Honda Civic (2012–2017) – Motorguia
Ligue-se connosco

Avaliações Usados

Honda Civic (2012–2017)

Published

on

Em 2006, a Honda achou que o Civic, o seu modelo de maior sucesso, deveria abandonar a sua imagem conservadora e clássica e passar a ser mais arrojado. Na verdade, muito arrojado. Seis anos, fruto do sucesso desta nova abordagem, lançou uma nova geração com base nas mesmas linhas, ainda que menos disruptivas. Voltou também a apresentar a carroçaria carrinha, tão importante para o mercado europeu, tal como um pequeno motor Diesel, ainda que não logo no lançamento, pois o lugar continuou a ser ocupado pelo motor Diesel 2.2 i-CTDi, pouco amigo da fiscalidade nacional.

A posição de condução do Civic não é exemplar, pois o banco do condutor está numa posição demasiado elevada e o velocímetro fica invisível para algumas estaturas. Aliás, todo o interior do Civic é algo confuso, com demasiados instrumentos. A utilização do computador de bordo é complicada. Um problema conhecido da anterior geração do Civic.

O conforto é bom, ainda que, por vezes, exista algumas trepidações no habitáculo. Felizmente, o conjunto é sólido. Dinamicamente, não é emotivo, estando abaixo do seu antecessor, pois a Honda preferiu um acerto de suspensão mais virado para o conforto. Excelente é a caixa de velocidades, com uma precisão acima do comum neste tipo de automóvel.

O habitáculo pauta-se pela utilização de bons materiais e por um recheio de equipamento que começa no bom e termina no excelente, consoante a versão, naturalmente. Mas o destaque vai mesmo para o espaço e, especialmente, para a versatilidade interior proporcionado pelo banco traseiro com o rebatimento mágico da Honda, que permite transportar objetos de grandes dimensões.

Motores

Inicialmente, o Honda Civic esteve disponível apenas com uma unidade Diesel. No caso, o motor 2.2 de 150 cv, que ganhou 10 cv face à geração anterior. Ainda que agradável de utilizar, os seus consumos são apenas razoáveis e não fácil encontrar unidades disponíveis no mercado de usados, pois o seu valor em novo era elevado face as concorrentes de baixa cilindrada.
Foi em 2013 que surgiu o bloco 1.6 i-Dtec de 120 cv. Menos potente, mas tremendamente agradável de utilizar e com consumos fantásticos. É, sem qualquer dúvida, a melhor escolha da gama.

Apesar da fama de fazer excelentes motores a gasolina, a verdade é que as unidades a gasolina presentes nesta geração do Civic – esquecendo o desportivo Type R – não são brilhantes. O motor 1.4 tem prestações paupérrimas, sendo bastante inferior em todos os sentidos ao que a concorrência já conseguia fazer com a sobrealimentação. O bloco 1.8 de 140 cv é bastante mais expedito, mas obriga a usar toda a faixa de rotações, o que poderá não ser do agrado de todos. Os consumos são simpáticos para a potência.

Principais avarias e problemas

A Honda ficou em segundo lugar do estudo JD Power em 2009, 2010 e 2011. Por isso, não é de estranhar que esta geração do Civic se mostre bastante fiável. Não está, contudo, isenta de problemas, pois há relatos de funcionamento deficiente do Filtro de partículas presente nos motores Diesel e também há queixas de problemas com sistema de travão de parque nas rodas traseiras.

Honda Civic (2012–2017)
7.4 Avaliação
7.8 Utilizadores (3 Votos)
Pros
Motor 1.6 Diesel
Bagageira
Versatilidade
Contras
Comportamento dinâmico
Ergonomia
Motor 1.4
Fiabilidade9
Custos de manutenção7
Desvalorização7
Qualidade dos materais7
Habitabilidade e bagageira9
Segurança7
Conforto7
Consumo combustível8
Comportamento dinâmico6
Performance7
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Avaliações Usados

Suzuki Swift (2017-2024)

Published

on

Desde a sua primeira geração que o Suzuki Swift se afirmou como um modelo muito racional e extremamente fiável, valores que se mantiveram nas gerações seguintes e que nesta sexta geração continuam a marcar pontos.



De linhas simples, fluídas e equilibradas, o Swift sempre foi aquilo a que podemos apelidar de um modelo sólido, ou seja, não sendo dos mais bens sucedidos no seu segmento, ele sempre manteve uma boa presença no mercado e sempre foi uma aposta com bons resultados nas vendas da Suzuki em todas as suas gerações. Para isso muito contribui a sua racionalidade pois estamos perante um modelo equilibrado em termos de preço face ao equipamento de série que oferece.

Além disso apresenta uma boa habitabilidade e apesar dos seus materiais não serem os mais refinados, a sua qualidade de construção é muito boa revelando-se um modelo muito robusto. A posição de condução é boa, o volante com o ar ligeiramente desportivo dá-lhe um toque especial e todos os comandos estão bem posicionados, o que facilita a sua utilização.

Muito fácil de conduzir, o Swift chega mesmo a entusiasmar nalguns momentos pois a direção tem a leveza certa e mostra-se precisa e informativa quanto baste. A caixa de velocidades tem um seletor com um toque firme tipicamente nipónico e a suspensão revela um trabalho eficaz quando a estrada se torna mais exigente, mantendo o Swift com um comportamento apurado e previsível. Não sendo um desportivo é um modelo que consegue ser divertido de conduzir. O reverso da medalha é que a suspensão ao revelar alguma firmeza não ajuda muito no conforto em mau piso. Por outro lado a insonorização também não é das melhores o que é mais um ponto a não ajudar muito no conforto geral dos ocupantes.

Motores

A gama de motores do Swift é simples e é composta pelas seguintes unidades a gaolina: o 1.0 Boostejer, um motor com três cilindros turbo capaz de debitar 111 cv de potência, o 1.2 Dualjet com 90 cv e por fim o mais desportivo 1.4 Boostejet com 140 cv que equipa a versão Sport. Todos eles exibem uma excelente fiabilidade e o 1.0 Boosterjet destaca-se pelo bom equilíbrio entre prestações e consumos, já que a marca anuncia um consumo médio de apenas 4,6 l/100km.

Principais avarias e problemas

Nalguns modelos produzidos até abril de 2019 pode haver um consumo de óleo mais elevado devido a uma anomalia numa junta.

Pode surgir algum ruído no sistema de verificação do ESP, algo que se resolve com uma reprogramação.

Algumas unidades fabricadas até maio de 2018 podem apresentar uma diferença de potência no fluxo do ar condicionado entre o lado esquerdo e o lado direito o que leva à substituição do líquido de refrigeração.

Suzuki Swift (2017-2024)
6.5 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Equipamento
Fiabilidade
Comportamento dinâmico
Contras
Conforto
Insonorização
Fiabilidade8
Custos de manutenção6.5
Desvalorização6.5
Qualidade dos materais5.5
Habitabilidade e bagageira6
Segurança6
Conforto5.5
Consumo combustível7
Comportamento dinâmico7
Performance6.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Nissan X-Trail (2014-2022)

Published

on

Esta terceira geração do Nissan X-Trail é um SUV que esteticamente se afastou dos seus antecessores, ganhando formas mais fluídas e menos direitas e assemelha-se mais a uma espécie de Qashqai “XL”, uniformizando um pouco o design das suas propostas.



Ao deixar de comercializar o Qashqai +2 com sete lugares, a Nissan acabou por fazer deste X-Trail a opção na sua gama de modelos para famílias que necessitavam desse tipo de lotação. Apesar do espaço na terceira fileira de bancos não ser muito generoso, a habitabilidade deste SUV é muito boa quando se opta por rebater os bancos da última fileira e circular apenas com cinco lugares, sendo que a fileira central pode avançar ou recuar, permitindo alguma polivalência. Neste caso a sua bagageira atinge os 445 litros de capacidade, mas na lotação de 7 lugares é preciso equacionar muito bem o que levar pois não fica muito espaço na mala.

Este X-Trail também herda muita da estética interior do Qashqai, surgindo também ele com um desenho funcional e um bom nível de montagem dos vários painéis. A posição de condução é boa e beneficia de vários ajustes do banco e da coluna de direção. Bem equipado de série, este modelo nipónico mostra-se um bom companheiro de viagem para os seus ocupantes.

Com uma afinação da suspensão que privilegia o conforto o X-Trail suprime bem as irregularidades do piso, mas já não é tão eficaz a controlar os movimentos da carroçaria, o que, associado a uma direção leve no tato e pouco informativa, não faz dele propriamente um rei do comportamento dinâmico quando o trajeto se revela mais sinuoso. A insonorização podia ser melhor uma vez que o ruído do motor, especialmente os Diesel, e os ruídos aerodinâmicos e de rolamento marcam alguma presença no habitáculo. Não é algo insuportável, mas podia ser melhor.

Motores

O Nissan X-Trail tem uma gama de motores simples com três propostas. A primeira é uma unidade a gasolina com 1.6 litros de cilindrada e 163 cv de potência máxima, seguindo-se as opções Diesel com o 1.6 dCi de 130 cv de potência e ainda o 2.0 dCi com 177 cv disponível tanto para o X-Trail 4×2 como 4×4. As opções Diesel marcam pontos mais pelos seus consumos pois considerando as dimensões e peso do X-Trail (em torno dos 1600 kg nos modelos Diesel) eles apresentam uma média de consumos de 4,9 l/100km no caso do 1.6 dCi e de 5,6 l/100km no caso do 2.0 dCi, dados fornecidos pela marca.

Principais avarias e problemas

Algumas unidades fabricadas entre março de 2015 e outubro de 2015 equipadas com o motor 1.6 DIG-T a gasolina podem ter problemas no arranque ou na aceleração, algo que é resolvido com uma reprogramação.

O sistema de travagem autónoma pode necessitar de ser reprogramado pois pode ser acionado intempestivamente por pequenos objetos que passem na frente do X-Trail.

Nissan X-Trail (2014-2022)
6.4 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Consumos
Equipamento
Habitabilidade
Contras
Insonorização
Comportamento dinâmico
Fiabilidade7
Custos de manutenção6.5
Desvalorização6
Qualidade dos materais6.5
Habitabilidade e bagageira7
Segurança6.5
Conforto6
Consumo combustível6.5
Comportamento dinâmico5.5
Performance6
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler
Publicidade

Publicidade

Newsletter

Ultimas do Fórum

  • por Mrodrigues
    Procurei e não encontrei nenhum tópico para o modelo. Está prestes a aparecer mais um Skoda
  • por topspeedPT
    2022 - (Max Chilton) McMurtry Spéirling: 0:39.08(-0.82s) 2019 - (Romain Dumas) Volkswagen I.D. R: 0:39.90 1999 - (Nick Heidfeld) McLaren-Mercedes...
  • por SenhorVX
    O novo aditivo da Liqui Moly faz mesmo sentido usar ou é um placebo que não faz falta nenhuma? Algum com opinião acadêmica sobre o tema? Eu...
  • por QVWHITE
    Bom dia agradeço a vossa ajuda em duas questões. a primeira, a sprinter tem a luz de motor acesa, fez diagnóstico em duas garagens...

Em aceleração