avarias e problemas

Ao nível das motorizações, as unidades TDCi revelaram algumas falhas que levaram a uma reprogramação do sistema de gestão do motor e por vezes também do computador de bordo. Os injetores da versão TDCi de 115 cv evidenciaram alguma fragilidade.

Houve casos do acendimento das luzes de diagnóstico e de avaria sem uma razão direta, algo solucionado com uma reprogramação.

Alguns modelos evidenciaram um desgaste prematuro da embraiagem, em especial nas versões equipadas com o motor a gasolina 1.0 Ecoboost. Também é possível o surgimento de alguns ruídos.

Ford C-Max (2010-...)
7.6 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Condução
Prestações
Habitabilidade
Contras
Ergonomia
Versatilidade
Alguns plásticos interiores
Fiabilidade7.5
Custos de manutenção7
Desvalorização7.5
Qualidade dos materais7
Habitabilidade e bagageira8
Segurança7.5
Conforto7.5
Consumo combustível8
Comportamento dinâmico8.5
Performance7.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Avaliações Usados

Fiat Grande Punto (2005-2009)

Published

on

O Fiat Grande Punto é a terceira geração da bem sucedida família Punto e com o seu desenho assinado por Giugiaro este utilitário voltou a ter uma boa prestação no nosso mercado.



Com 4,03 metros de comprimento o Grande Punto faz jus ao seu nome pois cresceu face aos seus antecessores. Isso sente-se no interior onde o espaço é ligeiramente maior do que no Punto que já era um modelo espaçoso. A posição de condução é boa e os comandos estão bem posicionados. Contudo, os materiais utilizados nos vários painéis não são os mais nobres.

A bagageira tem um acesso fácil, mas a sua capacidade não é das maiores, ficando-se pelos 275 litros de volume.

Com um preço competitivo o Grande Punto não é propriamente o mais equipado do segmento, mas o conforto e segurança essenciais estão garantidos. O conforto podia ser mais refinado já que a suspensão revela um amortecimento que podia ser mais eficaz.

Quando a estrada se torna mais sinuosa o Grande Punto mantém uma postura previsível e em cidade é um modelo fácil de conduzir no dia a dia com uma direção leve que facilita as manobras em cidade.

Motores
O Grande Punto conta com os motores a gasolina 1.2 com 65 cv, o 1.4 com 78 cv e o 1.4 16V Starjet com 95 cv. O primeiro não prima pelas prestações, mas os motores 1.4 mostram-se mais equilibrados e capazes. A gama conta ainda com o mais potente 1.4 16V T-Jet, turbo-comprimido, com 155 cv que equipa a versão mais desportiva Abarth.
A proposta Diesel é composta pelo 1.3 Multijet com 75 e 90 cv e o 1.9 Multijet com 120 cv. Estas unidades mostram-se poupadas nos consumos, mas algo ruidosas, em especial o 1.3 Multijet.

Principais avarias e problemas
Em 2008 houve uma chamada à assistência para substituição da junta da cabeça dos motores 1.3 Multijet que equiparam os modelos produzidos entre novembro de 2007 e Março de 2008.

Nos primeiros modelos fabricados foram detetados problemas no compressor do ar condicionado e também nas unidades iniciais é possível que as pastilhas de travão comecem a fazer barulho.

Fiat Grande Punto (2005-2009)
6.9 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Preço
Habitabilidade
Facilidade de condução
Contras
Bagageira
Alguns materiais
Fiabilidade6.5
Custos de manutenção7
Desvalorização6.5
Qualidade dos materais6
Habitabilidade e bagageira7
Segurança7
Conforto7
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico7.5
Performance7
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Mini (2014-…)

Published

on

A terceira geração do Mini continua a aposta da marca, detida pela BMW, para aumentar as dimensões deste divertido modelo que é cada vez menos “mini” no tamanho, mas mantém toda a irreverência e diversão que se espera do nome “Mini”, conservando toda a sua estética moderna de estilo vintage do agrado de tantos.



Ligeiramente mais largo e mais longo este Mini contam também na sua gama com a versão de cinco portas, aquela que talvez se possa considerar como a mais equilibrada para jovens famílias pois sempre oferece um pouco mais de espaço interior, mantendo a diversão na condução a que o Mini nos habituou.

O modelo de três portas continua acanhado no espaço atrás e na bagageira e apesar da boa posição de condução e do desenho bem conseguido do interior, que mantém toques retro bem equilibrados com as novas tecnologias, esta geração do Mini não melhorou muito na qualidade de alguns materiais que compõem o habitáculo.

Mais confortável que as duas gerações anteriores, este mini continua com uma suspensão algo firme. Um “preço” a pagar pelo seu comportamento dinâmico que continua divertido e muito interativo com o condutor graças à boa resposta e rapidez dos vários comandos.

Esteticamente irreverente e com um comportamento a condizer esta geração do Mini continua com um gene algo premium e isso tem o seu reflexo nos custos de manutenção que estão longe de ser acessíveis.

Motores
A oferta de motores na gama Mini divide-se entre as propostas a gasolina e Diesel, sendo que no primeiro grupo podemos contar com o 1.5 com 75 cv, 102 cv e 136 cv e ainda e o 2.0 com 192 cv e 231 cv de potência, este último a equipar o mais desportivo John Cooper Works.
Já nas opções a gasóleo a gama Mini conta com o 1.5 com 95 cv e 116 cv e o 2.0 com 170 cv de potência. Estas três opções surgem como as mais económicas no dia a dia já que, segundo a marca, conseguem fazer um consumo médio de 3,8; 3,9 e 4,6 l/100 km respetivamente.

Principais avarias e problemas
Os motores Diesel podem evidenciar perdas de potência com origem em anomalias no turbo e a embraiagem pode começar a fazer ruídos no arranque.

Os apoios do motor não são o ponto mais sólido do Mini e podem começar a aparecer vibrações. Também a fixação dos braços da suspensão traseiros ou os próprios amortecedores de trás podem evidenciar alguns ruídos.

As pastilhas de travão também poderão evidenciar um desgaste prematuro.

Mini (2014-...)
6.9 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Prestações
Estética atraente
Comportamento dinâmico
Contras
Alguns materiais
Custos de manutenção
Fiabilidade7
Custos de manutenção6
Desvalorização7
Qualidade dos materais6.5
Habitabilidade e bagageira6.5
Segurança7
Conforto6.5
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico8
Performance7.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Alfa Romeo Giulia (2016-…)

Published

on

Recuperando o nome Giulia a Alfa Romeo apresentou em 2016 aquele que foi o sucessor do 159, regressando com um produto bem atrativo ao segmento das berlinas familiares.



Com uma estética inconfundível tipicamente italiana o Giulia representou também um salto qualitativo na própria marca e apesar de alguns dos materiais do seu interior ainda deixarem algo a desejar este transalpino está uns furos acima de modelos anteriores e mais próximo das propostas germânicas que sempre dominaram o segmento.

Bem equipado, o habitáculo exibe um desenho envolvente e o espaço para o condutor é bom, mas o mesmo não se pode dizer dos bancos traseiros onde a habitabilidade não é das melhores.

O Giulia oferece acima de tudo uma excelente experiência de condução. Com tração traseira e uma distribuição de peso 50/50 entre os dois eixos, este Alfa Romeo revela-se muito eficaz e divertido de conduzir já que tem os seus comandos são diretos e têm uma resposta pronta.

Motores
A gama de motores é composta por dois motores com blocos em alumínio, ambos turbo, sendo um a gasolina disponível com 200 cv e 280 cv e outro Diesel também com várias potências, nomeadamente 150, 180 e 210 cv. O topo de gama é assegurado pelo motor V6 com 2.9 litros de cilindrada e com 510 cv que equipa a versão mais desportiva Quadrifoglio. Qualquer um destes motores assegura bons momentos de condução e uma boa resposta ás solicitações do pé direito.

Principais avarias e problemas
Equipado com motores que não revelaram problemas de maior, o Giulia acaba por continuar a revelar algumas anomalias no campo dos componentes eletrónicos que parecem sempre ter assombrado a marca.

Os sensores de estacionamento podem começar a funcionar sem necessidade e o sistema multimédia também pode apresentar falhas. A abertura elétrica da tampa da mala também não é um dos elementos mais fiáveis.

Alfa Romeo Giulia (2016-...)
6.9 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Prestações
Equipamento
Comportamento dinâmico
Contras
Alguns materiais
Habitabilidade traseira
Fiabilidade7
Custos de manutenção6.5
Desvalorização6.5
Qualidade dos materais6.5
Habitabilidade e bagageira6.5
Segurança7
Conforto7
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico7.5
Performance7.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Newsletter

Em aceleração