Junta da cabeça queimada: o que é? – Motorguia
Ligue-se connosco

Manutenção

Junta da cabeça queimada: o que é?

Published

on

A junta da cabeça queimada pode ser uma das avarias mais dispendiosas do seu carro. Quase tão má como o motor gripado. Saiba como evitar.

A junta da cabeça é uma peça que está posicionada entre os cilindros do motor e que faz a ligação do bloco à cabeça do motor. Em termos práticos separa o óleo que lubrifica o motor da água que o arrefece, impedindo que se misturem. Funciona como um retentor de água para evitar que esta saia para fora do motor e que entre para o circuito de lubrificação.

As juntas da cabeça podem ser feitas em ligas metálicas diversas, compostos à base de cortiça e materiais impermeáveis e resistentes ao calor e a temperaturas elevadas. Os motivos para se danificarem e causarem danos ao motor estão normalmente ligados com defeitos e mau funcionamento no sistema de refrigeração. Conheça os principais:

1 – Falta de água ou líquido no sistema de refrigeração

Deve verificar periodicamente o nível do líquido de refrigeração, em especial no Verão, altura em que tende a evaporar, devido ao aumento das temperaturas de funcionamento do motor.

Se notar que o nível do líquido de refrigeração está abaixo do mínimo, coloque de imediato água até ao nível máximo. De seguida consulte a sua oficina e tente perceber se existe perda de líquido por algum motivo.

Se esta luz aparecer no painel de instrumentos a nossa recomendação é para que pare de imediato. Pode ficar com a junta da cabeça queimada se continuar a viagem

2 – Cuidado com os tubos

A principal causa de perda do líquido de refrigeração, também conhecido por “água do radiador”, está relacionada com os tubos de borracha do sistema de refrigeração que com o passar do tempo vão ganhando folgas e perdendo elasticidade, ao ponto de quebrarem e começarem a perder líquido.

Ao verificar que o nível do líquido de refrigeração desce de forma constante, passe de imediato na oficina. Atualmente com um simples teste de pressão conseguem perceber se existe fuga no sistema.

3 – Radiador também avaria

A qualidade do líquido de refrigeração e muitas vezes da água que se coloca no reservatório acaba por criar resíduos de calcário no sistema, ficando depositados no radiador ao ponto de obstruírem a passagem. O radiador também sofre com o sobreaquecimento e acaba por se danificar. Os favos de arrefecimento são um dos pontos fracos do radiador.

4 – Aviso de sobreaquecimento

O indicador de temperatura do seu carro é importante para que monitorize o aquecimento do motor, tanto nos dias frios como nos de intenso calor. Se lhe aparecer a luz de temperatura no painel de instrumentos deve parar de imediato. Este aviso pode salvar-lhe umas largas centenas de euros se parar de imediato.

Quando a temperatura passa dos 90 graus deve parar o carro e verificar o reservatório de água do radiador

Não arrisque meter água no reservatório e seguir viagem. Pode fazer apenas mais uns quilómetros e danificar de forma irreversível a junta da cabeça, obrigando à sua substituição.

5 – Como ter a certeza que a junta queimou

Está na dúvida se a junta queimou depois da luz de temperatura acender e do manómetro da temperatura ter passado dos 90 graus. A única forma de saber se a junta da cabeça resistiu é submeter o seu carro a um teste de gases, fazendo o diagnóstico da pressão no circuito de refrigeração através de equipamento de consegue detetar a presença de gases do motor no circuito.

Se não fizer este teste e o seu carro continuar a perder água e a deitar fumo branco pelo escape (veja o nosso artigo sobre os vários tipos de fumo) então prepare-se para substituir a junta da cabeça. E faça-o o quanto antes. A água misturada com o óleo do motor resulta em motor gripado, e essa é a pior de todas as avarias, a mais dispendiosa que existe em matéria de mecânica.

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Manutenção

Saiba como poupar os seus travões

Published

on

Os travões são dos elementos mais determinantes na segurança de um veículo e devem ser utilizados de forma eficaz e garantir que estão em bom estado para que o seu rendimento seja o ideal.



Saber utilizar bem o sistema de travagem pode ajudar a reduzir o seu desgaste e com isso marcar pontos tanto na segurança como na carteira, pois dessa forma só terá de substituir as pastilhas, ou até os discos, mais tarde, do que se abusar dos travões.

Assim, conduza de forma suave sem abusar de acelerações ou travagens bruscas. Quando travar o ideal é que pressione o pedal com convicção no início da travagem e depois vá aliviando o pé reduzindo o esforço. Não deixe demasiado tempo o pé no pedal. Desta forma causa menos desgaste nas pastilhas, nos discos e na própria bomba de travões pois está a causar menos desgaste nos componentes devido à fricção ou ao sobreaquecimento.

Sempre que possível recorra ao efeito de travão motor utilizando a caixa de velocidades de forma a que seja o rendimento do motor a “segurar” o carro em vez de ir sempre “pendurado” nos travões.

Desta forma os elementos do sistema de travagem mantêm o seu bom estado durante mais tempo com óbvios benefícios para a condução, segurança e custos de manutenção.

Continuar a ler

Manutenção

Como lidar com o frio

Published

on

O inverno e as baixas temperaturas colocam desafios aos automóveis que vão além das dificuldades de encontrar gelo ou neve na estrada. O próprio veículo deve ser verificado para evitar contratempos em plena estação fria.



Aqui lhe deixamos alguns conselhos para verificar alguns elementos que podem ser determinantes quando circulamos com temperaturas mais baixas do que o normal:

– Bateria
-As baterias são dos elementos que mais sofrem com as baixas temperaturas. O maior uso dos limpa para-brisas, das luzes dos bancos ou espelhos aquecidos vão exigir um maior consumo da bateria o que associado às baixas temperaturas não ajuda nada a que a bateria mantenha a sua carga em boas condições. Veja o estado dos bornos de contacto, limpe-os e verifique também o líquido e a carga da bateria.

– Pneus
Normalmente, os pneus mais utilizados no nosso país são os denominados pneus de verão. No entanto para quem viva em zonas onde o inverno é mais agressivo e exigente, é bom equacionar a utilização de pneus de inverno durante a época fria ou então optar por um pneu de todas as estações que pode ser usado todo o ano. Estes pneus (de inverno ou “all weather”) asseguram uma maior tração e um melhor desempenho na travagem em piso molhado, com neve ou com gelo. Independentemente do tipo de pneus que utilize veja sempre se estes estão com a pressão recomendada pelo fabricante.

– Anticongelante
O líquido anticongelante que está no sistema de refrigeração do motor é determinante para o bom funcionamento do mesmo. Assegure-se que está dentro do nível e reponha se for necessário. Além disso lembre-se que o produto anticongelante tem uma duração de dois anos, altura a partir da qual começa a perder qualidade. Por isso pode sempre verificar o ponto de congelação do anticongelante numa oficina e se for necessário substituí-lo.

– Iluminação
Conduzir no inverno implica sempre conduzir em dias com menos horas de luz e mais escuros, por isso as luzes ganham especial importância para garantir que o condutor tem uma boa visibilidade. Veja o estado de todas as luzes e substitua as lâmpadas que lhe parecem em pior estado. Além disso tenha a certeza que tem um kit de luzes de substituição pois nunca se sabe quando uma pode fundir e não convém nada ver mal ou não ser bem visto no meio de uma tempestade.

– Limpa para-brisas
Esta altura do ano é a ideal para ver o estado das escovas do limpa para-brisas. Veja se estão a remover bem a água da superfície vidrada se a borracha mantêm uma boa flexibilidade e se não têm nenhuma falha. Se necessário troque as escovas pois assim garante um bom funcionamento das mesmas, melhorando a sua visibilidade e evitando que o mau estado das escovas possa riscar o para-brisas, por exemplo.

– Outras precauções
Além deste trabalho preventivo com o seu veículo, assegure-se também que nesta época fria o seu carro tem uma espécie de kit de sobrevivência. Nesse kit inclua líquido lubrificante anticongelante pois pode ser que um dia de manhã o carro não abra as portas porque as fechaduras congelaram. Tenha um agasalho guardado pois nunca se sabe quando pode ter uma avaria e ficar parado ao frio algumas horas. Em zonas de gelo e neve tenha correntes no carro para utilizar se este estiver equipado com pneus de verão. Por fim, uma lanterna também não fará mal nenhum pois pode precisar de iluminação extra para resolver uma avaria simples ou para encontrar ajuda.

Continuar a ler

Manutenção

Os riscos de andar com o carro na reserva

Published

on

Pelas mais variadas razões por vezes é inevitável andar com o nosso veículo na reserva de combustível, mas tal deve ser evitado e nunca deve chegar ao ponto de se tornar um hábito pois pode ter consequências a nível mecânico, consequências essas que podem não ser baratas de resolver.



No depósito de combustível de um veículo é natural que o no seu fundo se acumulem resíduos, detritos ou impurezas provenientes do combustível e que com o tempo ficam sedimentadas na base do depósito.

Quando se circula com o veículo na reserva aumenta a probabilidade deste tipo de impurezas entrarem no sistema de alimentação do motor podendo causar danos no mesmo.

Para começar, podem entupir o filtro de combustível, que é a primeira “barreira” para impedir que este tipo de detritos entrem no motor. Logo aqui o funcionamento sai prejudicado e se o filtro deixar passar as impurezas acumuladas no fundo do depósito, então a próxima “vítima” podem ser os injetores.

Mas os problemas podem não ficar pelo filtro de combustível ou pelos injetores. Também os próprios cilindros podem ser afetados se as impurezas chegarem até à câmara de combustão do motor.

Compreensivelmente qualquer reparação ou substituição necessária, devido a problemas nos injetores ou nos próprios cilindros, é um arranjo que não é propriamente barato.

Além de todos estes inconvenientes também convém não esquecer que nalguns automóveis a bomba de combustível está dentro do próprio depósito, imersa pois utiliza o próprio combustível como lubrificante. Se andar regularmente com o carro na reserva isso pode levar a bomba de combustível a sobreaquecer, o que acelera o seu desgaste podendo levar à sua substituição. Mais um custo desnecessário.

Portanto evite andar com o seu veículo constantemente na reserva. Faça o exercício mental de assumir que o traço que assinala o quarto de depósito é a reserva e não deixe o ponteiro passar abaixo dessa marca. Assim poderá evitar dissabores futuros.

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Newsletter

Em aceleração